Opinião

Esse País ainda tem jeito, ainda dá tempo

diario da manha

A mui­to se apren­de des­de os ban­cos da gra­du­a­ção que a im­par­cia­li­da­de do ju­iz é pres­su­pos­to de va­li­da­de do pro­ces­so, de­ven­do o ju­iz co­lo­car-se en­tre as par­tes e aci­ma de­las, sen­do es­ta a pri­mei­ra con­di­ção, se não a mais im­por­tan­te, pa­ra que pos­sa o ma­gis­tra­do exer­cer sua fun­ção ju­ris­di­cio­nal e se al­can­çar  a jus­ti­ça, que vai além do di­rei­to.  Es­te re­fe­ri­do pres­su­pos­to di­an­te de sua ine­xo­rá­vel im­por­tân­cia, tem ca­rá­ter uni­ver­sal e cons­ta da De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos do Ho­mem, ar­ti­go X: “To­do ser hu­ma­no tem di­rei­to, em ple­na igual­da­de, a uma jus­ta e pú­bli­ca au­diên­cia por par­te de um tri­bu­nal in­de­pen­den­te e im­par­ci­al, pa­ra de­ci­dir so­bre seus di­rei­tos e de­ve­res ou do fun­da­men­to de qual­quer acu­sa­ção cri­mi­nal con­tra ele.”

A im­par­cia­li­da­de do ju­iz além de ser em seu ápi­ce uma ga­ran­tia de jus­ti­ça pa­ra as par­tes é uma ga­ran­tia cons­ti­tu­ci­o­nal e do pró­prio Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to já que es­te ao re­ser­var pa­ra si o exer­cí­cio da fun­ção ju­ris­di­cio­nal, tem o cor­res­pon­den­te de­ver de agir com im­par­cia­li­da­de na so­lu­ção das cau­sas que lhe são sub­me­ti­das, man­ten­do as­sim o ei­xo axio­ló­gi­co da iso­no­mia.

O ju­iz dou­tra ban­da du­ran­te o pro­ces­so de co­nhe­ci­men­to vai dei­xan­do-se con­ven­cer in­ti­ma­men­te, a res­pei­to do que es­tá sen­do ofe­re­ci­do a ele nos au­tos, sem­pre com olhar cri­ti­co e ana­lí­ti­co ten­do a ob­je­ti­va­ção de a de­ci­são ser so­men­te o re­sul­ta­do des­te jul­ga­men­to, pois é ne­la que ele irá fun­da­men­tar seu jul­ga­men­to, de­mons­trar as mo­ti­va­ções que o fi­ze­ram che­gar a tal re­sul­ta­do.

Es­sa be­la e fa­la­cio­sa “te­o­ria” pou­co ou qua­se na­da se apli­ca a “prá­ti­ca fo­ren­se”. O que ve­mos aí a fo­ra são no­bres Jul­ga­do­res chei­os de ver­da­des re­ais pró­pri­as em um jo­go de chan­ta­gens e in­cer­te­zas que con­ta­mi­nam o pro­ces­so e a ga­ran­tia de sua efe­ti­vi­da­de num to­do. Nos cor­re­do­res da jus­ti­ça, sem­pre ou­vi­mos fa­lar um pou­co mais de al­guns ato­res des­se te­a­tro mais que ou­tros, quan­do sa­be­mos em qual “va­ra” caiu nos­so pro­ces­so a pre­o­cu­pa­ção se tor­na não so­men­te em co­lher e apre­sen­tar pro­vas, es­co­lher a me­lhor te­se etc, mas sim em ana­li­sar as con­du­tas an­te­rio­res do ju­iz, is­so na vas­ta e pan­ta­no­sa con­du­ta cri­mi­nal.

Nes­te di­a­pa­são, aden­tran­do o ter­re­no tra­ba­lhis­ta não vi­nha sen­do di­fe­ren­te até en­tão, sem­pre es­tu­dan­do o ca­so e o ju­í­zo ao qual foi agra­ci­a­do, mas por não ter atu­a­do em to­das as va­ras sem­pre apren­den­do com ca­da uma de­las fui me adap­tan­do aos pou­cos. Ou­vi sem­pre di­zer hor­ro­res da dé­ci­ma va­ra do tra­ba­lho des­ta ca­pi­tal, bo­chi­chos do ti­po “ju­iz pu­nho pe­sa­do, não é um ser hu­ma­no, mui­to ri­go­ro­so pa­ra não di­zer sem co­ra­ção”, vi­nha com uma ba­ga­gem já cheia de ex­pec­ta­ti­vas. Pa­ra mi­nha sur­pre­sa ao ajui­zar uma ação fui agra­ci­a­da com a no­bre sur­pre­sa de ser dis­tri­bu­í­da a tão te­mi­da dé­ci­ma va­ra.

A pre­o­cu­pa­ção foi tão in­ten­sa ao pon­to de fa­zer-me as­sis­tir uma au­diên­cia de ins­tru­ção di­as an­tes da que por mim foi pa­tro­ci­na­da pa­ra en­ten­der me­lhor de que ti­po de atu­a­ção se tra­ta­va. Pa­ra mi­nha gra­ta sur­pre­sa acre­di­to ter si­do pre­sen­te­a­da com o me­lhor que po­de­mos ter no sen­ti­do mais am­plo que de me­ra ex­pec­ta­do­ra, mas de eter­na apren­diz. En­quan­to se des­do­bra­vam os atos pri­má­rios da ten­ta­ti­va de con­ci­li­a­ção pu­der per­ce­ber na­que­le ce­ná­rio ad­vo­ga­dos um tan­to quan­to pre­o­cu­pa­dos em su­as co­lo­ca­ções, mas ao mes­mo tem­po meio per­di­dos quan­to seus po­si­cio­na­men­tos, pa­re­cia-me que o am­bi­en­te es­ta­va con­ta­mi­na­do por al­go que ain­da não con­se­guia des­cre­ver e te­mia pe­lo pi­or.

Com a voz de um tom um tan­to quan­to fir­me o ju­iz pre­si­den­te, Pe­dro Hen­ri­que Bar­re­to, ju­iz da te­mi­da 10ª va­ra do Tra­ba­lho de Go­i­â­nia, inau­gu­rou a au­diên­cia que se­ria de ins­tru­ção e jul­ga­men­to após lon­ga ten­ta­ti­va frus­tra­da das par­tes em acor­dar num tom su­til e in­tri­gan­te de se ana­li­sar o las­tro pro­ba­tó­rio. Du­ran­te to­da ex­pla­na­ção a par­te do Re­cla­man­te ale­gou tra­ba­lho in­tra­jor­na­da, ho­ras ex­tras, pa­ga­men­to por cai­xa dois, er­ros na es­ca­la den­tre ou­tras coi­sas. Por ou­tro la­do a par­te ex ad­ver­sa com uma te­se to­tal­men­te con­tra­ria ex­pla­na so­bre a in­con­sis­tên­cia das pro­vas do cai­xa dois e seus su­pos­tos va­lo­res, a ine­xis­tên­cia des­tes e de tu­do ale­ga­do, co­mo de pra­xe.

Par­tin­do pa­ra a oi­ti­va das tes­te­mu­nhas as do Re­cla­man­te que tam­bém eram por sua vez ex fun­cio­ná­rios da Re­cla­ma­da e já ha­vi­am  si­do tes­te­mu­nhas em ou­tros pro­ces­sos de co­le­gas, pas­sa­ram a di­zer com re­la­ção ao pa­ga­men­to por cai­xa dois va­lo­res di­a­me­tral­men­te opos­tos, en­quan­to um di­zia que o va­lor era apro­xi­ma­da­men­te R$ 800,00 o ou­tro afir­ma­va que ele e o co­le­gas nun­ca re­ce­be­ram me­nos de R$ 1,500.00 che­gan­do a re­ce­ber in­crí­veis R$ 3.000,00 só de co­mis­são em cai­xa dois ten­do o re­cla­man­te pos­tu­la­do por R$ 300.00 mês. Lo­go as tes­te­mu­nhas da Re­cla­ma­da com te­se opos­ta e tam­bém ex-fun­cio­ná­rios afir­ma­vam que nun­ca ocor­re­rá tal pa­ga­men­to a ne­nhum de­les e de ne­nhum va­lor.

Até aque­le mo­men­to a ro­ti­na era a de to­dos os di­as, te­se e an­tí­te­se, en­tão o ilus­tre MM. in­dig­nou-se com o te­a­tro ali ins­ta­la­do e pro­ce­den­do a con­tra­di­ta das tes­te­mu­nhas deu-lhes a opor­tu­ni­da­de de ex­pres­sa­rem mais uma vez qual se­ria a ver­da­de e em su­as pa­la­vras “ar­ru­ma­rem o que ha­vi­am di­to”. Di­an­te da im­pos­si­bi­li­da­de de obri­ga-los a di­zer a ver­da­de re­lem­brou que se men­tis­sem sai­ri­am da­li pre­sos, já que es­ta­vam em fla­gran­te de­li­to  de fal­so tes­te­mu­nho pe­lo ar­ti­go 342 CP, dan­do-lhes a opor­tu­ni­da­de da re­tra­ta­ção e ci­en­ti­fi­can­do-lhes do que acon­te­ce­ria ca­so con­ti­nu­as­sem com aque­la en­ce­na­ção e já pe­din­do que fos­se cha­ma­da a se­gu­ran­ça e for­ça po­li­ci­al. Nes­te me­mo­rá­vel mo­men­to a ad­vo­ga­da do Re­cla­man­te pe­diu pa­ra con­ver­sar com as tes­te­mu­nhas que atô­ni­cas com o que acon­te­cia não es­bo­ça­vam ne­nhu­ma re­a­ção.

De­pois de ter­mi­nar a au­diên­cia com um acor­do mui­to me­nor que o pre­ten­so no iní­cio na con­ci­li­a­ção, al­guns di­rão que tem me­do da 10ª va­ra, tão te­mi­da e amal­di­ço­a­da, eu no en­tan­to saí ali­vi­a­da de sa­ber que em­bo­ra o ju­iz se­ja um ser hu­ma­no que tem seus va­lo­res e con­vic­ções e não tem con­di­ções por si só de ser to­tal­men­te im­par­ci­al vi ali di­an­te de meus olhos o que tan­to es­pe­ra­va a bus­ca pe­la ver­da­de, não a das par­tes nem tão pou­co a dos au­tos mas sim a ver­da­de re­al. Sa­in­do da­li es­ta­pa­fúr­dia com o que ti­nha si­do aque­le mo­men­to que até en­tão só co­nhe­cia das dou­tri­nas, pu­der per­ce­ber que ain­da tem jei­to, bas­ta co­me­çar­mos que­bran­do nos­sos pre­con­cei­tos e fa­zen­do ca­da um ape­nas aqui­lo que de­ve ser fei­to, não aqui­lo que po­de aqui­lo que dá, mas sim aqui­lo que de­ve ser fei­to, sem pai­xão pe­la cau­sa, sem pa­ra­dig­mas exa­cer­ba­dos, in­de­pen­den­te­men­te de seu jul­ga­men­to pes­so­al.

Nes­te sen­ti­do en­si­na Mau­ro Cap­pel­let­ti que to­da a pro­ble­má­ti­ca da res­pon­sa­bi­li­za­ção ju­di­cial de­ve­rá re­du­zir-se a um es­for­ço no sen­ti­do de as­se­gu­rar a me­lhor si­tu­a­ção con­cre­ta pa­ra a atu­a­ção da­que­les va­lo­res mais al­tos, ou se­ja, me­nos ins­tru­men­tais, que se re­fle­tem nas nor­mas fun­da­men­tais da “jus­ti­ça na­tu­ral”: a im­par­cia­li­da­de do ju­iz e a fair­ness pro­ces­su­al e, con­se­quen­te­men­te, o ca­rá­ter tan­to quan­to pos­sí­vel “par­ti­ci­pa­ti­vo”, e nes­se sen­ti­do de­mo­crá­ti­co, da fun­ção ju­ris­di­cio­nal .

O ju­iz de­ve ser im­par­ci­al, mas is­so não sig­ni­fi­ca que de­va ser neu­tro. Im­par­cia­li­da­de não sig­ni­fi­ca neu­tra­li­da­de di­an­te dos va­lo­res a se­rem sal­va­guar­da­dos por meio do pro­ces­so. Não há vi­o­la­ção ao de­ver de im­par­cia­li­da­de quan­do o ju­iz se em­pe­nha que se­ja da­da ra­zão àque­la par­te que efe­ti­va­men­te agiu se­gun­do o or­de­na­men­to ju­rí­di­co. Ali­ás, o que de­ve im­por­tar ao ju­iz é con­du­zir o pro­ces­so de tal mo­do que se­ja efe­ti­vo ins­tru­men­to de jus­ti­ça, que ven­ça quem re­al­men­te tem ra­zão e foi so­men­te is­so que pre­sen­ci­ei na­que­le dia fa­tí­di­co.

Pro­ces­so efe­ti­vo é so­men­te aque­le que atin­ge to­dos os seus ob­je­ti­vos, o que não acon­te­ce se o ju­iz es­tá to­lhi­do e tem as mãos amar­ra­das, con­de­na­do a ser me­ro ex­pec­ta­dor de uma ba­ta­lha mui­tas ve­zes de­si­gual e que, sem sua in­ter­ven­ção, po­de re­sul­tar na vi­tó­ria de quem ne­nhum di­rei­to ma­te­ri­al ti­nha na­que­la hi­pó­te­se.

Di­an­te de to­do ex­pla­na­do e gra­ta pe­la sur­pre­sa, fe­liz com o apren­di­za­do, e ape­sar de aque­la não ter si­do uma au­diên­cia da qual eu fui pa­tro­na me sen­ti ven­ce­do­ra em 100% dos pe­di­dos ten­do cer­te­za que ain­da tem jei­to pa­ra es­se pa­ís.

 

(Va­nes­sa Ma­ri­a­no, ad­vo­ga­da cri­mi­na­lis­ta com ex­per­ti­se em ci­ên­cias cri­mi­nais, pós-gra­du­a­da de di­rei­to do tra­ba­lho e pre­vi­den­ci­á­rio, ges­to­ra em se­gu­ran­ça pú­bli­ca)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais