Opinião

Mensagem de Natal

diario da manha

Co­me­mo­rar o ani­ver­sá­rio de Je­sus Cris­to de Na­za­ré é, sem dú­vi­da al­gu­ma, co­me­mo­rar a da­ta mais im­por­tan­te de to­dos os ani­ver­sa­ri­an­tes do uni­ver­so.

Não exis­te ou­tro ani­ver­sá­rio tão im­por­tan­te co­mo o de Je­sus.

Cris­to veio ao Mun­do en­vi­a­do pe­lo nos­so So­be­ra­no Deus pa­ra nos en­si­nar a re­a­li­zar tu­do de bom e de me­lhor aqui na ter­ra. E Ele fez tu­do que Deus lhe so­li­ci­tou, sem fal­tar uma vír­gu­la se­quer.

Deus dis­se a Je­sus: Du­ran­te os 33 (trin­ta e três anos) que fi­ca­rás na ter­ra, vo­cê vai cu­rar sur­dos, mu­dos, pa­ra­lí­ti­cos, le­pro­sos, ce­gos, res­sus­ci­ta­rá mor­tos e cu­ra­rás to­das as en­fer­mi­da­des que de­pa­rar com elas. Ex­pul­sa­rá de­mô­ni­os em no­me do Pai, do Fi­lho e do Es­pí­ri­to San­to.

E as­sim acon­te­ceu. De­pois que Cris­to cum­priu sua mis­são, os mal­fei­to­res re­sol­ve­ram eli­mi­nar a sua vi­da.

Je­sus so­freu tan­to que ne­nhum ho­mem e ne­nhu­ma mu­lher pa­de­ceu da­que­la ma­nei­ra. Co­lo­ca­ram uma pe­sa­da cruz pa­ra Ele car­re­gar, uma co­roa de es­pi­nhos foi co­lo­ca­da em sua ca­be­ça e, o san­gue es­vaia-se em to­do o seu cor­po; pre­gos em su­as mãos fo­ram co­lo­ca­dos, fi­xan­do-os na­que­la ma­dei­ra du­ra que Ele gri­ta­va de tan­ta dor, mas aque­las do­res não fo­ram su­fi­ci­en­tes e pre­gos mais pon­ti­a­gu­dos fo­ram en­fin­ca­dos em seus pés em uma ma­dei­ra ain­da mais fir­me e, co­mo Ele gri­ta­va com imen­sa dor!… Pos­te­rior­men­te, co­lo­ca­ram Je­sus no al­to da­que­la cruz e co­mo Ele es­ta­va com se­de, pe­diu pa­ra que Lhe des­se água, mas, a água que co­lo­ca­ram em um pa­no er­gui­do atra­vés de uma com­pri­da ga­lha, era vi­na­gre.

Quan­do Je­sus res­sus­ci­tou!… No ter­cei­ro dia após a sua mor­te, an­tes de su­bir aos Céus, Ele dis­se aos seus dis­cí­pu­los. Eu vou pa­ra o Pai e vou pre­pa­rar mo­ra­das pa­ra to­dos aque­les que Crê­em em Mim. En­vi­a­rei o Es­pí­ri­to San­to de Deus pa­ra que Ele es­te­ja con­vos­co to­dos os di­as de su­as vi­das.

De­pois de tan­ta mal­da­de que fi­ze­ram com Je­sus, em seu úl­ti­mo ato le­van­tou a sua ca­be­ça e dis­se, Pai, per­do­ai-vos!… eles não sa­bem o que fa­zem.

Na épo­ca do Na­tal tu­do pa­re­ce di­fe­ren­te, as pes­so­as fi­cam ale­gres, so­li­dá­ri­as, mas, in­fe­liz­men­te mui­tas de­las nem sa­bem o que se co­me­mo­ra no NA­TAL, a be­be­dei­ra é qua­se que ge­ral, as pes­so­as fi­cam anor­mais e mui­tos acon­te­ci­men­tos de­sa­gra­dá­veis acon­te­cem, la­men­ta­vel­men­te!… So­be­ra­no Je­sus Cris­to de Na­za­ré, mui­to obri­ga­do por tu­do que vo­cê já fez por mim e por to­da hu­ma­ni­da­de. Vo­cê é a nos­sa úl­ti­ma es­pe­ran­ça de ver­mos e vi­ver­mos em um mun­do me­lhor.

Mui­tas ve­zes as pes­so­as co­me­mo­ram o Na­tal de ma­nei­ra bas­tan­te des­vir­tu­a­da.

Mas, de uma ou de ou­tra for­ma:  É Na­tal!… E o Na­tal, o gran­de orá­cu­lo de re­fle­xão da Hu­ma­ni­da­de, é o mo­men­to em que se re­no­vam nos­sas pre­ces e es­pe­ran­ças. Uma Fé in­que­bran­tá­vel há de nos le­var à ver­da­dei­ra Paz, à Fra­ter­ni­da­de e à Com­pre­en­são. Há de nos le­var en­fim, à re­a­li­za­ção de to­dos nos­sos an­sei­os.

 

Ilus­tres Lei­to­res des­te con­cei­tu­a­do Jor­nal:

Acom­pa­nham-me nes­ta jor­na­da pe­los ca­mi­nhos mis­te­ri­o­sos do tem­po, apa­ga por um ins­tan­te os olhos do pre­sen­te e per­cor­ra­mos as es­tra­das es­que­ci­das do pas­sa­do, ou­tro­ra pal­mi­lha­das ape­nas por ho­mens ou­sa­dos, le­gí­ti­mas pe­dras an­gu­la­res de ge­ra­ções e ge­ra­ções de po­vos. Per­cor­ra­mos jun­tos as re­lem­bran­ças de uma épo­ca que já se foi, pa­ra que os mais jo­vens sai­bam, co­mo e por­que, foi o co­me­ço des­ta epo­péia, pe­la qual ve­nho ago­ra, fa­lar con­ti­go. To­ma a mi­nha mão e ca­mi­nhe­mos é pre­ci­so co­me­çar do iní­cio, quan­do tu­do era di­fe­ren­te, co­me­çar da pe­dra bru­ta vis­to que é de­la que se faz a po­li­da e da pe­dra po­li­da a obra da ar­te re­al que tu­do con­quis­ta, gal­gan­do as for­mas al­can­do­ra­das da be­le­za e as fi­li­gra­nas mais frá­geis e de­li­ca­das em amor e tes­si­tu­ra, le­ve de so­nho, com que Je­sus Cris­to cons­trói a cor, a for­ma, a ter­ra, o mar e a eter­ni­da­de.

Meus Se­nho­res e mi­nhas Se­nho­ras, Je­sus nas­ceu co­mo que de uma le­ve­za de nu­vens ró­sea, pa­ra dar-nos um exem­plo, pa­ra tes­te­mu­nhar a ver­da­de e pa­ra nos sal­var. E os anos fo­ram pas­san­do, mais de dois mil anos já se pas­sa­ram de­pois da Vin­da de Cris­to. E nes­te ins­tan­te, que­ro di­zer-vos que o 25 de de­zem­bro é o dia mais im­por­tan­te e sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra to­dos nós, jus­ta­men­te por­que se co­me­mo­ra a da­ta do nas­ci­men­to, is­to é, o ani­ver­sá­rio de Je­sus Cris­to.

Meus ami­gos, Na­tal é nas­ci­men­to de Cris­to nas al­mas. As­sim sen­do eu me en­ter­ne­ço até os mais ín­ti­mos re­fo­lhos da al­ma quan­do fa­lo so­bre Cris­to, do Cris­to que con­ce­deu meus pas­sos de me­ni­no, des­te Cris­to que as­sis­tiu os meus so­nhos de ado­les­cen­te, que me aco­lhe nos meus per­cal­ços e na mi­nha lu­ta di­u­tur­na de ho­mem a ca­mi­nho da meia ida­de. Eu amo nos­so Cris­to, eu amo es­te Cris­to Fi­lho de Deus. Mi­nha no­tí­cia es­cri­ta é di­ri­gi­da fi­el­men­te a Ele, por­que apren­di a ado­rá-lo des­de os meus tem­pos de me­ni­ni­ce.

É um mo­men­to su­bli­me, em que me di­ri­jo hu­mil­de­men­te, a to­dos que me pres­ti­gi­am nes­te mo­men­to em len­do es­te ar­ti­go, com Vo­tos de Paz, Paz e Paz. Mas a Paz de que fa­lo não é a paz ar­ma­da das bai­o­ne­tas, das bom­bas in­cen­di­a­rias e bom­bar­dei­os su­per­sô­ni­cos que vo­e­jam co­mo pás­sa­ros me­tá­li­cos, ater­ro­ri­zan­do e mas­sa­cran­do po­pu­la­ções in­de­fe­sas. Não; não é es­ta paz e nem ou­tra se­me­lhan­te. É a Paz Cris­tã. A Paz da Man­si­dão e da Hu­mil­da­de. A Paz D’Aque­le que veio ao Mun­do pa­ra di­zer-nos que o Teu Ju­go é su­a­ve, e o Teu far­do é le­ve, cha­man­do os can­sa­dos, os mal­tra­ta­dos e opri­mi­dos pa­ra co­nhe­ce­rem a li­ber­ta­ção Eter­na.

Ah! Se­nhor, co­mo eu gos­ta­ria de ver no Mun­do, o or­gu­lho ba­ti­do pe­la Hu­mil­da­de; a có­le­ra do­mi­na­da pe­la Man­si­dão; a men­ti­ra des­lo­ca­da pe­la Ver­da­de; a in­jú­ria des­fi­gu­ra­da pe­lo Per­dão; o ódio ven­ci­do pe­lo Amor que Cris­to nos en­si­nou na ul­ti­ma Ceia; a for­ça so­bre­pu­ja­da pe­lo Di­rei­to; a guer­ra su­fo­ca­da pe­la Paz; as me­tra­lha­do­ras e ca­nhões, tro­ca­dos pe­las Inú­bias das Fa­lan­ges Ce­les­tes, anun­ci­an­do do Céu a mar­cha tri­un­fal do en­ten­di­men­to e da con­cór­dia en­tre os Ho­mens!

O Ho­mem mo­der­no, Se­nhor, per­deu a con­sci­ên­cia da Tua tran­scen­den­te fi­na­li­da­de! E de­se­jan­do acu­mu­lar te­sou­ros na Ter­ra, não te­ve tem­po pa­ra es­cu­tar o Teu Ser­mão da Mon­ta­nha e me­di­tar so­bre o que dis­ses­te a Ni­co­de­mos que “Pa­ra se Sal­var é Pre­ci­so Nas­cer de No­vo!” Is­to é, no nos­so ca­so, fes­te­jar o Na­tal den­tro da tua pró­pria al­ma. Por is­so, o dia do Teu nas­ci­men­to foi to­ma­do pe­lo bal­cão dos ar­gen­tá­rios; e, mui­tas das me­sas que es­ta­vam re­ser­va­das pa­ra a Tua fes­ta fo­ram ce­di­das ao re­pas­to de vi­te­lo, on­de a glu­to­nia pa­gã diz es­tar co­me­mo­ran­do a Tua vin­da!… E o ve­lha­có­rio Pa­pai No­el é exal­ta­do e ado­ra­do no Teu lu­gar por aque­les que ain­da não com­pre­en­de­ram o sig­ni­fi­ca­do da Tua pas­sa­gem pe­las fra­gas da Ter­ra! Es­se mor­do­mo das con­ve­niên­cias ca­pi­ta­lis­tas en­tra pe­lo te­lha­do da men­ti­ra, pa­ra me­lhor ilu­dir os ino­cen­tes e co­me­ter a in­jus­ti­ça que se re­pe­te to­dos os anos, não dei­xan­do pre­sen­te pa­ra as cri­an­ci­nhas po­bres…

Des­ce, des­ce Se­nhor, à man­je­dou­ra do Mun­do Mo­der­no e fa­la às con­sci­ên­cias e aos co­ra­ções dos Ho­mens do sé­cu­lo XXI, pa­ra que o Teu Na­tal se­ja fes­te­ja­do na al­ma de ca­da um e o Mun­do se li­ber­te das tris­tes con­tra­di­ções.

E ao ter­mi­nar as mi­nhas pa­la­vras, que­ro dei­xar aqui um vo­to de con­fi­an­ça e es­pe­ran­ça, de­se­jan­do a to­dos um Fe­liz Na­tal e um ven­tu­ro­so Ano vin­dou­ro e, que ca­da pes­soa pos­sa no pal­mi­lhar de teus di­as plan­tar a se­men­te do bom fru­to, a fim de que pos­sa­mos, de­pois da co­lhei­ta, sa­bo­reá-los jun­to do Pai Ce­les­tial que es­tá no Céu.

Por­que te­mos cer­te­za que O Cri­a­dor tem um gran­de ob­je­ti­vo, que é o de ver o sor­ri­so es­pon­tâ­neo no ros­to de ca­da Go­i­a­ni­en­se, de ca­da Go­i­a­no, de ca­da Bra­si­lei­ro e de ca­da So­bre­vi­ven­te en­fim, de­sa­tar a to­dos, a fe­li­ci­da­de, o sor­ri­so e o so­nho; a fim de que to­dos pos­sam amar, mas sem me­do e te­mor es­te nos­so gran­de Bra­sil e es­te imen­so Uni­ver­so.

E eu me des­pe­ço por ho­je, de­se­jan­do Li­ber­da­de, Igual­da­de e Fra­ter­ni­da­de en­tre os po­vos e que Deus pos­sa aben­ço­ar to­das as pes­so­as que vi­e­rem a to­mar co­nhe­ci­men­to des­ta men­sa­gem.

O meu mui­to obri­ga­do e até a pró­xi­ma opor­tu­ni­da­de.

 

(Ha­mil­ton Al­ves Ma­cha­do, pas­tor, pro­fes­sor, ad­vo­ga­do, te­ó­lo­go, com mes­tra­do em Te­o­lo­gia e ar­ti­cu­lis­ta do Di­á­rio da Ma­nhã) 

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar