Opinião

Hermenegildo e José Antônio

diario da manha

Em Mor­ri­nhos, sul de Go­i­ás, ha­via um ho­mem mui­to abas­ta­do que se cha­ma­va Her­me­ne­gil­do Lo­pes de Mo­ra­es. Na­que­le tem­po, aos ri­ca­ços con­ce­di­am-se pa­ten­tes  mi­li­ta­res, por  is­so  o cha­ma­vam de Co­ro­nel Her­me­ne­gil­do.

Mais ou me­nos na mes­ma épo­ca vi­via, em Ja­taí, no su­do­es­te go­i­a­no, Jo­sé An­tô­nio de Car­va­lho pro­pri­e­tá­rio de mui­ta ter­ra e mui­to ga­do. Ig­no­ro sua pa­ten­te, por cer­to a pos­su­ía.

As in­for­ma­ções so­bre am­bos co­lho em du­as im­por­tan­tes obras. Uma se in­ti­tu­la “A Noi­te de 15 Anos”, do mor­ri­nhen­se Eu­ri­co Bar­bo­sa dos San­tos. A ou­tra traz o tí­tu­lo “Pri­mei­ros Fa­zen­dei­ros do Su­do­es­te Go­i­a­no e do Les­te Ma­to-Gro­os­sen­se”, es­cri­ta pe­los ja­tai­en­ses Bi­nô­mi­no da Cos­ta Li­ma(meu pa­ren­te) e Al­mé­rio Bar­ros Fran­ça.

“Jo­sé An­tô­nio de Car­va­lho dei­xou a mai­or des­cen­dên­cia em Ja­taí: 16 fi­lhos, 130 ne­tos, 626 bis­ne­tos, 2.904 tri­ne­tos, 5.804 te­tra­ne­tos e ou­tros tan­tos des­cen­den­tes”(pág.12, ci­ta­da obra de Bi­nô­mi­no e Al­mé­rio). “Do­ou pa­ra ca­da fi­lho uma fa­zen­da gran­de com mil va­cas. Pos­te­rior­men­te, no co­me­ço do sé­cu­lo, deu  mais 500 re­ses pa­ra ca­da um, fi­can­do  ele qua­se que ex­clu­si­va­men­te com o mo­vi­men­to de em­prés­ti­mo em di­nhei­ro” (pág 12, au­to­res e obra men­ci­o­na­dos). Se­te fi­lhos vi­e­ram do seu  ca­sa­men­to com Ma­ria Vi­tó­ria Gou­veia de Mo­ra­es.En­vi­u­van­do-se, cas­ou-se com Am­bro­si­na Jus­ti­nia­na Lo­pes Can­ça­do, com quem te­ve no­ve re­ben­tos, den­tre es­tes Jo­sé An­tô­nio de Car­va­lho Jú­ni­or, mais co­nhe­ci­do por Ze­ca Lo­pes, que é no­me de rua cen­tral  de Ja­taí.

“O gran­de lí­der Se­ra­fim de Car­va­lho, que foi de­pu­ta­do, co­man­dou os des­ti­nos de Ja­taí por 40 anos, era  seu bis­ne­to – tan­to o seu pai quan­to a sua mãe eram ne­tos de Jo­sé An­tô­nio de Car­va­lho. Ou­tros bis­ne­tos que fo­ram po­lí­ti­cos: Lu­zi­a­no de Car­va­lho, Do­ri­val de Car­va­lho(pri­mo e cu­nha­do do Lu­zi­a­no. Ob­ser­va­ção nos­sa),Dr. An­tô­nio So­a­res Ged­da, ca­sa­do com uma sua bis­ne­ta(Do­ra­li­ce de Car­va­lho, que era ir­mã de Se­ra­fim, acres­cen­ta­mos) e Walki­rio Car­nei­ro de Bar­ros, ca­sa­do com du­as bis­ne­tas(Bal­du­í­na Bar­ros de Car­va­lho e Co­ra­ci de Car­va­lho). To­dos fo­ram pre­fei­tos de Ja­tai”com ex­ce­ção do Se­ra­fim, que os ele­gia. Ob­ser­va­ção nos­sa) – pág.14, Bi­nô­mi­no e Al­mé­rio, obra men­ci­o­na­da). Jo­sé An­tô­nio de Car­va­lho fe­le­ceu com mais de 90 anos a 7 de maio de 1911, es­cre­vem Bi­nô­mi­no e Al­mé­rio.

“Her­me­ne­gil­do foi, po­li­ti­ca­men­te,  a mais im­por­tan­te che­fia do in­te­ri­or do Es­ta­do  na úl­ti­ma dé­ca­da do sé­cu­lo pas­sa­do e no pri­mei­ro lus­tro des­te sé­cu­lo” (pág. 297, “A Noi­te de 15 Anos”, de Eu­ri­co Bar­bo­sa. Obs: Eu­ri­co se re­fe­re, res­pec­ti­va­men­te,T ao sé­cu­lo XIX e ao XX). “De­pois do ad­ven­to da Re­pú­bli­ca, até 1905, ano da sua mor­te, foi Vi­ce-Pre­si­den­te do Es­ta­do em to­dos os qua­tri­ê­ni­os” (mes­ma pá­gi­na da evi­den­ci­a­da obra de Eu­ri­co Bar­bo­sa). Além das fa­zen­das mor­ri­nhen­ses – pros­se­gue Bar­bo­sa –  su­as pro­pri­e­da­des eram ta­ma­nhas que gran­de par­te do mu­ni­cí­pio de Bom Je­sus lhe per­ten­cia. Ti­nha tan­to  di­nhei­ro que atu­a­va co­mo um Ban­co a fi­nan­ciar não só o co­mér­cio no sul go­i­a­no co­mo no Tri­ân­gu­lo Mi­nei­ro”( Eu­ri­co Bar­bo­sa dos San­tos, obra re­fe­ri­da). Do seu ca­sa­men­to com Fran­cis­ca Ca­ro­li­na de Na­za­reth nas­ce­ram Her­me­ne­gil­do, Fran­cis­co (foi de­pu­ta­do es­ta­du­al), Al­fre­do e Amé­lia Au­gus­ta(fon­te: idem). Es­ta – pros­se­gue Eu­ri­co Bar­bo­sa – se ma­tri­mo­niou com Jo­sé Xa­vi­er de Al­mei­da, pre­si­den­te de Go­i­ás. Her­me­ne­gil­do, fi­lho, te­ve vá­rios man­da­tos de de­pu­ta­do fe­de­ral e ao fa­le­cer, em 1925, era se­na­dor. Al­fre­do Lo­pes de Mo­ra­es foi  in­ten­den­te, de­pu­ta­do es­ta­du­al, de­pu­ta­do fe­de­ra­la, se­na­dor e pre­si­diu Go­i­ás de 1929-1930 (Eu­ri­co Bar­bo­sa, obra evi­den­ci­a­da, pá­gi­na 297).

Acres­cen­to que Al­fre­do era mé­di­co, re­si­diu em Ja­taí e fez o par­to que pôs  no mun­do An­tô­nio So­a­res Ged­da, lem­bra­do em li­nhas aci­ma, par­to es­se ocor­ri­do dia 7 de ju­lho de 1908. Ged­da fa­le­ceu per­to de com­ple­tar um sé­cu­lo e foi, pe­lo me­nos até re­cen­te­men­te, o po­lí­ti­co com mai­or nú­me­ro de man­da­tos de ve­re­a­dor na “Ci­da­de Abe­lha” (elei­to em 1954, 1962, 1966, 1970, 1972, 1976). Ele­geu-se pre­fei­to dia 3.10.1958 e sua ad­mi­nis­tra­ção se cum­priu de 31.1.1959 a 31.1.1961, Al­fre­do es­ta­va â fren­te do go­ver­no es­ta­du­al e foi de­pos­to por  Car­los Pi­nhei­ro Cha­gas, su­ce­di­do pe­la jun­ta com­pos­ta por Pe­dro Lu­do­vi­co, Emí­lio Pó­voa e Má­rio Cai­a­do de Cas­tro. Dis­sol­vi­da es­ta, no­me­ou-se Pe­dro in­ter­ven­tor.

 

(Fi­la­del­fo Bor­ges de Li­ma. fi­la­del­fo­bor­ges­de­li­[email protected])

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais