Opinião

Dominação rural da cidade - I

diario da manha

Em­bo­ra as “áre­as ru­ra­is” te­nham ori­gem re­cen­te, mos­tran­do que a ve­lha di­co­to­mia en­tre o mun­do ru­ral e o mun­do ur­ba­no não po­de mais ser vá­li­da pa­ra es­tu­dar o as­sen­ta­men­to de um ter­ri­tó­rio, as cha­ma­das “zo­nas ru­ra­is” de Mi­nei­ros con­ti­nuam do­mi­nan­do a ci­da­de, dan­do-lhe sus­ten­to e vi­da, es­tan­do ca­da vez mais ins­tru­í­das, ci­vi­li­za­das, chei­as dos re­qui­fi­fes de uma so­ci­e­da­de de­pres­si­va e sem ru­mo. “Ci­vi­li­za­ção”, ali­ás, que já na ori­gem la­ti­na (ci­vis), quer di­zer ci­da­de ou Cul­tu­ra das ci­da­des, che­gan­do Karl Marx a afir­mar que “a se­de da ci­vi­li­za­ção an­ti­ga era a ci­da­de (Grun­dris­se, 1857-59) e o que Aris­tó­te­les que­ria di­zer com zo­on pol­ti­ikon “era sim­ples­men­te que o ho­mem é um ha­bi­tan­te das ci­da­des” (O Ca­pi­tal, vol. 1), de on­de, por cer­to, tem con­se­gui­do do­mi­nar os cam­pos, no mí­ni­mo va­ti­ci­nan­do ser su­pe­ri­or em vi­da in­te­lec­tu­al, ar­tís­ti­ca, mo­ral e ma­te­ri­al.

Não ra­ro,  o que con­si­de­ro “ci­vi­li­za­ção ru­ral”, sem des­pre­zar os eru­di­tos ou  ci­vi­li­za­dos, tem a ver com “ru­ra­lis­mo”, pa­la­vra co­nhe­ci­da do lé­xi­co, com vá­rios sig­ni­fi­ca­dos, in­clu­si­ve ar­tís­ti­co; con­jun­to de prin­cí­pios bá­si­cos de um sis­te­ma que pre­co­ni­za a me­lhor ma­nei­ra de vi­da no cam­po; dou­tri­na dos ru­ra­lis­tas, im­pe­ri­o­sa e ma­chis­ta, mui­to em vo­ga; mo­vi­men­to po­lí­ti­co-ide­o­ló­gi­co des­se seg­men­to ou até ten­dên­cia de­mo­grá­fi­ca dos que gos­tam e se adap­tam à vi­da cam­pes­tre com su­as vi­go­ro­sas tra­di­ções, es­tan­do Go­i­ás for­te­men­te as­si­mi­la­do e vin­cu­la­do a es­ses “ide­ais” e cos­tu­mes, so­bre­mo­do a par­tir do sé­cu­lo XIX, con­so­li­dan­do-se nos sé­cu­los XX e XXI, tem­po em que os avan­ços in­dus­tri­ais e tec­no­ló­gi­cos já co­lo­cam o Es­ta­do en­tre os mais com­pe­ti­ti­vos, sem, con­tu­do, des­ca­rac­te­ri­zá-las, sen­do um bom exem­plo, em Mi­nei­ros, o ve­lho gos­to pe­lo quei­jo “ca­ba­ci­nha”, tam­bém cha­ma­do “fla­men­go”, que  che­ga a ser in­cen­ti­vo cul­tu­ral e eco­nô­mi­co.

As­sim co­mo em Rio Ver­de, Ja­taí e Cai­a­pô­nia, a mai­or par­te da po­pu­la­ção de Mi­nei­ros não pen­sa ou se com­por­ta de mo­do di­fe­ren­te. Sur­giu num po­vo­a­men­to ru­ral, dis­per­so, pa­tri­mo­ni­a­lis­ta, sob a égi­de da eco­no­mia do boi, pa­ra não di­zer, “ci­clo do boi”, on­de tu­do tem chei­ro de co­ro, es­tru­me de ga­do, ter­ra e for­te ati­vi­da­de ru­ral, ain­da pre­sen­te em qua­se tu­do o que se faz no cam­po e na ci­da­de, da ve­lha tra­di­ção ti­ran­do lei­te cru, mor­ni­nho, no cur­ral ru­de e tos­co, ao me­câ­ni­co, hi­gi­ê­ni­co, or­de­nha­do, lon­ge dos en­sai­os do boi bum­bá ama­zô­ni­co;  da “Ho­ra do Re­ca­do”, pro­gra­ma ru­ral da Rá­dio El­do­ra­do AM 790, pri­mei­ra aqui a se ins­ta­lar, e os ser­ta­ne­jos “Ca­fé com Vi­o­la” e “Mi­nu­to Co­mi­va”, da Emis­so­ra Ver­de Va­le FM 103,7, cu­jos do­nos são tam­bém  fa­zen­dei­ros, de­fen­so­res de se­gu­ran­ça mi­li­tar cha­ma­da “pa­tru­lha ru­ral”. Não po­dem ser es­que­ci­das a Rá­dio Pe­dra Apa­ra­da FM 87,9 e Rá­dio Re­gi­o­nal FM 88,5, tam­bém pre­o­cu­pa­das com o as­sun­to. No­tem que es­se for­te vi­és ru­ral, se não bas­tas­sem os ve­lhos “fer­ros” de mar­car os ani­mais, ten­do co­mo ob­je­ti­vo es­sen­cial iden­ti­fi­car a pro­pri­e­da­de e pos­se dos bens ma­te­ri­ais, se en­con­tra até na re­vis­ti­nha ur­ba­na, sa­tí­ri­ca, “Bo­la e Vi­o­la”, gram­pe­a­da, di­re­ção Oto­mar Mar­tins, fun­da­da des­de 1º de mar­ço de 1999, dis­tri­bu­í­da em Mi­nei­ros e Por­te­lân­dia, exi­bin­do de­par­ta­men­to até de de­sign. Com­pro­van­do es­sa só­li­da in­flu­ên­cia, eis al­guns dos re­ca­dos, exis­ten­tes des­de a fun­da­ção da El­do­ra­do em 1979, cu­ja pri­mei­ra no­tí­cia, por iro­nia do des­ti­no, foi a da mor­te trá­gi­ca num aci­den­te de avi­ão do De­pu­ta­do Jo­sé de As­sis e An­tô­nio Car­los Pa­ni­a­go, em 14 de ou­tu­bro do ano ci­ta­do, em Itu­ra­ma, Mi­nas Ge­ra­is, aque­le úl­ti­mo seu prin­ci­pal fun­da­dor.

“Aten­ção Lu­zia na Fa­zen­da Pon­te Al­ta, Ro­si­le­ne avi­sa que 5ª-fei­ra à tar­de irá bus­cá-la. Aten­ção Cé­lio, na Fa­zen­da 3 Ser­ras, vo­cê es­que­ceu sua mãe, vol­te pa­ra bus­cá-la. Aten­ção Ru­te, no Re­flo­res­ta­men­to da Co­mi­va, sua mãe De­ja­ni­ra avi­sa que o re­sul­ta­do fi­ca pron­to quin­ta-fei­ra, às 13 ho­ras (uma ho­ra). Aten­ção Eli­ze­na, na Fa­zen­da Ser­ra Ver­de, sua fi­lha Elai­ne avi­sa que o Da­i­mi­ler es­tá in­ter­na­do mas pas­sa bem, aguar­de no­vos re­ca­dos. Te­re­zi­nha, no As­sen­ta­men­to Pou­so Ale­gre, sua ir­mã Nil­va avi­sa que seus pa­is es­tão bem. A Co­mi­va es­tá con­tra­tan­do ho­mens pa­ra tra­ba­lhar em seus ar­ma­zéns, in­te­res­sa­dos tra­tar no se­tor de re­cru­ta­men­to da Co­mi­va, Pra­ça Jo­sé de As­sis. Aten­ção Ana­li­ce na Fa­zen­da Ma­ta, Ag­na avi­sa que a Ân­ge­la che­ga­rá a Mi­nei­ros na quin­ta-fei­ra à noi­te e eles vão bus­cá-la na sex­ta-fei­ra. Aten­ção Po­sa­be­ti, na Fa­zen­da For­ta­le­za, mu­ni­cí­pio de Cai­a­pô­nia,-GO, o seu ir­mão Sa­ba­rá, pe­de pra vo­cê vim a Mi­nei­ros pa­ra vo­cê ir no Ad­vo­ga­do to­mar pro­vi­dên­cias nos seus ‘pro­ces­sos’, pa­ra sa­ir li­vre, e tra­zer 2 (dois mil cru­zei­ros. Se­nhor lo­cu­tor, fa­vor re­pe­tir es­te re­ca­do nes­ta da­ta: 25,26, 27, 28, 29, 30. Gra­to, Sa­ba­rá).”

Por tu­do o que já ocor­reu  nes­se âm­bi­to, cons­tru­in­do a his­tó­ria das for­mas e fun­ções da ci­da­de, que não se mo­di­fi­ca sem de­sen­vol­vi­men­to eco­nô­mi­co, in­dus­tri­al, co­mer­cial, co­mu­ni­ca­ção e tran­spor­te, le­vou Mi­nei­ros a ser cor­ta­da pe­las ro­do­vi­as BR-364, GO-194, GO-341, GO-306, GO-461 e GO O-542, se­gun­do IB­GE, mos­tran­do a pre­sen­ça dos três se­to­res bá­si­cos da eco­no­mia, apa­ren­te­men­te har­mo­ni­o­sos, qua­is se­jam: o pri­má­rio, ain­da bem vi­vo, emer­gen­te da ve­lha agro­pe­cu­á­ria; o se­cun­dá­rio, das in­dús­tri­as, re­cém-che­ga­das,  ten­do co­mo eco­no­mia pre­do­mi­nan­te a agri­cul­tu­ra, “so­bre­tu­do  vol­ta­da  pa­ra o plan­tio de so­ja, mi­lho, al­go­dão, fei­jão”, sem omi­tir a pe­cu­á­ria de cor­te e a de lei­te, com 36.100 va­cas or­de­nha­das ou “ga­do lei­tei­ro” do mu­ni­cí­pio, con­tan­do com uma uni­da­de da em­pre­sa Mar­frig, na ci­da­de des­de 2007; por fim, o se­tor ter­ci­á­rio, do co­mér­cio acen­tu­a­do com as in­dús­tri­as, con­cen­tra­do nas Ave­ni­das e Ru­as mais mo­vi­men­ta­das do cen­tro, já com vi­sí­vel vi­ta­li­da­de ur­ba­na, de­cor­ren­te, so­bre­tu­do, da for­te di­ver­si­da­de ét­ni­ca e do in­cen­ti­vo in­dus­tri­al por que pas­sa o Mu­ni­cí­pio; mos­tran­do o no­vi­da­dei­ro pro­ces­so de “rur­ba­ni­za­ção” ou “en­con­tro” da po­pu­la­ção ru­ral com a ur­ba­na, que se acen­tua a par­tir da dé­ca­da de 2000, com a ins­ta­la­ção de um po­lo da Per­di­gão e su­as con­se­quen­tes “mi­ni-in­dús­tri­as”, des­ta­ca­das pe­la Avi­cul­tu­ra. Se­gun­do IB­GE, nes­se pe­rí­o­do hou­ve a ins­ta­la­ção de uma usi­na su­cro­al­co­o­lei­ra da Ode­brecht Agro­in­dus­tri­al, mo­di­fi­can­do, so­bre­ma­nei­ra, a ro­ta­ção e di­ver­si­da­de de cul­tu­ras, já sen­do sub­sti­tu­í­da len­ta­men­te pe­la mo­no­cul­tu­ra da ca­na-de-açú­car, com pe­lo me­nos três usi­nas na re­gi­ão, a de Pe­ro­lân­dia, na Fa­zen­da Três Bar­ras, par­te cen­tral do Mu­ni­cí­pio; a do Al­to Ta­qua­ri, no Ma­to Gros­so; e a de Mi­nei­ros, nu­ma área are­no­sa do Mor­ro Ver­me­lho, mos­tran­do que, se as ri­cas eco­no­mi­as do Mu­ni­cí­pio fo­rem bem ad­mi­nis­tra­das, por cer­to não cai­re­mos  num pro­ces­so de  de­ca­dên­cia.

 

(Mar­ti­nia­no J. Sil­va, ad­vo­ga­do, es­cri­tor, mem­bro do Mo­vi­men­to Ne­gro Uni­fi­ca­do (MNU), da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras Mi­nei­ren­se de Le­tras e Ar­tes, IHGG, UBE­GO, Mes­tre em His­tó­ria So­ci­al pe­la UFG, Pro­fes­sor Uni­ver­si­tá­rio. (mar­ti­nia­nojsil­[email protected]­hoo.com.br))

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais