Opinião

Guerras cibernéticas: novas formas de guerra

diario da manha

Conhe­ce­mos as for­mas clás­si­cas de guer­ra, pri­mei­ro en­tre exér­ci­tos e após Hit­ler (com a sua “to­ta­ler Kri­eg”= guer­ra to­tal) de po­vos con­tra po­vos. In­ven­ta­ram-se bom­bas nu­cle­a­res tão po­ten­tes que po­dem des­tru­ir to­da a vi­da. Diz-se que eram ar­mas de dis­sua­são. Não im­por­ta. Quem tem, por pri­mei­ro a ini­ci­a­ti­va, ga­nha a guer­ra que du­ra­ria pou­cos mi­nu­tos. A ques­tão é   que ela são tão le­tais que po­dem ma­tar a to­dos, in­clu­si­ve aque­les pri­mei­ros que as lan­ça­ram. Vi­ra­ram ar­mas de es­pan­ta­lho. Mas cui­da­do, a se­gu­ran­ça nun­ca é to­tal e não é im­pos­sí­vel que al­gu­mas de­las ex­plo­dam sob a ação de hackers, pon­do em­ris­co gran­de par­te da hu­ma­ni­da­de.

Ul­ti­ma­men­te in­ven­tou-se ou­tra for­ma de guer­ra que a mai­o­ria se­quer se dá con­ta: a guer­ra ci­ber­né­ti­ca, cha­ma­da tam­bém de guer­ra in­for­má­ti­ca, guer­ra di­gi­tal e ci­ber­guer­ra.

Ela tem um pa­no de fun­do que me­re­ce ser con­si­de­ra­do: há um ex­ces­so  de acu­mu­la­ção de ca­pi­tal a pon­to de as gran­des cor­po­ra­ções não sa­be­rem on­de apli­cá-lo. A agên­cia de po­lí­ti­cas de de­sen­vol­vi­men­to, Ox­fam, pre­sen­te em 94 paí­ses e as­ses­so­ra­da por ci­en­tis­tas do MIT nos for­ne­ceu nes­te ano de 2017 os se­guin­tes da­dos: 1% da hu­ma­ni­da­de con­tro­la mais da me­ta­de da ri­que­za do mun­do. Os 20%mais ri­cos pos­su­em 94.5% des­sa ri­que­za, en­quan­to 80% de­ve se con­for­mar com 5,5%. Eis uma pro­fun­da de­si­gual­da­de que tra­du­zi­da eti­ca­men­te sig­ni­fi­ca per­ver­sa in­jus­ti­ça.

Es­sa de­ma­si­a­da con­cen­tra­ção não vê sen­ti­do em apli­ca­ções pro­du­ti­vas por­que o mer­ca­do em­po­bre­ci­do não tem con­di­ções de ab­sor­ver seus pro­du­tos. Ou con­ti­nuam na ci­ran­da es­pe­cu­la­ti­va agra­van­do o pro­ble­ma ou en­con­tram ou­tras saí­das ren­tá­veis às apli­ca­ções. Vá­rios ana­lis­tas, co­mo  Wil­li­am Ro­bin­son, da Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, San­ta Bár­ba­ra, que  pu­bli­cou bri­lhan­te es­tu­do so­bre o te­ma mas tam­bém Nou­ri­el Ru­bi­ni, o que pre­viu o de­bâ­cle de 2007-2008, en­tre ou­tros. Eles nos re­fe­rem du­as saí­das pa­ra o ca­pi­tal ul­tra­con­cen­tra­do: in­ves­tir na mi­li­ta­ri­za­ção co­man­da­da pe­lo Es­ta­do, cons­tru­ção de no­vas ar­mas nu­cle­a­res ou in­ves­tir em guer­ras lo­ca­is, guer­ra con­tra as dro­gas, na cons­tru­ção de mu­ros fron­tei­ri­ços, na in­ven­ção de no­vos apa­ra­tos po­li­ci­ais e mi­li­ta­res.

Ou en­tão fa­zer gran­des in­ves­ti­men­tos em tec­no­lo­gia, ro­bo­ti­za­ção, au­to­ma­ção mas­si­va e di­gi­ta­li­za­ção co­brin­do, se pos­sí­vel, to­dos os âm­bi­tos da vi­da. Se em 1980 o in­ves­ti­men­to era de 65 bi­lhões ago­ra pas­sou pa­ra 654 bi­lhões. Nes­te in­ves­ti­men­to es­tão pre­vis­tos ser­vi­ços de con­tro­le das po­pu­la­ções, ver­da­dei­ro Es­ta­do po­li­ci­al e as guer­ras ci­ber­né­ti­cas.

So­bre is­so, con­vém de­ta­lhar um pou­co a aná­li­se. Na guer­ra ci­ber­né­ti­ca não se usam ar­mas fí­si­cas mas o cam­po ci­ber­né­ti­co com a uti­li­za­ção de ví­rus e hackers so­fis­ti­ca­dos que en­tram nas re­des di­gi­tais do ini­mi­go pa­ra anu­lar e even­tual­men­te da­ni­fi­car os sis­te­mas in­for­má­ti­cos. Os prin­ci­pa­is ob­je­ti­vos são ge­ral­men­te os ban­cos,  os sis­te­mas fi­nan­cei­ros ou mi­li­ta­res e to­do o sis­te­ma de co­mu­ni­ca­ção. Os com­ba­ten­tes des­ta guer­ra são es­pe­cia­lis­tas em in­for­má­ti­ca e te­le­co­mu­ni­ca­ções.

Es­te ti­po de guer­ra foi tes­ta­do vá­ri­as ve­zes; já em 1999 na guer­ra do Ko­so­vo, on­de hackers ata­ca­ram até o por­ta-avi­ões nor­te-ame­ri­ca­no. Tal­vez o mais co­nhe­ci­do foi o ata­que à Es­tô­nia no dia 26 de abril de 2007. O pa­ís se ga­ba­va de pos­su­ir qua­se to­dos os ser­vi­ços do pa­ís in­for­ma­ti­za­dos e di­gi­ta­li­za­dos. Um pe­que­no in­ci­den­te da der­ru­ba­da da es­tá­tua de um sol­da­do rus­so, sím­bo­lo da con­quis­ta rus­sa na úl­ti­ma guer­ra, por ci­vis da Es­tô­nia ser­viu de mo­ti­vo pa­ra a Rús­sia di­ri­gir um ata­que ci­ber­né­ti­co que pa­ra­li­sou pra­ti­ca­men­te to­do o pa­ís: os tran­spor­tes, as co­mu­ni­ca­ções, os ser­vi­ços ban­cá­rios, o ser­vi­ço de luz e água. Nos di­as se­guin­tes de­sa­pa­re­ce­ram os si­tes do Par­la­men­to, das Uni­ver­si­da­des e dos prin­ci­pa­is jor­nais. As in­ter­ven­ções vi­nham de dez mil com­pu­ta­do­res, dis­tri­bu­í­dos em vá­ri­as par­tes do mun­do. O che­fe de Es­ta­do da Es­tô­nia de­cla­rou acer­ta­da­men­te:”nós vi­ví­a­mos no fu­tu­ro: ban­cos on­li­ne, no­tí­cias on­li­ne, tex­tos on­li­ne, shop­pings on­li­ne; a to­tal di­gi­ta­li­za­ção fez tu­do mais rá­pi­do e mais fá­cil, mas tam­bém cri­ou a pos­si­bi­li­da­de de, em se­gun­dos, nos fa­zer re­gre­dir sé­cu­los”.

Bem co­nhe­ci­do é o ví­rus Stux­net, pos­si­vel­men­te pro­du­zi­do por Is­ra­el e pe­los USA que con­se­guiu en­trar no fun­cio­na­men­to das usi­nas de en­ri­que­ci­men­to de urâ­nio do Irã, au­men­tan­do-lhe a ve­lo­ci­da­de a pon­to de ra­cha­rem e im­pos­si­bi­li­ta­ram seu fun­cio­na­men­to.

O ris­co mai­or da guer­ra ci­ber­né­ti­ca é que po­de ser con­du­zi­da por gru­pos ter­ro­ris­tas co­mo o Isis ou por um ou­tro pa­ís, pa­ra­li­san­do to­da in­fra­es­tru­tu­ra, dos ae­ro­por­tos, dos tran­spor­tes, das co­mu­ni­ca­ções, dos ser­vi­ços de água e luz e mes­mo rom­per os se­gre­dos de apa­ra­tos de se­gu­ran­ça de ar­mas le­tais e fa­ze-las dis­pa­rar ou inu­ti­li­zá-las. E tu­do is­so a par­tir de cen­te­nas de com­pu­ta­do­res que fun­cio­nam a par­tir de di­fe­ren­tes par­tes do pla­ne­ta, im­pos­si­bi­li­tan­do iden­ti­fi­car seu lu­gar e as­sim en­fren­tá-las.

Es­ta­mos, por­tan­to, fa­ce a ris­cos ino­mi­ná­veis, fru­to da ra­zão en­lou­que­ci­da. Só uma hu­ma­ni­da­de que ama a vi­da e se une pa­ra pre­ser­vá-la nos po­de­rá sal­var.

 

(Le­o­nar­do Boff es­cre­veu Cu­i­dar da Ter­ra-pro­te­ger a vi­da: co­mo es­ca­par do fim do mun­do, Re­cord 2010)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais