Opinião

Gestão pública eficiente

diario da manha

Di­an­te da po­pu­la­ção, a ges­tão pú­bli­ca sem­pre te­ve co­mo mar­ca a bu­ro­cra­cia. Mas nas úl­ti­mas dé­ca­das, es­se mo­de­lo vem evo­lu­in­do com o ob­je­ti­vo de al­can­çar re­sul­ta­dos efi­ca­zes e cus­tos ra­ci­o­nais.

Nes­se ce­ná­rio, o ges­tor pú­bli­co se de­pa­rou com um no­vo mun­do, cheio de exi­gên­cias so­ci­ais, tec­no­lo­gi­as e con­cei­tos de de­sen­vol­vi­men­to de pro­je­tos. E tal­vez, a efi­ci­ên­cia se­ja a pe­ça mais im­por­tan­te pa­ra que es­se mo­de­lo de  ad­mi­nis­tra­ção se­ja bem su­ce­di­do.

No ar­ti­go 37, da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral, te­mos os prin­cí­pios que ori­en­tam a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca. Até 1988, eram le­ga­li­da­de, im­pes­so­a­li­da­de, mo­ra­li­da­de e pu­bli­ci­da­de, mas com a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va na dé­ca­da de 90, o Con­gres­so Na­ci­o­nal apro­vou a Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal que acres­cen­tou o prin­cí­pio da efi­ci­ên­cia.

A efi­ci­ên­cia na ges­tão pú­bli­ca sig­ni­fi­ca me­lhor re­sul­ta­do nos ser­vi­ços pres­ta­dos a po­pu­la­ção com um me­lhor apro­vei­ta­men­to do di­nhei­ro. Es­sa é, sem dú­vi­da, a con­du­ta es­pe­ra­da de um bom ad­mi­nis­tra­dor.

Al­guns ju­ris­tas es­tu­di­o­sos no as­sun­to, afir­mam que a efi­ci­ên­cia na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca é um di­rei­to do ci­da­dão e uma ar­ma po­de­ro­sa no com­ba­te a cor­rup­ção.

E nes­sa re­a­li­da­de, ca­be ao ges­tor efi­ci­en­te to­mar me­di­das que nem sem­pre são po­pu­la­res. Pa­ra or­ga­ni­zar e es­tru­tu­rar a má­qui­na es­ta­tal, cor­tes de gas­tos são ne­ces­sá­rios. E a me­di­da que op­ta­mos pe­lo gas­to ra­ci­o­nal, as ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção, são al­can­ça­das de for­ma mais sa­tis­fa­tó­ria.

E tam­bém faz par­te des­se pro­ces­so, re­gu­lar e ori­en­tar o tra­ba­lho dos ser­vi­do­res, bus­can­do o me­lhor de­sem­pe­nho, pa­ra oti­mi­zar re­sul­ta­dos.

A no­va ad­mi­nis­tra­ção, tem co­mo ob­je­ti­vo, sim­pli­fi­car a ati­vi­da­de do ges­tor pú­bli­co, sem afas­tá-lo das exi­gên­cias le­gais. Es­ta­mos tra­ba­lhan­do com re­cur­so pú­bli­co e te­mos o de­ver de apli­cá-lo de for­ma res­pon­sá­vel e efi­ci­en­te. E as­sim, quem ga­nha é o ci­da­dão!

 

(Or­man­do Pi­res, ad­mi­nis­tra­dor, ser­vi­dor pú­bli­co e di­re­tor ope­ra­ci­o­nal da Co­murg)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais