Opinião

Foro privilegiado: para alguns, questão de sobrevivência política

diario da manha

Es­sa far­sa do fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, cu­jo jul­ga­men­to já es­ta­va pra­ti­ca­men­te de­fi­ni­do, o mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li fez o fa­vor de adiar, e se não tem pra­zo pa­ra vol­tar à me­sa de jul­ga­men­to, trou­xe in­qui­e­ta­ção a cer­tos po­lí­ti­cos que pa­re­cem es­tar com os di­as con­ta­dos nas su­as ati­vi­da­des po­lí­ti­co-mar­gi­nais.

Não é pre­ci­so ten­tar adi­vi­nhar a que par­ti­do per­ten­cem es­ses es­per­ta­lhões que já es­tão cri­an­do ba­nha de tan­to ma­mar nas te­tas de on­de sai nos­so su­a­do di­nhei­ri­nho: in­va­ri­a­vel­men­te são do PMDB, PSDB e PT, que com­põ­em as mai­o­res ban­ca­das do nos­so Con­gres­so.

O PMDB pos­sui a mai­or qua­dri­lha, tan­to de se­na­do­res co­mo de de­pu­ta­dos, mas pa­ra pou­par a pa­ci­ên­cia dos lei­to­res va­mos fi­car ape­nas no Se­na­do. De to­dos os in­ves­ti­ga­dos, não há dú­vi­da de que a si­tu­a­ção mais pe­ri­cli­tan­te é a de Re­nan Ca­lhei­ros.

Sa­be-se que a oli­gar­quia dos Ca­lhei­ros de há mui­to ins­ta­lou-se na Re­pú­bli­ca das Ala­go­as.

A lei elei­to­ral de vez em quan­do ar­ma uma ara­pu­ca pa­ra os es­per­ta­lhões: e des­ta vez com Re­nan Ca­lhei­ros: co­mo o go­ver­na­dor de Ala­go­as, Re­nan­zi­nho, é seu fi­lho, pe­la lei o pai só po­de con­cor­rer ao mes­mo car­go que ocu­pa ho­je, o que não é o ca­so, por exem­plo de Aé­cio Ne­ves, que, ven­do su­as chan­ces de re­e­lei­ção ba­te­rem asas, de­ve­rá op­tar por uma va­ga na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Car­re­gan­do na ca­cun­da na­da me­nos que quin­ze in­qué­ri­tos, sem se fa­lar que já é réu pe­ran­te o STF, na­tu­ral­men­te te­rá de dis­pu­tar uma das du­as va­gas ao Se­na­do por Ala­go­as; e o ou­tro pe­sa­de­lo que lhe as­sal­ta o so­no é que te­rá co­mo con­cor­ren­tes no­mes de pe­so e pos­si­vel­men­te am­bos “fi­cha lim­pa”: o mi­nis­tro do Tu­ris­mo Marx Bel­trão e Mau­rí­cio Quin­te­la, dos Tran­spor­tes, sem se fa­lar no co­le­ga Be­ne­di­to de Li­ra, com pres­tí­gio de am­plo es­pec­tro, e o não me­nos po­pu­lar ex-go­ver­na­dor Te­o­tô­nio Vi­le­la, her­dei­ro po­lí­ti­co do “me­nes­trel das Ala­go­as”.

Em Per­nam­bu­co, com cer­te­za o pe­tis­ta Hum­ber­to Cos­ta plei­te­a­rá can­di­da­tar-se, se­ja uma re­e­lei­ção ao Se­na­do ou con­ten­tar-se com uma va­ga na Câ­ma­ra. Pa­ra tan­to, es­tá em com­pas­so de es­pe­ra em um ar­ran­jo que es­tá sen­do ne­go­ci­a­do en­tre o PT e o PSB no seu es­ta­do e só co­gi­ta a re­e­lei­ção ao Se­na­do se in­te­grar uma cha­pa for­te. Mas sur­giu uma pe­dra de tro­pe­ço em su­as pre­ten­sões: é acu­sa­do de ter re­ce­bi­do cer­ca de R$ 600 mil pa­ra fa­vo­re­cer a Ode­brecht em uma li­ci­ta­ção na Pe­tro­bras, em 2010.

Uma ou­tra fi­gu­ri­nha que vai ter tra­ba­lho nes­tas elei­ções de 2018 é o se­na­dor Lindbergh Fa­ria, que pa­re­ce não ter ain­da de­sis­ti­do de re­e­le­ger-se ao Se­na­do em 2018; mas, di­an­te de su­as pan­to­mi­mas e tra­pa­lha­das nos dois úl­ti­mos anos as pes­qui­sas mos­tram que su­as chan­ces de con­quis­tar um no­vo man­da­to de se­na­dor es­tão es­cas­sas, em­bo­ra es­te­ja for­çan­do uma po­pu­la­ri­da­de que não tem: re­sol­veu acom­pa­nhar o ex-pre­si­den­te Lu­la em su­as ca­ra­va­nas pe­lo Su­des­te e tem abu­sa­do das pos­ta­gens nas re­des so­ci­ais ao la­do do lí­der nas pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to. Se não se vi­a­bi­li­zar, tam­bém de­ve par­tir pa­ra uma can­di­da­tu­ra a de­pu­ta­do. Ele é acu­sa­do de ter-se be­ne­fi­ci­a­do de um es­que­ma de re­ce­bi­men­to de pro­pi­na de em­pre­sas con­tra­ta­das por No­va Igua­çu quan­do foi pre­fei­to da ci­da­de, en­tre 2005 e 2010.

Em pa­lan­que da ca­ra­va­na de Lu­la, Lindbergh to­ma o ex-pre­si­den­te co­mo pa­ra­dig­ma po­lí­ti­co, de­mons­tran­do não es­tar se­gu­ro de sua re­e­lei­ção, che­gan­do a mos­trar que quan­to mai­or o de­ses­pe­ro, mai­or a de­ma­go­gia.

Uma ou­tra per­so­na­gem que vi­ve um au­tên­ti­co in­fer­no as­tral, em ra­zão não só de seu ar­ra­i­ga­do ra­di­ca­lis­mo, mas tam­bém de seu des­lum­bra­men­to pe­la pre­si­dên­cia do seu par­ti­do, é a se­na­do­ra Glei­si Hoffmann, a po­pu­lar “Na­ri­zi­nho”, que  já nem co­gi­ta mais dis­pu­tar no­va­men­te uma va­ga ao Se­na­do, que re­co­nhe­ce não ter ca­ci­fe pa­ra tal, mas, em ra­zão do fo­ro pri­vi­le­gi­a­do (que es­tá de­ci­di­do, mas não sa­cra­men­ta­do ju­ri­di­ca­men­te), ela não quer abrir mão de ter um man­da­to, tan­to pe­la ques­tão po­lí­ti­ca quan­to pa­ra não per­der o fo­ro. Ré na La­va-Ja­to, ela é acu­sa­da de re­ce­ber R$ 1 mi­lhão do es­que­ma de cor­rup­ção da Pe­tro­bras pa­ra sua cam­pa­nha de se­na­do­ra em 2010.

Fi­nal­men­te, o já fa­la­do ex-pre­si­den­te do tu­ca­na­to, se­na­dor Aé­cio Ne­ves, que é se­na­dor por Mi­nas mas mo­ra no Rio, já che­gou à con­clu­são de que te­rá gran­de di­fi­cul­da­de em se re­e­le­ger pa­ra mais um man­da­to co­mo se­na­dor, e já tra­ça co­mo “pla­no B” uma can­di­da­tu­ra a de­pu­ta­do fe­de­ral, pois lhe é in­tei­ra­men­te in­vi­á­vel o Se­na­do, inob­stan­te ha­ver du­as va­gas a se­rem pre­en­chi­das no ano que vem.

Ali­a­dos su­ge­rem que, por me­di­da de pre­cau­ção, ele pas­se os três pri­mei­ros mes­es de 2018 vi­a­jan­do pe­lo Es­ta­do pa­ra sen­tir o pul­so dos elei­to­res e só en­tão, após uma ava­li­a­ção, de­ci­da por qual ca­dei­ra con­cor­re, pois seu des­gas­te dos úl­ti­mos mes­es, com epi­só­di­os de fal­ta de con­di­ções de di­ri­gir seu pró­prio par­ti­do em ra­zão de en­vol­vi­men­to com os açou­guei­ros de Aná­po­lis, sen­do al­vo de no­ve in­qué­ri­tos no STF, e che­go até a ar­ris­car-me a di­zer que, di­an­te das úl­ti­mas tra­pa­lha­das, se ele não for pa­rar atrás das gra­des á es­ta­rá no lu­cro.

Co­mo se vê, o gran­de em­pe­ci­lho à per­ma­nên­cia da qua­se to­ta­li­da­de dos po­lí­ti­cos nos seus car­gos, em to­dos os ní­veis e em to­dos os car­gos, cha­ma-se cor­rup­ção.

Mas co­mo há ma­les que vêm pa­ra bem, tal­vez atra­vés do amar­go re­mé­dio pres­cri­to pa­ra a  cor­rup­ção se­ja pos­sí­vel ex­pur­gar do Bra­sil es­se per­ni­cio­so mal se­cu­lar que es­tá aca­ban­do com nos­so pa­ís, des­de Ca­bral (o que o des­co­briu e o que qua­se o afun­dou).

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, mem­bro da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa – AGI – e da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Ad­vo­ga­dos Cri­mi­na­lis­tas – Abracrim, es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do. li­be­ra­to­po­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar