Opinião

Nosso e do mundo

diario da manha

Pe­la pri­mei­ra vez, te­mos um bra­si­lei­ro na Aca­de­mia de Be­las Ar­tes da Fran­ça. Um bra­si­lei­ro que cer­ta­men­te vai hon­rar es­sa res­pei­ta­da ins­ti­tu­i­ção. Se­bas­ti­ão Sal­ga­do é um dos mai­o­res, se­não o mais im­por­tan­te e re­co­nhe­ci­do fo­tó­gra­fo do mo­men­to no mun­do, pos­si­vel­men­te um dos mai­o­res de to­da a his­tó­ria da fo­to­gra­fia. Não ape­nas pe­la ar­te de su­as fo­tos, mas tam­bém pe­la ar­te de sua vi­da, pe­lo seu va­lor pes­so­al, por sua aven­tu­ra.

Co­nhe­ci Se­bas­ti­ão Sal­ga­do quan­do éra­mos jo­vens — ele e eu es­tu­dan­tes de eco­no­mia na Fran­ça. Du­ran­te o cur­so, ele de­ci­diu mu­dar-se pa­ra Lon­dres e tra­ba­lhar na Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Ca­fé, com o in­tui­to de pou­par o su­fi­ci­en­te pa­ra so­bre­vi­ver com Lé­lia Sal­ga­do, sua par­cei­ra de vi­da, por al­guns mes­es, du­ran­te os qua­is ele pre­ten­dia trans­for­mar-se em fo­tó­gra­fo pro­fis­si­o­nal. Pou­cos le­va­ram a sé­rio aque­la in­ten­ção e, sem dú­vi­das, nin­guém ima­gi­nou até on­de aque­la de­ci­são o le­va­ria.

Pou­cos de­ram a im­por­tân­cia que se dá quan­do al­go co­me­ça a acon­te­cer. E, de fa­to, ao lon­go do pro­ces­so, ele não só se trans­for­mou em fo­tó­gra­fo, mas no mais re­pu­ta­do e co­nhe­ci­do, com seus li­vros de fo­to­gra­fia al­can­çan­do as mai­o­res ven­das no mun­do in­tei­ro. Po­de ter al­gum ou ou­tro que se con­si­de­re no ní­vel de pres­tí­gio e re­co­nhe­ci­men­to em que ele se en­con­tra e com a obra do ta­ma­nho da que ele tem, mas não são mui­tos que se igua­lam nes­se sen­ti­do.

Eu, pes­so­al­men­te, com tal­vez a sus­pei­ção de quem o co­nhe­ce ao lon­go des­ses qua­se 50 anos, de quem pu­bli­cou um li­vro com ele — com as fo­tos de­le, ob­via­men­te, e com tex­to meu —, pos­so di­zer que se tra­ta do mais im­por­tan­te fo­tó­gra­fo do mun­do e uma das pou­cas per­so­na­li­da­des bra­si­lei­ras de re­no­me in­ter­na­ci­o­nal, dos ra­ros da mi­nha ge­ra­ção que fi­ca­rão na his­tó­ria.

Gê­ne­sis de­ve ser a mai­or obra de ar­te fo­to­grá­fi­ca de to­da a his­tó­ria. Mas sua mai­or obra é sua vi­da e sua mi­li­tân­cia na de­fe­sa da na­tu­re­za e dos po­vos li­ga­dos a ela. Se­bas­ti­ão Sal­ga­do não ape­nas fo­to­gra­fou gran­des flo­res­tas do mun­do, ele res­sus­ci­tou par­te da Ma­ta At­lân­ti­ca, em Ai­mo­rés, Mi­nas Ge­ra­is, que ha­via se trans­for­ma­do em pas­to pa­ra ga­do.

A área de apro­xi­ma­da­men­te 900 hec­ta­res foi cas­ti­ga­da pe­la de­gra­da­ção e pe­lo uso co­mo pas­to por dé­ca­das. Se­bas­ti­ão e a es­po­sa, Lé­lia, não ape­nas re­cu­pe­ra­ram a área, fa­zen­do re­nas­cer a flo­ra, co­mo pro­mo­ve­ram o re­tor­no da fau­na que já an­da­va dis­tan­te da re­gi­ão. E es­se tra­ba­lho atra­iu o fo­co de len­tes do mun­do in­tei­ro, re­ve­lan­do mais uma vez a im­por­tân­cia da pre­ser­va­ção da Ma­ta At­lân­ti­ca.

É um or­gu­lho pa­ra o Bra­sil ter uma fi­gu­ra co­mo o nos­so Ti­ão Sal­ga­do e é uma hon­ra sa­ber que é um no­me res­pei­ta­do e re­co­nhe­ci­do mun­di­al­men­te, gra­ças ao seu tra­ba­lho ao lon­go de dé­ca­das sis­te­má­ti­cas de cui­da­do na fo­to­gra­fia da re­a­li­da­de do mun­do. Mas não só is­so: pe­lo seu cui­da­do na pro­te­ção da re­a­li­da­de do mun­do — co­mo a flo­res­ta ci­ta­da aci­ma —, e o seu amor aos po­vos na­ti­vos, es­pe­ci­al­men­te os bra­si­lei­ros, em­bo­ra não só do nos­so pa­ís.Tam­bém é de­le o tra­ba­lho de acom­pa­nha­men­to pa­ra ga­ran­tir a so­bre­vi­vên­cia e a pro­te­ção de gru­pos in­dí­ge­nas pri­mi­ti­vos no Bra­sil e em ou­tras par­tes do mun­do. E ele faz com um ca­ri­nho, com uma com­pe­tên­cia e uma ra­di­ca­li­da­de que ra­ra­men­te se vê.

Anos atrás, Ti­ão me cor­ri­giu em um po­si­cio­na­men­to so­bre a in­ter­na­cio­na­li­za­ção da Ama­zô­nia. Afir­mei, na oca­si­ão, que a me­di­da só de­ve­ria ser ado­ta­da quan­do to­dos os po­ços de pe­tró­leo do mun­do fos­sem igual­men­te in­ter­na­cio­na­li­za­dos. Ele foi ra­di­cal ao me con­tra­por — se o Bra­sil não é ca­paz de cu­i­dar bem da Ama­zô­nia, ela de­ve es­tar à dis­po­si­ção de quem pre­ten­de fa­zê-lo de for­ma res­pon­sá­vel. Já es­tou con­ven­ci­do. Pa­ra me­re­cer a flo­res­ta, é pre­ci­so cu­i­dar de­la.

 

(Cris­to­vam Bu­ar­que, se­na­dor pe­lo PPS-DF e pro­fes­sor emé­ri­to da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UnB))

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais