Opinião

O pobre escritor goiano

diario da manha

Nós go­i­a­nos não te­mos pra­ti­ca­men­te uma edi­to­ra que im­pri­ma os li­vros, fa­ça re­vi­são, dis­tri­bua nas li­vra­ri­as da ca­pi­tal e in­te­ri­or e acer­te 10% com o au­tor.

É cla­ro que te­mos ex­ce­ções mar­can­tes, mas a mai­o­ria não pas­sam de grá­fi­cas, ape­nas im­pri­mem, re­ce­bem o pa­ga­men­to e es­que­cem. Mas exis­te uma edi­to­ra nes­sa ter­ra go­iá, di­ri­gi­da por uma se­nho­ra mui­to e mui­to fi­nan­cis­ta.

Es­sa ma­da­me re­ti­ra li­vros das li­vra­ri­as, das es­co­las, do co­mér­cio, en­fim, com fra­ca re­vi­são, pi­or: só co­mer­cia­li­za pe­la in­ter­net e ja­mais, ja­mais mes­mo, pres­ta con­ta ao es­cri­tor. É co­nhe­ci­da pe­las aca­de­mi­as e pe­los es­cri­to­res em ge­ral –as pes­so­as se re­fe­rem a ela co­mo “a gran­de ma­lan­dra”. Ela vai fu­ran­do os de­sa­vi­sa­dos, os no­va­tos, in­cau­tos, ain­da ca­em no con­to da pi­lan­tra. Pi­or: Sem ne­nhu­ma for­ma­ção que a au­to­ri­ze a edi­tar li­vros, ali­ás, o que es­sa edi­to­ra vi­sa mes­mo é Lucro. Que se da­nem os po­bres es­cri­to­res! Ali­ás, quem já viu um es­cri­tor bem fi­nan­cei­ra­men­te?

A não ser pou­cos no­mes nes­se pa­ís, ar­tis­tas – es­cri­tor é “pé-ra­pa­do” co­mo di­zem.

Es­sa se­nho­ra do­na da edi­to­ra es­tá com mui­tos pro­ces­sos nas cos­tas e não emen­da. Se­ria ne­ces­sá­rio que os mei­os de co­mu­ni­ca­ção di­vul­gas­sem e no­me­as­sem tan­ta pi­lan­tra­gem. Só a mí­dia tem po­der de des­mas­ca­rar a fa­mo­sa “di­ta cu­ja”.

Tam­bém acre­di­to que to­das nos­sas li­vra­ri­as de­ve­ri­am pro­mo­ver o lu­ta­dor es­cri­tor go­i­a­no. O es­pa­ço que re­ser­vam pa­ra os au­to­res é pe­que­no e nor­mal­men­te nos fun­dos da li­vra­ria.

Ali­ás, não se in­te­res­sam pe­lo es­cri­tor da ter­ra, o que di­fe­re Rio de Ja­nei­ro e São Pau­lo. Nós te­mos gen­te boa, que de­di­ca­ram su­as vi­das es­cre­ven­do bons li­vros e não al­can­çam o mer­ca­do na­ci­o­nal.

Há um no­me aqui, ou­tro lá que con­se­guiu sal­tar o Rio Pa­ra­naí­ba. O res­tan­te mor­re por aqui, sem que seus tra­ba­lhos de ex­ce­len­te qua­li­da­de sal­te além de nos­sas fron­tei­ras. Ali­ás ser ar­tis­ta e pro­fes­sor nes­se es­ta­do e nes­se pa­ís é um des­con­for­to to­tal em ma­té­ria fi­nan­cei­ra.

Qual ar­tis­ta que é re­co­nhe­ci­do fo­ra de nos­so es­ta­do? Pou­cos no­mes, to­dos sa­bem dis­so. E te­mos ar­tis­tas de vá­rios ma­ti­zes: mú­si­cos, pin­to­res, com­po­si­to­res, es­cri­to­res, ho­mens de te­a­tro, ar­qui­te­tos, de­co­ra­do­res – mui­tos ta­len­tos e pou­quís­si­mos re­co­nhe­ci­dos. To­dos sa­bem que ser Artistas, es­pe­ci­al­men­te es­cri­tor em Go­i­ás é “Fria” pa­ra di­zer em al­to e bom som.

 

(Au­gus­ta Fa­ro Fleury de Me­lo, po­e­ta, es­cri­to­ra, mem­bro da Aca­de­mia Fe­mi­ni­na de Le­tras e Ar­tes de Go­i­ás, Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras e pi­o­nei­ra da po­e­sia in­fan­til em Go­i­ás. Tem os li­vros “A Fri­a­gem” e “Bo­ca Ben­ta de Pai­xão” (con­tos e adul­tos) tra­du­zi­dos em in­glês, es­pa­nhol e ale­mão)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais