Opinião

Educação pública de qualidade, eu acredito!

diario da manha

A mi­gra­ção de alu­nos das es­co­las par­ti­cu­la­res pa­ra as pú­bli­cas re­gis­tra al­tas se­gui­das há al­guns anos e em 2018 não se­rá di­fe­ren­te. Um im­por­tan­te in­di­ca­dor que mos­tra que o fe­nô­me­no ain­da es­tá em as­cen­são são as ins­cri­ções pa­ra va­gas nas re­des de en­si­no mu­ni­ci­pal e es­ta­du­al, que ter­mi­nam em pou­cos di­as, até mes­mo ho­ras, de acor­do com a boa fa­ma da ins­ti­tu­i­ção de en­si­no. Pa­ra ser ter ideia, só em São Pau­lo, o nú­me­ro de alu­nos que mi­grou pa­ra a re­de pú­bli­ca au­men­tou em 25% em cin­co anos. Es­se au­men­to cres­cen­te se jus­ti­fi­ca não só pe­la cri­se eco­nô­mi­ca, que vem aper­tan­do o or­ça­men­to das fa­mí­lias e man­ten­do a ta­xa de de­sem­pre­go lá no al­to; mas tam­bém pe­los bons re­sul­ta­dos no en­si­no de mui­tas es­co­las pú­bli­cas. As mais pro­cu­ra­das pe­los pa­is são jus­ta­men­te aque­las com me­lhor de­sem­pe­nho. E o su­ces­so des­sas se es­pa­lha ra­pi­da­men­te.

Por­tan­to, o prin­ci­pal de­sa­fio da edu­ca­ção pú­bli­ca, di­an­te des­se no­vo pa­no­ra­ma, é o de au­men­tar a qua­li­da­de do en­si­no ofer­ta­do e man­ter a ex­ce­lên­cia nas es­co­las on­de os bons fru­tos já apa­re­cem e são re­co­nhe­ci­dos. O Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção Bá­si­ca (Ideb) tem apre­sen­ta­do re­sul­ta­dos po­si­ti­vos cres­cen­tes ao lon­go dos anos. Em 2015, por exem­plo, a mé­dia das no­tas nos anos ini­ci­ais do En­si­no Fun­da­men­tal foi 5,5. Mas a me­ta es­ti­pu­la­da pe­lo Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção (PDE) pa­ra 2022 é 6,0, mé­dia cor­res­pon­den­te a um sis­te­ma edu­ca­cio­nal de qua­li­da­de com­pa­rá­vel a de paí­ses de­sen­vol­vi­dos. Eu acre­di­to que con­se­gui­re­mos al­can­çá-la ou, pe­lo me­nos, che­ga­re­mos bem pró­xi­mo. Mas, pa­ra is­so, é fun­da­men­tal que o po­der pú­bli­co ofe­re­ça uma boa ca­pa­ci­ta­ção àque­les que exer­cem o pa­pel mais im­por­tan­te em to­do o pro­ces­so de en­si­nar nos­sas cri­an­ças: os pro­fes­so­res. Eles pre­ci­sam ter aces­so a uma me­to­do­lo­gia atu­a­li­za­da de en­si­no, mo­der­na e ins­ti­gan­te, que con­tri­bua não só pa­ra trans­mi­tir os con­te­ú­dos di­dá­ti­cos tra­di­cio­nais, mas que de­sen­vol­va tam­bém nos alu­nos tan­to as ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas quan­to as so­ci­o­e­mo­cio­nais, a fim de con­tri­bu­í­rem efe­ti­va­men­te na for­ma­ção dos ci­da­dã­os do fu­tu­ro.

Tor­na-se ur­gen­te mo­der­ni­zar a me­to­do­lo­gia de en­si­no nas es­co­las pú­bli­cas. O “en­si­no in­dus­tri­al” em­pre­ga­do há mui­tos anos já não é o mais ade­qua­do pa­ra trans­mi­tir o co­nhe­ci­men­to, não su­pre to­das as ne­ces­si­da­des ine­ren­tes aos nos­sos alu­nos na­ti­vos di­gi­tais, em um mun­do em que tu­do mu­da num pis­car de olhos. Nos­sos pro­fes­so­res da re­de pú­bli­ca de­vem acom­pa­nhar es­sa cons­tan­te ebu­li­ção de no­vi­da­des e, pa­ra is­so, pre­ci­sam de cur­sos de aper­fei­ço­a­men­to pro­fis­si­o­nal. As Se­cre­ta­rias de Edu­ca­ção têm de es­tar aten­tas e pre­o­cu­pa­das com es­sa ques­tão quan­do de­sen­vol­ve­rem seus pla­nos de tra­ba­lho pa­ra 2018.

In­ten­si­fi­car a for­ma­ção pro­fis­si­o­nal de edu­ca­do­res pa­ra que de­sen­vol­vam no­vas ha­bi­li­da­des é o ca­mi­nho pa­ra uma edu­ca­ção de qua­li­da­de na es­co­la pú­bli­ca! Giz e qua­dro ne­gro não são mais as fer­ra­men­tas prin­ci­pa­is de um pro­fes­sor. Ago­ra, ele pre­ci­sa ser mu­ni­do de re­cur­sos di­gi­tais, ele­men­tos lú­di­cos de apren­di­za­gem e fer­ra­men­tas di­ver­sas que per­mi­tam que ele tam­bém trans­mi­ta en­si­na­men­tos de uma for­ma cri­a­ti­va, ino­va­do­ra e fi­que tão an­te­na­do em te­mas atu­ais quan­to seus alu­nos. O Go­ver­no do Es­ta­do de São Pau­lo já deu um pas­so à fren­te, au­to­ri­zan­do o uso de ce­lu­la­res em sa­la de au­la em to­das as es­co­las da re­de es­ta­du­al, co­mo mais uma fer­ra­men­ta de en­si­no e apren­di­za­gem. Cen­te­nas de es­co­las de mu­ni­cí­pios do in­te­ri­or pau­lis­ta tam­bém já con­tam com la­bo­ra­tó­rios de in­for­má­ti­ca e fa­zem uso de di­ver­sos re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos, co­mo ta­blets e apli­ca­ti­vos edu­ca­ti­vos pa­ra es­ti­mu­lar o apren­di­za­do das dis­ci­pli­nas.

A edu­ca­ção pú­bli­ca po­de, sim, ser de qua­li­da­de! Bas­ta que os go­ver­nan­tes reú­nam es­for­ços em prol de nos­sas cri­an­ças, pa­ra que es­te­jam pre­pa­ra­das pa­ra en­ca­rar o fu­tu­ro que já ba­te à nos­sa por­ta.

 

(Lu­is An­to­nio Na­mu­ra Pob­la­ci­on, pre­si­den­te da Plan­ne­ta (www.plan­ne­ta.com.br), en­ge­nhei­ro elé­tri­co pe­lo ITA – Ins­ti­tu­to Tec­no­ló­gi­co de Ae­ro­náu­ti­ca, com es­pe­cia­li­za­ção em Marke­ting e Ad­mi­nis­tra­ção de Em­pre­sas e MBA em Fran­chi­sing pe­la Lou­i­si­a­na Sta­te Uni­ver­sity e Ham­bur­guer Uni­ver­sity – Mc Do­nald´s. Atua na área de edu­ca­ção há mais de 35 anos)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais