Opinião

Flagelos humanos

diario da manha

Re­cen­te­men­te, o as­sas­si­na­do de uma jo­vem mu­lher, se­gui­do de su­i­cí­dio do au­tor do cri­me, em ple­na pra­ça de ali­men­ta­ção de um shop­ping cen­ter si­tu­a­do, cau­sou gran­de re­per­cus­são so­ci­al, prin­ci­pal­men­te, em ra­zão do ine­di­tis­mo do lo­cal da tra­gé­dia – ge­ral­men­te con­si­de­ra­do se­gu­ro e a op­ção de la­zer de uma con­si­de­rá­vel par­ce­la da po­pu­la­ção. A re­per­cus­são de uma tra­gé­dia hu­ma­na é con­sen­tâ­nea com a mo­der­na ci­vi­li­za­ção, co­nhe­ci­da co­mo sen­do a so­ci­e­da­de do es­pe­tá­cu­lo, aten­ta a ca­da tra­gé­dia, ca­da des­gra­ça alheia, qua­se ou ins­tan­ta­ne­a­men­te, pron­ta a cap­tá-la com seus sem­pre dis­po­ní­veis apa­re­lhos de te­le­fo­ne ce­lu­lar, cu­jas ima­gens se­rão di­fun­di­das e re­pli­ca­das nas re­des so­ci­ais, nu­ma es­pé­cie de es­pe­tá­cu­lo ma­ca­bro que se des­ta­ca pe­lo ab­so­lu­to des­pre­zo às ví­ti­mas, aos sen­ti­men­tos dos fa­mi­lia­res e ami­gos.

A au­sên­cia da co­mo­ção é, tam­bém, uma ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca das tra­gé­di­as hu­ma­nas. Es­se sen­ti­men­to só se­ria pos­sí­vel se ain­da exis­tis­se con­si­de­ra­ção pe­las pes­so­as, se o ser hu­ma­no se im­por­tas­se com a dor e o so­fri­men­to do pró­xi­mo, se hou­ves­se sen­ti­men­to de per­ten­ci­men­to e se o ser hu­ma­no não es­ti­ves­se pas­san­do por um ace­le­ra­do pro­ces­so de des­car­te. O in­di­vi­dua­lis­mo, ca­rac­te­rís­ti­ca da so­ci­e­da­de de con­su­mo, ex­clu­iu o sen­ti­men­to de com­pai­xão; o pro­ble­ma do ou­tro é um pro­ble­ma al­heio aos sen­ti­men­tos e con­si­de­ra­ções por par­te da­que­le que não se sen­te atin­gi­do pe­la dor de quem a so­fre. Ao con­trá­rio. Em uma so­ci­e­da­de de pes­so­as so­li­tá­rias, va­zi­as e ór­fãs de ver­da­dei­ros sen­ti­dos pa­ra a vi­da, a tra­gé­dia alheia é, de cer­ta ma­nei­ra, bem-vin­da e ser­ve de pa­râ­me­tro equi­pa­ra­ti­vo de “van­ta­gem” em re­la­ção ao ou­tro.

O con­cei­to de “bem-co­mum” foi su­plan­ta­do e sub­sti­tu­í­do pe­lo he­do­nis­mo, o nar­ci­sis­mo, o in­di­vi­dua­lis­mo. Des­sa ma­nei­ra, con­si­de­ran­do que a fe­li­ci­da­de se­ja o opos­to dis­so, res­ta que as pes­so­as são trans­for­ma­das em le­gi­ões de se­res in­fe­li­zes. Nes­se sen­ti­do, o pen­sa­dor in­glês Ber­trand Rus­sel (1872-1970), em sua obra “A con­quis­ta da fe­li­ci­da­de”, diz que a fe­li­ci­da­de é a eli­mi­na­ção do ego­cen­tris­mo. Pa­ra ser fe­liz é ne­ces­sá­rio ali­men­tar uma mul­ti­pli­ci­da­de de in­te­res­ses e de re­la­ções com as coi­sas e com os ou­tros ho­mens. Tal­vez a so­ci­e­da­de atu­al es­te­ja, de fa­to, pas­san­do por um re­tro­ces­so ci­vi­li­za­tó­rio e re­mon­tan­do o con­cei­to he­do­nis­ta de fe­li­ci­da­de do fi­ló­so­fo Ta­les de Mi­le­to (7 a.C – 6 a.C), se­gun­do o qual, fe­li­ci­da­de é ter cor­po for­te e são, boa sor­te e al­ma for­ma­da. Es­sa de­fi­ni­ção, en­tre­tan­to, pa­ra os di­as atu­ais, fi­ca­ria res­tri­ta à me­ra par­te es­té­ti­ca do cor­po, con­si­de­ran­do que tu­do de­mons­tra que as pes­so­as são des­pro­vi­das de al­ma, de sen­ti­men­tos. Nes­sa ci­vi­li­za­ção, que se ca­rac­te­ri­za pe­la su­per­fi­ci­a­li­da­de, mas, prin­ci­pal­men­te, pe­la fri­vo­li­da­de, as des­gra­ças alhei­as são apro­vei­ta­das co­mo opor­tu­ni­da­des de ob­ten­ção de di­vi­den­dos, se­ja no as­pec­to da com­pa­ra­ção co­mo pa­râ­me­tro de “fe­li­ci­da­de” ou va­lor pes­so­al, se­ja na for­ma mais am­pla, co­mo pro­je­tos de po­der po­lí­ti­co ou a cons­tru­ção de dis­cur­sos, co­mo as vi­ti­mis­tas ou de gê­ne­ro, que se­rão in­se­ri­dos em um am­plo es­que­ma de ex­plo­ra­ção eco­nô­mi­ca e vi­si­bi­li­da­de mi­di­á­ti­ca.

Sur­gem, des­ta for­ma, uma no­va mo­da­li­da­de de abu­tres, os que se ali­men­tam das des­gra­ças alhei­as pa­ra, sub-rep­ti­ci­a­men­te, nu­tri­rem e sub­si­di­a­rem seus in­te­res­ses in­di­vi­dua­is ou cor­po­ra­ti­vis­tas. Uma par­ce­la de hi­pó­cri­tas vai re­pli­car fo­to­gra­fi­as de pes­so­as mor­tas, es­quar­te­ja­das, de­ca­pi­ta­das, sob o dis­far­ce de sen­ti­men­to de pi­e­da­de, de co­mo­ção ou de cons­ter­na­ção. En­tre­tan­to, em ver­da­de, quem se de­lei­ta em con­tem­plar e di­fun­dir ima­gens im­pac­tan­tes, cho­can­tes, das des­gra­ças alhei­as, na­da mais é se­não um psi­co­pa­ta dis­si­mu­la­do, um sá­di­co que, em si­lên­cio e ar­di­lo­sa­men­te, se pro­je­ta, in­vi­si­vel­men­te, no as­sas­si­no, no au­tor, no exe­cu­tor da­que­la bru­ta­li­da­de cap­ta­da pe­las len­tes fo­to­grá­fi­cas sem­pre vi­gi­lan­tes a ca­da pas­so das pes­so­as, a ca­da mo­vi­men­to, con­du­ta, com­por­ta­men­to.

Os lin­cha­men­tos pú­bli­cos já fo­ram uma for­ma de ex­te­rio­ri­za­ção da san­di­ce, do ódio re­pri­mi­do e dos ins­tin­tos pri­mi­ti­vos que, acre­di­tan­do no ano­ni­ma­to e na di­fi­cul­da­de de iden­ti­fi­ca­ção, os in­di­ví­duos agem, uti­li­zan­do-se das pró­pri­as mãos pa­ra exe­cu­ta­rem, tru­ci­da­rem uma pes­soa, ge­ral­men­te sob o pre­tex­to de “fa­zer jus­ti­ça com pró­pri­as mãos’. Es­sa se­de de san­gue e fe­ti­chis­mo sá­di­co vem sen­do sub­sti­tu­í­da por uma for­ma, di­ga­mos, mais mo­der­na de vo­lup­tu­o­si­da­de, de pra­zer e êx­ta­se mór­bi­dos; co­me­ça a nas­cer uma es­pé­cie de “ne­o­pa­ra­fi­lia”. Os psi­co­pa­tas san­gui­ná­rios, in­sen­sí­veis e sá­di­cos pas­sam a con­ten­tar-se em as­sis­tir a ví­de­os e fo­to­gra­fi­as de ce­nas cru­éis e hor­ren­das e, de­pois, com­par­ti­lham en­tre si, co­mo em um fes­tim ma­ca­bro, ima­gens de pes­so­as sen­do es­quar­te­ja­das, es­fo­la­das, de­ca­pi­ta­das.

De ou­tro la­do, sur­ge tam­bém uma no­va mo­da­li­da­de des­ses abu­tres da ma­lan­dra­gem mo­der­na; es­ses são mais su­tis, mais dis­si­mu­la­dos, e nem to­dos, é ver­da­de, pos­sam ser cha­ma­dos de psi­co­pa­tas ou que se de­lei­tam com as tra­gé­di­as em si, mas com o que de­las pos­sam ex­tra­ir. São os opor­tu­nis­tas, co­mum e, ge­ral­men­te, tra­ves­ti­dos de “de­fen­so­res de cau­sas”.  Pa­ra tan­to, fa­bri­cam dis­cur­sos, dis­tor­cem da­dos ou es­ta­tís­ti­cas so­bre a vi­o­lên­cia e ca­na­li­zam a aten­ção so­ci­al e po­lí­ti­ca, sob o mo­no­pó­lio da ver­da­de, pa­ra seus in­te­res­ses po­lí­ti­cos e fi­nan­cei­ros. Po­de­mos ci­tar, à gui­sa de exem­plo des­sa mo­da­li­da­de de apro­vei­ta­do­res, al­guns gru­pos, ins­ti­tu­i­ções (cri­a­das pa­ra es­se fim es­pe­cí­fi­co, ge­ral­men­te sus­ten­ta­das com o di­nhei­ro do con­tri­buin­te), as au­to­pro­cla­ma­das “de­fen­so­ras dos di­rei­tos das mu­lhe­res” ou “fe­mi­nis­tas”.  As con­ve­niên­cias e os in­te­res­ses, po­lí­ti­cos e eco­nô­mi­cos, que sus­ten­tam es­ses gru­pos são tan­tos que qual­quer voz que se ar­vo­re a dis­cor­dar, a con­tra­por al­gum dog­ma por elas es­ta­be­le­ci­do e que pos­sa con­tra­riá-las, é ime­di­a­ta­men­te ata­ca­do, agre­di­do, en­xo­va­lha­do. Es­sas pes­so­as tra­ça­ram pa­ra si um pro­je­to de so­bre­vi­vên­cia fun­da­do no po­der pes­so­al, pres­tí­gio so­ci­al, fi­nan­cei­ro e po­lí­ti­co, e, pa­ra a pre­ser­va­ção des­ses in­te­res­ses, agem ob­sti­na­da­men­te co­mo pa­tru­lhei­ras re­pres­so­ras con­tra os que pen­sam di­fe­ren­te. São, em ge­ral, pes­so­as frus­tra­das em al­gum as­pec­to de su­as vi­das – se­ja no so­ci­al, eco­nô­mi­co, se­xu­al, afe­ti­vo, pro­fis­si­o­nal – e, por­tan­to, re­a­gem com ex­tre­mo ódio e vi­o­lên­cia con­tra qual­quer voz que des­toe da­qui­lo que elas apre­go­am. Es­sas pes­so­as ou gru­pos, sem­pre à pre­tex­to de es­ta­rem em de­fe­sa de pseu­dos “vul­ne­rá­veis”, ma­ni­pu­lam e mo­no­po­li­zam dis­cur­sos e lan­çam es­sas “ver­da­des” im­po­si­ti­vas, trans­for­man­do-as em imu­tá­vel e in­ques­ti­o­ná­vel sen­so-co­mum. Co­mo agen­tes de di­fu­são, re­pe­ti­ção me­ca­ni­za­da, pro­gra­ma­da pa­ra ape­nas con­cor­dar com su­as di­re­tri­zes, ades­tram im­be­cis e nés­cios men­tais que pas­sa­ram a se iden­ti­fi­car, com re­go­zi­jo, de “o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to”.

Fei­to o en­ges­sa­men­to so­ci­al, a imo­bi­li­za­ção e in­fle­xi­bi­li­za­ção do dis­cur­so, es­sas pes­so­as pas­sam a achar que, do­ra­van­te, po­dem chan­ta­ge­ar go­ver­nos e, com is­so, ocu­pa­rem car­gos na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, lan­ça­rem-se em aven­tu­ras po­lí­ti­cas, im­por fi­nan­cia­men­to com o di­nhei­ro pú­bli­co de ati­vi­da­des que elas or­ga­ni­zam vi­san­do, me­ra­men­te, a fon­te de ren­da, o im­pul­si­o­na­men­to de su­as pre­ten­sões po­lí­ti­cas, a ma­nu­ten­ção de seus car­gos bu­ro­crá­ti­cos e de­fe­sa de seus pri­vi­lé­gios. Pa­ra es­se fim, in­ven­tam se­mi­ná­rios, pa­les­tras, con­gres­sos, etc., tu­do às ex­pen­sas do con­tri­buin­te que ar­ca com sa­lá­ri­os, des­pe­sas com vi­a­gem, hos­pe­da­gem, ali­men­ta­ção, di­á­rias, pa­ga­men­to de pro­du­tos e ser­vi­ços su­per­fa­tu­ra­dos, etc. Es­ses even­tos são en­fa­do­nhos, inú­te­is, pois li­mi­tam-se a re­pe­ti­rem um dis­cur­so es­tá­ti­co, pron­to, aca­ba­do, men­ti­ro­so, ma­ni­pu­la­do, mas, sem­pre, ca­na­li­za­do pa­ra a pre­ser­va­ção de seus in­te­res­ses pes­so­ais.

A fa­lá­cia re­pe­ti­da de que “o Bra­sil é um dos paí­ses mais ma­chis­tas do mun­do” e a cons­tan­te rei­vin­di­ca­ção e de­fe­sa de mais leis de pro­te­ção (leia-se: de mais pri­vi­lé­gios) às mu­lhe­res cons­ti­tu­em as prin­ci­pa­is re­pe­ti­ções des­ses dis­cur­sos. Um ca­so de vi­o­lên­cia em que a mu­lher é ví­ti­ma não po­de mais ser dis­cu­ti­do ou tra­ta­do co­mo tal. O as­sas­si­na­do de ho­mens, mui­to em­bo­ra cons­ti­tua, se­gun­do o Ma­pa da Vi­o­lên­cia de 2014, em 91,6% de to­dos os ho­mi­cí­di­os no Bra­sil, tra­ta-se, tão so­men­te, de nú­me­ros es­ta­tís­ti­cos ou, quan­do mui­to, é tra­ta­do ape­nas co­mo “vi­o­lên­cia”. Ape­sar do ín­di­ce, ne­nhum alar­de. O per­cen­tu­al res­tan­te re­fe­re-se às mu­lhe­res. En­tre­tan­to, a abor­da­gem é to­tal­men­te di­fe­ren­te. Não se tra­ta mais de “vi­o­lên­cia”, mas de “vi­o­lên­cia con­tra as mu­lhe­res”. Nes­se ca­so, as opor­tu­nis­tas di­tas, hi­pó­cri­ta e ci­ni­ca­men­te, “de­fen­so­ras dos di­rei­tos das mu­lhe­res”, ma­ni­pu­lam da­dos e alar­dei­am a so­ci­e­da­de. Ain­da que, de­mo­gra­fi­ca­men­te, elas se­jam mai­o­ria – se­gun­do o Sen­so do IB­GE de 2014, são 51,5%, ou se­ja, 5,8 mi­lhões a mais que os ho­mens – quan­do uma mu­lher mor­re não é mais ape­nas um ca­so de ho­mi­cí­dio, mas “mais um ca­so de vi­o­lên­cia con­tra as mu­lhe­res”.

Os da­dos, cons­ti­tu­ti­vos em nú­me­ro de mu­lhe­res mor­tas, são, ar­di­lo­sa­men­te, ma­ni­pu­la­dos por es­ses gru­pos de pa­ra­si­tá­rias e de­ma­go­gas. Pa­ra tan­to, omi­tem que gran­de par­te (di­ga-se: a gran­de mai­o­ria) des­sas mor­tes, ocor­re pe­lo en­vol­vi­men­to di­re­to das mu­lhe­res na cri­mi­na­li­da­de vi­o­len­ta e por se­rem ví­ti­mas de su­as pró­pri­as com­pa­nhei­ras, em ca­sos de re­la­ci­o­na­men­tos ho­mos­se­xu­ais. En­tre­tan­to, tu­do is­so é pro­vi­den­ci­al­men­te omi­ti­do e é com­pu­ta­do, es­ta­tis­ti­ca­men­te, co­mo sen­do ca­so de “vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher”. Ho­mens e mu­lhe­res são igual­men­te vi­o­len­tos.

A vi­o­lên­cia, ca­so se pre­ten­dam en­fren­tá-la de ma­nei­ra sé­ria e sem de­ma­go­gia, de­ve ser dis­cu­ti­da co­mo tal, den­tro de um con­tex­to mai­or, não co­mo uma ques­tão de gê­ne­ro. Is­so é re­du­zir a im­por­tân­cia e a gra­vi­da­de do pro­ble­ma.

O ca­so do as­sas­si­na­to se­gui­do de su­i­cí­dio ocor­ri­do no in­te­ri­or do shop­ping cen­ter, des­gra­ça­da­men­te, res­sai co­mo mais um com­bus­tí­vel útil a im­pul­si­o­nar o dis­cur­so em­bus­tei­ro e ines­cru­pu­lo­sa­men­te di­re­cio­na­do aos in­te­res­ses pes­so­ais des­sa mo­da­li­da­de de abu­tres da mo­der­ni­da­de lí­qui­da na so­ci­e­da­de de con­su­mo.

 

(Ma­no­el L. Be­zer­ra Ro­cha, ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta – mlbe­zer­ra­ro­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar