Opinião

O sábio e necessário silenciar para ouvir e não calar

diario da manha

O pro­vér­bio ára­be “A pa­la­vra é pra­ta, o si­lên­cio é ou­ro”, en­si­na mui­to so­bre a na­tu­re­za hu­ma­na e nos le­va a com­pre­en­der que a vi­da é ba­ru­lhen­ta, ou se­ja, a in­qui­e­tu­de é um vul­cão que se agi­ta em nos­so ín­ti­mo e di­fi­cil­men­te com­pre­en­de­mos a di­men­são da sa­be­do­ria di­vi­na que nos pro­por­ci­o­nou na­tu­ral­men­te dois ou­vi­dos e uma úni­ca bo­ca. A fa­la é acio­na­da pe­la lín­gua co­mo uma ser­pen­te em bo­tes ame­a­çan­do ou ten­tan­do ca­lar e aqui­e­tar o opo­nen­te.

O fa­lar can­ta­do é um dom que nos pro­por­ci­o­na um si­lên­cio for­ça­do, me­di­ta­ti­vo ou, tam­bém, eco­a­ti­vo ou, ain­da, de usu­al acom­pa­nha­men­to que se dá atra­vés do dis­pa­ro ou acio­na­men­to do ga­ti­lho co­mum aos se­res gre­gá­rios.

Em alu­são a óti­ca de pen­sa­do­res di­ver­sos en­con­tra­mos os mais sá­bi­os pre­cei­tos so­bre as vir­tu­des do si­lên­cio, den­tre eles re­al­ça­mos e ci­ta­mos dois. Sa­mu­el But­ler en­si­na que “o si­lên­cio (…) é uma vir­tu­de que nos tor­na agra­dá­veis aos nos­sos se­me­lhan­tes.”; já o Pa­dre Ma­nu­el Ber­nar­des con­si­de­ra que “a vir­tu­de do si­lên­cio é ra­ra, po­rém pre­ci­o­sa”.

É pre­ci­so com­pre­en­der, mui­tas ve­zes, que sa­ber si­len­ci­ar pa­ra ou­vir o pró­xi­mo do mo­do mais com­ple­to e ge­ne­ro­so se faz ne­ces­sá­rio co­mo obra de ca­ri­da­de. É di­fí­cil e, às ve­zes, um ato de ex­tre­ma bon­da­de não re­vi­dar com pa­la­vras e pe­dras as tem­pes­ta­des e pro­vo­ca­ções ru­i­do­sas que nos che­gam ator­men­tan­do. Ser de­li­ca­do e edu­ca­do ao ex­tre­mo é pro­va de tem­pe­ran­ça, uma vir­tu­de es­cas­sa nos tem­pos atu­ais, prin­ci­pal­men­te por­que a co­mu­ni­ca­ção ace­le­ra­da de­pa­ra com du­as si­tu­a­ções ca­ren­tes de qua­li­da­de: a ima­tu­ri­da­de e a im­pa­ci­ên­cia. O ima­tu­ro é fa­cil­men­te en­re­da­do e en­ga­na­do en­tre o cer­to e o er­ra­do e a sua fal­ta de pa­ci­ên­cia jo­ga por ter­ra to­da a ca­pa­ci­da­de de ex­pres­sar com cla­re­za o que pen­sa. A vir­tu­de da tem­pe­ran­ça é ad­qui­ri­da com o fo­go do tem­po que mol­da as qua­li­da­des. O des­pre­zo que o no­vo dá à ex­pe­ri­ên­cia é pro­va de que a sa­be­do­ria só é apos­sa­da ou dá pos­se ao sá­bio pa­ci­en­te­men­te e com di­li­gên­cia.

O sá­bio an­te­vê com se­gu­ran­ça os pas­sos que de­ve dar e on­de pi­sar, a sua tri­lha é de luz e não há tre­va que o ce­gue por­que o he­si­tar e o pros­se­guir pa­ra o êxi­to são lu­zes que os olhos co­muns não cap­tam sim­ples­men­te por­que a sa­be­do­ria da dú­vi­da é tam­bém uma vir­tu­de.

É pre­ci­so uma pro­fun­da re­fle­xão pa­ra com­pre­en­der e pa­ci­fi­ca­men­te con­vi­ver com tan­tas e ta­ma­nhas di­fe­ren­ças por­que o mun­do es­tá te­clan­do si­len­cio­so o gri­to que es­tá pre­so e pres­tes a sa­cu­dir e con­vul­si­o­nar o pla­ne­ta.

O re­vés e con­tras­te que fe­rem as re­la­ções e ame­a­çam as vir­tu­des se apre­sen­tam im­pa­ci­en­tes com as ma­ni­pu­la­ções e des­ne­ces­sá­rias som­bras que a mal­da­de e a vi­la­nia ten­tam pin­tar com as tin­tas da bon­da­de pa­ra que não en­xer­gue­mos o mun­do co­mo ver­da­dei­ra­men­te é.

É pre­ci­so vi­ver o ho­je, que é pre­sen­te, por­que o ama­nhã é fu­tu­ro e sem­pre se­rá ama­nhã. Apren­der não é di­fí­cil, ali­ás, só é di­fí­cil pa­ra quem na­da quer apren­der por fal­ta de hu­mil­da­de e por acre­di­tar que tu­do sa­be e nun­ca er­ra. Apren­der é en­ten­der o sá­bio e ne­ces­sá­rio si­len­ci­ar pa­ra ou­vir e não ca­lar.

 

(Mi­ron Par­rei­ra Ve­lo­so Bel. C.Con­tá­beis – G.Pú­bli­co Jor­na­lis­ta – Ra­di­a­lis­ta – Es­cri­tor Li­vro pub. Ges­tão Pú­bli­ca – Prá­ti­ca e Te­o­ria (UEG))

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais