Opinião

Discurso pelo Movimento Salve Jóquei na Câmara de Vereadores de Goiânia

diario da manha

Bom dia, Ex­ce­len­tís­si­mos se­nho­res ve­re­a­do­res, se­nho­ras ve­re­a­do­ras, de­mais tra­ba­lha­do­res e vi­si­tan­tes des­ta ca­sa.

Agra­de­ço es­ta opor­tu­ni­da­de à pes­soa da ve­re­a­do­ra Dra. Cris­ti­na Lo­pes, va­lo­ro­sa mu­lher, aguer­ri­da e com­pa­nhei­ra das lu­tas em nos­sa ci­da­de.

Sen­si­bi­li­za­das com a cau­sa do Mo­vi­men­to Sal­ve Jó­quei, es­ta­mos aqui ho­je, pa­ra fa­lar des­se pa­tri­mô­nio his­tó­ri­co, cul­tu­ral, ar­qui­te­tô­ni­co e so­ci­al, em nos­sa ci­da­de.

Pre­ci­sa­mos fa­lar, com bas­tan­te pe­sar, da pos­si­bi­li­da­de de ver­mos o fim des­se pa­tri­mô­nio, na pers­pec­ti­va de que es­ta ca­sa, com­pos­ta por no­bres par­la­men­ta­res, aten­tos às ques­tões da nos­sa ci­da­de, da nos­sa his­tó­ria, da nos­sa qua­li­da­de de vi­da go­i­a­ni­en­se, se sen­si­bi­li­ze, de­fi­ni­ti­va­men­te, e se jun­te à nos­sa cau­sa.

É ini­ma­gi­ná­vel, se­nho­res, se­nho­ras… É ini­ma­gi­ná­vel, nos di­as de ho­je, pen­sar­mos co­mo ir­re­le­van­te, es­se pré­dio de “lu­xo”, no cen­tro de nos­sa ci­da­de. Cen­tro es­te, on­de já es­ti­ve­ram o gla­mour da ci­da­de, as me­lho­res re­si­dên­cias, os me­lho­res ba­res e res­tau­ran­tes. O me­lhor clu­be so­ci­al.

O Jó­quei Clu­be de Go­i­ás há mais de ses­sen­ta anos, re­ce­beu uma área pú­bli­ca do fun­da­dor de Go­i­â­nia, o en­tão Go­ver­na­dor Dr. Pe­dro Lu­do­vi­co Tei­xei­ra, e eri­giu, no cen­tro da ci­da­de, uma se­de so­ci­al mo­der­na, ar­qui­te­ta­da pe­lo re­no­ma­do Pau­lo Men­des da Ro­cha, um ilus­tre re­pre­sen­tan­te bra­si­lei­ro, da Ar­qui­te­tu­ra Mo­der­na.

Es­ta obra é com­pos­ta de par­que aquá­ti­co, qua­dras de tê­nis, squash, pe­te­ca, sa­u­nas fe­mi­ni­na e mas­cu­li­na, bar, res­tau­ran­te, am­plo sa­lão de fes­tas e ou­tros am­bi­en­tes e sa­las. Já te­ve um bos­que, com ár­vo­res cen­te­ná­ri­as e até, o trans­bor­dar de uma mi­na de água, acre­di­tem. Mas es­te bos­que foi der­ru­ba­do.

Cri­mi­no­sa­men­te der­ru­ba­do. Com a jus­ti­fi­ca­ti­va de que ou­tras ár­vo­res se­ri­am plan­ta­das, no hi­pó­dro­mo. Se­rá que fo­ram, ve­re­a­do­ra Cris­ti­na?

Se­rá que vi­ra­ram ban­qui­nhos ou o quê, os an­gi­cos e ou­tras ár­vo­res que fo­ram bar­ba­ra­men­te ex­traí­das e mor­tas, há qua­se 10 anos? É pre­ci­so en­xer­gar as ár­vo­res co­mo ser vi­vo.

É pre­ci­so que cu­i­de­mos mais da vi­da, se­nho­ras e se­nho­res!

Em nos­sa ci­da­de, é gran­de, a in­ci­dên­cia de cri­mes do­més­ti­cos. Nos úl­ti­mos 10 anos, quan­tos cri­mes e agres­sões e con­tra­ven­ções co­me­ti­das por jo­vens, ve­re­a­dor Ka­ju­rú? O se­nhor, as­sim co­mo seus pa­res aqui nes­ta ca­sa de leis, sa­bem a im­por­tân­cia da prá­ti­ca de es­por­tes, da con­vi­vên­cia so­ci­al e do la­zer, pa­ra as su­as fa­mí­lias, é cer­to. Eu te­nho cer­te­za que os no­bres se­nho­res e se­nho­ras po­dem ima­gi­nar o po­der dis­so tu­do pa­ra to­das as fa­mí­lias; pa­ra a ci­da­de.

Pen­sar o va­lor que Dr. Pe­dro Lu­do­vi­co deu a es­tes di­rei­tos hu­ma­nos em Go­i­â­nia, é pen­sar Go­i­â­nia, nos­sa his­tó­ria. É pen­sar a sa­be­do­ria de um ges­tor equi­li­bra­do, ar­ro­ja­do, exem­plar.

Ain­da que pen­se­mos o Jó­quei com uma his­tó­ria eli­ti­za­da e “pa­ra pou­cos”, co­mo te­mos ou­vi­do, is­to não di­mi­nui a sua im­por­tân­cia pa­ra to­da a ci­da­de. Nes­se pro­ces­so, per­ce­be­mos o quan­to pre­ci­sa­mos dis­cu­tir a ci­da­de.

Es­ta­mos aqui ho­je, por­que te­nho a cer­te­za de que nos­so Pre­fei­to Íris Re­zen­de quer is­to. Que a gen­te fa­ça po­lí­ti­ca, que dis­cu­ta o Bem co­mum. Nós, que so­mos agen­tes po­lí­ti­cos, que so­mos for­ma­do­res de opi­ni­ão, pre­ci­sa­mos pen­sar jun­tos e dis­cu­tir e re­sol­ver a ci­da­de, con­ci­li­an­do in­te­res­ses.

Se por um la­do, a eli­te se eva­diu do Cen­tro, por ou­tro la­do, o Cen­tro con­tém um equi­pa­men­to que po­de agre­gar qua­li­da­de de vi­da à ci­da­de e que es­tá sem uso, fe­cha­do. Is­to não é in­te­li­gen­te, é ab­sur­do, em tem­pos de ví­ci­os ci­ber­né­ti­cos, de­pres­sões, an­sie­da­des, úl­ce­ras e ou­tras do­en­ças fí­si­cas e emo­cio­nais, de­cor­ren­tes do mo­do de vi­da ao qual te­mos nos en­tre­ga­do.

Nós as­sis­ti­mos, no­bres edis, di­a­ria­men­te, pe­la tv, as bron­cas da ci­da­de, nos re­cla­mes da SMS. As­sis­ti­mos o apoio dos ex­ce­len­tís­si­mos às cau­sas po­pu­la­res. A in­dig­na­ção com os ser­vi­ços pú­bli­cos de sa­ú­de.

Mas nós sa­be­mos da im­por­tân­cia da qua­li­da­de de vi­da, pa­ra a sa­ú­de. Te­nho fre­quen­ta­do clí­ni­cas mé­di­cas, se­nho­res, se­nho­ras… É mui­to tris­te, viu… As pes­so­as es­tão des­cren­tes da vi­da, tran­stor­na­das com tan­ta in­for­ma­ção. Es­tão ver­des, des­bo­ta­das. Gru­da­das em seus smart fo­nes. Se di­ver­tin­do pas­si­va­men­te, nos ga­mes. Se en­vol­ven­do emo­cio­nal­men­te, nas re­des so­ci­ais vir­tu­ais. Se ali­men­tan­do às pres­sas, com es­quen­ta­dos, ou nos co­mér­cios.

E o que se for­ta­le­ce é o mer­ca­do que aco­de com me­di­ca­ções, des­car­tá­veis, os­ten­tá­veis e su­pér­fluos des­ne­ces­sá­rios.

É ur­gen­te, a mu­dan­ça da cul­tu­ra. Nos­sa so­ci­e­da­de es­tá vi­ci­a­da em há­bi­tos cor­ro­si­vos, em uma vi­da ro­bo­ti­za­da, neu­ro­ti­za­da, na­tu­ral­men­te. E ve­mos o re­sul­ta­do dis­so na in­ci­dên­cia de do­en­ças di­ver­sas, na vi­o­lên­cia ge­ne­ra­li­za­da das ru­as, das es­co­las, nas fa­mí­lias.

A cul­tu­ra da vi­da exi­ge sol, exi­ge la­zer e qua­li­da­de de vi­da pa­ra to­dos. Sem dis­tin­ção de clas­se, ra­ça, ida­de, pro­fis­são. Por­que a cul­tu­ra não é só a ex­pres­são da ar­te de um po­vo. A cul­tu­ra es­tá tam­bém, nas tra­di­ções, na cu­li­ná­ria, nos há­bi­tos e cren­ças de um po­vo.

Nós que­re­mos a pre­ser­va­ção do Jó­quei Clu­be de Go­i­ás. Mui­tos em nos­so gru­po Sal­ve Jó­quei, nem só­ci­os são, mas es­tão nes­ta lu­ta. Têm con­sci­ên­cia co­le­ti­va, são uns no­bres. Apren­de­ram o que é Edu­ca­ção Pa­tri­mo­ni­al. Têm amor à His­tó­ria de nos­so po­vo. Pa­ra mui­tos, sa­ú­de é o que in­te­res­sa!!

Nós con­ta­mos com es­ta ca­sa de leis. Con­ta­mos com a re­per­cus­são des­te mo­men­to, pa­ra que nos­so Pre­fei­to Íris Re­zen­de, nos­so Go­ver­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo e de­mais au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes se sen­si­bi­li­zem e nos apoi­em. Não te­mos na­da de­fi­ni­do, quan­to à pro­pos­ta de des­ti­na­ção, mas te­mos vá­ri­as su­ges­tões e que­re­mos ga­ran­tir o de­ba­te. É le­gí­ti­mo, nos­so plei­to.

Inú­me­ros jo­que­a­nos não vi­ram o cha­ma­men­to pa­ra a As­sem­bleia que de­fi­niu a ven­da do clu­be. As­sem­bleia es­ta, que con­tou com 11 dos 20 jo­que­a­nos re­mi­dos, pre­sen­tes.

Aos jo­que­a­nos do Sal­ve Jó­quei ho­je, se so­mam di­ver­sas ou­tras pes­so­as e en­ti­da­des pú­bli­cas. As dou­to­ras ar­qui­te­tas pla­ne­jam uma Pes­qui­sa Mul­ti­dis­ci­pli­nar, so­bre a his­tó­ria do Jó­quei até aqui e es­ta pes­qui­sa con­ta­rá com a abor­da­gem da ques­tão so­ci­al. Te­re­mos, pa­ra os anais da His­tó­ria, a im­por­tân­cia po­lí­ti­ca, cul­tu­ral e so­ci­al des­ta obra e das pes­so­as que por ela tran­si­ta­ram.

Se­jam, co­mo nós, per­so­na­gens do Bem, nes­ta His­tó­ria. Não sa­be­mos se se­rá ne­ces­sá­rio e pos­sí­vel uma par­ce­ria com o po­der pú­bli­co. Não sa­be­mos se se­rá ne­ces­sá­ria, a ven­da de um pe­da­ço do ter­re­no.

São ines­ti­má­veis as es­tó­ri­as que te­mos ou­vi­do so­bre Dr. Pe­dro Lu­do­vi­co e seus ter­nos bran­cos, à bei­ra da pis­ci­na, nas noi­tes de bai­le; e de Mau­ro Bor­ges e sua Lur­des. Dos car­na­vais de mar­chi­nhas e lan­ça per­fu­me. Me­mó­ri­as mais re­cen­tes, das dis­co­te­cas dos anos 70, dos jo­gos dos anos 80… Da par­ce­ria re­cen­te, na ges­tão do ex pre­fei­to Pe­dro Wil­son, com a Es­co­li­nha de Es­por­tes, quan­do a co­mu­ni­da­de ali vi­zi­nha, po­dia des­fru­tar do clu­be.

Va­mos cons­tru­ir mais es­tó­ri­as, va­mos re­fa­zer o bos­que, re­cu­pe­rar a mi­na de água?? Va­mos ga­ran­tir à ci­da­de de Go­i­â­nia, mais la­zer, mais con­vi­vên­cia so­ci­al, mais es­por­te e quem sa­be, mais tu­ris­mo, se­nho­ras ve­re­a­do­ras, se­nho­res ve­re­a­do­res? Aque­la, é uma re­gi­ão que pe­de re­vi­ta­li­za­ção há dé­ca­das. A re­cu­pe­ra­ção do Jó­quei Clu­be de Go­i­ás ali, po­de con­tri­bu­ir com es­se pro­ces­so.

É imen­su­rá­vel o va­lor de se po­der, a qual­quer ho­ra do dia, dar uma na­da­da ou pra­ti­car ou­tro es­por­te, to­mar uma sa­u­na, fa­zer uma re­fei­ção, en­con­trar um bom pa­po ou um can­ti­nho pa­ra ler ou fi­car qui­e­ti­nho, con­tem­plan­do o céu, to­man­do um ven­to.

É imen­su­rá­vel o pra­zer de an­dar em uma ci­da­de e, ao lon­go da vi­da, se iden­ti­fi­car com ela, sa­ber das ri­que­zas de­la, des­fru­tar do me­lhor que ela po­de dar. Ca­da vez mais.

Eu ti­ve fi­nais de se­ma­na fe­li­zes, em fa­mí­lia, no clu­be. No Jó­quei Clu­be. Eu não pos­so que­rer me­nos do que is­to, pa­ra meus fi­lhos e pa­ra os ne­tos, que vi­rão.

Con­ta­mos com os se­nho­res, ex­ce­lên­cias. Nos aju­dem a sal­var o Jó­quei Clu­be de Go­i­ás, em Go­i­â­nia. Nos­sa ci­da­de me­re­ce a his­tó­ria lin­da que tem. E nós me­re­ce­mos pre­ser­vá – la.

Mui­to obri­ga­da pe­la aten­ção, mui­to obri­ga­da, ve­re­a­do­ra Cris­ti­na.

A his­tó­ria de Go­i­â­nia sa­be­rá sem­pre, re­co­nhe­cê – la e re­com­pen­sá – la por seu tra­ba­lho em no­me do Bem co­le­ti­vo. Pa­ra­béns pe­la ati­tu­de!!

Mais uma vez, Bom Dia a to­dos e to­das!!

 

(Fla­via Ca­lil, ba­cha­rel em Di­rei­to, ser­vi­do­ra pú­bli­ca mu­ni­ci­pal)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais