Opinião

Natal, o advento da evangelização

diario da manha

A era cris­tã é mar­ca­da por um mar­co im­par o nas­ci­men­to de Je­sus, seu nas­ci­men­to é de uma mag­ni­tu­de tão for­te que em fun­ção de­le se ini­cia o ano I da era Cris­tã pon­to de par­ti­da pa­ra a con­ta­gem dos anos, sé­cu­los en­fim a con­ta­gem do tem­po ao qual es­ta­mos acos­tu­ma­dos e que re­ve­la a im­por­tân­cia da sua pre­sen­ça no mun­do.

O nas­ci­men­to de Je­sus é o sen­ti­men­to de hu­ma­ni­za­ção tão pre­sen­te no as­pec­to vi­si­o­ná­rio dos ma­gos do ori­en­te, Gas­par, Mel­chi­or e Bal­ta­zar, a es­sên­cia da sim­pli­ci­da­de de Je­sus es­tá na for­ma co­mo acon­te­ce sua vin­da ao mun­do de ma­nei­ra sin­ge­la e anun­ci­an­do a sua re­a­le­za, pois quem é sá­bio não fi­ca pre­so ao lu­xo e as vai­da­des, mas a har­mo­nia do sim­ples, do pe­que­no, pois nis­so quer se apro­xi­mar de nós pa­ra trans­for­mar nos­sas vi­das tão chei­as de ma­ze­las e cor­rom­pi­da pe­lo pe­ca­do ori­gi­nal que é apa­ga­do na sua en­tre­ga na cruz que re­ge­ne­ra nos­sas vi­das pa­ra um amor mi­se­ri­cor­di­o­so, amor de Deus, amor di­vi­no que des­per­ta a nos­sa es­pe­ran­ça em um mun­do me­lhor e cons­tru­í­do no amor.

A es­tre­la de Be­lém é a sín­te­se do amor de Deus que trans­mi­te paz aos ho­mens, quan­do os três reis ma­gos per­ce­be­rem a sua lu­mi­no­si­da­de des­ta­ca­da no céu foi com gran­de ju­bi­lo de ale­gria que fo­ram ao en­con­tro do me­ni­no – Deus on­de a es­tre­la pa­rou in­di­can­do que ali es­ta­ria o sal­va­dor, O Deus co­nos­co, O Mes­si­as, ho­je se sa­be que é o ali­nha­men­to de dois pla­ne­tas Jú­pi­ter e Ne­tu­no que po­dem in­di­car nos­so olhar no­vo pa­ra Je­sus que é o prín­ci­pe da paz e da to­le­rân­cia.

A re­li­gi­o­si­da­de es­te­ve pre­sen­te na ci­vi­li­za­ção He­brai­ca no pe­rí­o­do dos pa­tri­ar­cas Abra­ão, Isa­ac e Ja­có que ins­ti­tui a sin­gu­la­ri­da­de na cren­ça em um só Deus, pois as ou­tras ci­vi­li­za­ções são po­li­te­ís­tas co­mo a gre­ga, a egíp­cia acre­di­tan­do em vá­rios deu­ses e não em um úni­co Deus que mu­da a his­tó­ria, e o tem­po pre­sen­te..

A cren­ça em Cris­to é a mai­or fe­li­ci­da­de que um ser hu­ma­no po­de ter, pois ele é Deus que se en­car­nou e vi­ve en­tre nós pa­ra con­so­li­dar a es­pe­ran­ça de me­lho­res di­as em nos­sas vi­das pa­ra um tem­po de amor, de so­li­da­ri­e­da­de e de par­ti­lha que se faz em pe­que­nos atos de mu­dan­ças con­ti­nu­as de uma com­pre­en­são que apri­mo­re o nos­so mo­do de ser, de agir, e pri­o­ri­zar um mun­do me­lhor.

O ad­ven­to é a pre­pa­ra­ção pa­ra a gran­di­o­si­da­de da har­mo­nia que se res­ta­be­le­ce na ter­ra, pois atra­vés do seu nas­ci­men­to ele trans­for­ma nos­sas vi­das co­mo fez em vá­rios mi­la­gres aco­lhen­do os hu­mil­des e pu­ros de co­ra­ção, ex­cluí­dos por uma so­ci­e­da­de hi­pó­cri­ta que fa­zia su­as ora­ções, mas dis­cri­mi­na­va e se­gre­ga­va não com­pre­en­den­do o ver­da­dei­ro man­da­men­to da lei de Deus que amar ao pró­xi­mo co­mo a si mes­mo e vi­ven­do uma vi­da de su­per­fi­ci­a­li­da­des, pre­sos a leis que não pro­cu­ra­vam mu­dar a vi­da das pes­so­as e sim con­ti­nu­ar em seus pri­vi­lé­gios e mas­si­fi­can­do as ou­tras pes­so­as.

O ju­daís­mo re­li­gi­ão ao qual Je­sus per­ten­cia é ori­gi­ná­rio da Ci­vi­li­za­ção he­brai­ca com to­dos os cos­tu­mes, há­bi­tos e nor­mas, po­rém Je­sus veio pa­ra dar um bas­ta a cer­tas pes­so­as que apro­vei­tam da re­li­gi­ão em be­ne­fi­cio pró­prio co­mo fez ex­pul­san­do os ven­di­lhões do tem­plo di­zen­do res­pei­tem a ca­sa de meu pai, nis­to e nes­sa con­so­nân­cia de jus­ti­ça quer atra­vés do seu nas­ci­men­to que se con­cre­ti­za a ca­da ano e que es­tá por che­gar que te­nha­mos um no­vo pa­râ­me­tro de pen­sa­men­to vol­ta­do pa­ra as coi­sas do al­to e não es­que­cen­do dos mais po­bres e hu­mil­des de nos­sa so­ci­e­da­de que ne­ces­si­tam do nos­so amor e afe­to pa­ra uma no­va era de par­ti­lha e igual­da­de em um mun­do tão de­si­gual e que es­ta­be­le­ça um no­vo tem­po de de­di­ca­ção ao sim­ples.

A man­je­dou­ra é a sim­pli­ci­da­de de um Deus que quer vir a nós na hu­mil­da­de dos mais ne­ces­si­ta­dos que de­vem ser as­sis­ti­dos em su­as re­a­li­da­des e que pos­sam ter aces­so aos bens de pro­du­ção on­de to­dos são fi­lhos do al­tís­si­mo que de­se­jam uma so­ci­e­da­de edi­fi­ca­do­ra que as­si­mi­le a bon­da­de co­mo me­ta prin­ci­pal de uni­ão en­tre po­vos.

Moi­ses ao su­bir ao mon­te Si­nai e en­con­trar com Deus, Deus diz a ele pa­ra ti­rar as san­dá­lias, pois es­tá em so­lo sa­gra­do , as­sim co­mo no mon­te Si­nai , Be­lém é a es­plen­di­da re­a­li­da­de da pre­sen­ça do Me­ni­no – Deus que se re­ve­la a ca­da mo­men­to de nos­sas vi­das dan­do for­ça, co­nhe­ci­men­to e sim­pli­ci­da­de pa­ra en­ten­der que es­ta­mos nes­te glo­bo pa­ra aten­der um pro­je­to de trans­for­ma­ção do mun­do e das pes­so­as que vi­vem em si­tu­a­ção de ex­clu­são pa­ra que che­guem à abun­dân­cia ple­na de­se­ja­da por Deus.

A pe­que­ni­na Be­lém de Ju­dá é o mar­co da mai­or ale­gria que a hu­ma­ni­da­de as­sis­tiu e con­ti­nu­a­ra sen­tin­do por to­dos os anos, Je­sus Cris­to nas­ceu um fi­lho nos foi da­do, prín­ci­pe da paz, con­se­lhei­ro ad­mi­rá­vel to­dos es­ses ad­je­ti­vos des­cri­tos na sa­gra­da es­cri­tu­ra re­ve­la que Deus se ma­ni­fes­ta em um lu­gar pe­que­no, pois é dos po­bres e quer es­tar jun­to aos po­bres e não nos gran­des cen­tros da an­ti­gui­da­de on­de nas­ciam os gran­des im­pe­ra­do­res cheio de lu­xo e os­ten­ta­ção, mas va­zi­os de sen­ti­men­tos hu­ma­nos, em Je­sus se con­so­li­da o rei­no do amor, da bon­da­de, e da har­mo­nia que se de­ve per­pe­tu­ar pe­los sé­cu­los dos sé­cu­los pa­ra uma so­ci­e­da­de re­no­va­da que acei­te a man­si­dão do crer co­mo for­ça pa­ci­fi­ca­do­ra de re­ge­ne­ra­ção.

Os pas­to­res são os sím­bo­los prin­ci­pa­is da hu­mil­da­de e bon­da­de de Deus, pois a eles foi re­ve­la­do o in­fi­ni­to amor de Deus, nes­te con­tex­to de­ve­mos ter em men­te a im­por­tân­cia de São Jo­sé e Ma­ria pa­is de Je­sus que co­la­bo­ram na con­cre­ti­za­ção do seu tra­ba­lho em Je­ru­sa­lém e em an­ti­gas ci­da­des da an­ti­ga Ásia que de­mons­tram que o tra­ba­lho de Je­sus de­ve es­tar em nos­sos di­as com a gran­de­za pa­ra apri­mo­rar nos­sa for­ma de ver o mun­do, a so­ci­e­da­de e di­re­cio­nar a um pen­sa­men­to de igual­da­de.

Je­sus on­tem, ho­je e sem­pre de­vem ser as pa­la­vras que de­vem nor­te­ar o nos­so ide­á­rio de vi­ver pa­ra ama­du­re­cer em be­las ati­tu­des que de­mons­tram nos­sa vi­são de um mun­do jus­to, fra­ter­no, igua­li­tá­rio e que re­no­ve a es­pe­ran­ça em ca­da ser que anun­cia sua pa­la­vra não co­mo me­ra re­pe­ti­ção, mas com um ges­to am­pli­fi­ca­dor de uma gran­de mu­dan­ça que res­tau­re o amor com to­do o seu es­plen­dor.

A be­le­za do Na­tal es­tá na re­le­vân­cia de com­pre­en­der a sim­pli­ci­da­de em seu pon­to má­xi­mo de con­sci­ên­cia pa­ra con­ce­ber um de­se­nho de pos­si­bi­li­da­des que ins­ta­lem a es­tru­tu­ra da es­pe­ran­ça, for­ça mo­triz que de­ve ir­ra­di­ar a es­tre­la de Be­lém em sua con­cep­ção pa­ra ilu­mi­nar os co­ra­ções du­ros e se­me­ar a se­men­te da bo­nan­ça de pri­o­ri­da­des que afir­mem um no­vo jei­to de res­ta­be­le­cer a se­re­ni­da­de do per­dão.

O in­di­vi­dua­lis­mo e o con­su­mis­mo exar­ce­ba­do não de­vem fa­zer par­te do nos­so co­ti­dia­no on­de ter não de­ve ser mais im­por­tan­te que o ser pois o ter de­te­rio­ra en­fer­ru­ja en­quan­to o ser es­tão to­das as qua­li­da­des que são a mar­ca da so­ci­e­da­de hu­ma­na que cria trans­for­ma e sen­si­bi­li­za o per­ce­ber , o Na­tal de­ve ser is­so a com­pre­en­são que os pe­que­nos prin­cí­pios mo­de­lam em nos­sa con­sci­ên­cia pa­ra  um mun­do me­lhor e hu­ma­no que tra­ga a har­mo­nia de ser co­mo de­se­jo úni­co de enal­te­cer.

Por fim o ad­ven­to se tra­duz tam­bém na pre­ga­ção de Jo­ão Ba­tis­ta que anun­cia o Sal­va­dor que vi­ria O Ema­nu­el, o Deus co­nos­co, o Mes­si­as aque­le que li­ber­ta­ria do ju­go do opres­sor e con­ti­nua li­ber­tan­do dos nos­sos ego­ís­mos, ma­ze­las e man­chas de pe­ca­do de uma so­ci­e­da­de que pre­ci­sa apren­der a lei do amor.

Em su­ma o Na­tal é des­cri­to nas pa­la­vras sá­bi­as de Pe­dro quan­do dis­se tu és o Mes­si­as o fi­lho de Deus, nis­to in­se­re to­do o re­su­mo do tra­ba­lho de Je­sus co­mo um ho­mem sim­ples, mas na sua Di­vin­da­de de Deus com­pre­en­den­do as nos­sas li­mi­ta­ções ele nos traz a ale­gria que o seu mun­do é da paz , se­re­ni­da­de , man­si­dão e igual­da­de, Na­tal, o ad­ven­to da evan­ge­li­za­ção que trans­mi­te ao nos­so co­ra­ção um cren­ça de amor que tu­do mu­da­ra quan­do em Je­sus con­se­guir­mos pra­ti­car a sua pa­la­vra e anun­ci­ar.

 

(Ruy da Pe­nha Lô­bo, li­cen­cia­do em Le­tras/Es­pa­nhol – UCG, ho­je PUC Go­i­ás.  twit­ter: @ pe­nha Lo­bo – re­si­den­te em Bon­fi­nó­po­lis-Go­i­ás)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais