Opinião

Nesses campos e cerrados de Goyaz, um salmo de louvor ao Natal da paz

diario da manha
Os campos de Goyaz, por onde anda Jesus pelas roças

Há uma paz imen­su­rá­vel nes­ses cam­pos de meu Deus. Cam­pos nas­ci­dos à von­ta­de e ter­nu­ra do chão. Na sim­bi­o­se dos ele­men­ta­res da­dos pe­lo Pai Al­tís­si­mo, eles sur­gi­ram e se der­ra­ma­ram pe­las cam­pi­nas e pe­las ser­ras do que, mais tar­de, se cha­ma­ria Goyaz!

Cam­pos que não fo­ram plan­ta­dos. Quem se­me­ou a ar­ni­ca lá no pé da ser­ra? Quem plan­tou o pé de ba­cu­pa­ri na­que­le can­to, jun­to ao gro­tão? Quem pôs a cho­car a se­ri­e­ma? Nes­ses cam­pos, o de­do de Deus es­tá a to­do ins­tan­te a pin­ce­lar ma­ra­vi­lhas no Cer­ra­do do so­nho, na Ge­o­gra­fia dos sen­ti­men­tos.

Há, no Cer­ra­do, ma­pas de en­can­ta­men­tos!

Os Reis Ma­gos, vin­dos da ro­ça, com en­xa­das nos om­bros, trou­xe­ram mi­lho, fa­ri­nha de man­di­o­ca bem tor­ra­di­nha e ba­ta­ta do­ce. Ti­nham, eles, por nor­te, uma es­tre­la e vá­rios so­nhos. Qual te­ria si­do a in­tu­i­ção e von­ta­de da­que­les Reis Ma­gos ca­bo­clos ao es­co­lhe­rem aque­la es­tre­la va­ga e se­guir, no es­pa­ço e no tem­po, com a de­ter­mi­na­ção de quem vai ao en­con­tro de uma qui­me­ra?

No céu eles li­am um tex­to de ra­ra be­le­za; his­tó­ri­as de um Me­ni­no San­to que es­co­lhe­ra um ran­cho em meio ao ma­to, pa­ra nas­cer e dor­mir. Eles não sa­bi­am, mas es­co­lhe­ram ca­mi­nhar, pois to­da es­tra­da é um mis­té­rio.

Pa­ra os Reis Ma­gos ca­bo­clos, com su­as en­xa­das su­jas de ter­ra, es­ta­va tão al­ta aque­la es­tre­la. Pé­ta­la lu­mi­no­sa na imen­sa ro­sa do in­fi­ni­to, a cin­ti­lar o seu vo­ca­bu­lá­rio de luz, em meio à in­con­tá­vel mul­ti­dão de es­tre­las. Era ca­paz que fos­se ape­nas mais uma de mi­lha­res de es­tre­las que sal­pi­cam o uni­ver­so, a flu­tu­a­rem nes­se oce­a­no de be­le­za uni­ver­sal on­de es­tão os mais be­los mo­de­los e os mais pu­ros ma­ti­zes.

Es­sa es­tre­la era flor so­li­tá­ria em meio à mul­ti­dão de um jar­dim; sig­no va­zio a va­gar no ar ima­gi­ná­rio. Es­ta­va aque­la es­tre­la in­dis­tin­ta no vas­to uni­ver­so se­me­a­do de cons­te­la­ções. Era um grão de areia na in­fi­ni­da­de da cri­a­ção de Deus.

No en­tan­to, na­que­le dia tão dis­tan­te, os Reis Ma­gos ca­bo­clos es­co­lhe­ram aque­la es­tre­la pa­ra ser per­ma­nen­te guia, e, es­co­lhen­do-a, eles sou­be­ram dar-lhe um sen­ti­do. Se­pa­ra­ram-na da di­ver­si­da­de anô­ni­ma e acres­cen­ta­ram-lhe o en­can­to de uma sig­ni­fi­ca­ção. Ela so­zi­nha, já va­lia uma cons­te­la­ção in­tei­ra ou to­da a via lác­tea, mas fi­cou cheia de do­ce en­can­to, mes­mo pe­que­ni­na em tan­ta dis­tân­cia, e, no en­tan­to, já era mai­or que os va­gos in­fi­ni­tos da am­pli­dão; já con­ti­nha o to­do, em sua di­mi­nu­ta par­te ilu­mi­na­da. Era uma e to­das, es­tre­la e tu­do.

Es­sa es­tre­la tão dis­tan­te e tão va­ga era guia no ru­mo do lu­gar on­de o eter­no fa­zia-se re­al pa­ra sal­var a hu­ma­ni­da­de. Os Reis Ma­gos ca­bo­clos es­co­lhe­rem aque­la es­tre­la na po­ei­ra cós­mi­ca e a fi­ze­ram úni­ca; ca­mi­nho pa­ra a re­ve­la­ção, a ga­lá­xia co­mo ver­bo mo­vi­men­tan­do-se na cons­tru­ção de nos­sa be­le­za uni­ver­sal.

Presépios nos campos. Imagens da simplicidade de Deus

Je­sus Cris­to tam­bém nas­ceu jun­to aos ani­mais de car­ga e de cus­teio, bi­chos can­sa­dos de su­as la­bu­tas e so­fri­men­tos. Deus pre­fe­riu a be­le­za si­len­te do es­tá­bu­lo en­tre o ba­fe­jar dos ani­mais pa­ra aque­cer Seu fi­lho. Ele viu a gló­ria má­xi­ma da cri­a­ção em ca­da ani­mal ca­la­do, ar­que­jan­te com su­as do­res, a lan­çar olha­res de com­pai­xão e de pi­e­da­de aos de­su­ma­nos hu­ma­nos.

Nes­ses cam­pos, meu Deus, ago­ra tão di­mi­nu­tos, há um nas­cer da paz que Je­sus nos trou­xe no na­tal. Uma paz fei­ta de cal­ma, de har­mo­nia, de bri­sas su­a­ves, de en­can­tos pe­que­nos, mi­nús­cu­las flo­res mo­lha­das pe­lo se­re­no; fru­tos das ár­vo­res gros­sei­ras, tor­tas, em­pe­na­das pe­lo pe­so do des­ti­no.

Mu­dez tão per­fei­ta a sen­tir o ven­to com su­as lin­gua­gens, ao sus­sur­ro das chu­vas e ao ba­lan­çar dos ga­lhos a co­mu­ni­ca­rem coi­sas be­las e inau­dí­veis. Pa­ra que o som, se Deus es­cu­ta o se­re­no co­ra­ção das ár­vo­res?

Tu­do is­so faz se­re­no o meu co­ra­ção e sos­se­ga os meus pas­sos nas som­bras que se der­ra­mam so­bre a es­tra­da. Tu­do se mo­ve com sen­ti­do e com sig­ni­fi­ca­do. Eu – par­te pe­que­ni­na de tu­do is­so. Na cas­ca ru­go­sa do pau ter­ra, eu ve­jo Cris­to e a con­fir­mar o gran­de li­vro do mun­do, can­ta uma se­ri­e­ma, três ve­zes!

Ve­jo que o na­tal é is­to: paz der­ra­ma­da en­tre as for­mi­gas e os pas­sa­ri­nhos no gran­de ca­mi­nho da na­tu­re­za que nos en­se­ja mo­men­tos de luz.

As­sim, eu sei que o Se­nhor é o can­de­ei­ro de meus pas­sos nos ca­mi­nhos tor­tu­o­sos des­se mun­do. O Se­nhor é tro­pei­ro, va­quei­ro, car­rei­ro que não aban­do­na sua boi­a­da e sua tro­pa, por­que a po­ei­ra das es­tra­das é sem­pre um re­no­va­do in­cen­so ver­me­lho ele­va­do aos céus.

E to­do es­se uni­ver­so é uma cri­a­ção de Deus pa­ra que ca­mi­nhos se­jam aber­tos aos no­vos pés que irão pi­sar o can­sa­ço des­sa mi­le­nar po­ei­ra que so­mos nós e que va­mos do chão ao chão, no­va­men­te, in­ces­san­te­men­te, pi­sa­dos pe­las pa­tas dos bois can­sa­dos da li­da no cam­po. E sa­ber-me ter­ra; sei tam­bém que, com o meu Se­nhor can­de­ei­ro, na­da me fal­ta­rá.

Ou­ço o som dos ga­los nos cre­pús­cu­los dor­men­tes e nes­sa can­ção do­len­te que acor­da ca­da dia, eu pen­so em Ti, meu Se­nhor can­de­ei­ro. Der­ra­ma Teus olhos di­á­fa­nos so­bre nos­sa vi­da e dá-nos o en­ten­di­men­to de to­dos os Teus de­síg­nios. Der­ra­ma Tu­as mãos ben­fa­ze­jas de bên­çã­os so­bre to­dos nós, que tri­lha­mos es­sa es­tra­da de in­cer­te­zas; dá con­for­ma­ção ao co­ra­ção in­qui­e­tan­te que car­re­ga­mos na gai­o­la do pei­to e pro­te­ge com Tua luz os so­li­tá­rios ago­ni­zan­tes nos lei­tos bran­cos de do­res.

Sus­ten­ta-me Se­nhor Can­de­ei­ro, na eté­rea ba­la­us­tra­da em que do­ce­men­te me sus­ten­to pa­ra não de­sa­bar so­bre o pre­ci­pí­cio da dú­vi­da e dei­xa que eu in­cli­ne meus olhos pa­ra ver o in­fi­ni­to de Tua bon­da­de so­bre mim nas mui­tas ale­gri­as que te­ces em meu ca­mi­nho to­dos os di­as. E tu­do is­so ocor­re por­que do­ce­men­te al­go em nós é mai­or do que a ex­pan­são da pró­pria vi­da. Al­go den­tro de nós, meu Se­nhor can­de­ei­ro, cla­ma e cho­ra, den­tro das au­sên­cias de­fi­ni­ti­vas nos cor­re­do­res in­fi­ni­tos da me­mó­ria.

Al­go den­tro de nós é so­men­te emo­ção te­ci­da a ca­da ho­ra na do­çu­ra ate­nu­a­da no ex­tin­guir de ca­da ins­tan­te. Sim, eu sei meu Se­nhor, que há um de­se­nho ima­gi­ná­rio que um be­lo pás­sa­ro, nas tar­des bem go­i­a­nas vai te­cen­do no ven­to e cri­an­do for­mas na tes­si­tu­ra emo­ti­va de meus so­nhos. É o meu de­se­jo pun­gen­te de es­tar der­ra­ma­do um pou­co em ca­da par­te ín­fi­ma des­se uni­ver­so, nas flo­res or­va­lha­das, nas águas dos re­ga­tos, nas ser­ra­ni­as go­i­a­nas ou na so­li­dão de uma aro­ei­ra no cam­po.

Tal­vez ha­ja eter­ni­da­de. Tu­do é tal­vez meu Se­nhor can­de­ei­ro, nes­ses ca­mi­nhos, nes­sas ve­re­das que Tu vais abrin­do pres­su­ro­so aos meus pas­sos a ca­da vol­ta da es­tra­da po­ei­ren­ta. Por is­so eu que­ro ser ir­mão do ven­to, fi­lho do dia e do sol e pai de to­das as nas­cen­tes de águas can­tan­tes. Ve­nho de lon­ge e pa­ra lon­ge vou e que­ro bus­car no chão, os si­nais do meu ca­mi­nho. Por is­so es­cu­tem to­dos es­sa qua­se tar­dia can­ção, co­mo mur­mú­rio de mim mes­mo nas se­re­nas e do­ces eter­ni­da­des que cri­a­mos a ca­da ins­tan­te.

Le­va-me Se­nhor can­de­ei­ro, le­va-me pa­ra que meus olhos se de­bru­cem nes­ses cam­pos, nes­sas ár­vo­res, nes­sas flor­zi­nhas mi­ú­das do ca­mi­nho; a en­fei­ta­rem as vol­tas da es­tra­da, mar­ca­da pe­las pa­tas des­ses bois pe­sa­dos do pas­sa­do que ar­ras­ta­mos em nós. Que­ro des­can­sar à som­bra das nu­vens fu­gi­di­as des­se céu go­i­a­no e na al­vu­ra des­se lu­ar tão cla­ro que­ro me de­ter e pen­sar em Ti, meu guia.

Bus­co, no equi­lí­brio do si­lên­cio, to­dos os tem­pos ime­mo­ri­ais an­tes que o sol le­van­te e tra­ga no­vos ran­co­res. E nes­se si­lên­cio de co­mo­vi­da pre­ce eu que­ro es­tar na al­ma de tu­do que tu­do tem vi­da: nes­sas pe­dras fa­is­can­tes ao sol, nes­ses bi­chos que per­am­bu­lam aban­do­na­dos, nas ár­vo­res ba­lan­çan­tes ao sa­bor das bri­sas e nes­sas águas re­vol­tas pe­las chu­vas de de­zem­bro.

Pen­sei, meu Se­nhor can­de­ei­ro, me­dir an­ti­gas pa­la­vras e re­co­me­çar ou­tras no­vas. Ca­lei-me no pro­fun­do que o si­lên­cio traz de mur­mú­ri­os inau­dí­veis de tan­tas eter­ni­da­des. E, as­sim, as mi­nhas mãos aguar­dam um ama­nhã de­fi­ni­ti­vo e úni­co, que lan­ce lu­zes às som­bras da noi­te dos me­dos e de­sen­can­tos. Dá-me, Se­nhor, um co­ra­ção e olhos trans­lú­ci­dos de lu­ar.

Que­ro a ca­da dia des­se no­vo ano um lu­gar on­de eu dei­te a mi­nha fa­di­ga e que di­ga às mi­nhas do­res que não do­am tan­to. As­sim, per­mi­te meu Se­nhor can­de­ei­ro, que eu fe­che meus olhos e não es­cu­te se­não os aca­lan­tos.

Que be­lo ca­mi­nho Tu me mos­tras, Meu Se­nhor can­de­ei­ro! Há aqui e ali pás­sa­ros que, ale­gres e fa­guei­ros, brin­cam à som­bra das ca­raí­bas e pe­las cur­vas dos ca­mi­nhos; nas re­bai­xas de ser­ras há chei­ro de ca­pim e, ao lon­ge, já di­vi­so uma ro­ça de ar­roz ver­di­nho, que brin­ca à bri­sa des­sa ma­nhã de de­zem­bro. Que be­lo ce­ná­rio na des­co­ber­ta da in­fi­ni­tu­de das coi­sas pas­sa­gei­ras e da efe­me­ri­da­de das coi­sas de­fi­ni­ti­vas…

Des­co­nhe­ci­da e tran­si­tó­ria a vi­da e, nes­sa li­da, bus­ca­mos ape­nas. In­fi­ni­tos ca­mi­nhos se abrem em ve­re­da de bu­ri­tis mur­mu­re­jan­tes de pe­ri­qui­tos e bus­co no ho­ri­zon­te de fo­go, a ca­da en­tar­de­cer a Tua pre­sen­ça, ao gui­ar meu car­ro de boi pe­sa­do,

nas in­fi­ni­tas dis­tân­cias que tra­go em mim. Sim, meu Se­nhor can­de­ei­ro, os pás­sa­ros vo­a­ram ago­ra pa­ra os céus em ban­do e eu aqui, so­zi­nho, com ân­si­as do in­fi­ni­to fi­co afli­to en­tre os ven­tos ta­ci­tur­nos… pen­san­do…

Es­tre­las des­fo­lha­das na tar­de do tem­po tra­zem en­le­vo de can­ções que car­re­go co­mi­go na ma­tu­la­gem dos sen­ti­men­tos es­con­di­dos. No er­mo da tar­de, o sol ver­me­lho coa-se en­tre as pau­tas mu­si­cais dos ara­mes das cer­cas da ma­ta on­de es­con­de­mos flo­res mis­te­ri­o­sas que so­men­te nós sen­ti­mos o aro­ma ado­ci­ca­do de co­mo­vi­das lem­bran­ças.

Ador­me­ço meu Se­nhor Can­de­ei­ro den­tro do car­ro de bois da me­mó­ria sem­pre per­di­da e acor­do des­se do­ce so­nho pa­ra a la­bu­ta do dia, pois nes­se mun­do sem cor­res­pon­dên­cias, já qua­se nin­guém fa­la de au­sên­cias. E as­sim eu fa­lo mu­da­men­te com as ár­vo­res ca­la­das e re­ti­cen­tes, per­di­das nos imen­sos cer­ra­dos. No seu ou­vir não há uma quei­xa, nem má­goa por­que sa­bem do seu des­ti­no.

Ve­jo o ga­lo­pe cer­tei­ro dos di­as na pres­sa da de­fi­ni­ti­va che­ga­da. Es­qui­va e dis­tan­te es­tá a es­tre­la da fe­li­ci­da­de, tão fu­gi­dia, tão tar­dia, per­di­da no ci­po­al das in­com­pre­en­sões e de­sen­can­tos no la­ço azul da noi­te im­pres­sen­ti­da, co­mo um lu­ar tris­te de ro­man­ce. E es­ta mes­ma es­tre­la – Je­sus – nas­ce­rá, eu sei, em nos­so co­ra­ção, num na­tal que car­re­ga­mos e que ja­mais mor­re­rá en­quan­to vi­ce­jar o can­tei­ro do amor e da sa­u­da­de.

Mas, co­mo uma ale­gria re­no­va­da, eu sei, há pe­la ma­gia de Deus, um ala­ri­do de ma­ri­ta­cas no roi-roi dos co­cos de gua­ri­ro­ba. Há al­go no­vo no tem­po, com a bar­ri­nha do dia que vem sur­gin­do, ver­me­lha, no ho­ri­zon­te.

Nos sa­ca­vões e nas gro­tas, nas cha­pa­das e cam­pi­nas go­i­a­nas, há in­con­ti­da ter­nu­ra. Es­se tem­po que cor­re rá­pi­do co­mo água li­gei­ra na bi­ca de aro­ei­ra en­si­na-nos a in­cer­te­za dos ca­mi­nhos po­ei­ren­tos, zi­gue­za­gue­an­do no mis­té­rio do ser­tão en­vol­to em so­li­dão, a mes­ma “so­zi­nhez” que en­vol­ve, do­ri­da­men­te, o co­ra­ção dos ho­mens.

Nos ru­mo­res dos le­ques aber­tos das pal­mei­ras são com­pos­tas nê­ni­as de sa­u­da­des. É o sen­ti­men­to tão for­te no co­ra­ção, na al­ma en­ter­ne­ci­da, sen­ti­men­to es­se for­te­men­te ar­ra­i­ga­do co­mo a ta­ba­tin­ga dor­min­do ama­re­la no bar­ran­co do rio. E a nos­sa al­ma a que­dar-se pe­lo pe­so da gran­de ver­da­de, é tal as­sa-pei­xe a in­cli­nar seu flo­rão; sol a mor­rer len­ta­men­te no céu cor ro­sa; ba­lan­ço azul-vi­o­le­ta da flor da lo­bei­ra e o cur­var do pau ter­ra sob o ju­go de lem­bran­ças do­ri­das.

É de­zem­bro… E no ba­ru­lho da chu­va cri­a­dei­ra ca­in­do, a gran­de men­sa­gem vem sur­gin­do de um ca­mi­nho tão per­fei­to e lu­mi­no­so que o ho­mem não po­de en­ten­der. Há pro­cis­são ver­de cla­ra de san­gra d’águas nos bre­jos, há ve­la­mes ba­lan­çan­tes com su­as fo­lhi­nhas pra­te­a­das, dou­ra­di­nhas e li­xei­ras a com­po­rem o ce­ná­rio, su­cu­pi­ras bai­la­ri­nas com su­as fo­lhas ao sa­bor dos ven­tos que cor­rem li­vres no cer­ra­di­nho, na so­li­dão pe­re­ne da pai­sa­gem ver­de.

No tam­bo­ril das ma­tas, a abri­gar ni­nhos de gua­ches ba­lan­çan­tes, per­pas­sa a bri­sa anun­cia­do­ra: Há al­go no­vo! Na be­le­za si­len­te, a ro­li­nha ar­ru­lha: “fo­go – pa­gou, fo­go – pa­gou”, nas co­pas das gran­des ca­ja­zei­ras. O ti­lin­tar do po­la­co no pes­co­ço da va­qui­nha sol­ta na ca­po­ei­ra, é um anún­cio lon­gín­quo avi­san­do que Ele vem che­gan­do!

Jo­a­ni­nhas fa­cei­ras, no­vi­da­dei­ras tra­zem re­ca­do de ca­da moi­ta de ma­ma­ca­de­la. Car­re­gam o per­fu­me da flor de São Jo­sé e da sei­va da aro­ei­ra, tra­zem mel de ja­taí e a lin­da lem­bran­ça: que Ele já es­tá aí…

É de­zem­bro; que se reú­nam tro­pei­ros, boi­a­dei­ros, va­quei­ros, me­ei­ros, pe­ões, gen­te da li­da. Tra­gam a ar­roz pi­la­do, fei­jão na mu­nha, o cui­té com toi­ci­nho, a car­ne de la­ta, a cu­ia de fa­ri­nha, o alho so­ca­do com sal, uma pen­qui­nha de ju­ru­be­ba, ca­fé moí­do, açú­car de fôr­ma, ver­du­ri­nhas da hor­ta, pol­vi­lho, quei­jo cu­ra­do e ovo de an­go­la pa­ra gran­de fes­ta do ad­ven­to.

Tra­gam, to­dos, os que têm fé, o cu­te­lo, o ma­cha­do, a en­xa­da, a foi­ce, o en­xa­dão, abrin­do tri­ei­ro pa­ra que a Sa­gra­da Fa­mí­lia fa­ça mo­ra­da no meio do ma­to, jun­to do po­vo de bo­ti­na ama­re­la e pé no chão, len­ço e cha­péu na ca­be­ça, mãos gros­sei­ras sem­pre pos­tas na ben­ção da plan­ta­ção.

Os ren­da­dos de São Ca­e­ta­no nas cer­cas de ara­mes abai­xa­rão con­tri­tos quan­do Ele pas­sar. Pas­so-pre­tos nas so­bras da ro­ça de ar­roz fi­ca­rão es­tá­ti­cos a ob­ser­va­rem; a cor­rei­ção de for­mi­gas la­va-pé, no tri­ei­ro da ma­ti­nha, abri­rá pas­sa­gem. O pé de ca­ba­ça re­co­lhe­rá seus mui­tos ra­mos, ao abrir ca­mi­nho pa­ra o pi­sa­do su­a­ve dos que O tra­zem.

Ele vem nas som­bras dos an­gi­cos e ca­ro­bas de um ver­de ad­mi­rá­vel. O pe­qui car­re­ga­do de flo­res dei­xa­rá ca­ir uma chu­va ama­re­la so­bre a sa­gra­da Fa­mí­lia ca­mi­nhan­te.

A ca­gai­tei­ra ba­lan­ça­rá seus ga­lhos na in­con­ti­da ale­gria da pas­sa­gem. De­bai­xo do pé de Ma­ria po­bre, uma pa­ra­da pa­ra o des­can­so na bri­sa ale­gre do dia que co­me­ça, quan­do se vê o bál­sa­mo, a ga­ra­pa e a ca­raí­ba li­vres no cer­ra­do. A som­bra do ja­to­ba­zei­ro der­ra­ma de­se­nho no ver­de da pos­ta­gem; tu­do anun­cia, tu­do fes­te­ja, por­que o Me­ni­no San­to evém vin­do, nos bra­ços da Ma­ria, dor­min­do!

Co­mo o res­pon­so com­pun­gi­do: “Je­sus na fren­te, paz na guia, co­mo o po­der de Deus e da vir­gem Ma­ria”, a na­tu­re­za se abre pres­su­ro­sa: ja­bu­rus cis­man­do jun­to às coi­va­ras e ga­lha­das ca­í­das, es­tre­me­cem de jú­bi­lo. Per­to das ca­be­cei­ras das agua­das, um uru­tau pia, a le­var seu som pa­ra o seio pro­fun­do da ma­ta, no avi­so aos mais dis­tan­tes. Cu­ri­ca­cas agi­ta­das avi­sam que Ele che­ga e até o ve­lho ca­va­lo de ara­do, nas su­as tan­tas pi­sa­du­ras, ofe­re­ce hu­mil­de­men­te a Ele, o do­so ma­gro.

Chei­ros e ru­í­dos ex­pres­sam a no­vi­da­de. O tro­vão lá no ru­mo­rão da chu­va a co­brir a ser­ra dá o seu si­nal. Uma bri­sa re­a­ni­ma­do­ra ba­lan­ça os ga­lhos e os fru­tos aver­me­lha­dos do xi­xá; uma cur­ri­o­la ma­du­ra cai do ga­lho, so­bre a me­sa do car­ro de boi pa­ra­do, na es­pe­ra de mais um dia na li­da do en­ge­nho.

O Jo­ão de bar­ro ob­ser­va a pas­sa­gem De­le en­quan­to amas­sa, na la­ma do re­go d’água, o ci­men­to de sua ca­si­nha, e, mes­mo a ga­li­nha ca­ri­jó, a cis­car o li­xo var­ri­do do gran­de ter­rei­ro, anun­cia a im­por­tan­te pas­sa­gem, se­le­ci­o­na­do se­men­ti­nhas pa­ra a es­ga­bi­lan­ça dos pin­ti­nhos as­sa­nha­dos.

Uma for­ça nas­ce da ter­ra cul­ti­va­da, re­vi­ra­da, lom­ba­da, ara­da, ver­me­lha. Qui­a­bo nas­ce, man­di­o­ca ca­cau apon­ta su­as fo­lhas, o mi­lho abre es­po­ras pa­ra o sus­ten­to da sua ca­ni­nha, fei­jão en­ra­ma, ji­ló é to­do en­fei­ta­do de pe­que­nos fru­tos ver­des, qua­is brin­qui­nhos de es­me­ral­da, abo­brei­ras alas­tram seus ra­mos, co­lhi­dos pa­ra o re­fo­ga­do de cam­bu­qui­ra.

E tu­do se es­par­ra­ma: me­lan­cia com su­as bo­li­nhas ra­ja­das aqui e ali no meio do ar­ro­zal, o fei­jão bra­bo na lar­gue­za do chão pa­ra­do, ma­xi­xe der­ra­ma pe­la ro­ça os seus fru­ti­nhos es­tre­pen­tos e, no es­ta­lei­ro do chu­chu, bra­ci­nhos vão se alon­gan­do

pre­gui­ço­sa­men­te na fes­ta per­ma­nen­te da vi­da, co­mo a es­pe­ran­ça que aca­len­ta­mos e va­mos es­ten­den­do ao lon­go da jor­na­da…

Ele che­gou! Acen­dam a for­na­lha co­mas to­ras de an­gi­co, ajun­tem sa­bu­gos, cas­cas e gra­ve­tos pa­ra o co­me­ço do fo­go. Tra­gam can­dei­as e lam­pa­ri­nas, lu­zes de pi­ri­lam­pos.

Var­ram o chão ba­ti­do do ran­cho e en­cham o po­te com água de ter­nu­ra. Je­sus me­ni­no che­gou à ca­sa de pau a pi­que e en­cheu de luz as gre­tas das las­cas de aro­ei­ra.

Dei­tem o Me­ni­no San­to na ca­ma de for­qui­lha, na ma­ci­ez do col­chão de ca­pim mum­be­ca. Re­pou­sem sua ca­be­ci­nha no tra­ves­sei­ro da pai­na da bar­ri­gu­da e o aque­çam com uma co­ber­ta de al­go­dão, te­ci­da em ca­sa, de­pois de um cha­zi­nho de po­e­jo.

E ao co­a­xar da sa­pa­ria lá no bre­jo, ao pia­do das co­bras no cu­pin­zei­ro do pas­to e do cro­ci­tar das co­ru­jas no cru­zei­ro da en­tra­da, Ele dor­me. En­tre o mur­mu­re­jo da água da bi­ca, o ba­ti­do do mon­jo­lo, o bu­fa­do dos be­zer­ros no pas­ti­nho da por­ta da sa­la e as mui­tas lu­zes de es­tre­las o Me­ni­no San­to res­so­na…

E na ma­nhã ra­di­an­te, da cor do di­a­man­te, co­mo to­das as ma­nhãs do mun­do, ao som da bi­cha­ra­da al­vis­sa­rei­ra, Ele se­gue ca­mi­nho. Jo­sé, ao la­do de Ma­ria, tem a ti­ra­co­lo uma ca­pan­ga de se­men­tes que vai jo­gan­do, se­me­an­do, es­pa­lhan­do. Eles se­gui­ram as es­tra­das, às ve­zes de do­res, ru­mo à es­tre­la do so­nho, as­sim co­mo o fi­ze­ram, an­tes, os em­ble­má­ti­cos Reis Ma­gos ca­bo­clos, com su­as en­xa­das su­jas de ter­ra!

E vão pe­lo cer­ra­do, in­se­ri­dos em uma ma­nhã de luz, com per­fu­mes má­gi­cos de ale­crim, man­je­ro­na e ar­ni­ca se­me­an­do paz. É de­zem­bro, é na­tal; va­mos se­me­ar o bem, nós tam­bém.

Amém!

 

(Ben­to Al­ves Araú­jo Jayme Fleury Cu­ra­do, gra­du­a­do em Le­tras e Lin­guís­ti­ca pe­la UFG, es­pe­cia­lis­ta em Li­te­ra­tu­ra pe­la UFG, mes­tre em Li­te­ra­tu­ra pe­la UFG, mes­tre em Ge­o­gra­fia pe­la UFG. Dou­tor em Ge­o­gra­fia pe­la UFG, pós-dou­to­ran­do em Ge­o­gra­fia pe­la USP, pro­fes­sor, po­e­ta. ben­to­[email protected]­mail.com)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais