Opinião

Joaquim Cordão, o caubói de Morrais City

diario da manha

Mor­ri­nhos é uma be­la ci­da­de, mas bem que po­de­ria ter si­do cha­ma­da de Ci­da­de dos Po­ma­res, tan­to era a sua ri­que­za no plan­tio e cul­ti­vo de ár­vo­res fru­tí­fe­ras. As  len­das que ou­via, ca­sos, cau­sos e per­cal­ços da vi­da, uma de­las vou con­tar nes­ta crô­ni­ca. En­tão, com o pen­sa­men­to alhu­res sen­to em mi­nha pol­tro­na gi­ra­tó­ria, des­li­go o ce­lu­lar, olho o mo­ni­tor, dou uma pe­que­na pau­sa e fi­co aguar­dan­do os flas­hes que guar­dei na re­gi­ão re­côn­di­ta do meu cé­re­bro e que há mui­to tem­po não o exer­ci­to pa­ra es­sa fi­na­li­da­de, ain­da mais pra fa­lar de um ca­u­bói re­gi­o­nal, ex­ce­len­te boi­a­dei­ro, do­ma­dor de ca­va­los, bra­vo, des­te­mi­do, te­mi­do, as­sim co­mo, dos meus ído­los, ou per­so­ni­fi­ca­ção de­les quan­do os via nas te­las de ci­ne­ma. À mi­nha fren­te o com­pu­ta­dor. Li­go-o. Pen­so. For­ço a me­mó­ria e os flas­hes em pre­to e bran­co vão sur­gin­do na ve­lo­ci­da­de da luz tra­zen­do re­cor­da­ções de tem­pos idos.

Lem­bro-me bem de um ca­u­bói re­gi­o­nal, lá pe­los anos 60, de no­me Jo­a­quim Cor­dão, que sem­pre tra­ja­va uma cal­ça de al­go­dão, ca­mi­sa xa­drez, cin­to gros­so, de cou­ro, cha­péu Pa­na­má pre­to, bo­tas, es­po­ras e não se ame­dron­ta­va quan­do ti­nha que en­fren­tar ad­ver­si­da­des que a vi­da lhe im­pu­nha e até de do­mar al­guns ca­va­los de ra­ça. Ele pos­su­ía uma exí­mia pon­ta­ria e is­so por si só, já tra­zia cer­to res­pei­to por on­de pas­sa­va. O seu jei­tão de ser e o mo­do co­mo fa­zia pa­ra trans­for­mar a sua pró­pria vi­da nu­ma gran­de aven­tu­ra vi­rou len­da. Tal­vez se­ja em ra­zão dis­so que lá pe­las ban­das do Rio São Do­min­gos dos Olhos D’água ele te­nha si­do ape­li­da­do pe­los mo­ra­do­res de “cowboy de Mor­ra­is City”, uma brin­ca­dei­ra dos mo­ra­do­res mais afoi­tos e qui­çá, por ter ele nas­ci­do em Mor­ri­nhos. Á épo­ca, to­dos o acha­vam igual­zi­nho aos ca­u­bóis, prin­ci­pal­men­te aque­les que nos en­can­ta­vam nas te­las de ci­ne­ma e que ho­je não se vê mais, pois as ce­nas de ho­je mos­tram o ho­mem pas­san­do ano to­do an­dan­do qui­lô­me­tros e mais qui­lô­me­tros por es­tra­das afo­ra, al­gu­mas so­li­tá­rias, di­ri­gin­do uma ca­mi­nho­ne­te, um car­ro de pas­seio ou ca­mi­nhão de car­ga cor­ren­do atrás de re­co­nhe­ci­men­to, se­ja so­bre o pó, as­fal­to ou nas chu­vas das are­nas. Ho­je ve­mos Cowboys e cowgirls ape­nas nos ro­dei­os e fes­tas de pe­cu­á­ria, eles, jo­gan­do char­me às mo­ças, elas, aos azes dos ro­dei­os, um es­ti­lo de vi­da to­tal­men­te di­fe­ren­ci­a­da dos ca­u­bóis an­ti­gos que cau­sa­vam fris­son quan­do apa­re­ci­am nas te­las de ci­ne­ma.

Des­de a ado­les­cên­cia Jo­a­quim se acha­va um ca­u­bói, tal­vez in­flu­en­cia­do por aque­les gran­des ído­los e per­so­na­gens, tais co­mo, John Wayne, Te­ren­ce Will, Kirk Dou­glas, Ste­ve Mac­Que­en, Burt Lan­cas­ter, Pa­ul Newman, Gary Co­o­per, Ja­mes Stewart, Clint Eastwo­od, John Ford, Lee Van Cle­ef, Billy the Kid, Kid Colt, Zor­ro e até por Gor­don Scott (Tar­zan), O so­nho não era só de­le, era meu tam­bém e to­dos os ado­les­cen­tes ti­nham os seus ído­los. De al­gu­ma for­ma aque­les ído­los nos for­ta­le­ci­am, aju­da­vam a gen­te ven­cer na vi­da, ba­ter re­cor­des, su­pe­rar de­sa­fi­os e vi­ver mo­men­tos de gló­ria. As rá­pi­das ex­plo­sões de ação de ca­da per­so­na­gem, o pe­ri­go que ocor­ria du­ran­te su­as aven­tu­ras, a ex­tra­or­di­ná­ria pe­rí­cia no ma­nu­seio do re­vól­ver e a ver­sa­ti­li­da­de do ca­va­lo quar­to de mi­lha, fa­zi­am su­ces­so jun­to com o per­so­na­gem, bas­ta­va um as­so­vio e o ani­mal se apro­xi­ma­va. Is­so fas­ci­na­va a pla­téia.

Ho­je, a ten­dên­cia é ver­mos uma ge­ra­ção de cri­an­ças e ado­les­cen­tes vi­ci­an­do-se em ví­deo ga­me, ta­ble­te, ce­lu­lar e ou­tras pa­ra­fer­ná­li­as ele­trô­ni­cas, sem fa­lar no uso de dro­gas, que os ti­ram do fo­co, de um fu­tu­ro mais pro­mis­sor e ja­mais se­ri­am nos­sos cowboys do fu­tu­ro. Ade­mais os fil­mes de ter­ror, a guer­ra, a vi­o­lên­cia ex­plí­ci­ta, o ter­ro­ris­mo, não só al­can­çam pes­so­as de mai­or ida­de, co­mo tam­bém me­no­res que sa­em ati­ran­do em co­le­gas de es­co­las; fi­lhos as­sas­si­nan­do pa­is e vi­ce-ver­sa, tu­do is­so ge­ra­do pe­la TV. É as­sus­ta­dor! Ma­lé­fi­co! Es­tas ce­nas es­tão tra­zen­do dis­túr­bi­os men­tais pa­ra mui­tas cri­an­ças e jo­vens, que do­mi­na­dos por al­gu­mas de­las sa­em ma­tan­do sem uma ex­pli­ca­ção plau­sí­vel, sem pe­na ou dó da­que­les que en­con­tram pe­la fren­te. Ser cowboy não é is­so, Nos tem­pos do fa­ro­es­te, os ca­u­bóis e a gen­te ga­lo­pa­va sem me­do de ser fe­liz, con­tra o tem­po e cor­rí­a­mos mais rá­pi­do que o ven­to. Era co­mo de­sa­fi­ar a lei da gra­vi­da­de no lom­bo de um ani­mal fe­roz.

Jo­a­quim era as­sim. Ho­je com seus oi­ten­ta anos pas­sa o tem­po sen­ta­do nu­ma ca­dei­ra de ba­lan­ço ob­ser­van­do cal­ma­men­te al­guns jo­vens cor­ren­do pe­la rua, des­ca­mi­sa­dos e com a cal­ça ca­in­do so­bre a bun­da. Não tem o es­ti­lo de ca­u­bói co­mo ele e tan­tos ou­tros que cor­ta­vam o ser­tão afo­ra, usan­do no col­dre um re­vól­ver e ao la­do uma al­gi­bei­ra. Es­ta­va ali, iner­te, re­cor­dan­do dos bons tem­pos, e de­pois me olhou de sos­laio, pe­din­do-me pa­ra es­cre­ver al­go so­bre os ca­u­bóis que en­ce­na­vam nos fil­mes de fa­ro­es­te ame­ri­ca­no, que pa­re­cia ir­re­al, mas tu­do aos olhos de quem as­sis­tia se trans­for­ma­va nu­ma coi­sa es­pe­ta­cu­lar, até re­al, e eu sa­bia co­mo era e co­mo de­via fa­lar so­bre tais per­so­na­gens. Não men­ti por­que quan­do ado­les­cen­te tam­bém fa­zia par­te da­que­le mun­do ci­ne­ma­to­grá­fi­co sur­re­al. O pro­ble­ma não era sa­ber ou es­que­cer-se de um ído­lo ou per­so­na­gem, mas de al­gu­ma pa­la­vra que pu­des­se não sig­ni­fi­car na­da so­bre a vi­da, o sen­ti­men­to meu e o de Jo­a­quim Cor­dão.

Des­co­bri que a pa­la­vra in­gle­sa cowboy, no Bra­sil foi apor­tu­gue­sa­da (ca­u­bói e co­bói). Por­tan­to, se acham que men­ci­o­nei er­ra­do ao ti­tu­lar es­ta crô­ni­ca, não é ver­da­de, e não hou­ve pro­pri­a­men­te um equi­vo­co e sim uma de­ri­va­ção da pa­la­vra. Ao ob­ser­var as di­fe­ren­tes cul­tu­ras da His­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, ne­nhu­ma fi­cou cris­ta­li­za­da, pe­lo con­trá­rio, hou­ve tro­cas e va­ri­a­ções que for­ma­ram no­vas cul­tu­ras. No Bra­sil, di­ver­sas lín­guas co­mo o por­tu­guês, o cas­te­lha­no, o fran­cês e o in­glês en­tre ou­tras se mis­tu­ra­ram e for­ma­ram um jei­to “abra­si­lei­ra­do” de fa­lar. A pa­la­vra cowboy ori­un­da do fa­ro­es­te ame­ri­ca­no, no Bra­sil apor­tu­gue­sou-se co­mo ca­u­bói. To­da­via, de­ve-se en­ten­der que no âm­bi­to da lin­gua­gem e da cul­tu­ra, na­da é cris­ta­li­za­do. Ela se trans­for­mou com o pas­sar dos tem­pos me­nos o Jo­a­quim, o ca­u­bói de Mor­ra­is City.

 

(Van­der­lan Do­min­gos de Sou­za, ad­vo­ga­do, es­cri­tor, mis­si­o­ná­rio e am­bien­ta­lis­ta, mem­bro da Uni­ão Bra­si­lei­ra dos Es­cri­to­res, mem­bro da Aca­de­mia Mor­ri­nhen­se de Le­tras, mem­bro da Alcai – Aca­de­mia de Le­tras, Ci­ên­cia e Ar­tes de In­hu­mas, mem­bro da Conbla – Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Le­tras de Ar­tes de São Pau­lo, con­se­lhei­ro da Co­mis­são Go­i­a­na de Fol­clo­re. Foi agra­ci­a­do com Tí­tu­lo Ho­no­rí­fi­co de Ci­da­dão Go­i­a­ni­en­se. Es­cre­ve to­das as quar­tas-fei­ras pa­ra o Diá­rio da Ma­nhã.  Email: vde­[email protected]­mail.com Blog: van­der­lan­do­min­gos.blog­spot.com)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais