Opinião

O Brasil precisa de reformas

diario da manha

Des­con­ta­dos os efei­tos da sa­zo­na­li­da­de e da ta­xa de in­fla­ção, a ar­re­ca­da­ção fe­de­ral pa­re­ce dar si­nais de re­cu­pe­ra­ção. Con­fir­ma os in­dí­ci­os se­to­ri­ais que apon­tam pa­ra o cres­ci­men­to de 1% do PIB em 2017. Tu­do su­ge­re que dei­xa­mos pa­ra trás a tre­men­da re­ces­são (2014-2016), re­sul­ta­do de um vo­lun­ta­ris­mo opor­tu­nis­ta que, so­ma­do a uma am­bi­ção po­lí­ti­ca des­me­di­da, dei­xou co­mo he­ran­ça uma re­du­ção de 9% da ren­da per ca­pi­ta dos bra­si­lei­ros, 13 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos e a des­tru­i­ção do equi­lí­brio fis­cal.

En­tre 2013 (an­tes do “va­le tu­do” elei­to­ral) e 2016 (que já es­ta­va da­do quan­do Te­mer as­su­miu), o su­pe­rá­vit pri­má­rio de 1,7% do PIB já ha­via se trans­for­ma­do em um dé­fi­cit pri­má­rio de 2,5%; o dé­fi­cit no­mi­nal do Te­sou­ro já ha­via tri­pli­ca­do de 3% pa­ra 9% do PIB e a dí­vi­da pú­bli­ca já ha­via ex­plo­di­do, de 52% pa­ra 70% do PIB. O cu­ri­o­so é que a opo­si­ção pre­ten­de con­ven­cer a so­ci­e­da­de de que is­so se de­ve a Te­mer!

Nos tu­mul­tu­a­dos 18 mes­es de seu go­ver­no, ele se man­te­ve de­ter­mi­na­do. Com a co­la­bo­ra­ção do Con­gres­so, apro­vou o que pa­re­cia im­pos­sí­vel: uma res­tri­ção cons­ti­tu­ci­o­nal à ex­pan­são do gas­to pú­bli­co. Foi, ape­nas, o pri­mei­ro pas­so pa­ra o res­ta­be­le­ci­men­to do equi­lí­brio fis­cal. Mes­mo de­pois da trá­gi­ca de­la­ção su­per­pre­mi­a­da da JBS, ca­da dia mais ne­bu­lo­sa, apro­vou-se um im­por­tan­te ag­gior­na­men­to da le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta que da­rá um pou­co mais de fle­xi­bi­li­da­de ao mer­ca­do.

É ób­vio que pa­ra fun­cio­nar bem ela re­quer um au­men­to da pa­ri­da­de de po­der en­tre o “tra­ba­lho” e o “ca­pi­tal”. Is­so exi­gi­rá or­ga­ni­za­ções sin­di­cais in­de­pen­den­tes (do Es­ta­do e do po­der eco­nô­mi­co) e com­pe­ti­ti­vas. A Ope­ra­ção La­va Ja­to (a úni­ca una­ni­mi­da­de na nos­sa so­ci­e­da­de la­men­ta­vel­men­te tão di­vi­di­da) re­ve­lou que a uni­ci­da­de ge­o­grá­fi­ca e o Im­pos­to Sin­di­cal cri­a­ram sin­di­ca­tos aco­mo­da­dos e que al­guns di­ri­gen­tes tra­í­ram seus as­so­cia­dos em be­ne­fí­cio pró­prio.

A or­ga­ni­za­ção da so­ci­e­da­de em um re­gi­me que com­bi­na ob­je­ti­vos não ple­na­men­te con­ci­li­á­veis – 1. Li­ber­da­de de ini­ci­a­ti­va. 2. Re­la­ti­va igual­da­de. 3. Efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va que per­mi­ta a ca­da um dos seus mem­bros go­zá-la – exi­ge que os tra­ba­lha­do­res se or­ga­ni­zem po­li­ti­ca­men­te pa­ra en­fren­tar o po­der po­lí­ti­co do “ca­pi­tal”. Lem­bre­mos que a pro­du­ção efi­ci­en­te do PIB, a so­ma de to­dos os bens e ser­vi­ços pro­du­zi­dos pe­la com­bi­na­ção do “tra­ba­lho vi­vo” com o ca­pi­tal (tra­ba­lho pas­sa­do cris­ta­li­za­do em bens de pro­du­ção que mul­ti­pli­cam a pro­du­ti­vi­da­de do tra­ba­lho vi­vo) acu­mu­la­do nas mãos de al­guns ci­da­dã­os mais cri­a­ti­vos, di­li­gen­tes ou afor­tu­na­dos, é um pro­ble­ma téc­ni­co.

Sua so­lu­ção exi­ge: 1. A uti­li­za­ção prá­ti­ca do co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co acu­mu­la­do pe­la so­ci­e­da­de. 2. Uma quan­ti­da­de fan­tás­ti­ca de in­for­ma­ções pa­ra com­pa­ti­bi­li­zar o que de­ve ser pro­du­zi­do pa­ra aten­der aos de­se­jos da co­le­ti­vi­da­de. Co­mo o ho­mem tem li­da­do com es­se pro­ble­ma? Des­de tem­pos ime­mo­ri­ais, re­co­nhe­ceu: 1. As van­ta­gens cres­cen­tes da di­vi­são do tra­ba­lho. 2. Que as “fei­ras” (os “mer­ca­dos”) es­ta­be­le­ci­am re­la­ções de tro­ca (os pre­ços) en­tre bens e ser­vi­ços acei­tá­veis pe­las du­as par­tes. 3. Que eles ten­di­am a igua­lar a quan­ti­da­de dis­po­ní­vel de ca­da bem ou ser­vi­ço com os de­se­ja­dos pe­la so­ci­e­da­de.

Os eco­no­mis­tas re­fi­na­ram o fun­cio­na­men­to dos “mer­ca­dos” com­pe­ti­ti­vos e “des­co­bri­ram” que são tão mais efi­ci­en­tes quan­to mais se­gu­ro for um “di­rei­to de pro­pri­e­da­de”, que tran­scen­de a tu­do o que se po­de­ria con­si­de­rar co­mo “na­tu­ral”. O “mer­ca­do” é uma es­pé­cie de ins­ti­tu­i­ção ge­ra­da es­pon­ta­ne­a­men­te nas re­la­ções so­ci­ais. Não tem na­da a ver – ide­o­lo­gi­ca­men­te – com o “ca­pi­ta­lis­mo”.

A ver­da­de é que to­das as su­ges­tões do “so­ci­a­lis­mo de­mo­crá­ti­co” fo­ram pi­o­res do que o “ca­pi­ta­lis­mo”. Ig­no­ra­ram que não há co­mo emer­gir de um cé­re­bro pe­re­gri­no uma so­lu­ção que tor­ne ime­di­a­ta­men­te fac­tí­vel uma so­ci­e­da­de que com­pa­ti­bi­li­ze li­ber­da­de, igual­da­de e efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va.

Se um dia che­gar­mos a es­sa so­ci­e­da­de “ci­vi­li­za­da”, há de ser pe­la con­ti­nui­da­de do pro­ces­so his­tó­ri­co se­le­ti­vo, qua­se bi­o­ló­gi­co, que des­de o sé­cu­lo XVI­II vem au­men­tan­do a pa­ri­da­de de po­der en­tre o “tra­ba­lho” e o “ca­pi­tal” por meio do uso sis­te­má­ti­co da po­lí­ti­ca, sim­bo­li­za­da nu­ma “ur­na” li­vre e ho­nes­ta, com­bi­na­da com a or­ga­ni­za­ção de “mer­ca­dos” com­pe­ti­ti­vos bem re­gu­la­dos por um Es­ta­do en­xu­to cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te li­mi­ta­do. É por is­so que va­le a pe­na apo­i­ar as re­for­mas pro­pos­tas pe­lo go­ver­no.

 

(Del­fim Net­to. For­ma­do pe­la USP, é pro­fes­sor de Eco­no­mia, foi mi­nis­tro e de­pu­ta­do fe­de­ral)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais