Opinião

Natal e intolerância

diario da manha

As pes­so­as es­tão apren­den­do a ti­rar pro­vei­to umas das ou­tras e a to­le­rân­cia ten­de a de­sa­pa­re­cer. Sem res­pei­to e con­si­de­ra­ção mú­tuos, fi­ca di­fí­cil a boa con­vi­vên­cia que in­cen­ti­va o apri­mo­ra­men­to. O atra­so de meio sé­cu­lo na du­pli­ca­ção da Ro­do­via Ré­gis Bit­ten­court, que faz a li­ga­ção com a re­gi­ão sul, evi­den­cia a es­tag­na­ção do Bra­sil e o des­ca­so dos go­ver­nan­tes. As cons­tru­to­ras po­de­ri­am ter con­tri­bu­í­do de­ci­si­va­men­te pa­ra o pro­gres­so, mas se imis­cu­í­ram com o po­der, cau­san­do mui­ta in­ve­ja pe­lo mun­do, e afi­nal deu no que deu, fi­ze­ram pla­nos de la­va­gem nos gran­des es­tá­di­os e pra­ça olím­pi­ca do Rio de Ja­nei­ro, mas não ou­sa­ram ir além por um pa­ís me­lhor.

Tu­do fi­cou meio aban­do­na­do. Os mo­to­ris­tas tam­bém per­de­ram a for­ma sen­sa­ta de di­ri­gir; agem co­mo lou­cos, cor­rem pe­las es­tra­das mal cu­i­da­das au­men­tan­do o pe­ri­go e tra­gé­di­as. O Bra­sil tem ca­mi­nha­do de for­ma con­fu­sa, re­tar­dan­do o cres­ci­men­to eco­nô­mi­co e seu re­fi­na­men­to. A dis­pen­sa de re­co­lhi­men­to so­bre a im­por­ta­ção de bens pa­ra uso pe­las pe­tro­lí­fe­ras de­ve­ria con­si­de­rar se há si­mi­lar na­ci­o­nal dos bens ne­ces­sá­rios à ex­plo­ra­ção do pe­tró­leo. Se a isen­ção é in­dis­pen­sá­vel, por­que não es­ti­pu­lar uma ta­xa úni­ca de por­cen­ta­gem re­du­zi­da des­ti­na­da ao de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co?

Os re­la­ci­o­na­men­tos e os ne­gó­ci­os es­tão ocor­ren­do em fun­ção do di­nhei­ro, in­clu­si­ve a can­di­da­tu­ra da­que­les que se di­zem con­trá­rios à cul­tu­ra fi­nan­cei­ra que co­lo­cou a ado­ra­ção do di­nhei­ro co­mo o gran­de be­zer­ro de ou­ro, aci­ma de tu­do o mais. Na tur­bu­lên­cia, na­da se so­li­di­fi­ca, nem as bo­as idei­as, pois sem­pre há o as­pec­to fi­nan­cei­ro co­mo mo­ti­va­ção prin­ci­pal. Sem ga­nhos e sem acú­mu­lo de po­der na­da é re­a­li­za­do. O mun­do lí­qui­do vai se es­ten­den­do so­bre to­das as ati­vi­da­des dos ho­mens vol­ta­dos so­men­te pa­ra ne­gó­ci­os e pa­ra o fa­tu­ra­men­to, am­pli­an­do a mi­sé­ria. A fal­ta de sen­si­bi­li­da­de tem le­va­do os ho­mens a dei­xa­rem de la­do as ques­tões fun­da­men­tais.

A boa ges­tão tam­bém re­quer o equa­cio­na­men­to das dí­vi­das e equi­lí­brio nas con­tas in­ter­nas e ex­ter­nas pa­ra o pa­ís ter au­to­no­mia e não fi­car sem­pre de­pen­den­te de fi­nan­cia­men­tos. A ges­tão, pa­ra ser boa, tem de bus­car a cer­te­za de que as no­vas ge­ra­ções se­rão mo­ti­va­das a agir com se­ri­e­da­de e sem te­mo­res pa­ra se es­for­ça­rem e su­pe­ra­rem os ob­stá­cu­los, al­can­çan­do fu­tu­ro me­lhor. Os ho­mens que go­ver­na­ram o Bra­sil em 1889 la­men­ta­vel­men­te não de­ram a mí­ni­ma pa­ra a edu­ca­ção das no­vas ge­ra­ções.

Os gran­des pro­ble­mas de­cor­rem da fal­ta de pre­pa­ro. A so­ci­e­da­de in­tei­ra tem de com­pre­en­der is­so e jun­tar es­for­ços pa­ra me­lho­rar a edu­ca­ção, atu­al­men­te tão con­ta­mi­na­da por fal­sos con­cei­tos. Bons li­vros po­dem me­lho­rar a hu­ma­ni­da­de, mas pre­ci­sam ser li­dos. Ao lon­go da nos­sa evo­lu­ção, le­va­dos pe­la co­bi­ça, em vez de ob­ser­var­mos os me­ca­nis­mos das leis na­tu­ra­is da Cri­a­ção, op­ta­mos pe­lo ca­mi­nho des­tru­ti­vo do ime­di­a­tis­mo, pon­do em ris­co as con­di­ções ne­ces­sá­rias pa­ra a vi­da.

Es­ta épo­ca de fes­tas de fi­nal de ano con­vi­da as pes­so­as a se­rem elas mes­mas, sem es­ta­rem in­ter­pre­tan­do um pa­pel que se pau­ta por con­cei­tos não in­ter­na­li­za­dos. O Na­tal de­ve­ria tra­zer luz, amor e ale­gria aos ho­mens de boa von­ta­de que se es­for­çam pa­ra se apri­mo­rar.

Je­sus veio ex­pli­car tu­do so­bre a Cri­a­ção e o sig­ni­fi­ca­do da vi­da por meio de pa­rá­bo­las. Além do “co­lhe­reis o que se­me­a­res”, pou­ca coi­sa res­tou de seus en­si­na­men­tos ori­gi­nais, se­ja por­que não fo­ram com­pre­en­di­dos, ou fo­ram es­que­ci­dos ou mo­di­fi­ca­dos. As­sim, te­ceu-se um amon­to­a­do de in­com­pre­en­sões, dis­cór­dias e con­fli­tos. A Men­sa­gem de Je­sus pro­ce­de da Luz e de­ve­ria unir os ho­mens em boa con­vi­vên­cia na bus­ca da ele­va­ção es­pi­ri­tual. Es­se foi o gran­de pre­sen­te de Na­tal ofer­ta­do pe­lo Cri­a­dor. Dois mil anos se pas­sa­ram, o des­ven­da­men­to foi fi­can­do ca­da vez mais im­pos­sí­vel fa­ce ao ador­me­ci­men­to do es­pí­ri­to. Os se­res hu­ma­nos pre­ci­sam pro­cu­rar a Luz e des­per­tar pa­ra a vi­da re­al. Fe­liz Na­tal!

 

(Be­ne­dic­to Is­ma­el Ca­mar­go Du­tra, gra­du­a­do pe­la Fa­cul­da­de de Eco­no­mia e Ad­mi­nis­tra­ção da USP, faz par­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Pro­digy Ber­ri­ni Grand Ho­tel, ar­ti­cu­lis­ta co­la­bo­ra­dor de jor­nais e re­a­li­za pa­les­tras so­bre te­mas li­ga­dos à qua­li­da­de de vi­da. Co­or­de­na os si­tes www.vi­da­e­a­pren­di­za­do.com.br e www.li­brary.com.br. É au­tor dos li­vros: “No­la – o ma­nus­cri­to que aba­lou o mun­do”; “2012…e de­pois?”; “De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no”; “O Ho­mem Sá­bio e os Jo­vens”; “A tra­je­tó­ria do ser hu­ma­no na Ter­ra – em bus­ca da ver­da­de e da fe­li­ci­da­de”, e “O se­gre­do de Darwin – Uma aven­tu­ra em bus­ca da ori­gem da vi­da” (Ma­dras Edi­to­ra). E-mail: bic­du­[email protected]­brary.com.br; Twit­ter: @bi­du­tra7)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais