Opinião

Mestrado e doutorado a distância: bom ou ruim?

diario da manha

Há tem­pos que cur­sos de Es­pe­cia­li­za­ção (pós-gra­du­a­ção la­to sen­su) são ofe­re­ci­dos na mo­da­li­da­de “a dis­tân­cia” no Bra­sil. Ago­ra, pa­re­ce que che­gou a vez dos cur­sos de Mes­tra­do e Dou­to­ra­do (pós-gra­du­a­ção stric­to sen­su). Foi pu­bli­ca­do dia 28 de No­vem­bro des­te ano, no Di­á­rio Ofi­ci­al da Uni­ão, a ho­mo­lo­ga­ção de um pa­re­cer do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção (Pa­re­cer CNE/CES nº 462/2017) que pro­põe um pro­je­to de re­so­lu­ção tra­tan­do das for­mas de fun­cio­na­men­to de cur­sos de pós-gra­du­a­ção stric­to sen­su no pa­ís. Lê-se, no ar­ti­go 3º des­se pro­je­to, que as ins­ti­tu­i­ções cre­den­ci­a­das pa­ra a ofer­ta de cur­sos a dis­tân­cia po­de­rão ofe­re­cer mes­tra­do e dou­to­ra­do nes­sa mo­da­li­da­de. O pro­je­to de re­so­lu­ção abor­da tam­bém ou­tra ques­tão po­lê­mi­ca, que é a ofer­ta de dou­to­ra­do pro­fis­si­o­nal (o mes­tra­do pro­fis­si­o­nal já exis­te no pa­ís). Com is­so, o go­ver­no for­ça ain­da mais, via le­gis­la­ção fe­de­ral, a apro­xi­ma­ção da uni­ver­si­da­de bra­si­lei­ra com o sis­te­ma pro­du­ti­vo, se­guin­do uma pers­pec­ti­va sis­tê­mi­ca da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Eco­nô­mi­co (OC­DE). Es­sa vi­são, que da­ta de me­a­dos da dé­ca­da de 1990, con­si­de­ra as uni­ver­si­da­des co­mo par­te de uma ba­se ci­en­tí­fi­ca e de en­ge­nha­ria (Sci­en­ce and En­gi­ne­e­ring Ba­se) que da­ria sus­ten­ta­ção à pro­du­ção de ino­va­ção nas em­pre­sas.

Es­se é ape­nas um exem­plo de co­mo or­ga­nis­mos in­ter­na­cio­nais in­du­zem as po­lí­ti­cas pú­bli­cas dos paí­ses em uma eco­no­mia glo­ba­li­za­da. E is­so acon­te­ce há dé­ca­das, mes­mo que o ci­da­dão co­mum não o sai­ba. Mas, no ca­so da pós-gra­du­a­ção bra­si­lei­ra, es­sa ofer­ta de cur­sos stric­to sen­su a dis­tân­cia cons­ti­tui al­go bom ou ru­im? Bom pa­ra quem? Se­ria bom pa­ra o go­ver­no, por exem­plo? Se lem­brar­mos que a ofer­ta da edu­ca­ção (se­ja bá­si­ca ou su­pe­ri­or) co­mo mer­ca­do­ria é uma ori­en­ta­ção an­ti­ga do Ban­co Mun­di­al pa­ra os paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, em uma pers­pec­ti­va ne­o­li­be­ral que des­res­pon­sa­bi­li­za o Es­ta­do pe­la ga­ran­tia  de di­rei­tos so­ci­ais co­mo a edu­ca­ção, sim, é bom pa­ra o go­ver­no. Pois, se ofer­ta­dos por uni­ver­si­da­des pú­bli­cas, cur­sos de mes­tra­do e dou­to­ra­do a dis­tân­cia não de­man­dam mui­tos es­pa­ços e re­cur­sos pre­sen­ci­ais, se­jam ma­te­ri­ais (la­bo­ra­tó­rios, bi­bli­o­te­cas) ou hu­ma­nos (pro­fes­so­res, ser­vi­do­res ad­mi­nis­tra­ti­vos). Tam­bém di­mi­nu­i­ria a quan­ti­da­de de bol­sas pa­ra es­tu­dan­tes, di­mi­nu­in­do os gas­tos. O que, pa­ra um Es­ta­do ne­o­li­be­ral é van­ta­gem, pois con­ti­nua ar­re­ca­dan­do mui­to e se des­res­pon­sa­bi­li­zan­do de fi­nan­ciar di­rei­tos so­ci­ais. Por ou­tro la­do, pa­ra os “em­pre­en­de­do­res edu­ca­cio­nais”, a aber­tu­ra de mais es­se ni­cho mer­ca­do­ló­gi­co se­rá ain­da me­lhor. Pos­si­bi­li­da­des mil de ex­pan­dir ne­gó­ci­os, com pou­ca es­tru­tu­ra fí­si­ca e ex­plo­ran­do o tra­ba­lho de pro­fes­so­res/tu­to­res nos am­bi­en­tes vir­tu­ais, fle­xi­bi­li­zan­do ho­rá­rios e fun­ções de tra­ba­lho.

Bom… e pa­ra os fu­tu­ros es­tu­dan­tes des­ses cur­sos? Es­sa ofer­ta se­rá al­go a se co­me­mo­rar ou a te­mer? Aqui te­re­mos res­pos­tas va­ri­a­das a de­pen­der das con­di­ções con­cre­tas de quem res­pon­de. Ob­via­men­te, uma pri­mei­ra con­se­quên­cia des­se pro­ces­so se­rá uma ofer­ta mai­or de va­gas o que, pa­ra al­gu­mas pes­so­as, se­rá um pon­to po­si­ti­vo. São pro­fis­si­o­nais que se gra­du­a­ram há cer­to tem­po, tra­ba­lham e não dis­põ­em de con­di­ções pa­ra se de­di­car in­te­gral­men­te aos es­tu­dos e, por is­so mes­mo, não con­se­guem con­cor­rer com es­tu­dan­tes re­cém-gra­du­a­dos por va­gas nas se­le­ções de mes­tra­do e dou­to­ra­do na mo­da­li­da­de pre­sen­cial. Ao con­trá­rio des­ses es­tu­dan­tes, es­sas pes­so­as es­tão lon­ge dos ban­cos e la­bo­ra­tó­rios das uni­ver­si­da­des, não pos­su­em cur­rí­cu­los pro­du­ti­vos – no cam­po aca­dê­mi­co is­so sig­ni­fi­ca pu­bli­ca­ções de li­vros, ar­ti­gos, re­su­mos em con­gres­sos etc. – e nem tem­po pa­ra par­ti­ci­par de gru­pos de pes­qui­sa e de es­tu­dos, dos qua­is seus con­cor­ren­tes já par­ti­ci­pam des­de a gra­du­a­ção. Lo­go, pa­ra es­ses pro­fis­si­o­nais, a ofer­ta de cur­sos de pós-gra­du­a­ção stric­to sen­su na mo­da­li­da­de a dis­tân­cia, re­pre­sen­ta uma es­pe­ran­ça de ob­te­rem um di­plo­ma que va­lo­ri­za­rá, até cer­to pon­to, seu per­fil pro­fis­si­o­nal. E, se for um ser­vi­dor pú­bli­co, po­de­rá, den­tro de um pla­no de car­rei­ra, me­lho­rar seu ga­nho sa­la­ri­al com es­se di­plo­ma. Tam­bém po­de­rão bus­car es­pa­ço co­mo pro­fes­so­res na edu­ca­ção su­pe­ri­or, prin­ci­pal­men­te em ins­ti­tu­i­ções pri­va­das, on­de ala­van­ca­rão os ga­nhos dos do­nos das em­pre­sas edu­ca­cio­nais (o mer­ca­do de di­plo­mas in­cha­do é mais uma van­ta­gem pa­ra os em­pre­sá­rios da edu­ca­ção).

Já pa­ra os es­tu­dan­tes que têm con­di­ções con­cre­tas de con­ti­nu­ar seus es­tu­dos su­pe­ri­o­res em cur­sos pre­sen­ci­ais, vi­ven­do de bol­sas de es­tu­do (ca­da vez mais es­cas­sas) e aju­da da fa­mí­lia, es­sa ofer­ta, apa­ren­te­men­te, não tra­ria ne­nhum efei­to e não lhes di­ria res­pei­to. Po­rém, es­se pen­sa­men­to é en­ga­no­so. Se con­si­de­rar­mos o pos­te­ri­or in­cha­ço, a mé­dio e lon­go pra­zo, de di­plo­mas stric­to sen­su no mer­ca­do de tra­ba­lho, há com que se pre­o­cu­par. Co­mo já ob­ser­vou o so­ci­ó­lo­go fran­cês Pi­er­re Bour­di­eu, a ra­ri­da­de do di­plo­ma for­ta­le­ce o ca­pi­tal sim­bó­li­co e eco­nô­mi­co de quem os pos­sui. Com es­sa ofer­ta, a ra­ri­da­de ten­de a di­mi­nu­ir e os ga­nhos tam­bém. E is­so va­le pa­ra to­dos, prin­ci­pal­men­te pa­ra os que ain­da não en­tra­ram no mer­ca­do de tra­ba­lho.

Co­mo po­de­mos per­ce­ber, as res­pos­tas pa­ra a ques­tão apre­sen­ta­da no tí­tu­lo des­te ar­ti­go po­dem ser vá­ri­as, de­pen­den­do de on­de se en­con­tra quem es­tá res­pon­den­do. Pa­ra ca­da um, de acor­do com sua bi­o­gra­fia e in­te­res­ses, o sen­ti­do que a pós-gra­du­a­ção re­pre­sen­ta po­de ser di­fe­ren­te. Exa­ta­men­te por is­so, nos­sa per­gun­ta de­ve ser mais es­pe­cí­fi­ca: e pa­ra o Bra­sil? Is­so se­rá bom? Con­si­de­ran­do a fi­na­li­da­de prin­ci­pal da pós-gra­du­a­ção stric­to sen­su, ar­ris­co-me a di­zer que a res­pos­ta é ne­ga­ti­va. A pro­du­ção de ci­ên­cia de qua­li­da­de e de pon­ta po­de ge­rar tec­no­lo­gi­as e ino­va­ções que, jun­ta­men­te com ou­tros fa­to­res, aju­dam a for­ta­le­cer o pa­ís, con­tri­buin­do pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to e aju­dan­do a re­sol­ver pro­ble­mas so­ci­ais. O pró­prio pro­je­to de re­so­lu­ção do CNE afir­ma que os cur­sos de mes­tra­do e dou­to­ra­do de­vem ser “ori­en­ta­dos pa­ra de­sen­vol­ver uma pro­du­ção in­te­lec­tu­al com­pro­me­ti­da com o avan­ça do co­nhe­ci­men­to e su­as in­ter­fa­ces com o bem eco­nô­mi­co, a cul­tu­ra, a in­clu­são so­ci­al e o bem-es­tar da so­ci­e­da­de”. Cla­ro que não acre­di­ta­mos em uma vi­são sal­va­cio­nis­ta da ci­ên­cia, pois, as ques­tões so­ci­ais de uma na­ção são com­ple­xas e não de­pen­dem so­men­te de se ter pro­du­ção ci­en­tí­fi­ca de pon­ta. Mas, is­so já aju­da­ria bas­tan­te. Con­tu­do, pa­ra que is­so se con­cre­ti­ze, é ne­ces­sá­rio fi­nan­cia­men­to e ava­li­a­ção da qua­li­da­de do que se es­tá pro­du­zin­do. E aqui es­tá o “X” da ques­tão. O go­ver­no bra­si­lei­ro tem di­fi­cul­da­des pa­ra acom­pa­nhar os cur­sos pre­sen­ci­ais já exis­ten­tes. Ima­gi­nem com o au­men­to de cur­sos on-li­ne. Au­men­tar ape­nas quan­ti­ta­ti­va­men­te os pos­sí­veis es­pa­ços de pro­du­ção de ci­ên­cia e tec­no­lo­gia, sem ga­ran­ti­as de qua­li­da­de, é jo­gar di­nhei­ro fo­ra e não vai con­tri­bu­ir pa­ra que o Bra­sil dei­xe sua con­di­ção de im­por­ta­dor de tec­no­lo­gi­as e ino­va­ções. Cor­re-se o ris­co de pro­du­zir grá­fi­cos lin­dos, mos­tran­do o au­men­to quan­ti­ta­ti­vo da pro­du­ção ci­en­tí­fi­ca no pa­ís, mas sem qua­li­da­de no pla­no con­cre­to. Mas, se­rá que não é exa­ta­men­te is­so que que­rem os paí­ses que es­tão à fren­te da dis­pu­ta glo­bal de pa­ten­tes e dos pró­prios or­ga­nis­mos in­ter­na­cio­nais? Que con­ti­nu­e­mos na pe­ri­fe­ria, fin­gin­do que so­mos gran­des? Fi­ca o aler­ta.

 

(Adri­a­no de Me­lo Fer­rei­ra, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Go­i­ás e da Re­de Pú­bli­ca Es­ta­du­al de Edu­ca­ção Bá­si­ca)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar