Opinião

Férias escolares: o que fazer?

diario da manha

É tem­po de fé­rias es­co­la­res e a cri­an­ça­da guar­dou ener­gia de so­bra pa­ra gas­tar! Mas, e ago­ra? O que fa­zer co­mo tem­po dis­po­ní­vel dos pe­que­nos quan­do os pa­is es­tão en­vol­vi­dos com tra­ba­lho e não tem pre­vi­são de fé­rias? Qual é a me­lhor op­ção, cur­sos, ca­sa dos pri­mos ou co­lô­nia de fé­rias?

A me­lhor op­ção pa­ra as fé­rias es­co­la­res das cri­an­ças é aque­la que com­bi­na com a ro­ti­na fa­mi­liar, o or­ça­men­to e, é cla­ro, a pre­fe­rên­cia da cri­an­ça­da. Sim, por­que de na­da adi­an­ta ar­ru­mar a so­lu­ção per­fei­ta pa­ra ocu­par o tem­po li­vre das cri­an­ças se elas acha­rem a pro­pos­ta en­fa­do­nha. Não é di­fí­cil ima­gi­nar o quan­to elas aguar­dam com an­sie­da­de es­se pe­rí­o­do, pla­ne­jan­do brin­ca­dei­ras, pas­sei­os e aven­tu­ras com gos­to de li­ber­da­de e sem ho­ra pa­ra aca­bar.

Acre­di­to que é fun­da­men­tal pla­ne­jar ati­vi­da­des com a co­la­bo­ra­ção das cri­an­ças. Pa­ra que as gos­tam de uma ro­ti­na agi­ta­da e apre­ci­am ati­vi­da­des di­ri­gi­das, a co­lô­nia de fé­rias é uma boa op­ção. Al­gu­mas co­lô­ni­as pro­mo­vem gin­ca­nas, jo­gos, ati­vi­da­des ar­tís­ti­cas e ex­cur­sões, além de pro­mo­ve­rem a ami­za­de e o sen­ti­do de co­o­pe­ra­ção. Mas se es­sa al­ter­na­ti­va não se en­cai­xa no per­fil da cri­an­ça, ou no or­ça­men­to fa­mi­liar va­le con­tar com vi­zi­nhos, pa­ren­tes e co­le­gas na or­ga­ni­za­ção de brin­ca­dei­ras, ses­sões de ci­ne­ma e pas­sei­os. Va­le mon­tar uma pro­gra­ma­ção e até um car­dá­pio va­ri­a­do com tu­do o que a me­ni­na­da gos­ta, di­vi­din­do as des­pe­sas e as res­pon­sa­bi­li­da­des en­tre os adul­tos.

Há ain­da a pos­si­bi­li­da­de de ma­tri­cu­lar os pe­que­nos em cur­sos de fé­rias. Nes­se ca­so as op­ções são va­ri­a­das: cur­sos de ar­tes, cu­li­ná­ria pa­ra cri­an­ças, jar­di­na­gem, co­mo cu­i­dar de ani­mais, etc. O mais im­por­tan­te ao es­co­lher pre­en­cher as fé­rias da ga­ro­ta­da com cur­sos é ob­ser­var seus in­te­res­ses e ha­bi­li­da­des pa­ra que o apren­di­za­do se­ja pra­ze­ro­so, pois não é tem­po de es­tu­dar por obri­ga­ção, não é mes­mo?

Se­ja qual for a es­co­lha uma ques­tão é fun­da­men­tal – pre­ser­var tem­po li­vre pa­ra que pos­sam re­la­xar sem a so­bre­car­ga de cur­sos e com­pro­mis­sos, lem­bran­do que fé­rias são fé­rias, ou se­ja, fé­rias com­bi­nam com fa­zer o que qui­ser fa­zer (com res­pon­sa­bi­li­da­de, é cla­ro), fi­car de per­nas pa­ra o ar, não ter ho­rá­rios rí­gi­dos, en­fim, se di­ver­tir mui­to.

É pos­sí­vel se di­ver­tir mui­to e ter vá­ri­as his­tó­ri­as pa­ra con­tar na vol­ta às au­las, mes­mo sem vi­a­jar. E pa­ra fa­mí­lia vai um lem­bre­te: mes­mo sem ter fé­rias or­ga­ni­ze uma ati­vi­da­de di­fe­ren­te pa­ra re­a­li­zar com as cri­an­ças. Se o tra­ba­lho foi exaus­ti­vo e não há âni­mo pa­ra sa­ir, va­le fa­zer um pi­que­ni­que na sa­la de ca­sa com co­mi­das de cri­an­ças, luz de ve­las, li­vros de his­tó­ri­as e jo­gos. Ou ain­da cha­mar a me­ni­na­da pa­ra aju­dar a pre­pa­rar um bo­lo ou o que pre­fe­ri­rem, tra­tan­do de sa­bo­re­ar jun­tos o re­sul­ta­do do tra­ba­lho. Mon­tar ál­buns de fo­to­gra­fia é ou­tra op­ção mui­to ri­ca. É pos­sí­vel or­ga­ni­zá-los por te­mas, pe­rí­o­dos do ano, re­lem­bran­do epi­só­di­os en­gra­ça­dos e im­por­tan­tes na vi­da da fa­mí­lia.

Mas se der pa­ra pas­se­ar é di­ver­ti­do le­var os pe­que­nos ao shop­ping, apro­vei­tan­do pa­ra lan­char e tam­bém dar uma es­pia­de­la nas li­vra­ri­as. Exis­tem op­ções de li­vros pa­ra to­das as ida­des. As ban­cas de re­vis­ta tam­bém ofe­re­cem mui­tos pas­sa­tem­pos di­ver­ti­dos. As lo­jas de Cds pos­su­em dis­cos in­fan­tis de vá­rios es­ti­los e co­le­ções de lin­das his­tó­ri­as pa­ra ou­vir. Ir ao ci­ne­ma, ao te­a­tro, ou mon­tar um ti­me de bas­que­te, fu­te­bol ou vô­lei com a fa­mí­lia e os ami­gos po­de ser mui­to agra­dá­vel. O im­por­tan­te é cur­tir os fi­lhos, lon­ge das pre­o­cu­pa­ções cos­tu­mei­ras com a ho­ra da es­co­la e o de­ver de ca­sa, apro­vei­tan­do o má­xi­mo es­sa fa­se de su­as vi­das pa­ra cons­tru­ir vín­cu­los que per­du­ra­rão pe­lo res­to da vi­da.

 

(Mar­cia Car­va­lho, pe­da­go­ga, psi­co­pe­da­go­ga, mes­tra em So­ci­e­da­de, Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas e Meio Am­bi­en­te. Fun­da­do­ra e Di­re­to­ra do Co­lé­gio Mais Pa­drão)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar