Opinião

Jerusalém: história e religiões

diario da manha

Nos úl­ti­mos di­as, o mun­do se viu per­ple­xo di­an­te da de­cla­ra­ção do pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Do­nald Trump, re­co­nhe­cen­do Je­ru­sa­lém co­mo ca­pi­tal do Es­ta­do de Is­ra­el. Ain­da que na prá­ti­ca is­so já es­te­ja es­ta­be­le­ci­do, es­sa po­si­ção do lí­der do mun­do li­vre não be­ne­fi­cia, de mo­do al­gum, as re­la­ções en­tre Is­ra­el e Pa­les­ti­na, ou ain­da, a po­si­ção dos Es­ta­dos Uni­dos co­mo prin­ci­pal ar­ti­cu­la­dor da paz na re­gi­ão.

Pa­ra que se pos­sa en­ten­der os me­an­dros da dis­pu­ta en­vol­ven­do Is­ra­el e Pa­les­ti­na, ou ára­bes e ju­deus, ou ain­da, is­ma­e­li­tas e is­ra­e­li­tas, é fun­da­men­tal vol­tar na his­tó­ria. De acor­do com a mi­to­lo­gia he­brai­co-cris­tã, a dis­pu­ta co­me­ça 2 mil anos an­tes de Cris­to, com a pro­mes­sa de Deus ao pa­tri­ar­ca Abrão: “À sua des­cen­dên­cia da­rei es­ta ter­ra”, cu­ja ex­ten­são ia do Rio do Egi­to ao Rio Eu­fra­tes e, em ter­mos atu­ais, com­pre­en­de­ria os ter­ri­tó­rios do Es­ta­do de Is­ra­el, Pa­les­ti­na, Cis­jor­dâ­nia, Jor­dâ­nia oci­den­tal, sul da Sí­ria e sul do Lí­ba­no.

Abrão te­ve dois fi­lhos: o pri­mo­gê­ni­to ile­gí­ti­mo, fo­ra do ca­sa­men­to, com a es­cra­va Agar, Is­ma­el; e o fi­lho le­gí­ti­mo – mas não pri­mo­gê­ni­to – Isa­ac, fi­lho de Sa­ra, sua es­po­sa. E aí co­me­ça o de­sen­ten­di­men­to pe­la “he­ran­ça” de Abrão, a Ter­ra Pro­me­ti­da.

Ao lon­go de qua­ren­ta sé­cu­los es­sa dis­pu­ta se acir­rou e, por ques­tões po­lí­ti­cas, eco­nô­mi­cas e es­tra­té­gi­cas, pa­re­ce uma de­man­da sem so­lu­ção. Nes­se pe­rí­o­do, Deus con­fir­ma a Isa­ac a ali­an­ça que ti­nha fei­to com seu pai, Abrão, épo­ca em que Isa­ac con­ta­va com 100 anos e Ja­có, seu fi­lho, ti­nha 40 anos. Por­tan­to, Abrão, Isa­ac e Ja­có – que após lu­tar com Deus re­ce­be d’Ele o no­me “Is­ra­el”, são con­sa­gra­dos co­mo os Três Pa­tri­ar­cas de Is­ra­el, três ge­ra­ções de sig­na­tá­rios da pro­mes­sa di­vi­na.

Dos fi­lhos de Ja­có/Is­ra­el, nas­ce­ram as 12 Tri­bos de Is­ra­el, os clãs que de­ram con­ti­nui­da­de à cul­tu­ra ju­dai­ca. Na quar­ta ge­ra­ção de Abrão, a in­ve­ja dos ir­mãos em re­la­ção ao amor do pai, Ja­có/Is­ra­el pa­ra com Jo­sé, fez com que o ven­des­sem ao Egi­to co­mo es­cra­vo. Jo­sé foi pre­so in­jus­ta­men­te e, após um lon­go pe­rí­o­do na pri­são, caiu nas gra­ças do Fa­raó ao in­ter­pre­tar um so­nho. Com is­so, Jo­sé é cons­ti­tu­í­do so­bre to­do o Egi­to.

O de­sen­ro­lar des­sa his­tó­ria tra­rá di­ver­sos ou­tros per­so­na­gens, co­mo Moi­sés, que li­de­rou a li­ber­ta­ção do po­vo ju­deu do Egi­to, em uma sa­ga co­nhe­ci­da co­mo Di­ás­po­ra; Da­vi e Sa­lo­mão, pa­is e fi­lho, reis me­mo­rá­veis por seus fei­tos, sa­be­do­ria e te­mor a Deus, e che­ga em Je­sus Cris­to.

No­te-se que Abrão, Isa­ac, Ja­có, Jo­sé, Moi­sés, Da­vi, Sa­lo­mão e Je­sus fi­gu­ram não ape­nas co­mo pro­ta­go­nis­tas da cul­tu­ra ju­dai­ca e do cris­tia­nis­mo, mas tam­bém en­tre os 25 pro­fe­tas do Is­lã.

Pa­ra Trump, é evi­den­te que so­men­te o jo­go de po­der im­por­ta. Por sua vez, Je­ru­sa­lém é ho­je uma ci­da­de cul­tu­ral­men­te uni­fi­ca­da, ain­da que não exis­ta es­se re­co­nhe­ci­men­to po­lí­ti­co. Sa­gra­da pa­ra as três re­li­gi­ões abra­â­mi­cas, abri­ga is­ra­e­len­ses e pa­les­ti­nos; ju­deus, ára­bes e cris­tã­os, e há de ser sem­pre de­fen­di­da não ape­nas por aque­les que a que­rem co­mo sua ca­pi­tal, ou que a de­la se sen­tem “her­dei­ros”, mas por to­dos que con­de­nam o ódio e res­pei­tam sua his­tó­ria e sim­bo­lis­mo.

 

(Jo­ão Pau­lo Va­ni é pre­si­den­te da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res, mes­tre em Te­o­ria Li­te­rá­ria e dou­to­ran­do em Le­tras pe­lo Pro­gra­ma de Pós-Gra­du­a­ção em Le­tras da Unesp de São Jo­sé do Rio Pre­to. Con­ta­to: jpva­[email protected]­to­rahn.com.br)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais