Opinião

O que farei agora que amo?

diario da manha

Quando o sol dissipar a neblina da ser­ra, eu vou trazê-lo de volta. Ah, eu vou, sim! Se ele pensa que eu vou ficar aqui, com essa cara de navio ancorado e com essa boca tra­vada na horizontal, como se me faltasse os incisivos… ele está redondamente certo.

Eu tenho pavor ao frio, ao tempo fecha­do e a névoa. E, tão somente por essa razão, ficarei aqui de pé em frente à janela. Mas, logo que o sol descobrir o idílico monte, eu vou trazer de volta aquele “malagradeci­do”, e se ele tentar fugir dou-lhe uns sopa­pos verbais… e, depois trago-o de volta para casa. Trago mesmo!

Através do vidro embaçado da janela, vejo uma juriti… a juritir enquanto cami­nha flutuante sobre folhas mortas. Penso naquele infeliz atravessando a serra úmi­da… talvez, com frio, talvez, com fome ou… talvez, esteja morto.

Morto? Bem feito para ele. Quem man­dou me deixar aqui? Quem mandou ir em­bora? Tomara que seja devorado por aves de rapina. Posso vê-lo: pescoço quebrado, membros separados do corpo e vísceras ex­postas… Meu Deus! É mais do que eu posso suportar. Cretino, vai me fazer sair de casa com esse tempo?

Penteio os cabelos, passo um batom ró­seo, coloco aqueles brincos dourados de pêndulo que ele adora, suspendo os peitos num sutiã com aro e visto a jaqueta jeans que usei no dia em que nos conhecemos. Depois calço as botas que ele detestava ver no meio da casa… agora que lembrei disso, acho graça e penso que eu deixava as botas jogadas pela casa só para vê-lo irritado.

E se ele não estiver sofrendo coisa algu­ma? E se agora, neste justo momento em que eu me dilacero, ele estiver na compa­nhia de outra? E a outra? Será melhor do que eu? Será que ela sabe qual é a sua comi­da favorita? As músicas que ele gosta de ou­vir e as coisas que o deixa triste? Será que ela lê poesias de Quintana e Manoel de Barros para ele? – Duvido, duvido, duvido.

Ingrato! Depois de tudo que eu fiz por ele… Além de todo meu amor, carinho e de­dicação, fiz aqui no canto direito da sala uma parede cheia de espelhos, porque ele gosta de cantar se olhando no espelho. Acho que se sentia o próprio Chantecler em: “Chantecler, o Rei do Rock.”

Tudo bem, rei do rock, lá vou eu lhe trazer de volta. E, ai de você se fugir de mim… ai de mim! Por Deus, não fuja, pois é por amor que agora enfrento o frio, a neblina e deixo a pobre juriti a juritir solitária em sua vã can­toria ao voar sobre a relva…

Logo, logo eu chego, seu “malagradeci­do” e, ai de você… e… ai de mim… Mas vejam só, se não é aquele infeliz bem ali no vão das rochas todo assanhado com aquela marita­ca toda emplumada?

– Papagaio filho da mãe!

(Clara Dawn, romancista e produtora de conteúdo do Portal Raízes – portalraizes.com)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais