Opinião

Opinião: Genocídio de jovens brasileiros

diario da manha

A agen­da que a vi­da par­la­men­tar me im­põe é mui­to pe­sa­da: acom­pa­nhar aten­ta­men­te os te­mas e os pro­je­tos re­le­van­tes, as au­diên­cias pú­bli­cas nas Co­mis­sões do Se­na­do, e re­la­tar pro­je­tos na­que­las em que sou mem­bro na­ta; pro­nun­ci­ar-me na tri­bu­na do ple­ná­rio so­bre te­mas re­le­van­tes pa­ra Go­i­ás e pa­ra o Bra­sil; to­mar po­si­ções nas vo­ta­ções; es­tar aten­ta às ne­ces­si­da­des e aos re­cla­mos dos mu­ni­cí­pios de Go­i­ás; aten­der a con­vi­tes de en­ti­da­des, as mais va­ri­a­das, pa­ra con­fe­rên­cias e ma­ni­fes­ta­ções; acom­pa­nhar as re­des so­ci­ais e o que a mí­dia go­i­a­na e na­ci­o­nal di­vul­gam, com as res­pec­ti­vas re­per­cus­sões. Es­sa agen­da não me exi­me de es­tar aten­ta a as­sun­tos de gran­de in­te­res­se na­ci­o­nal, co­mo o que vou co­men­tar ho­je aqui.

Vou co­men­tar da­dos as­sus­ta­do­res, qua­se ma­ca­bros, di­vul­ga­dos na úl­ti­ma se­ma­na pe­la Unes­co, en­vol­ven­do o Ín­di­ce de Vul­ne­ra­bi­li­da­de Ju­ve­nil à Vi­o­lên­cia no Bra­sil. E mais: não po­de­mos dei­xar de ana­li­sar as di­men­sões so­ci­al e ra­ci­al da vi­o­lên­cia con­tra a ju­ven­tu­de em nos­so pa­ís. E, mais ain­da, a di­men­são de gê­ne­ro nes­sa vi­o­lên­cia.

Per­mi­to-me des­ta­car pa­ra os nos­sos lei­to­res dois con­cei­tos que per­me­a­rão es­te ar­ti­go: o pri­mei­ro é vul­ne­ra­bi­li­da­de so­ci­al, que é “o con­cei­to que ca­rac­te­ri­za a con­di­ção dos gru­pos de in­di­ví­duos que es­tão à mar­gem da so­ci­e­da­de, ou se­ja, pes­so­as ou fa­mí­lias que es­tão em pro­ces­so de ex­clu­são so­ci­al, prin­ci­pal­men­te por fa­to­res so­ci­o­e­co­nô­mi­cos”; o se­gun­do é ge­no­cí­dio, que ge­ral­men­te é de­fi­ni­do “co­mo o as­sas­si­na­to de­li­be­ra­do de pes­so­as mo­ti­va­do por di­fe­ren­ças ét­ni­cas, na­ci­o­nais, ra­ci­ais, re­li­gi­o­sas e, por ve­zes, só­cio-po­lí­ti­cas”.

No dia 11 de de­zem­bro foi di­vul­ga­do, em Bra­sí­lia, pe­la Se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal de Ju­ven­tu­de da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca e a re­pre­sen­ta­ção no Bra­sil da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Edu­ca­ção, a Ci­ên­cia e a Cul­tu­ra (UNES­CO), com apoio téc­ni­co do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, o re­la­tó­rio do Ín­di­ce de Vul­ne­ra­bi­li­da­de Ju­ve­nil à Vi­o­lên­cia 2017.

Di­an­te da re­a­li­da­de cri­mi­nal do Bra­sil em re­la­ção à ju­ven­tu­de e, es­pe­ci­al­men­te, em re­la­ção ao jo­vem e aos jo­vens ne­gros, o Fó­rum Per­ma­nen­te pe­la Igual­da­de Ra­ci­al (Fo­pir) pro­to­co­lou, há um ano, uma de­nún­cia con­tra o Es­ta­do bra­si­lei­ro no Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU). A de­nún­cia foi ba­se­a­da no Re­la­tó­rio da CPI do Se­na­do so­bre o as­sun­to, ter­mi­na­da em 2016, on­de se lê, na pá­gi­na 145, “o Es­ta­do bra­si­lei­ro, di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te, pro­vo­ca o ge­no­cí­dio da po­pu­la­ção jo­vem ne­gra”.

Di­an­te dos da­dos pu­bli­ca­dos, a re­pre­sen­tan­te in­te­ri­na da Unes­co no Bra­sil, Mar­lo­va No­le­to, dis­se: “Mais uma vez os da­dos com­pro­vam o ge­no­cí­dio dos jo­vens ne­gros no Bra­sil”. Não é pos­sí­vel, nes­te es­pa­ço, dar to­dos os nú­me­ros pu­bli­ca­dos pe­lo re­la­tó­rio, mas o que se cons­ta­ta é que, “en­quan­to os ho­mi­cí­di­os na po­pu­la­ção bran­ca di­mi­nu­í­ram mais de 26% en­tre 2003 e 2014, o nú­me­ro de ví­ti­mas ne­gras au­men­tou em 46,9%: a ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes, fo­ram 10,6 mor­tes de pes­so­as bran­cas em 2014 con­tra 27,4 de pes­so­as ne­gras”.

A es­pe­cia­lis­ta in­de­pen­den­te da ONU so­bre mi­no­ri­as, Ri­ta Iz­sák, des­ta­ca que os ne­gros res­pon­dem por 75% da po­pu­la­ção car­ce­rá­ria e por 70,8% dos 16,2 mi­lhões de bra­si­lei­ros vi­ven­do na ex­tre­ma po­bre­za. É um da­do que evi­den­cia a vul­ne­ra­bi­li­da­de da po­pu­la­ção ne­gra do pa­ís.

Uma tris­te no­vi­da­de nos Ín­di­ces de Vul­ne­ra­bi­li­da­de Ju­ve­nil à Vi­o­lên­cia 2017 é um olhar so­bre a jo­vem ne­gra. Pe­la pri­mei­ra vez a ques­tão de gê­ne­ro foi me­di­da. A jo­vem ne­gra tem du­as ve­zes mais chan­ces de ser mor­ta no Bra­sil do que a jo­vem bran­ca, diz o re­la­tó­rio.

En­tre os ho­mens, o ris­co de um jo­vem ne­gro ser as­sas­si­na­do é 2,7 ve­zes mai­or que de um jo­vem bran­co. Já as jo­vens ne­gras, com ida­de en­tre 15 e 19 anos, têm 2,19 ve­zes mais chan­ces de se­rem as­sas­si­na­das no Bra­sil do que jo­vens bran­cas na mes­ma fai­xa etá­ria. Mas, e Go­i­ás, co­mo se apre­sen­ta nes­ses ín­di­ces?

Em Go­i­ás, Lu­zi­â­nia li­de­ra o ranking de mu­ni­cí­pios em que o jo­vem es­tá mais vul­ne­rá­vel à vi­o­lên­cia. A ci­da­de foi clas­si­fi­ca­da no ín­di­ce “Mui­to Al­ta Vul­ne­ra­bi­li­da­de” e ocu­pa a 19ª po­si­ção no ranking na­ci­o­nal.

O Es­ta­do de Go­i­ás é con­si­de­ra­do de mé­dia vul­ne­ra­bi­li­da­de, fi­can­do em 18º lu­gar no ranking na­ci­o­nal, tra­zen­do, ain­da, além de Lu­zi­â­nia, os mu­ni­cí­pios de Trin­da­de, For­mo­sa, No­vo Ga­ma, Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia, Val­pa­ra­í­so, Águas Lin­das de Go­i­ás, Aná­po­lis, Se­na­dor Ca­ne­do, Rio Ver­de, Itum­bi­a­ra e Go­i­â­nia, com al­tos ín­di­ces de cri­mi­na­li­da­de con­tra os jo­vens.

O se­cre­tá­rio Na­ci­o­nal da Ju­ven­tu­de, Fran­cis­co de As­sis Cos­ta Fi­lho tem ra­zão ao di­zer que “a vi­o­lên­cia no Bra­sil tem cor, ra­ça, ge­o­gra­fia e fai­xa etá­ria”. Ele com­ple­tou di­zen­do da ne­ces­si­da­de de “uma for­ça-ta­re­fa de to­da a so­ci­e­da­de e dos go­ver­nos fe­de­ral, mu­ni­ci­pa­is e es­ta­du­ais pa­ra ti­rar os jo­vens da vul­ne­ra­bi­li­da­de, com ações afir­ma­ti­vas pa­ra a ju­ven­tu­de, em es­pe­ci­al pa­ra os jo­vens ne­gros”.

Den­tro des­sa pers­pec­ti­va, to­dos po­dem aju­dar a pen­sar o as­sun­to, em tor­no de qua­tro ei­xos: a) des­cons­tru­ção da cul­tu­ra da vi­o­lên­cia; b) in­clu­são, opor­tu­ni­da­de e ga­ran­tia de di­rei­tos; c) trans­for­ma­ção de ter­ri­tó­rios em es­pa­ços com ci­da­da­nia, e d) aper­fei­ço­a­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal.

De fa­to, to­dos os da­dos que trou­xe aqui evi­den­ci­am que a vi­o­lên­cia le­tal es­tá acen­tu­a­da­men­te di­re­cio­na­da à po­pu­la­ção ne­gra, com um for­te vi­és pa­ra a po­pu­la­ção fe­mi­ni­na ne­gra, com com­po­nen­tes de de­si­gual­da­des so­ci­o­e­co­nô­mi­cas. Es­te en­ten­di­men­to de­ve dar ba­se pa­ra as po­lí­ti­cas pú­bli­cas que ve­nham a ser im­plan­ta­das pa­ra a po­pu­la­ção ne­gra.

Além do mais, são in­dis­pen­sá­veis me­di­das es­tru­tu­ran­tes que en­vol­vam as di­ver­sas di­men­sões da vi­da dos jo­vens, co­mo edu­ca­ção, em pri­mei­rís­si­mo lu­gar, tra­ba­lho, fa­mí­lia, sa­ú­de, ren­da, igual­da­de ra­ci­al e opor­tu­ni­da­des.

Te­nho ple­na con­sci­ên­cia, e não me can­so de fa­lar is­so, que quan­to mais de­si­gual­da­de, me­nos edu­ca­ção pa­ra to­dos. Quan­to me­nos edu­ca­ção, me­nos con­sci­ên­cia, me­nor vi­gi­lân­cia so­ci­al, mais pro­ba­bi­li­da­de de cor­rup­ção e me­nos pers­pec­ti­va de cres­ci­men­to. Por ou­tro la­do, é ver­da­de que quan­to mais edu­ca­ção, mai­or a ca­pa­ci­da­de de mo­bi­li­za­ção so­ci­al e de par­ti­ci­pa­ção. É uma ban­dei­ra que a so­ci­e­da­de co­mo um to­do de­ve le­van­tar.

 

(Lú­cia Vâ­nia é se­na­do­ra da Re­pú­bli­ca, pre­si­den­te da Co­mis­são de Edu­ca­ção do Se­na­do e jor­na­lis­ta)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais