Opinião

O susto

diario da manha

Foi um sus­to “Ca­te­go­ria 2”. Nem che­gou a ma­tar. Tu­do por­que te­nho uma ami­ga e um ir­mã que tem o mes­mo no­me: “Ana Ma­ria”. Ho­mô­ni­mos se pres­tam a ine­vi­tá­veis con­fu­sões.

Pois sai­ba que os sus­tos cons­ti­tu­em, a par com os fu­ra­cões, uma da­que­las in­ten­si­da­des me­di­da em ca­te­go­ri­as. Tal qual se faz na es­ca­la cha­ma­da Saf­fir-Simp­son. Afi­nal, creio fer­vo­ro­sa­men­te que, co­mo os tu­fões, os sus­tos vas­co­le­jam a gen­te, em mai­or ou me­nor grau, con­for­me o ca­li­bre da pres­são aí den­tro do pei­to. Tão mais in­ten­sa a pan­ca­da quan­to mais apa­nha a gen­te de sur­pre­sa, fa­zen­do o co­ra­ção ga­lo­par aos pi­no­tes. Quem me lê se­quer po­de ima­gi­nar a ga­ma de efei­tos que uma des­car­ga de adre­na­li­na de­sen­ca­deia. São as ace­le­ra­ções car­dí­a­cas, as al­tas pres­sões ar­te­ria­is, as tre­me­dei­ras, os olhos ar­re­ga­la­dos e mais que­jan­dos. Foi o que su­ce­deu na­que­la tar­de. Cum­pria meu ex­pe­di­en­te na re­par­ti­ção, quan­do o te­le­fo­ne to­ca. A li­ga­ção era pra mim. Aten­do e uma voz afo­ga­da em lá­gri­mas diz: “Pe­dro, aqui é a Ana Ma­ria. Es­cu­ta: meu pai mor­reu”. Era, na re­a­li­da­de, uma ami­ga e co­le­ga da Fa­cul­da­de de Di­rei­to, Ana Ma­ria Cu­ra­do Bar­bo­sa, co­mu­ni­can­do a mor­te de seu pai, Seu Ex­pe­di­to Bar­bo­sa. Mas, na­que­le ins­tan­te, aque­la voz em­bar­ga­da pa­re­cia ir­re­co­nhe­cí­vel. Pre­su­mi lo­go se tra­tas­se de mi­nha ir­mã ca­çu­la. Se ao me­nos a mi­nha in­ter­lo­cu­to­ra ti­ves­se acres­cen­ta­do o so­bre­no­me “Cu­ra­do Bar­bo­sa” ao pre­no­me, quan­do fa­lou, a ba­ra­lha­da se des­fa­ria lo­go. Mas não, li­mi­tou-se a di­zer sim­ples­men­te “aqui é a Ana Ma­ria”. Ain­da mais com aque­la voz to­lhi­da, amar­gu­ra­da, que pa­re­cia ema­nar dos pá­ra­mos an­gus­ti­a­dos da al­ma; nem São Jor­ge lo­gra­ria iden­ti­fi­car quem era o do­no de fa­to da­que­la en­to­na­ção tra­va­da. Me pa­re­cen­do a mim mais o ru­mor emo­cio­na­do e afli­to de mi­nha ir­mã mes­mo que o de sua xa­rá. Cal­ca­do de emo­ção e pran­to. De sor­te que a em­bru­lha­da se ins­ta­lou de vez e fez das su­as. An­te aque­le “Es­cu­ta: pa­pai fa­le­ceu”, en­re­ge­lei tre­men­do e pres­tes a des­fa­le­cer. O pul­so des­com­pas­sa­do e o pei­to ar­fan­te.

Que­do. Mal con­se­gui ga­gue­jar: “meu pai?!” Foi en­tão que a mi­nha ami­ga de fa­cul­da­de, quan­do ou­viu que eu dis­se­ra “meu pai?!”, se deu con­ta que eu la­bo­ra­va em er­ro. E tra­tou de des­fa­zer o mal-en­ten­di­do: “Pe­dro, aqui não é a Ana Ma­ria sua ir­mã, não. Quem fa­la é a Ana Ma­ria Cu­ra­do Bar­bo­sa. Com­pre­en­deu?”.

Fui ao ce­mi­té­rio e mi­nha po­bre ami­ga, Ana Ma­ria, além de pe­nar seu úl­ti­mo ade­us ao pai, ain­da se sen­tiu im­pe­li­da a me pe­dir des­cul­pas pe­lo sus­to. Con­tin­gên­cias da vi­da.

 

(Pe­dro No­las­co de Arau­jo. Mes­tre em Ges­tão do Pa­tri­mô­nio Cul­tu­ral, ad­vo­ga­do, Es­pe­cia­li­za­ção em Di­rei­to Cons­ti­tu­ci­o­nal, Só­cio Ti­tu­lar do Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás, Só­cio-Cor­res­pon­den­te da Aca­de­mia Be­la­vis­ten­se de Le­tras, Ar­tes e Ci­ên­cias, di­plo­ma­do pe­la As­so­cia­ção dos Di­plo­ma­dos da Es­co­la Su­pe­ri­or de Guer­ra)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar