Opinião

Levando a fé e a paz espiritual aos necessitados

diario da manha

To­das as se­ma­nas, e às ve­zes mais de uma vez por se­ma­na, acos­tu­mei-me a re­ce­ber a sem­pre ju­bi­lo­sa vi­si­ta do de­sem­bar­ga­dor Li­be­ra­to Pó­voa, que, ami­go de mui­tos anos e con­fra­de da Aca­de­mia de Le­tras do Es­ta­do do To­can­tins (Alet), con­so­me ho­ras e ho­ras em con­ver­sas sem­pre re­mi­nis­cen­tes.

As vi­si­tas do Li­be­ra­to são a cla­ra com­pro­va­ção de uma das coi­sas que mais ocor­rem nes­te mun­do in­gra­to: o es­que­ci­men­to.

Quan­do es­ta­mos la­do a la­do com o po­der e de­le des­fru­tan­do, so­mos lem­bra­dos, pa­pa­ri­ca­dos e pro­cu­ra­dos. E di­go-o “de ca­dei­ra”, pois, ho­je com meus bem vi­vi­dos no­ven­ta e qua­tro anos, sin­to quão ver­da­dei­ra é es­sa as­ser­ti­va: quan­do es­ta­mos na bo­nan­ça ou na  si­tu­a­ção de man­do, os ami­gos nos co­nhe­cem, mas quan­do des­ce­mos a es­ca­da da im­por­tân­cia e pas­sa­mos a vi­ver na pla­ní­cie da de­sim­por­tân­cia, co­nhe­ce­mos os ami­gos.

Quan­do ain­da jo­vem, mi­li­tan­do na po­lí­ti­ca co­mo de­pu­ta­da es­ta­du­al por Go­i­ás, era pro­cu­ra­da, re­qui­si­ta­da até por au­to­ri­da­des que co­mi­go se acon­se­lha­vam e pe­di­am mi­nha in­ter­fe­rên­cia jun­to aos go­ver­nan­tes. No iní­cio do To­can­tins, quan­do om­bre­a­mos – Li­be­ra­to e eu – a ta­re­fa de se­me­ar a cul­tu­ra no no­vel Es­ta­do, tí­nha­mos po­si­ção de des­ta­que no ce­ná­rio cul­tu­ral, e, com a co­la­bo­ra­ção do es­cri­tor Ju­a­rez Mo­rei­ra Fi­lho, fun­da­mos a Aca­de­mia de Le­tras do Es­ta­do do To­can­tins, que, em ati­vi­da­de pi­o­nei­ra e sob a pre­si­dên­cia de Li­be­ra­to, per­cor­re­mos as ci­da­des-re­fe­rên­cia da cul­tu­ra to­can­ti­nen­se, trans­for­man­do aque­la aca­de­mia em uma es­pé­cie de aca­de­mia pe­re­gri­na, ins­ti­tu­in­do con­cur­sos li­te­rá­rios e ou­tras ati­vi­da­des.

Pas­sa­ram-se os anos, e ho­je (eu es­que­ci­da do que fiz pe­lo Es­ta­do), mi­nha ca­sa trans­for­mou-se em um imen­so va­zio, com os gri­tos do pas­sa­do eco­an­do no es­pa­ço va­zio. Ape­sar de, no pas­sa­do, vi­ver com a ca­sa pu­lu­lan­te de pes­so­as que se di­zi­am ami­gas, ho­je pos­so di­zer que o úni­co ami­go que me vi­si­ta re­gu­lar­men­te é Li­be­ra­to, que, nas su­as re­vi­go­ran­tes pa­la­vras, faz de ca­da mo­men­to um re­fri­gé­rio pa­ra a mi­nha al­ma.

O pen­sa­dor in­glês de John Chur­ton Col­lins já di­zia, acer­ta­da­men­te: “Na pros­peri­da­de os ami­gos nos co­nhe­cem, mas é na ad­ver­si­da­de que co­nhe­ce­mos os amigos”. E ci­to Con­fú­cio pa­ra mos­trar o que eu e meu ami­go Li­be­ra­to pas­sa­mos: “Pa­ra conhe­cer­mos os ami­gos é ne­ces­sá­rio pas­sar pe­lo suces­so e pe­la des­gra­ça. No su­ces­so, ve­ri­fica­mos a quan­ti­da­de e, na des­gra­ça, a qua­li­da­de”.

Na úl­ti­ma se­ma­na de no­vem­bro pas­sa­do, sen­ti sua fal­ta, pos­to que não me veio vi­si­tar, mas não dei­xou de dar o ar de sua gra­ça: te­le­fo­nou-me de São Pau­lo, on­de dis­se es­tar, na com­pa­nhia de seu não me­nos ta­len­to­so pri­mo Jo­sé Cân­di­do Pó­voa, re­a­li­zan­do um ci­clo de pa­les­tras, des­ta vez fo­ra de seu na­tu­ral “mé­ti­er”, que é a li­te­ra­tu­ra, o Di­rei­to, a cul­tu­ra re­gi­o­na­lis­ta e ou­tros as­sun­tos que po­vo­am sua ex­tra­or­di­ná­ria cul­tu­ra ge­ral. Ele e Jo­sé Cân­di­do fo­ram a São Pau­lo com ou­tra mis­são: le­var a paz es­pi­ri­tual e mos­trar os be­ne­fí­ci­os dos tra­ta­men­tos da “Ca­sa de Dom Iná­cio” de Aba­di­â­nia.

Re­tor­nan­do, veio vi­si­tar-me, quan­do de­ta­lhou, em gos­to­so re­la­tó­rio, o mo­ti­vo de sua ida à ter­ra dos ban­dei­ran­tes.

Há pou­cos mes­es, es­tan­do na Ca­sa de Dom Iná­cio, foi pro­cu­ra­do por um gru­po de pes­so­as de Gua­ru­lhos-SP, a pre­tex­to de au­to­gra­far seu li­vro “Jo­ão de Deus – O Fe­nô­me­no de Aba­di­â­nia” so­bre aque­la Ca­sa. Na mes­ma oca­si­ão, apre­sen­tou ao gru­po seu pri­mo Jo­sé Cân­di­do Pó­voa, au­tor da mais re­cen­te obra, “Ca­ra a Ca­ra com Jo­ão de Deus”, con­si­de­ra­do por Li­be­ra­to o mais com­ple­to li­vro so­bre a obra re­a­li­za­da por Jo­ão de Deus.

O pes­so­al de Gua­ru­lhos era cons­ti­tu­í­do de pes­so­as es­cla­re­ci­das, e Li­be­ra­to no­mi­nou os ad­vo­ga­dos Car­los Ro­mão, Jo­se­lha Bar­bo­sa, Lu­ís Du­tra e ou­tros, que fo­ram es­sen­ci­ais em dar o ne­ces­sá­rio su­por­te lo­gís­ti­co no em­pre­en­di­men­to cul­tu­ral e es­pi­ri­tual que de­sen­vol­ve­ram em São Pau­lo, Gua­ru­lhos e Gua­ru­já.

E vol­ta­ram ani­ma­dos, co­mo que de al­ma la­va­da, pois, sen­do pes­so­as es­cla­re­ci­das e es­pi­ri­tua­lis­tas por ex­ce­lên­cia, com cer­te­za sou­be­ram trans­mi­tir sua men­sa­gem, pois além de pa­les­tra­rem pa­ra au­di­tó­rios se­le­ci­o­na­dos, fi­ze­ram pro­gra­mas de rá­dio e TV.

E Li­be­ra­to, que cor­reu es­te Bra­sil in­tei­ro pro­fe­rin­do pa­les­tras so­bre os mais va­ri­a­dos te­mas e foi re­cep­cio­na­do pe­las mais di­ver­sas au­to­ri­da­des, con­fes­sou-me que em ne­nhu­ma das ve­zes an­te­rio­res te­ve um tra­ta­men­to tão es­pe­ci­al, e a se­men­te fru­ti­fi­cou: ago­ra em ja­nei­ro de 2018, uma gran­de ca­ra­va­na de Gua­ru­lhos vi­rá a Aba­di­â­nia pa­ra es­tar com Jo­ão de Deus.

O ob­je­ti­vo de Jo­sé Cân­di­do, cor­ro­bo­ra­do por Li­be­ra­to, é fa­zer o ca­mi­nho in­ver­so: co­mo a “Ca­sa de Dom Iná­cio”, de Aba­di­â­nia, é mun­di­al­men­te co­nhe­ci­da pe­los que ali vão em bus­ca de cu­ras e con­for­to es­pi­ri­tual, ago­ra o pro­je­to dos dois é ex­por­tar a dou­tri­na pre­co­ni­za­da, le­van­do a “Ca­sa de Dom Iná­cio” a to­das as pa­ra­gens do Bra­sil. E a en­ti­da­de a quem foi con­sul­ta­da por Jo­sé Cân­di­do não só apro­vou a ideia, co­mo su­ge­riu que co­me­ças­sem pe­lo Sul, e eles fi­ze­ram uma “tur­nê” vi­to­ri­o­sa exa­ta­men­te por Gua­ru­lhos, fun­da­da pe­lo je­suí­ta con­tem­po­râ­neo de Dom Iná­cio, Ma­nu­el de Pai­va, em 1560.

Es­sa ex­pe­ri­ên­cia pi­o­nei­ra de­ve­rá pro­du­zir mui­tos fru­tos, pois não exis­te a ve­lha his­tó­ria de “ca­chês” pa­ra os pa­les­tran­tes, que vão gra­tui­ta­men­te a qual­quer lu­gar, bas­tan­do que lhes se­jam dis­po­ni­bi­li­za­dos o tran­spor­te e a hos­pe­da­gem, qie po­de ser em pou­sa­das, pen­sões, ca­sas par­ti­cu­la­res, sem exi­gên­cia de qual­quer sun­tu­o­si­da­de, pois a ca­ri­da­de nun­ca exi­ge lu­xo.

O cer­to é que os en­si­na­men­tos des­ses dois emé­ri­tos dou­tri­na­do­res abri­rão no­vos ho­ri­zon­tes a quan­tos pro­cu­ram um con­for­to es­pi­ri­tual.

 

(Ana Bra­ga, aca­dê­mi­ca da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras – Cad. 04, Aca­de­mia Fe­mi­ni­na de Le­tras e Ar­tes de Go­i­ás – Cad. 04 e Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras – Cad. 31)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar