Opinião

Estamos preparados para lidar com nossas emoções?

diario da manha

Em to­das as fa­ses de nos­sa vi­da, des­de o pla­no es­pi­ri­tual, an­tes de re­en­car­nar­mos, ain­da no úte­ro ma­ter­no, na in­fân­cia, na ado­les­cên­cia, na ma­tu­ri­da­de, na ter­cei­ra ida­de ma­ni­fes­ta­mos nos­sa in­te­ra­ção com o mun­do atra­vés de nos­sas emo­ções.

Os es­tu­di­o­sos do as­sun­to nos in­for­mam que: “As emo­ções ser­vem pa­ra que nos adap­te­mos ao meio em que vi­ve­mos, per­mi­tin­do que pos­sa­mos nos pro­te­ger e ex­pres­sar o que nos foi agra­dá­vel ou de­sa­gra­dá­vel e per­ce­ber quan­do ul­tra­pas­sa­mos li­mi­tes”.

As­sim quan­do ma­ni­fes­ta­mos rai­va, tris­te­za, so­li­dão, me­do, an­gus­tia, ale­gria es­ta­mos ex­ter­nan­do nos­sa sa­tis­fa­ção ou in­sa­tis­fa­ção, nos­sa con­for­mi­da­de ou in­con­for­mi­da­de di­an­te das di­ver­sas si­tu­a­ções as qua­is es­ta­mos su­jei­tos.

Es­sas emo­ções fa­zem par­te de nos­sas exis­tên­cias em to­dos os mo­men­tos de nos­sa vi­da, as­sim tor­na-se ne­ces­sá­rio com­pre­en­der e con­tro­lar es­se es­ta­do de ser pa­ra que pos­sa­mos vi­ver em equi­lí­brio e har­mo­nia.

O au­tor Mar­lon Reikdal do Li­vro “Cul­ti­vo das Emo­ções” nos fa­la que de­ve­mos apren­der a ca­na­li­zar ade­qua­da­men­te nos­sas emo­ções sob pe­na de ter­mos gra­ves con­se­quên­cias fí­si­cas e psi­co­ló­gi­cas que nos tra­rão do­en­ças e mui­ta in­fe­li­ci­da­de.

Es­te mes­mo au­tor nos lem­bra de que as emo­ções são nor­mais e por se­rem às ve­zes re­pri­mi­das, mui­tas ve­zes por nós mes­mos em vá­ri­as si­tu­a­ções de nos­sa vi­da, não sen­do ca­na­li­za­das ade­qua­da­men­te, cri­am os de­sa­jus­tes fí­si­cos e psí­qui­cos que tan­to nos afli­gem.

Sen­do as­sim nos per­gun­ta­mos:

Qual o grau de com­pre­en­são que te­mos de nos­sas emo­ções?

Es­ta­mos pre­pa­ra­dos pa­ra li­dar com elas?

So­mos res­pon­sá­veis pe­lo que sen­ti­mos?

Quan­do ob­ser­va­mos, pen­sa­mos, fa­la­mos, agi­mos e nos po­si­cio­na­mos de ma­nei­ra crí­ti­ca em re­la­ção ao com­por­ta­men­to de nos­so pró­xi­mo o grau de com­pre­en­são ad­qui­ri­do em nos­so ser é ma­ni­fes­ta­do e a par­tir dai faz se opor­tu­no à cor­re­ção des­ta emo­ção em de­se­qui­lí­brio em nós mes­mos.

Na mai­o­ria das ve­zes não es­ta­mos pre­pa­ra­dos pa­ra li­dar com nos­sas emo­ções, mas já sa­be­mos co­mo con­tro­lar e man­tê-las em equi­lí­brio. Só de­pen­de de nós mes­mos, de nos­sas es­co­lhas, da vi­gi­lân­cia de nos­sos pen­sa­men­tos, ati­tu­des e do exer­cí­cio di­á­rio na prá­ti­ca do amor.

So­mos res­pon­sá­veis pe­lo que sen­ti­mos e pe­lo ta­ma­nho de im­por­tân­cia que ca­da acon­te­ci­men­to im­pac­ta no equi­lí­brio de nos­sas emo­ções.

Ana­li­se­mos sem­pre nos­sos pen­sa­men­tos, no li­vro in­ti­tu­la­do “Ho­ri­zon­tes da Men­te” psi­co­gra­fia de Jo­ão Nu­nes Maia pe­lo es­pí­ri­to Mi­ra­mez nos diz que pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos são no­tas dis­so­nan­tes na har­mo­ni­o­sa or­ques­tra­ção da men­te, e as bo­as idei­as for­ta­le­cem o cé­re­bro, re­vi­go­ram os ner­vos, es­ten­den­do as bên­çã­os do bem em to­do com­ple­xo bi­o­ló­gi­co. É ho­ra de par­ti­ci­par­mos com mais in­ten­si­da­de da nos­sa evo­lu­ção men­tal, pro­cu­ran­do co­nhe­cer to­dos os ho­ri­zon­tes da men­te. Co­me­çan­do ho­je, com su­tis to­ques de re­for­mas de cos­tu­mes, se­me­an­do e adu­ban­do, pois ama­nhã o tri­go já es­ta­rá ma­du­ro. Po­de­re­mos ar­ran­car o joio, pa­ra no­vos e fe­cun­dos plan­tios.

Avan­ce­mos!

Pri­mei­ra­men­te en­ten­den­do que o equi­lí­brio emo­cio­nal é es­sen­cial pa­ra re­a­li­zar­mos nos­so cres­ci­men­to es­pi­ri­tual e ma­te­ri­al.

Ge­zi­el An­dra­de au­tor do li­vro in­ti­tu­la­do Equi­lí­brio Ín­ti­mo pe­lo Es­pi­ri­tis­mo nos diz que po­de­mos re­a­li­zar em­pre­en­di­men­tos gran­des e com­ple­xos e en­fren­tar si­tu­a­ções di­fí­ceis e cons­tran­ge­do­ras, se sou­ber­mos man­ter o equi­lí­brio emo­cio­nal. O es­pi­ri­tis­mo nos ofe­re­ce mui­tas re­co­men­da­ções opor­tu­nas pa­ra is­so. Eis, a se­guir, al­gu­mas de­las, ex­traí­das da ri­ca li­te­ra­tu­ra es­pí­ri­ta, con­den­sa­das e co­men­ta­das em al­guns pon­tos:

Ser sem­pre pru­den­te.

Je­sus nos re­co­men­dou ter a pru­dên­cia do ho­mem que cons­trói a sua ca­sa so­bre a ro­cha, po­den­do en­fren­tar tem­pes­ta­des.

Me­lho­rar sem­pre o pa­drão das emo­ções.

A me­lho­ria do mun­do emo­cio­nal é ta­re­fa ina­diá­vel pa­ra su­por­tar­mos bem os em­pa­tes da vi­da. As emo­ções de­cor­rem da al­ma e po­dem ser sem­pre apri­mo­ra­das, per­mi­tin­do me­lho­ria nas re­a­ções emo­ti­vas e ati­tu­des mais ele­va­das, mes­mo pe­ran­te acon­te­ci­men­tos de­sa­gra­dá­veis e con­du­tas in­fe­rio­res dos se­me­lhan­tes. Po­rém, mes­mo as­sim, ca­be-nos sus­ten­tar um es­for­ço in­can­sá­vel pa­ra o apri­mo­ra­men­to do mun­do das emo­ções. Des­sa for­ma ven­ce­re­mos, com me­nos so­fri­men­tos, as oca­si­ões di­fí­ceis em que a vi­da nos apre­sen­tar.

Pla­ne­jar cons­tan­te­men­te as ati­vi­da­des di­á­rias.

O pla­ne­ja­men­to é in­dis­pen­sá­vel á pes­soa pre­vi­den­te, que gos­ta de con­cre­ti­zar as bo­as in­ten­ções. To­dos nós te­mos ob­je­ti­vos ma­te­ri­ais e es­pi­ri­tua­is a cum­prir, daí a im­por­tân­cia do pla­ne­ja­men­to das ati­vi­da­des di­á­rias. Sem ele caí­mos, fa­cil­men­te, em com­pli­ca­ções e atri­bu­la­ções que afe­tam a nos­sa tran­qui­li­da­de emo­cio­nal.

Ter co­ra­gem pe­ran­te as ad­ver­si­da­des.

A co­ra­gem man­tém a con­fi­an­ça e o equi­lí­brio emo­cio­nal.

Fa­lar e ou­vir com equi­lí­brio emo­cio­nal.

Je­sus foi um mes­tre na ar­te de se co­mu­ni­car.

Acei­tar o ine­vi­tá­vel.

Acon­te­ci­men­tos ine­vi­tá­veis ocor­rem, no mun­do ma­te­ri­al, com gran­de ra­pi­dez. Por­tan­to, ca­be-nos acei­ta-los com re­sig­na­ção, quan­do não pu­der­mos mu­da-los.

Co­mo vi­mos, o equi­lí­brio emo­cio­nal nos pro­por­ci­o­na a har­mo­nia in­te­ri­or, a vi­ta­li­da­de e a no­bre­za pes­so­al. Pro­por­ci­o­nan­do um bal­sa­mo pa­ra nos­so au­to­co­nhe­ci­men­to e evo­lu­ção.

Sen­do as­sim, ca­ro lei­tor, vi­va­mos com equi­lí­brio emo­cio­nal e dei­xe­mos de res­pon­sa­bi­li­zar nos­so pró­xi­mo pe­los acon­te­ci­men­tos ino­por­tu­nos que ve­nham a nos acon­te­cer.

Eu sou res­pon­sá­vel pe­lo que pen­so!

Pe­lo que sin­to!

E pe­los meus atos pra­ti­ca­dos!

Pre­ci­sa­mos acei­tar que so­mos nós mes­mos os res­pon­sá­veis pe­los nos­sos sen­ti­men­tos. E a par­tir dai, iden­ti­fi­car­mos e ge­rir­mos nos­sas emo­ções co­mo a rai­va, o ci­ú­me, o me­do, a ira, a tris­te­za e tan­tas ou­tras, por­que as res­pos­tas não es­tão fo­ra, mas den­tro de nós mes­mos.

No li­vro in­ti­tu­la­do Me­re­ça Ser Fe­liz de au­to­ria de Wan­der­ley de Oli­vei­ra pe­lo es­pí­ri­to Er­man­ce Du­fax,  o ca­pí­tu­lo 18, nos diz… “As­sim co­mo exis­te a de­pen­dên­cia quí­mi­ca de tó­xi­cos, exis­te a de­pen­dên­cia psí­qui­ca de evi­dên­cia e re­co­nhe­ci­men­to in­di­vi­dual. Es­se ti­po de vi­ci­a­do é es­cra­vo da au­toi­ma­gem exa­cer­ba­da que faz de si mes­mo.” Sen­do as­sim ami­gos, pro­cu­re­mos ele­var nos­sos pen­sa­men­tos, em sin­to­nia com o Cri­a­dor, vi­gi­an­do e oran­do, e as­sim es­tar­mos mais ap­tos á fa­lar­mos me­nos de nós mes­mos e aten­tos a pres­ti­gi­ar mais o nos­so pró­xi­mo.

Po­de­mos as­sim en­ten­der que es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra nos­sas emo­ções é ter res­pon­sa­bi­li­da­de emo­cio­nal.

“Eu me fa­ço res­pon­sá­vel pe­lo que sin­to”.

Co­mo fa­zer is­so?

Con­sci­en­ti­zan­do que mui­tas ve­zes nos pro­je­ta­mos nos ou­tros. Por is­so, ten­de­mos a re­sis­tir em as­su­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de de nos­sas emo­ções.

Em mo­men­tos de re­fle­xões e me­di­ta­ções, iden­ti­fi­que to­das as coi­sas que têm pen­den­tes, tra­ba­lhe com elas pa­ra se­guir evo­lu­in­do e cres­cen­do. Es­se ca­mi­nho não é fá­cil, fre­quen­te­men­te caí­mos em con­tra­di­ções do nos­so pró­prio eu, pois tu­do é apren­di­za­do. Co­me­ce­mos ho­je mes­mo es­te apren­di­za­do atra­vés dos es­tu­dos ori­en­ta­dos nas obras de Alan Kar­dec e das ou­tras inú­me­ras obras com­ple­men­ta­res, e prin­ci­pal­men­te co­lo­can­do em prá­ti­ca es­tes es­tu­dos e apren­di­za­dos den­tro de nos­sos la­res, jun­to à so­ci­e­da­de e no tra­ba­lho vo­lun­tá­rio, on­de te­mos a su­bli­me opor­tu­ni­da­de da apren­di­za­gem com­par­ti­lha­da com amor e ale­gria.

No si­te da Re­da­ção Es­pí­ri­ta o tex­to com o te­ma Bus­can­do o Au­to Co­nhe­ci­men­to nos diz: Al­lan Kar­dec, Co­di­fi­ca­dor do Es­pi­ri­tis­mo, per­gun­tou aos Es­pí­ri­tos:

Qual o meio prá­ti­co mais efi­caz que tem o ho­mem de se me­lho­rar nes­ta vi­da e de re­sis­tir à atra­ção do mal?

Os Ben­fei­to­res da Hu­ma­ni­da­de res­pon­de­ram:

Um sá­bio da An­ti­gui­da­de dis­se: Co­nhe­ce-te a ti mes­mo.

Mas co­mo é pos­sí­vel co­nhe­cer a si mes­mo?

A Dou­tri­na Es­pí­ri­ta mos­tra-nos o ca­mi­nho que de­ve­mos per­cor­rer pa­ra con­se­guir­mos es­se in­ten­to: o au­to­co­nhe­ci­men­to.

Lei­to­res,

O pro­ces­so de au­to­co­nhe­ci­men­to e de as­su­mir a nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de emo­cio­nal é cheio de re­vi­ra­vol­tas, mas se ti­ver­mos per­se­ve­ran­ça, en­con­tra­re­mos uma luz den­tro de nós mes­mos. Sa­be­re­mos equi­li­brar nos­sas emo­ções e es­ta­re­mos ca­da vez mais pre­pa­ra­dos pa­ra ma­ni­fes­tá-las e con­se­quen­te­men­te pre­pa­ra­dos pa­ra a vi­da.

Pois…

Pe­que­ni­nos que ain­da so­mos

Vá­ri­as emo­ções ain­da ma­ni­fes­ta­mos…

Emo­ções equi­li­bra­das

Emo­ções em de­sar­mo­nia

Li­dar, ad­mi­nis­trar e as­su­mi-las bem…

É pre­ci­so

Com o bri­lho das Es­tre­las no olhar

O sor­ri­so cin­ti­lan­te a ilu­mi­nar

Aque­cen­do a al­ma…

Des­con­ge­lan­do o me­do

Se per­den­do da rai­va

Dei­xan­do a tris­te­za…

Ca­mi­nha­re­mos com equi­lí­brio emo­cio­nal e cres­ci­men­to es­pi­ri­tual

Ao en­con­tro de nós mes­mos

E che­ga­rá o dia em que…

Es­ta­re­mos uni­dos a um úni­co sen­ti­men­to

Que é o Amor…!

 

(Cris­ti­a­ne Gar­cia Car­nei­ro é mé­di­um do Gru­po de Edi­fi­ca­ção Es­pí­ri­ta e tem o as­sen­to na ca­dei­ra 06 da Aca­de­mia Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais