Opinião

“Homossexualidade é doença?”

diario da manha

Po­de pa­re­cer que o con­cei­to de “do­en­ça” é al­go sim­ples, bem de­fi­ni­do, bem de­li­mi­ta­do, mas não é. Por exem­plo, ul­ti­ma­men­te, tal con­cei­to tem si­do usa­do pa­ra fins ide­o­ló­gi­cos/po­lí­ti­cos. Ho­je em dia, cha­mar al­guém de “do­en­te” pas­sou a ser al­go ofen­si­vo.

Nos EUA, p.ex., quan­do vo­cê quer ofen­der a al­guém, cha­ma-o, “you are sick” , mais ou me­nos co­mo al­go as­sim : “vo­cê é UM DO­EN­TE”. Tal fe­nô­me­no já ocor­reu inú­me­ras ve­zes na his­tó­ria da me­di­ci­na, so­bre­tu­do da psi­qui­a­tria. Por ex., os ter­mos “im­be­cil”, “idi­o­ta”, “dé­bil”, “lou­cu­ra” (em fran­cês, “fo­lie”), “de­men­te” , “cre­ti­no”, “mon­gol”, “re­tar­da­do”, “le­pro­so”, “es­qui­zo­frê­ni­co”, ho­je em dia “bi­po­lar”, “ob­ce­ca­do”, “men­te­cap­to”, “ma­ní­a­co”, etc, to­dos já fo­ram ape­nas um no­me de do­en­ça, em al­gum mo­men­to da his­tó­ria, quan­do fo­ram in­ven­ta­dos.

Por exem­plo, os graus de de­fi­ci­ên­cia men­tal eram clas­si­fi­ca­dos em “idi­o­ta”, “im­be­cil”, “dé­bil”, ape­nas nu­ma gra­da­ção, da do­en­ça mais gra­ve pa­ra a me­nos gra­ve.

Nós vi­ve­mos em uma épo­ca on­de to­do o Oci­den­te se vol­ta con­tra a “au­to­ri­da­de”, con­tra a “lei”, con­tra a nor­ma, con­tra a “mo­ral”, con­tra o “fa­lo”, con­tra o “ma­cho”, e, de mo­do ge­ral, a “fria e cal­cu­lis­ta Me­di­ci­na” é uma ví­ti­ma dis­so.

A cul­pam por ter um pa­pel de “dar ró­tu­los”, “clas­si­fi­car pes­so­as”, ser “ra­cis­ta” (es­ses di­as cul­pa­vam os mé­di­cos de di­ze­rem que ane­mia fal­ci­for­me e hi­per­ten­são ma­lig­na atin­ge mui­to mais os ne­gros), ser “con­tro­la­do­ra de com­por­ta­men­tos”, ser “au­xi­li­ar da Bí­blia” (“con­tra a ho­mos­se­xu­a­li­da­de”).

Is­so tem vá­ri­as re­per­cus­sões den­tro da me­di­ci­na, que tam­bém so­fre mui­tas in­flu­ên­cias po­lí­ti­cas e ide­o­ló­gi­cas. Por exem­plo: ho­je em dia já não se fa­la mais em “re­tar­do men­tal”, mas sim em “in­su­fi­ci­ên­cia in­te­lec­tu­al”. “Do­en­ça Ma­ní­a­co-De­pres­si­va” vi­rou “Tran­stor­no Bi­po­lar”, e es­te, pa­ra as cri­an­ças, pe­lo me­nos, já es­tá vi­ran­do “Tran­stor­no de des­re­gu­la­ção do hu­mor”.

Já re­ti­ra­ram da clas­si­fi­ca­ção psi­qui­á­tri­ca o que an­tes era con­si­de­ra­do do­en­ça, p.ex., além da ho­mos­se­xu­a­li­da­de, a mas­tur­ba­ção (que já foi con­si­de­ra­da um “des­vio pa­to­ló­gi­co”), o sa­dis­mo, o mas­oquis­mo, voyeu­ris­mo , exi­bi­cio­nis­mo, fe­ti­chis­mo, zo­o­fi­lia.

Pa­ra as as­so­cia­ções psi­qui­á­tri­cas que es­tão que­ren­do “des-me­di­ca­li­zar” es­ses 6 úl­ti­mos pro­ble­mas, por exem­plo, não ha­ve­ria do­en­ça se uma pes­soa que gos­ta de cau­sar dor du­ran­te o ato se­xu­al (sa­dis­mo), fi­zer se­xo con­sen­su­al com ou­tra que gos­ta de ser fe­ri­da du­ran­te o ato. Pa­ra eles não se­ria “do­en­ça”.

Es­tão que­ren­do re­ti­rar a pe­do­fi­lia, quan­do o in­di­ví­duo só tem os “de­se­jos in­fan­tis”, mas não che­ga a pra­ti­car o ato. Ou quan­do gos­ta de ter re­la­ções com ga­ro­tas de mais de 9 anos, ou en­tre apro­xi­ma­da­men­te 9 e 12 anos, quan­do já co­me­çam a apa­re­cer , na me­ni­na, ca­rac­te­res se­xu­ais se­cun­dá­rios. Ou en­tão, quan­do tem se­xo com uma ga­ro­ta de 14 anos, já “ma­du­ra”. Se­gun­do ele, (“nes­sa ida­de es­sas me­ni­nas sa­bem mais de se­xo do que eu”) pa­ra ter se­xo con­sen­su­al?

Tam­bém não vêm co­mo ser do­en­ça as si­tu­a­ções on­de “não há pre­ju­í­zo” pa­ra quem es­tá se mos­tran­do se­xu­al­men­te (exi­bi­cio­nis­mo – o que se­ria das “strip­pers”, ou das “por­nôs”, não é mes­mo ?), ou quem só gos­ta de ver (voyeu­ris­mo), ou pa­ra quem gos­ta de tran­sar com uma cal­ci­nha, não com uma mu­lher (fe­ti­chis­mo).

Ou , en­tão, mais dras­ti­ca­men­te, não se­ria do­en­ça aque­le que gos­ta de re­ce­ber se­xo oro­ge­ni­tal por par­te de um ca­chor­ro, já que is­to não es­ta­ria – pe­lo me­nos na men­te de­les – le­san­do nem o ca­chor­ro e nem quem pra­ti­ca o ato. An­ti­ga­men­te, ad­vo­ga­va-se que is­to se­ria “do­en­ça” por­que o in­di­ví­duo des­pre­za uma mu­lher, pre­fe­rin­do mais o ato (a cal­ci­nha, a dor, a mão, o ani­mal, o “ver”, etc. ) do que a có­pu­la pro­pri­a­men­te di­ta.

Es­se ar­ti­go  e es­se te­ma te­rá con­ti­nui­da­de no pró­xi­mo do­min­go.

 

(Mar­ce­lo Cai­xe­ta, mé­di­co psi­qui­a­tra)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais