Opinião

Goiás X feminicídio

diario da manha

A vi­o­lên­cia con­tra mu­lhe­res e me­ni­nas é um gran­de gar­ga­lo que aco­me­te nos­so es­ta­do, so­bre­tu­do em sua for­ma ex­tre­ma, o feminicídio, que é o as­sas­si­na­to de uma mu­lher por sua con­di­ção de gê­ne­ro, mo­ti­va­do pe­lo ódio, des­pre­zo, sen­ti­men­to de per­da e de con­tro­le so­bre o se­xo fe­mi­ni­no. A CPI da Vi­o­lên­cia Con­tra a Mu­lher, afir­ma que o fe­mi­ni­cí­dio é a ins­tân­cia úl­ti­ma de con­tro­le da mu­lher pe­lo ho­mem, o con­tro­le da vi­da so­bre a mor­te.

In­fe­liz­men­te Go­i­ás não é um lu­gar se­gu­ro pa­ra ser­mos mu­lhe­res. Ho­je cor­re­mos o ris­co de ser­mos mor­tas ape­nas por de­ci­dir­mos ter­mi­nar um re­la­ci­o­na­men­to abu­si­vo, por frus­trar al­gu­ma ex­pec­ta­ti­va ou re­cu­sar um pe­di­do de na­mo­ro, co­mo acon­te­ceu com a me­ni­na Rap­ha­el­la No­viski, bru­tal­men­te as­sas­si­na­da em Alex­ân­ia.

A lei do fe­mi­ni­cí­dio trans­for­ma as­sas­si­na­tos co­var­des em cri­mes he­di­on­dos, com pe­nas ri­go­ro­sas, sem dú­vi­da é uma gran­de con­quis­ta, pu­nin­do com ri­gor e dan­do vi­si­bi­li­da­de à es­ta vi­o­lên­cia cru­el e ve­la­da.

Co­mo De­le­ga­da e ago­ra de­pu­ta­da, te­nho co­mo pri­o­ri­da­de o com­ba­te à vi­o­lên­cia con­tra mu­lhe­res, cri­an­ças e ado­les­cen­tes. Na Po­lí­cia Ci­vil, fui res­pon­sá­vel pe­la De­le­ga­cia de Pro­te­ção à Cri­an­ça e Ado­les­cen­te (DPCA) por qua­se 10 anos e no par­la­men­to apre­sen­tei pro­je­tos vol­ta­dos à pre­ven­ção da vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher, co­mo: o pro­je­to que re­ser­va va­gas de em­pre­gos pa­ra mu­lhe­res ví­ti­mas de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca; cri­a­ção da Cam­pa­nha de com­ba­te ao ma­chis­mo na re­de es­ta­du­al de en­si­no e ins­ti­tu­ir o dia 6 de no­vem­bro, da­ta do as­sas­si­na­to de Rap­ha­el­la, co­mo o Dia Es­ta­du­al de Com­ba­te ao Fe­mi­ni­cí­dio.

Pre­ci­sa­mos ur­gen­te­men­te de me­di­das efe­ti­vas pa­ra for­ta­le­cer e me­lho­rar as fer­ra­men­tas de com­ba­te à vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher, co­mo es­tru­tu­ra ade­qua­da nas De­le­ga­cias da Mu­lher e au­men­to no efe­ti­vo de po­li­ci­ais; am­pli­a­ção nos jui­za­dos es­pe­cia­li­za­dos em aten­di­men­to à mu­lher, ga­ran­tin­do a atu­a­ção rá­pi­da na pro­te­ção das ví­ti­mas; abri­gos pa­ra mu­lhe­res ame­a­ça­das e seus fi­lhos; Cen­tros de Re­fe­rên­cia pa­ra aco­lhi­men­to das ví­ti­mas, e en­ca­mi­nha­men­tos mé­di­cos, psi­co­ló­gi­cos e ju­rí­di­cos.

Tais me­di­das não adi­an­tam se­não in­ves­tir­mos na pre­ven­ção, atra­vés de ações que trans­for­mem a cul­tu­ra ma­chis­ta que per­pas­sa a cri­a­ção re­ce­bi­da por nós go­i­a­nos e go­i­a­nas, que sem dú­vi­da é a re­al mo­ti­va­ção pa­ra a vi­o­lên­cia con­tra as mu­lhe­res e me­ni­nas.

É pre­ci­so nos unir co­mo so­ci­e­da­de, pa­ra jun­tos en­con­trar­mos os ca­mi­nhos de um Es­ta­do se­gu­ro pa­ra mu­lhe­res, me­ni­nos e me­ni­nas, pa­ra to­das e to­dos!

 

(Adri­a­na Ac­cor­si, de­le­ga­da de po­lí­cia, de­pu­ta­da es­ta­du­al (PT) e pre­si­den­te do Di­re­tó­rio Mu­ni­ci­pal do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar