Opinião

O desequilíbrio social no tratamento dos militares

diario da manha

Um dos prin­ci­pa­is pro­ble­mas do Bra­sil, se­não o prin­ci­pal, é a de­si­gual­da­de e o de­se­qui­lí­brio no tra­ta­men­to de seus ci­da­dã­os. As di­fe­ren­ças são eco­nô­mi­cas, po­lí­ti­cas e so­ci­ais, en­tre­tan­to, são mais es­can­ca­ra­das no que diz res­pei­to ao tra­ta­men­to em ma­té­ria pre­vi­den­ci­á­ria, quan­do fa­ze­mos um com­pa­ra­ti­vo en­tre os ofi­ci­ais e pra­ças de car­rei­ra com os mi­li­ta­res tem­po­rá­rios das For­ças Ar­ma­das.

In­fe­liz­men­te, en­fren­ta­mos um ca­so em­ble­má­ti­co em nos­so es­cri­tó­rio. Uma ver­da­dei­ra fal­ta de iso­no­mia no tra­ta­men­to dis­pen­sa­do a du­as pes­so­as com pro­ble­mas de sa­ú­de se­me­lhan­tes. De um la­do te­mos o Co­man­dan­te do Exér­ci­to, Ge­ne­ral Eduar­do Di­as da Cos­ta Vil­las Bô­as que es­tá aco­me­ti­do por uma do­en­ça neu­ro­mo­to­ra de­ge­ne­ra­ti­va que o dei­xa com di­fi­cul­da­des de lo­co­mo­ção e o obri­ga, em al­guns mo­men­tos, a usar uma ben­ga­la pa­ra ca­mi­nhar e a fa­zer uso de ca­dei­ra de ro­das.

E do ou­tro la­do es­tá o nos­so cli­en­te ex-Sol­da­do Fran­cis­co Oli­vei­ra San­tos Ju­ni­or do 52º Ba­ta­lhão de In­fan­ta­ria de Sel­va, que re­si­de em Ma­ra­bá-PA, in­ca­pa­ci­ta­do pa­ra ati­vi­da­des la­bo­ra­is, ví­ti­ma de uma car­dio­pa­tia gra­ve des­co­ber­ta en­quan­to pres­ta­va ser­vi­ço ao Exér­ci­to Bra­si­lei­ro, e que de­pois de uma in­ter­na­ção no Hos­pi­tal Mi­li­tar cur­sou com pa­ra­li­sia dos mem­bros in­fe­rio­res se tor­nan­do ca­dei­ran­te.

Ocor­re que, en­quan­to o Ge­ne­ral Vi­las Bo­as re­ce­be to­do o am­pa­ro mé­di­co e fi­nan­cei­ro da Ins­ti­tu­i­ção, in­clu­si­ve pa­ra con­ti­nu­ar de­sem­pe­nhan­do um pa­pel de li­de­ran­ça, Fran­cis­co não te­ve o mes­mo des­ti­no, foi sim­ples­men­te ex­cluí­do em 2015 das fi­lei­ras mi­li­ta­res por não ser mais útil aos in­te­res­ses da­que­la For­ça e, pas­mem lei­to­res, sem qual­quer am­pa­ro mé­di­co ou fi­nan­cei­ro, as­sim, aban­do­na­do pe­la Ins­ti­tu­i­ção Exér­ci­to Bra­si­lei­ro, ele pas­sa por di­fi­cul­da­des pa­ra su­prir dig­na­men­te su­as ne­ces­si­da­des bá­si­cas.

A úni­ca con­du­ta da ad­mi­nis­tra­ção mi­li­tar foi en­tre­gar uma de­cla­ra­ção que ga­ran­te a con­ti­nui­da­de do tra­ta­men­to mé­di­co, mas em ter­mos prá­ti­cos não tem uti­li­da­de al­gu­ma, pois, o tra­ta­men­to se re­su­me a me­ras con­sul­tas, não co­bre me­di­ca­ção, tran­spor­te, exa­mes e o prin­ci­pal: ali­men­tos.

O mais ab­sur­do é que mes­mo sen­do de­tec­ta­da em pe­rí­cia mé­di­ca, pe­lo Ser­vi­ço de Sa­ú­de do Exér­ci­to, a sua in­ca­pa­ci­da­de tem­po­rá­ria pa­ra o tra­ba­lho, ele foi dis­pen­san­do su­ma­ri­a­men­te, co­mo se fos­se ob­je­to des­car­tá­vel, con­fi­gu­ran­do uma ver­da­dei­ra ofen­sa à dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na tão pro­te­gi­da pe­la Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral.

As­sim, o Fran­cis­co te­ve que re­cor­rer ao Po­der Ju­di­ci­á­rio pa­ra ga­ran­tir seus di­rei­tos e a sub­sis­tên­cia sua e da fa­mí­lia, cu­jo pro­ces­so tra­mi­ta na 9ª Va­ra Fe­de­ral da Se­ção Ju­di­ci­á­ria do Dis­tri­to Fe­de­ral e, ape­sar da si­tu­a­ção de com­ple­to aban­do­no, com­pro­va­da por do­cu­men­tos do pró­prio Exér­ci­to, foi-lhe ne­ga­do o pe­di­do de an­te­ci­pa­ção de tu­te­la pa­ra fos­sem sus­pen­sos os efei­tos do ato de ex­clu­são, pa­ra que re­in­te­gra­do ao Exér­ci­to pu­des­se dar con­ti­nui­da­de ao tra­ta­men­to sem pre­ju­í­zo do re­ce­bi­men­to do sol­do.

Es­se ti­po de ex­clu­são so­ci­al é vi­ven­cia­da por mi­lha­res de ex-mi­li­ta­res pe­lo Bra­sil afo­ra. In­fe­liz­men­te, tra­ta-se de uma prá­ti­ca co­mum a ex­clu­são das fi­lei­ras mi­li­ta­res, sem o am­pa­ro mé­di­co e fi­nan­cei­ro, de jo­vens que se aci­den­tam em trei­na­men­to ou que são aco­me­ti­dos de do­en­ças in­ca­pa­ci­tan­tes du­ran­te e em ra­zão da pres­ta­ção do ser­vi­ço mi­li­tar.

O pi­or des­se ti­po de ex­clu­são so­ci­al, é que ela é pra­ti­ca­da con­tra jo­vens de fa­mí­lias hu­mil­des, por­que o ser­vi­ço mi­li­tar obri­ga­tó­rio no Bra­sil é re­ser­va­do ape­nas pa­ra a clas­se eco­no­mi­ca­men­te mais po­bre da po­pu­la­ção, que bus­ca no ser­vi­ço mi­li­tar a opor­tu­ni­da­de de se­gui­rem car­rei­ra e se as­cen­de­rem so­ci­al­men­te e eco­no­mi­ca­men­te, ja­mais um ti­po de si­tu­a­ção co­mo a que vem sen­do en­fren­ta­da pe­lo Fran­cis­co se­ria en­fren­ta­da por fi­lho de au­to­ri­da­de ou pe­lo fi­lho de uma pes­soa com me­lho­res con­di­ções fi­nan­cei­ras.

E es­se ti­po de ex­clu­são so­ci­al é re­gu­la­men­tar, es­tá pre­vis­to no De­cre­to nº 57.654, de 20 de ja­nei­ro de 1966 (ar­ti­go 140), da épo­ca da Di­ta­du­ra Mi­li­tar, tra­ta-se da “De­sin­cor­po­ra­ção”, que au­to­ri­za os Co­man­dan­tes de Or­ga­ni­za­ções Mi­li­ta­res a ex­clu­í­rem o mi­li­tar ca­so per­ma­ne­ça 90 (no­ven­ta) con­se­cu­ti­vos ou não de li­cen­ça em tra­ta­men­to mé­di­co. As­sim, ape­sar do Es­ta­tu­to dos Mi­li­ta­res que é uma lei fe­de­ral do ano de 1980, pro­mul­ga­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal, as­se­gu­rar ao mi­li­tar o di­rei­to a re­cu­pe­ra­ção da sa­ú­de e in­clu­si­ve a re­for­ma se não re­cu­pe­rar no pra­zo de 02 (dois) anos que per­ma­ne­cer agre­ga­do, aque­le re­gu­la­men­to con­ti­nua sen­do apli­ca­do em de­tri­men­to da Lei nº 6.880/80, que é uma nor­ma hi­e­rar­qui­ca­men­te su­pe­ri­or.

Va­le res­sal­tar que gran­de par­te des­ses jo­vens es­tão sen­do am­pa­ra­dos por de­ci­sões da Jus­ti­ça Fe­de­ral, que vem de­ter­mi­nan­do a re­in­te­gra­ção pa­ra o tra­ta­men­to ade­qua­do e tam­bém pa­ra o re­ce­bi­men­to de uma re­mu­ne­ra­ção que ga­ran­ta a sub­sis­tên­cia.

Fran­cis­co, atu­al­men­te, tem uma sé­rie de di­fi­cul­da­des de lo­co­mo­ção, não tem um tra­ta­men­to mé­di­co ade­qua­do, fal­ta-lhe re­mé­di­os, tran­spor­te pa­ra hos­pi­tais, en­tre ou­tros, tra­ta­men­to bem di­fe­ren­te do que vem sen­do dis­pen­sa­do ao Co­man­dan­te do Exér­ci­to, o que re­tra­ta a de­si­gual­da­de bra­si­lei­ra na aten­ção dis­pen­sa­da aos mi­li­ta­res tem­po­rá­rios e pra­ças sem es­ta­bi­li­da­de, on­de co­mo sem­pre uma mai­o­ria (pra­ças) fi­cam à mer­cê de uma mi­no­ria (ofi­ci­ais) que de­tém o po­der e os re­cur­sos, o que ge­ra as de­si­gual­da­des.

Atu­al­men­te a fa­mí­lia do Fran­cis­co so­bre­vi­ve com um sa­lá­rio-mí­ni­mo men­sal con­ce­di­do pe­lo INSS, tra­ta-se de um be­ne­fí­cio as­sis­ten­ci­al pre­vis­to no ar­ti­go 203, in­ci­so V da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral, re­gu­la­men­to pe­la Lei nº 8.742/93, mo­ram na mes­ma ca­sa com o Fran­cis­co, a sua es­po­sa com o fi­lho de 4 anos, os pa­is de­sem­pre­ga­dos, um ir­mão me­nor que não exer­ce ati­vi­da­de re­mu­ne­ra­da e to­dos de­pen­dem úni­ca e ex­clu­si­va­men­te do be­ne­fí­cio que Fran­cis­co re­ce­be.

Por fim, o de­se­jo é que am­bos se re­cu­pe­rem o mais rá­pi­do pos­sí­vel e que o Fran­cis­co te­nha um tra­ta­men­to dig­no, sem qua­is­quer dis­cri­mi­na­ção e, que aque­les que de­tém o po­der fa­çam al­gu­ma coi­sa pa­ra cor­ri­gir es­sa si­tu­a­ção in­jus­ta, co­var­de, ile­gal, in­cons­ti­tu­ci­o­nal e imo­ral que é vi­vi­da re­gu­lar­men­te por mi­li­ta­res tem­po­rá­rios em to­do o Bra­sil, por­que com cer­te­za não é o tra­ta­men­to que gos­ta­rí­a­mos que nos­sos fi­lhos re­ce­bes­sem das For­ças Ar­ma­das, quan­do man­da­mos um fi­lho ser­vir a Pá­tria o mí­ni­mo que es­pe­ra­mos é que ele se­ja tra­ta­do de for­ma dig­na, co­mo ser hu­ma­no!

 

(Kei­la Cor­rêa Nu­nes Ja­nu­á­rio é ad­vo­ga­da e só­cia do es­cri­tó­rio Ja­nu­á­rio Ad­vo­ca­cia)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais