Opinião

Jogando flores aos vivos

diario da manha

Da his­tó­ria nin­guém se apa­ga. Os pas­sos fi­cam to­dos eles re­gis­tra­dos, não im­por­ta se à som­bra ou ao sol. Qual­quer ca­mi­nho per­cor­ri­do guar­da um pou­co do que fo­mos um dia.

Pa­ra as pes­so­as ím­pa­res, o re­co­nhe­ci­men­to, na mai­o­ria das ve­zes, é o que me­nos im­por­ta. O fa­zer acon­te­cer é mais gra­ti­fi­can­te que os aplau­sos. Pois, na ver­da­de, os ga­nhos e con­quis­tas só va­lem se tra­zem be­ne­fí­ci­os não ape­nas di­re­tos, ao seu au­tor, mas be­ne­fí­ci­os que se es­ten­dem ra­di­al­men­te à co­le­ti­vi­da­de on­de ele vi­ve.

Fa­lan­do as­sim, cor­da­to e ge­ne­ri­ca­men­te, não es­tou sen­do um in­gê­nuo des­co­nhe­ce­dor dos, por ve­zes, ter­rí­veis me­an­dros da na­tu­re­za hu­ma­na, tam­pou­co um so­nha­dor que acre­di­ta em sua trans­for­ma­ção de uma ho­ra pa­ra ou­tra. Es­tou, de fa­to e de di­rei­to, cal­çan­do as lu­vas no go­ver­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo.

Cá en­tre nós, o mo­men­to de or­fan­da­de e de in­cer­te­zas em que vi­ve­mos pe­de que jo­gue­mos flo­res aos vi­vos. No meio de tan­to joio po­lí­ti­co, é de se lou­var as ex­ce­ções. Jo­gue­mos flo­res aos que, me­re­ci­da­men­te, a his­tó­ria já lhes re­ser­va lu­gar, mes­mo se, pa­ra eles, ain­da não che­gou a ho­ra de fe­char pa­ra ba­lan­ço e con­ta­bi­li­zar os atos da exis­tên­cia.

Por ou­tro la­do, há os que, in­va­ri­a­vel­men­te, têm que es­pe­rar um si­nal de fo­ra pa­ra dar va­lor ao que te­mos den­tro do nos­so Es­ta­do. Ou­tros, ain­da mais len­tos e re­mo­tos, só re­co­nhe­cem a im­por­tân­cia do mo­men­to que vi­vem ao vê-los des­ta­ca­dos nas pá­gi­nas da his­tó­ria, quan­do te­rá si­do mui­to tar­de pa­ra se ma­ni­fes­ta­rem.

Nes­te fin­dar de 2017, foi pre­ci­so a Ká­tia Bo­géa, pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to do Pa­tri­mô­nio His­tó­ri­co e Ar­tís­ti­co Na­ci­o­nal (Ip­han), vir a Go­i­ás e tor­nar o go­ver­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo um co­men­da­dor da cul­tu­ra (13/12, Pa­lá­cio das Es­me­ral­das). É que os go­i­a­nos, co­mo mui­tos ou­tros, acre­di­tam mais no eco do que no gri­to. Se não vi­er de fo­ra, não exis­te.

“Mar­co­ni pos­si­bi­li­tou, ao lon­go de su­as qua­tro ad­mi­nis­tra­ções, a ele­va­ção da al­ta es­ti­ma do go­i­a­no no se­tor cul­tu­ral. Es­ta é a mai­or obra que um ges­tor po­de fa­zer pe­lo seu po­vo. Ele nos aju­da, des­de 1999, a olhar pa­ra to­da a ri­que­za que te­mos nas ar­tes, na ar­qui­te­tu­ra, lei­tu­ra, mú­si­ca, ar­tes plás­ti­cas, po­e­sia, pro­cis­sões e fes­ti­vi­da­des”, dis­se a pre­si­den­te Ká­tia Bo­géa.

Sa­be­mos bem que te­cer elo­gi­os a um go­ver­nan­te ain­da no seu pos­to po­de pa­re­cer coi­sa vi­san­do ou­tros pro­pó­si­tos que ape­nas o elo­gio, ou sim­ples­men­te pa­re­cer to­tal­men­te fo­ra de pro­pó­si­to, vis­to o que apron­tam por aí. Mas é de ex­tre­ma ne­ces­si­da­de que te­nha­mos hom­bri­da­de pa­ra apon­tar, en­tre to­dos, aque­les nos qua­is acre­di­ta­mos. Ver­da­de é que já se tor­nou im­pos­sí­vel não ver o que Mar­co­ni fez e con­ti­nua fa­zen­do pe­la cul­tu­ra. Mes­mo pa­ra os que vi­vem lon­ge –e até mes­mo pa­ra os ce­gos da­qui.

O mo­vi­men­to se deu de for­ma cres­cen­te. Go­i­ás é ho­je o ter­cei­ro es­ta­do que mais in­ves­te em cul­tu­ra. Na se­a­ra cul­tu­ral de chão ba­ti­do go­i­a­no já se tor­na­ram cris­ta­li­nos e evi­den­tes os ras­tros in­de­lé­veis de Mar­co­ni Pe­ril­lo, que sou­be fa­zer de su­as 4 ver­sões no co­man­do es­ta­du­al um ates­ta­do con­sis­ten­te a fa­vor da cul­tu­ra e, por­tan­to, da so­ci­e­da­de, que não vi­ve sem ela. É um ates­ta­do aos que vi­vem no pre­sen­te e um le­ga­do aos pós­te­ros, por­que a cul­tu­ra é coi­sa que vem pa­ra fi­car, as­si­mi­la­da e in­cor­po­ra­da pa­ra sem­pre ao nos­so vi­ver.

Não va­mos di­zer que foi tu­do per­fei­to e que não po­de­ria ter re­a­li­za­do mais e me­lhor. Não é só de elo­gi­os que são fei­tos os exem­plos. Tam­bém é cer­to que nin­guém me­lhor que Mar­co­ni Pe­ril­lo pa­ra sa­ber do que não foi ca­paz. Nem sem­pre con­se­gui­mos fa­zer tu­do que que­re­mos. Por ve­zes, até pro­mes­sas ca­em por ter­ra. Mas se a in­ten­ção é ver­da­dei­ra o que cai por ter­ra vi­ra adu­bo e faz nas­cer ou­tras se­men­tes e, ne­las, re­nas­ce a in­ten­ção em ou­tras ações.

As­sim tem si­do com es­te go­ver­na­dor ago­ra co­men­da­dor na­ci­o­nal da cul­tu­ra. Ao re­ce­ber a me­da­lha Má­rio de An­dra­de (mai­or hon­ra­ria do Ip­han, cri­a­da nes­te ano pa­ra ce­le­brar seus 80 anos de exis­tên­cia), des­ta­cam-se não so­men­te su­as di­ver­sas re­a­li­za­ções no âm­bi­to cul­tu­ral, mas tam­bém sua vi­vên­cia e su­as in­ten­ções pe­ran­te o mun­do da cul­tu­ra, que, bem sa­be­mos, en­glo­ba, jus­ti­fi­ca e dá vi­da às de­mais ins­tân­cias da vi­da.

No es­pí­ri­to de tran­si­ção de um ano ao ou­tro -que nos gui­a­rá de um go­ver­na­dor a ou­tro, é pre­ci­so jo­gar flo­res à ges­tão pú­bli­ca pre­sen­te, no an­seio de que ela sir­va de es­pe­lho a ou­tras que vi­rão. Por tu­do que re­a­li­zou pe­la cul­tu­ra ao lon­go de seus man­da­tos, te­mos um mar­co cha­ma­do Mar­co­ni. Mar­co di­vi­sor, quan­do olha­mos pa­ra o pas­sa­do re­cen­te. E mar­co aglu­ti­na­dor, de con­ver­gên­cia, quan­do pres­sen­ti­mos o que vai ren­der tu­do o que foi fei­to, plan­ta­das as de­vi­das in­fra­es­tru­tu­ras fí­si­ca e men­tal.

 

(Px Sil­vei­ra, pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Ar­te­Ci­da­da­nia)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais