Opinião

Natal na roça

diario da manha

Só vo­cê po­de me que­brá es­se ga­lho, Pe­dro. O Zé Lu­iz, a quem ca­bia re­pre­sen­tar o pa­pel, não che­gou até ago­ra e a cri­an­ça­da es­tá lou­ca pra re­ce­ber os pre­sen­tes das mãos do Pa­pai No­el.? dis­se-me o tio Léo, apre­en­si­vo, pas­san­do-me às mãos a bar­ba bran­ca; a bo­ta e o cin­to pre­tos; gor­ro, blu­são e cal­ça ver­me­lhos. E acres­cen­tou: ? Vou alí na sa­la e vol­to já pra lhe dar al­gu­mas ins­tru­ções. Vai ves­tin­do tu­do is­so aí de­pres­sa.

Fiz tu­do co­mo me pe­diu. O di­fí­cil vou me­ter os pés na­que­le par de bo­tas aper­ta­dís­si­mas. Mas, ven­ci­da tal eta­pa, ufa!, por si­nal que bem ar­ro­cha­da, ar­ro­cha­dís­si­ma, es­ta­va eu ir­re­co­nhe­cí­vel na­que­le tra­je ver­me­lho de San­ta Claus. Tra­di­ção que a gen­te im­por­tou dos paí­ses de in­ver­no ri­go­ro­so. E en­trei a en­sai­ar, bai­xi­nho, pra não cha­mar mui­ta aten­ção, não, aque­le ô, ô, ô, ô, ô, que o bom ve­lhi­nho cos­tu­ma en­to­ar nos fil­mes. E ain­da a dis­far­çar a voz, que pa­re­cia não aju­dar mui­to, não, a fim de não ser re­co­nhe­ci­do pe­las cri­an­ças. Tu­do pe­la su­bli­me fan­ta­sia da­que­le Na­tal. Da­que­le Na­tal da Fa­zen­da Dom Pe­dri­to, mu­ni­cí­pio de Ara­çu, Es­ta­do de Go­i­ás. Pa­re­ce-me que foi no fi­nal da dé­ca­da de 1980. Ou foi pou­co de­pois? Sei lá. Is­so pou­co im­por­ta, pois o que im­por­ta é que eu es­ta­va ir­re­co­nhe­cí­vel na­que­la rou­pa. Já lá se vão mes­mo quan­tos anos?

En­quan­to es­pe­ra­va o Tio Léo, sen­ta­do na ca­ma de ca­sal, a lei­toa que as­sa­vam, lá na co­zi­nha ex­ter­na, des­pren­dia aque­le chei­ro gos­to­so de toi­ci­nho. A ca­sa era ou é ser­vi­da por du­as co­zi­nhas: a in­ter­na e a ex­ter­na.

Ou­vi pas­sos no cor­re­dor. Era meu tio que vol­ta­va da sa­la, tra­zen­do nas mãos um si­ni­nho de me­sa, pra anun­ci­ar a mi­nha che­ga­da tri­un­fan­te, e um sa­co re­ple­to de pre­sen­tes. Ca­da cri­an­ça ti­nha seu no­me es­cri­to nos em­bru­lhos, pa­ra que não hou­ves­se con­fu­são.

A se­de da Fa­zen­da Dom Pe­dri­to fi­ca si­tu­a­da no cu­me de um mor­ro­te. Uma es­tra­di­nha si­nu­o­sa de ter­ra ba­ti­da con­duz o au­to­mó­vel até uma can­ce­la, que se abre pa­ra a ca­sa. Ca­sa de pa­re­des bran­cas, a imi­tar o es­ti­lo co­lo­ni­al bra­si­lei­ro, to­da ela guar­ne­ci­da de sa­ca­das de fer­ro for­ja­do.

Meu tio mi­nis­trou-me as se­guin­tes ins­tru­ções na­que­la noi­te cla­ra. Que eu sal­tas­se a sa­ca­da do seu quar­to, sa­ca­da que, na­que­le pon­to da ha­bi­ta­ção, era bem bai­xa ou ren­te ao chão, eis ser aque­la uma cons­tru­ção em des­ní­veis, des­ces­se a su­a­ve en­cos­ta do mor­ro­te. E en­tão me di­ri­gis­se, rom­pen­do um man­di­o­cal, a um de­ter­mi­na­do pon­to, não me lem­bro mais qual, não mui­to dis­tan­te da can­ce­la, on­de me de­pa­ra­ria com um pe­ão, se­gu­ran­do as ré­de­as de um ca­va­lo. Fiz tu­do co­mo me in­di­cou.

Sim, pe­ão se­gu­ran­do as ré­de­as de um ca­va­lo, por­que era pra eu apa­re­cer mon­ta­do, mon­ta­dís­si­mo, se aque­la mon­ta­ria con­cor­das­se em me acei­tar no ar­reio. Era en­fim pra eu re­pre­sen­tar o pa­pel de um No­el-Pe­ão. Se é que já hou­ve an­tes um No­el-Pe­ão nos Na­tais da ro­ça.

Mas o ca­va­lo, mas o ca­va­lo, por mais eu ten­tas­se mon­tar ne­le, so­can­do o pé no es­tri­bo, com aque­la rou­pa es­tra­nha, re­fu­ga­va, es­qui­van­do-se, es­qui­van­do-se, re­lin­chan­do. O ani­mal de­via pen­sar: “eu não vou dei­xar es­sa coi­sa es­qui­si­ta aí mon­tar em mim, não. De jei­to ne­nhum”.

Não ha­ven­do co­mo me apre­sen­tar mon­ta­do, fui an­dan­do, anun­ci­an­do a mi­nha che­ga­da com um ru­i­do­so  ô, ô, ô, ô, ô, e ba­da­lan­do aque­le si­ni­nho de me­tal cro­ma­do.

A cri­an­ça­da vi­brou. Qua­se mes­mo em êx­ta­se. O ca­va­lo, que dei­xei pra lá, pa­re­cia sor­rir mais ain­da. Lo­go a fa­rân­do­la mi­rím se apro­xi­mou cor­ren­do de mim, agar­ran­do-me da­qui, agar­ran­do-me da­lí, com os olhos vi­dra­dos no sa­co de pre­sen­tes.

Mal pu­de su­bir a es­ca­da e ter aces­so à sa­la de es­tar, por­que aque­la me­ni­na­da me de­ti­nha. Mal pu­de me me­xer, to­tal­men­te cer­ca­do, si­ti­a­do, im­pe­di­do por aque­les bra­ci­nhos an­sio­sos. Por aque­las “in­qui­e­tas lar­va­zi­nhas de al­ma hu­ma­na, Mis­te­ri­o­sos des­ti­nos em se­men­te”, diz o po­e­ta Ra­ul de Le­o­ni.

Tia Zu­zú e seu Do­rí­val Ro­riz, vul­go Do­rí, so­gro do tio Léo, fo­ram dos que mais se ale­gra­ram com aque­la en­ce­na­ção to­da.

Foi de fa­to uma noi­te vi­bran­te de Na­tal. Noi­te vi­bran­te que, pa­ra mim, co­mo ve­lho No­el, fin­dou quan­do dis­tri­buí os pre­sen­tes e fa­lei:

Pre­ci­so ir em­bo­ra de­pres­sa, me­ni­nos. Ou­tras cri­an­ças me es­pe­ram na fa­zen­da do ‘seu’ Ubi­ra­ja­ra Cai­a­do, que fi­ca aqui ao la­do.

Um me­ni­ni­nho quis me acom­pa­nhar e au­xi­li­ar, mas o tio Léo o de­te­ve.

E as­sim en­cer­ro aqui es­ta nar­ra­ti­va de Na­tal. Nem sei mais quan­to tem­po faz.

 

(Pe­dro No­las­co de Arau­jo, mes­tre em Ges­tão do Pa­tri­mô­nio Cul­tu­ral, ad­vo­ga­do, es­pe­cia­li­za­ção em Di­rei­to Cons­ti­tu­ci­o­nal, só­cio ti­tu­lar do Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás, só­cio-cor­res­pon­den­te da Aca­de­mia Be­la­vis­ten­se de Le­tras, Ar­tes e Ci­ên­cias, di­plo­ma­do pe­la As­so­cia­ção dos Di­plo­ma­dos da Es­co­la Su­pe­ri­or de Guer­ra)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais