Opinião

Fim de ano: tempo de reflexões e de novos planejamentos

diario da manha

“Tu­do tem o seu tem­po de­ter­mi­na­do, e há tem­po pa­ra to­do pro­pó­si­to de­bai­xo do céu”

Ec. 3,1-3

 

É che­gan­do o tér­mi­no de mais um ano ci­vil, épo­ca de fa­zer­mos um ba­lan­ço ge­ral dos er­ros e acer­tos até aqui co­me­ti­dos, ve­ri­fi­can­do se há um sal­do po­si­ti­vo que nos en­co­ra­ja e nos dá for­ças pa­ra en­fren­tar­mos e con­quis­tar­mos no­vas eta­pas pe­la fren­te. Por­tan­do, é um tem­po que es­tá a exi­gir de to­dos nós pro­fun­das re­fle­xões so­bre o que fi­ze­mos ou dei­xa­mos de fa­zer ao lon­go des­ta ca­mi­nha­da da vi­da. Por ou­tro la­do, pre­ci­sa­mos tra­çar no­vas me­tas e to­mar­mos ati­tu­des que re­al­men­te nos ga­ran­ti­rão  di­as me­lho­res e um fu­tu­ro pro­mis­sor. A ar­te de vi­ver nos ener­gi­za nos mos­tra os me­lho­res ca­mi­nhos a se­guir, abrin­do os ho­ri­zon­tes e nos per­mi­tin­do con­quis­tas exu­be­ran­tes em prol do de­sen­vol­vi­men­to pes­so­al e co­le­ti­vo.

Di­an­te de tan­tas tri­bu­la­ções e de in­con­tá­veis in­jus­ti­ças pra­ti­cas pe­lo ser hu­ma­no, pre­ci­sa­mos me­di­tar co­mo po­de­mos en­con­trar fór­mu­las ca­pa­zes de de­ter e mo­di­fi­car tal ce­ná­rio. Afi­nal, o ho­mem (ser hu­ma­no) tem po­de­res ex­tra­or­di­ná­rios que só ele per­ten­ce, des­ta­can­do-se o de mo­di­fi­car a Na­tu­re­za e a si pró­prio, trans­for­man­do, e aper­fei­ço­an­do o mun­do por su­as pró­pri­as for­ças. Não po­de­mos es­que­cer de vi­ver o pre­sen­te e bus­car nos­sa ver­da­dei­ra iden­ti­da­de, pois so­men­te quan­do con­se­gui­mos ter a exa­ta di­men­são do mi­cro, é que po­de­mos com­pre­en­der a im­por­tân­cia do ma­cro. Ja­mais de­ve­mos ig­no­rar que a vi­da em si, a es­sên­cia e a fe­li­ci­da­de que fa­zem de­la uma enor­me opor­tu­ni­da­de es­tão nos pe­que­nos de­ta­lhes, nas me­no­res por­ções e nas mais sim­ples ati­tu­des.

A pro­pó­si­to, re­por­to-me a um ines­que­cí­vel pen­sa­men­to de um re­no­ma­do fi­ló­so­fo e hu­ma­nis­ta, Fran­cis­co Ro­sa, que dis­se: “Quem pas­sou a vi­da em bran­cas nu­vens e em plá­ci­do re­pou­so ador­me­ceu. Quem não sen­tiu o frio da des­gra­ça. Quem pas­sou pe­la vi­da e não so­freu, foi es­pec­tro de ho­mem, não foi ho­mem. Só pas­sou pe­la vi­da, não vi­veu”. As­sim en­ten­de­mos que o ato de vi­ver é sub­stan­ci­al a ca­da um de nós, ou se­ja, é uma ar­te que ne­ces­si­ta ser pra­ti­ca­da e, aci­ma de tu­do, ser pre­ser­va­da no de­cur­so de nos­sa exis­tên­cia. E Deus nos pro­por­ci­o­nou to­dos os re­cur­sos dos qua­is ne­ces­si­ta­mos pa­ra re­a­li­zar­mos tu­do aqui­lo que de­se­ja­mos. Nos ca­be or­ga­ni­zá-los e aces­sá-los de for­ma co­e­ren­te pa­ra que pos­sa­mos ob­ter as vi­tó­rias pos­sí­veis.

 

A ILU­MI­NA­ÇÃO

É in­te­res­se ob­ser­var o que es­ta es­cri­to no li­vro da Sa­be­do­ria Di­vi­na: “Vós sois a Luz do mun­do. Não se acen­de uma ve­la ou uma can­deia pa­ra se­rem co­lo­ca­das de­bai­xo do al­quei­re (mó­vel an­ti­go), mas no ve­la­dor…- Mt 5, 14. Eis ai a es­sên­cia da ilu­mi­na­ção e uma for­ma que o al­tís­si­mo nos in­cum­biu de au­xi­liá-lo na mis­são  de ame­ni­zar os so­fri­men­tos aqui na ter­ra. Ela não es­tá no bens ma­te­ri­ais, no pres­tí­gio, na fa­ma ou ao po­der, mas den­tro do ser hu­ma­no e faz par­te do seu ego, do seu eu, do seu es­pa­ço vi­tal. E por in­ter­mé­dio as­sim de nos­sas qua­li­da­des, vir­tu­des, tra­ços, há­bi­tos, mo­ti­vos, ha­bi­li­da­des e pa­peis de­sem­pe­nha­dos prin­ci­pal­men­te atra­vés de ati­vi­da­des so­ci­ais, sem dú­vi­da, es­pa­lha­mos as lu­zes do bem.

Exis­tem vá­ri­as de­fi­ni­ções, des­cri­ções e ex­pli­ca­ções so­bre a es­sên­cia da ilu­mi­na­ção fei­tas pe­la li­te­ra­tu­ra fi­lo­so­fia e re­li­gi­o­sa. De tu­do que pes­qui­sa­mos, con­clu­í­mos que ser iluminado é ape­nas a ca­pa­ci­da­de de mer­gu­lhar no mo­men­to, no ago­ra e en­trar em har­mo­nia com a uni­da­de de tu­do o que nos cer­ca. É mer­gu­lhar no pre­sen­te, sem vi­ver o pas­sa­do ou o fu­tu­ro ilu­só­rios. É co­me­çar uma aven­tu­ra ou uma ba­ta­lha es­pon­tâ­nea chei­as de sig­ni­fi­ca­do, de pro­pó­si­to e da pu­ra ale­gria rei­nan­tes no in­te­ri­or do pró­prio ser hu­ma­no.

 

A VI­VÊN­CIA DO AMOR

O sá­bio Sa­lo­mão diz em seus pro­vér­bi­os que “o ódio ex­ci­ta con­ten­das, mas o amor co­bre to­das as trans­gres­sões”. Ele é  a ener­gia que cri­ou o mun­do e o man­têm em har­mo­nia e em equi­lí­brio; é a dig­ni­da­de tran­scen­den­te de res­pei­tar o ou­tro e fa­zer o bem até a um ini­mi­go. Ele exis­te sob vá­ri­as for­mas des­ta­can­do-se as prin­ci­pa­is: o di­vi­no, o hu­ma­no. E um res­pei­tá­vel pen­sa­dor (Ca­mus) afir­mou que “há so­men­te pou­ca sor­te em não ser ama­do, mas é uma in­fe­li­ci­da­de no amar. E é des­ta fal­ta de fe­li­ci­da­de que se mor­re”.

É imen­su­rá­vel o con­te­ú­do do amor. Se­gun­do nos­so en­ten­di­men­to, em re­su­mo, amar e dar de si, to­mar uma ati­tu­de na sen­da do bem, des­cul­par, ser pa­ci­en­te, res­pei­tar as di­fe­ren­ças, ser ge­ne­ro­so, gra­ti­fi­can­te e amá­vel. Na fa­mí­lia, no tra­ba­lho e nos vá­rios ou­tros cam­pos de ati­vi­da­des, tor­na-se im­por­tan­te o exer­cí­cio do amor. Ele é o ca­mi­nho que le­va o ser hu­ma­no à fe­li­ci­da­de, vez que é o ins­pi­ra­dor de to­da a sa­be­do­ria.

Ana­li­san­do as con­du­tas hu­ma­nas, no­ta­da­men­te aque­les que cau­sam sé­rios tran­stor­nos à so­ci­e­da­de (no ca­so, a cri­mi­na­li­da­de), con­clu­í­mos que se to­dos os ho­mens fos­sem bem in­ten­ci­o­na­dos e cul­ti­vas­sem o amor, a Lei Mo­ral por si só se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra ga­ran­tir e as­se­gu­rar a Or­dem So­ci­al. Daí, a ten­dên­cia na­tu­ral do ser hu­ma­no em, in­fe­liz­men­te, par­tir pa­ra o mal, mo­di­fi­ca pa­ra pi­or o es­ta­do das coi­sas.

 

A FA­MÍ­LIA

No elen­co de va­lo­res me­re­ce­do­res de aná­li­ses e re­fle­xões, a Fa­mí­lia ocu­pa um lu­gar à par­te. Ela que nas­ceu da von­ta­de, da ini­ci­a­ti­va e do co­ra­ção de Deus, pro­va que Ele cri­ou o ho­mem e a mu­lher à Sua ima­gem e se­me­lhan­ça, su­ge­rin­do a eles que cres­ces­sem e mul­ti­pli­cas­sem, po­vo­an­do a ter­ra (cf Gn 1, 27-28). Ela é o prin­cí­pio da vi­da, a mai­or es­co­la, lu­gar de co­mu­nhão e on­de de­ve sem­pre flo­res­cer o amor, a to­le­rân­cia, o res­pei­to, a com­pre­en­são e vá­ri­as ou­tras vir­tu­des ine­ren­tes às pes­so­as de bem. E ca­be aos pa­is aju­dar os fi­lhos a cres­ce­rem  nos mais va­ri­a­dos as­pec­tos , man­ten­do per­fei­to di­á­lo­go  e vi­gi­lân­cia com eles. E nes­ta épo­ca do ano, sem dú­vi­da, a fa­mí­lia de­ve ser a pre­fe­ri­das em meio às co­me­mo­ra­ções na­ta­li­nas, prin­ci­pal­men­te. Cal­ca­dos no mo­de­lo da Fa­mí­lia de Na­za­ré, os ca­sais são con­vi­da­dos a imi­tar su­as vir­tu­des, es­ta­be­le­cen­do um am­bi­en­te fra­ter­no e uma co­mu­nhão que ir­ra­die paz, amor, per­dão, to­le­rân­cia e de­mais va­lo­res.

O lar não po­de dei­xar de ser a pri­mei­ra es­co­la for­ma­do­ra da per­so­na­li­da­de, de ori­en­ta­ção, de bons exem­plos e de ou­tras bo­as qua­li­da­des ca­pa­zes de pro­por­ci­o­nar a me­lhor es­tru­tu­ra psi­co­ló­gi­ca dos fi­lhos. Ele pre­ci­sa cul­ti­var o res­pei­to, a mo­ral e os bons cos­tu­mes. A fa­mi­lia­ri­da­de  é um com­po­nen­te da vi­da, tan­to quan­to o amor é a for­ça cri­a­do­ra e pro­pul­so­ra da hu­ma­ni­da­de, o mun­do de ho­je é com­ple­xo e con­tra­di­tá­rio, re­a­li­da­de que exi­ge dos pa­is mui­ta co­ra­gem, vi­gi­lân­cia, de­ter­mi­na­ção e ou­tras ações, pois os va­lo­res cris­tão são vi­o­len­ta­men­te ata­ca­dos e des­res­pei­ta­dos, in­du­zin­do a pes­soa ao er­ro de to­da es­pé­cie. Vi­ve­mos di­an­te de uma du­ra re­a­li­da­de hu­ma­na, fru­to da ne­ga­ção aos pro­je­tos di­vi­no e de ou­tros me­ca­nis­mos de re­sis­tên­cia ao que é po­si­ti­vo.

 

MEN­SA­GEM MA­ÇÔ­NI­CA

Nes­te li­miar de um No­vo Ano, cum­pre-nos ces­sar par­te de nos­sas ati­vi­da­des, me­di­tar­mos so­bre as ra­zoes de nos­sa exis­tên­cia ter­re­na, pes­qui­san­do a res­pei­to do que re­a­li­za­mos e pla­ne­ja­mos me­tas pa­ra um fu­tu­ro prós­pe­ro.

Co­mo Fi­lhos da Luz e aman­tes da Ver­da­de, che­gou-nos o tem­po de be­ber­mos no­va­men­te, na Ta­ça Sa­gra­da, o pre­ci­o­so li­qui­do da boa sor­te. E vol­ven­do nos­so olhos e pen­sa­men­tos pe­las es­tra­das da Vir­tu­de, ur­ge-nos dar pro­vas de que re­al­men­te fo­mos cri­a­dos à ima­gem e se­me­lhan­ça do Gran­de Ar­qui­te do Uni­ver­so.

Mu­ni­dos, por­tan­do, dos uten­sí­li­os in­dis­pen­sá­veis ao Bom Obrei­ro, de­ve­mos do­mi­nar a ar­te de bem con­vi­ver, no­ta­da­men­te no seio da fa­mí­lia, re­co­nhe­cen­do que os ver­da­dei­ros fun­da­men­tos mo­ra­is e es­pi­ri­tua­is da Ma­ço­na­ria apoi­am-se sub­stan­ci­al­men­te nas ben­fa­ze­jas as­pi­ra­ções do ho­mem bem co­mo na fé ins­tin­ti­va, no Ide­al ar­den­te e no seu ar­ra­i­ga­do amor pe­la Luz.

Sai­ba­mos, as­sim, co­me­mo­rar bem o Na­tal de Cris­to, sob a ilu­mi­na­ção da Es­tre­la do Ori­en­te, cul­tu­an­do os sa­cros­san­tos en­si­na­men­tos di­ta­dos pe­la di­vi­nal Fi­lo­so­fia de Or­dem e go­zan­do do acon­che­go dos que­ri­dos ir­mãos e fa­mi­lia­res.

In­vo­can­do as bên­çã­os do Gadu e a pro­te­ção dos nos­sos san­tos pa­dro­ei­ros Jo­ão Ba­tis­ta e Jo­ão Evan­ge­lis­ta, ins­pi­ra­dos nas be­le­zas e sig­ni­fi­ca­dos das co­lu­nas B e J, re­ves­tin­do do Aven­tal e, por­tan­to o Es­qua­dro, o Com­pas­so, A Ré­gua, a Ala­van­ca e ou­tras fer­ra­men­tas, pros­si­gam na cons­tru­ção de um mun­do mais jus­to e fra­ter­no. Fe­liz Na­tal e Prós­pe­ro Ano No­vo.

 

(Aní­bal Sil­va, jor­na­lis­ta, mem­bro da Di­re­to­ria da AGI, da Aca­de­mia Go­i­a­na Ma­çô­ni­ca de Le­tras e da Aca­de­mia Ce­za­ri­nen­se de Le­tras e Ar­tes)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais