Opinião

Opinião: o mo­ti­vo pa­ra a ex­clu­são dos mi­li­ta­res da po­lí­ti­ca, pode ser o preconceito

diario da manha

Há um gran­de pre­con­cei­to con­tra a par­ti­ci­pa­ção dos mi­li­ta­res na po­lí­ti­ca. Quan­do es­ses se en­vol­vem com a po­lí­ti­ca par­ti­dá­ria são cri­ti­ca­dos, co­mo se os mi­li­ta­res não ti­ves­sem os mes­mos di­rei­tos que os de­mais ci­da­dão têm, de fa­la­rem e par­ti­ci­pa­rem do pro­ces­so po­lí­ti­ca par­ti­dá­rio, in­clu­si­ve, can­di­da­tan­do-se a car­gos ele­ti­vos. Nun­ca en­ten­di an­tes as ra­zões des­sa odi­o­sa dis­cri­mi­na­ção que al­guns fa­zem con­tra os mi­li­ta­res. Mas, de­pois de tu­do que es­tá acon­te­cen­do no pa­ís, eu pos­so en­ten­der os mo­ti­vos da­que­les que não que­rem a com­pa­nhia dos mi­li­ta­res. Pen­san­do bem, eles têm ra­zão, re­al­men­te a com­pa­nhia dos mi­li­ta­res com os que an­dam fo­ra da lei, nun­ca da­ria cer­to, pe­lo con­trá­ria, não ha­ve­ria con­vi­vên­cia. O mo­ti­vo pa­ra a ex­clu­são dos mi­li­ta­res do pro­ces­so po­lí­ti­co, só po­de ser pre­con­cei­to. Até por­que, to­do mun­do sa­be que os mi­li­ta­res es­tão sem­pre pre­pa­ra­dos pa­ra qual­quer mis­são. A pro­va dis­so é que os go­ver­nos re­cor­rem sem­pre aos mi­li­ta­res quan­do há pro­ble­mas que eles têm que in­ter­fe­rir. Por­tan­to, o pro­ble­ma é ti­pi­ca­men­te de pu­ro pre­con­cei­to, os mi­li­ta­res sa­bem e se­tem is­so, tan­to é que, sem abrir mão de su­as iden­ti­da­des pro­fis­si­o­nais, es­tão sa­in­do da ca­ser­na pa­ra  can­di­da­tar-se a car­gos ele­ti­vos pa­ra acom­pa­nha­rem de per­to a ad­mi­nis­tra­ção do Pa­ís.

Ao fa­lar so­bre os mi­li­ta­res es­tou me re­fe­rin­do, es­pe­ci­al­men­te, aos do es­ta­do de Go­i­ás. Em­bo­ra, nos par­la­men­tos mu­ni­ci­pa­is, es­ta­du­ais e fe­de­ra­is, mes­mo de for­ma tí­mi­da, já exis­ta mui­tos par­la­men­ta­res mi­li­ta­res que tem fei­to a di­fe­ren­ça en­tre os seus pa­res. Pa­ra as elei­ções do pró­xi­mo ano, sin­to que exis­te um for­te sen­ti­men­to en­tre os mi­li­ta­res, prin­ci­pal­men­te en­tre os vo­ca­cio­na­dos pa­ra a po­lí­ti­ca, no sen­ti­do de lan­ça­rem can­di­da­tos a de­pu­ta­dos fe­de­ral e es­ta­du­al, no pró­xi­mo plei­to elei­to­ral. Es­tou des­ta­can­do os mi­li­ta­res, por con­ta do pre­con­cei­to que eles so­frem na so­ci­e­da­de, mas po­de­ria des­ta­car, tam­bém, ou­tras ca­te­go­ri­as de pro­fis­si­o­nais que de­ve­ri­am se en­vol­ver com a po­lí­ti­ca par­ti­dá­ria. A in­di­fe­ren­ça da so­ci­e­da­de com a po­lí­ti­ca, mes­mo sa­ben­do que de­pen­de de­la, têm con­tri­bu­í­do pa­ra o fo­men­to das cri­ses que tan­to pre­ju­di­cam a so­ci­e­da­de. A si­tu­a­ção do pa­ís não é boa, mais do que nun­ca pre­ci­sa do en­vol­vi­men­to de to­dos com as cau­sas de in­te­res­se da mai­o­ria dos ci­da­dã­os. O mo­men­to não é pa­ra quei­xu­mes, dis­cri­mi­na­ção e nem de cul­par nin­guém, ex­ce­to os fi­cha su­ja, a ho­ra é de uni­ão, de com­pre­en­são e de com­pro­me­ti­men­to com as cau­sas da pá­tria bra­si­lei­ra.

Mi­li­ta­res de Go­i­ás, a quem me di­ri­jo em pri­mei­ro pla­no, es­tão se pre­pa­ran­do pa­ra can­di­da­tar-se a De­pu­ta­dos Fe­de­ral e Es­ta­du­al. To­dos têm o meu aplau­so e apoio. Não é a pri­mei­ra vez que is­so acon­te­ce no es­ta­do, já ocor­reu em ou­tros plei­tos, in­clu­si­ve com a elei­ção de al­guns, não ele­gen­do mais por fal­ta de uni­ão e de com­pre­en­são en­tre os par­ti­ci­pan­tes. Afi­nal, a fa­mí­lia mi­li­tar so­ma mais de cem mil com­po­nen­tes no Es­ta­do. Se os pos­tu­lan­tes fo­rem ca­pa­zes de tro­car o eu pe­lo nós, e de es­co­lher os mais pre­pa­ra­dos, pen­so que po­dem lan­çar um can­di­da­to a De­pu­ta­do Fe­de­ral e três can­di­da­tos a De­pu­ta­do Es­ta­du­al, com re­al pos­si­bi­li­da­de de vi­tó­rias. Por ou­tro la­do, se o ego­ís­mo su­bir às ca­be­ças e saí­rem mui­tos can­di­da­tos das cor­po­ra­ções, a ten­dên­cia é, sal­vo pou­cas ex­ce­ções, re­pe­tir as der­ro­tas de ou­tros plei­tos.  Sem­pre fui e con­ti­nuo sen­do oti­mis­ta, te­nho fé e es­pe­ran­ça que a fa­mí­lia mi­li­tar de Go­i­ás, com a for­ça que têm, pos­sa cons­tru­ir as con­di­ções pa­ra ele­ger os seus  re­pre­sen­tan­tes, na As­sem­bléia Le­gis­la­ti­va e na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, pa­ra pre­ser­var e for­ta­le­cer a ri­ca his­tó­ria da Po­lí­cia Mi­li­tar e do Cor­po de Bom­bei­ros Mi­li­tar de Go­i­ás.

 

(Gercy Jo­a­quim Ca­mê­lo, co­ro­nel da Re­ser­va Re­mu­ne­ra­da da Po­lí­cia Mi­li­tar de Go­i­ás)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais