Opinião

O talentoso e inesquecível Vasco dos Reis Gonçalves

diario da manha
Dr. Vasco dos Reis Gonçalves (1901-1952), grande inteligência goiana e nome de relevo em nossa cultura

Em 1952, há 65 anos, de­sa­pa­re­cia des­se mun­do, de tan­tas pro­va­ções e so­fri­men­tos, o gran­de edu­ca­dor, jor­na­lis­ta, ar­tis­ta, ad­mi­nis­tra­dor, mé­di­co be­la­vis­ten­se, Dr. Vas­co dos Reis Gon­çal­ves, ta­len­to­so em to­dos os sen­ti­dos; mas ma­chu­ca­do pe­la re­a­li­da­de e pe­las vi­cis­si­tu­des da vi­da, que não con­se­guiu su­pe­rar a imen­sa tris­te­za in­te­ri­or e an­te­ci­pou o pró­prio fim.

Nin­guém po­de jul­gar o que se pas­sa num co­ra­ção ator­men­ta­do de um ho­mem na bei­ra do pró­prio abis­mo e da per­tur­ba­ção es­pi­ri­tual, ge­ra­do­ra do ato de de­ses­pe­ro. Deus o te­nha li­ber­ta­do de tão gran­de afli­ção!

Pi­sa­mos nes­se mun­do o so­lo ar­den­te da dor e nin­guém é ca­paz de co­nhe­cer a his­tó­ria in­fi­ni­ta e do­lo­ro­sa de ca­da pes­soa.

Mas ele não foi es­que­ci­do. Sua me­mó­ria vi­ve em nos­sos co­ra­ções.

Na ci­da­de de Go­i­â­nia, na Ave­ni­da Mu­ti­rão, com a Ave­ni­da T-48, es­tá o Co­lé­gio da Po­lí­cia Mi­li­tar de Go­i­ás – Uni­da­de Po­li­va­len­te Mo­de­lo Vas­co dos Reis Gon­çal­ves, na im­por­tan­te lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca do Se­tor Oes­te, su­bor­di­na­do ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te à Sub­se­cre­ta­ria Me­tro­po­li­ta­na de Edu­ca­ção e à SE­DU­CE.

Há, tam­bém, o Co­lé­gio Es­ta­du­al Vas­co dos Reis Gon­çal­ves, na ci­da­de de Lu­zi­â­nia, no po­é­ti­co e te­lú­ri­co Jar­dim do In­gá, Sub­se­cre­ta­ria de Lu­zi­â­nia e o Co­lé­gio Es­ta­du­al Vas­co dos Reis Gon­çal­ves, na re­gi­ão cen­tral da ci­da­de de Uru­taí, Sub­se­cre­ta­ria de Pi­res do Rio, to­dos a di­zer da sua his­tó­ria do­lo­ro­sa, mas com êxi­to.

O Pa­tro­no des­sas Es­co­las foi um ad­mi­rá­vel go­i­a­no que, na qua­li­da­de de mé­di­co e de pro­fes­sor, mui­to hon­rou a nos­sa his­tó­ria. Me­re­ce, de fa­to, ser lem­bra­do nes­sas lo­ca­li­da­des di­fe­ren­tes on­de plan­tou a se­men­te de seu sa­ber e de sua cul­tu­ra.

Em 1952, na en­tão Ca­pi­tal Fe­de­ral, Rio de Ja­nei­ro, fa­le­cia, de for­ma trá­gi­ca e ines­pe­ra­da, o gran­de go­i­a­no, mé­di­co e po­lí­ti­co, Dr. Vas­co dos Reis Gon­çal­ves. Seu tris­te su­i­cí­dio te­ve re­per­cus­são do­lo­ro­sa não só em Go­i­ás, mas em to­do o Bra­sil, ha­ja vis­ta as qua­li­da­des hu­ma­ni­tá­rias e cul­tu­ra­is do ex­tin­to e pe­lo mui­to que já ha­via fei­to tan­to na me­di­ci­na quan­to na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca em ape­nas pou­co mais de cin­quen­ta anos de vi­da.

E fe­cha­mos aqui as con­si­de­ra­ções de seu pas­sa­men­to por­que não nos ca­be jul­gar o seu ato ex­tre­mo; já que o co­ra­ção hu­ma­no é um oce­a­no pro­fun­do de do­res e me­dos, de re­cei­os e te­mo­res, que ca­da um car­re­ga con­for­me po­de su­por­tar. Que Deus o pos­sa ter re­ce­bi­do no seio da eter­ni­da­de no per­dão de to­do o fa­dá­rio hu­ma­no e su­as vi­cis­si­tu­des so­bre o mun­do.

O que nos im­por­ta em Vas­co dos Reis Gon­çal­ves é sua vi­da vi­to­ri­o­sa em to­dos os sen­ti­dos. Um lu­ta­dor, um ba­ta­lha­dor in­te­lec­tu­al. Um ho­mem bri­lhan­te e ar­ro­ja­do, sem os­ten­ta­ções ou vai­da­des ex­ces­si­vas. Mi­li­tan­te da me­di­ci­na, da po­lí­ti­ca, do ma­gis­té­rio, da li­te­ra­tu­ra, do te­a­tro, con­se­guiu ser bri­lhan­te e ge­ni­al em to­dos os ca­mi­nhos que pal­mi­lhou.

Nas­ceu Vas­co dos Reis Gon­çal­ves na be­la ter­ra dos “bu­ri­ti­zais sus­sur­ran­tes” de Leo Lynce, a po­é­ti­ca e evo­ca­ti­va Be­la Vis­ta de Go­i­ás, an­ti­ga Su­çu­a­pa­ra, em 05 de abril de 1901, nos al­bo­res do sé­cu­lo XX. Vi­nha ele de uma fa­mí­lia ilus­tre e abas­ta­da, fi­lho do po­lí­ti­co de des­ta­que em seu tem­po, Dr. Ma­no­el dos Reis Gon­çal­ves, co­rum­ba­en­se ilus­tre, nas­ci­do em 1857 e fa­le­ci­do em 1935.

Exemplar da Revista de Educação do Estado de Goiás, então dirigida pelo dinamismo do Dr. Vasco dos Reis Gonçalves

Seu pai exer­ceu di­ver­sos car­gos par­la­men­ta­res co­mo De­pu­ta­do Es­ta­du­al (1895-1897/1898-1900) e Se­na­dor Es­ta­du­al (1901-1904/1905-1908/1909-1912/1913-1916/1917-1920), com gran­de in­flu­ên­cia no pe­rí­o­do da Re­pú­bli­ca Ve­lha em Go­i­ás. Foi ele ca­sa­do com An­gé­li­ca Ho­no­ri­na dos Reis Gon­çal­ves e te­ve vá­rios fi­lhos de des­ta­que na so­ci­e­da­de be­la­vis­ten­se, vi­la­bo­en­se e mais tar­de go­i­a­ni­en­se.

Vas­co dos Reis Gon­çal­ves pas­sou os pri­mei­ros anos de sua vi­da na po­é­ti­ca Be­la Vis­ta de Go­i­ás, no ca­sa­rão de es­qui­na com os fa­mi­lia­res do Se­na­dor Ca­ne­do, na Pra­ça da an­ti­ga Igre­ja de São Se­bas­ti­ão. Mais tar­de, pas­sou a re­si­dir na an­ti­ga Ca­pi­tal, Ci­da­de de Go­i­ás, on­de seu pai exer­cia os car­gos po­lí­ti­cos de re­pre­sen­ta­ção.

Ho­je sua be­la ca­sa per­ten­ce à ilus­tre es­cri­to­ra Nancy Ri­bei­ro de Araú­jo e Sil­va, pre­si­den­te da Aca­de­mia Be­la­vis­ten­se de Le­tras. Uma mu­lher no­tá­vel.

As­sim, fez seus es­tu­dos no Lyceu de Go­i­ás. Nes­sa épo­ca, des­de 1915, já co­me­çou a es­cre­ver seus pri­mei­ros ver­sos ins­pi­ra­dos, no es­ti­lo mis­to en­tre ro­mân­ti­co e par­na­si­a­no. Foi na Ci­da­de de Go­i­ás que seu li­ris­mo e seu te­lu­ris­mo se acen­tu­a­ram

Em tu­do acha­va ele ins­pi­ra­ção na ter­ra vi­la­bo­en­se. Nas ro­li­nhas fo­go-pa­gô dos te­lha­dos se­cu­la­res, nas ru­as si­nu­o­sas, nas ca­ja­zei­ras dos lar­gos, nos rios can­tan­tes, no co­a­xar dos sa­pos no Rio Ver­me­lho. Go­i­ás, ve­lha ca­pi­tal, en­le­vou sua al­ma a mais pu­ra ins­pi­ra­ção pa­ra can­tar o be­lo.

Ter­mi­na­dos seus es­tu­dos se­cun­dá­rios no Lyceu da Ci­da­de de Go­i­ás, par­tiu, em 1920, pa­ra o Rio de Ja­nei­ro no in­tui­to de cur­sar a Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na, on­de foi apro­va­do com dis­tin­ção.

No Rio de Ja­nei­ro fun­dou a So­ci­e­da­de Go­i­a­na de Ge­o­gra­fia jun­ta­men­te com o ta­len­to­so Moi­sés San­ta­na e uma So­ci­e­da­de be­ne­fi­cen­te pa­ra apoio aos es­tu­dan­tes go­i­a­nos ra­di­ca­dos na en­tão Ca­pi­tal Fe­de­ral. De 1922 a 1927 re­a­li­zou seus es­tu­dos em Me­di­ci­na, co­lan­do grau em 1928, quan­do re­tor­nou a Go­i­ás. Aqui se in­te­grou no mo­vi­men­to de mo­di­fi­ca­ção po­lí­ti­ca que agi­tou os es­ter­to­res da Re­pú­bli­ca Ve­lha. Com seu ide­a­lis­mo, so­nha­va com di­as me­lho­res pa­ra o po­vo go­i­a­no. Co­me­çou a tra­ba­lhar co­mo pro­fes­sor do Lyceu.

Vi­to­ri­o­sa a Re­vo­lu­ção de 1930, Dr. Vas­co dos Reis Gon­çal­ves pas­sou a ser um dos mai­o­res en­tu­si­as­tas da mu­dan­ça da ca­pi­tal pa­ra lo­cal de me­lhor aces­so. Em 1931, pas­sou a le­cio­nar na Ca­dei­ra de Me­di­ci­na Le­gal da Fa­cul­da­de de Di­rei­to de Go­i­ás e, em 1932, par­ti­ci­pou da fun­da­ção do Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás, que che­ga ago­ra aos 85 anos de exis­tên­cia fe­cun­da na in­te­lec­tu­a­li­da­de go­i­a­na. No ano de 1934 foi lei­to De­pu­ta­do à Cons­ti­tu­in­te go­i­a­na e as­su­miu in­te­ri­na­men­te o go­ver­no, por vi­a­gem do In­ter­ven­tor Pe­dro Lu­do­vi­co Tei­xei­ra, de 19 de ju­lho a 03 de agos­to des­se mes­mo ano. Por al­guns di­as foi ele Go­ver­na­dor de Go­i­ás!

Em 1936, Vas­co dos Reis Gon­çal­ves in­gres­sou na For­ça Pú­bli­ca Go­i­a­na, ho­je Po­lí­cia Mi­li­tar do Es­ta­do de Go­i­ás co­mo Ca­pi­tão Mé­di­co, quan­do che­gou, mais tar­de, ao car­go de Ma­jor. Dois anos de­pois, fun­dou e di­ri­giu a im­por­tan­te Re­vis­ta de Edu­ca­ção do Es­ta­do de Go­i­ás, des­ti­na­da a di­vul­gar os fei­tos da ins­tru­ção pú­bli­ca no Es­ta­do, mais tar­de, di­ri­gi­da por Amá­lia Her­ma­no Tei­xei­ra, Ben­ja­mim Ro­riz, Flo­racy Ar­ti­a­ga Men­des.

Foi Se­cre­tá­rio de Edu­ca­ção e Sa­ú­de de Go­i­ás, nos pri­mei­ros tem­pos de Go­i­â­nia e sua atu­a­ção foi de­ci­si­va pa­ra a me­lho­ria do en­si­no nos du­ros tem­pos após a Re­vo­lu­ção de 1930.

A Re­vis­ta de Edu­ca­ção e Sa­ú­de de Go­i­ás fez his­tó­ria no seu tem­po e no seu meio e ser­viu de exem­plo pa­ra ou­tros es­ta­dos do Bra­sil pe­la ri­que­za de seu con­te­ú­do e o au­xí­lio à ino­va­ção das prá­ti­cas pe­da­gó­gi­cas.

Nes­se mes­mo ano, es­cre­veu a Re­vis­ta Go­i­â­nia, com mú­si­cas de Jo­a­quim Ed­son de Ca­mar­go, que foi re­pre­sen­ta­da no te­a­tro Go­i­â­nia, em Cam­pi­nas e em Trin­da­de, com ab­so­lu­to su­ces­so. No ano se­guin­te, aju­dou a fun­dar a Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, jun­ta­men­te com o Dr. Co­le­mar Na­tal e Si­va, es­co­lhi­do pa­ra as­su­mir a Ca­dei­ra 002 da re­fe­ri­da ins­ti­tu­i­ção.

Nos anos de 1940, Dr. Vas­co dos Reis Gon­çal­ves as­su­miu no­va­men­te a Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Edu­ca­ção e Sa­ú­de, com gran­de com­pe­tên­cia e ide­a­lis­mo, quan­do au­xi­liou em to­do o Es­ta­do na re­so­lu­ção de gra­ves pro­ble­mas. Foi um dos fun­da­do­res da pi­o­nei­ra Re­vis­ta Oes­te, ve­í­cu­lo do Es­ta­do No­vo, lan­ça­da no Ba­tis­mo Cul­tu­ral de Go­i­â­nia em 1942. Nes­se mes­mo ano, lan­çou seu li­vro Pe­lo Es­ta­do No­vo, em de­fe­sa do re­gi­me de en­tão, en­ca­be­ça­do por Ge­tú­lio Var­gas. Re­u­niu, tam­bém, seus ver­sos num ca­der­no in­ti­tu­la­do Um­bral, que ja­mais pu­bli­cou, in­fe­liz­men­te e que pe­lo tí­tu­lo, era pre­nún­cio de sua in­fe­liz al­ma ator­men­ta­da in­ti­ma­men­te.

Be­lís­si­mo o tre­cho de seu po­e­ma Fi­nis, co­mo a adi­vi­nhar a tris­te­za do fim: “Tu que ar­ro­jas ao mar, tão som­bran­cei­ro,/ O bar­co in­gen­te e ri­jo que ma­no­bras;/ Tu que nas­ces­te pa­ra men­sa­gei­ro/ De eter­nos so­nhos e de gran­des obras,// Le­va da cos­ta o bar­co aven­tu­rei­ro,/ Já que, em tre­dos par­céis, não mais so­ço­bras;/ Abre as ve­las e, im­pá­vi­do, li­gei­ro,/ Gal­ga do oce­a­no as mais lon­gín­quas do­bras.// Sê sem­pre for­te! e, pa­ra que não sin­tas,/ Al­gu­ma vez, no rú­ti­lo fu­tu­ro,/ O há­li­to vil de es­cân­ca­ras fa­min­tas,// Dei­xa um ras­tro de es­pu­ma em ca­da va­ga,/ Mos­tra aos fra­cos e tí­mi­dos que um pu­ro/ Ras­ga os an­tros da vi­da e não nau­fra­ga.”

Be­lo tam­bém sua pro­du­ção in­ti­tu­la­da Os olhos: “Se te atra­ir um dia à luz de uns olhos/ Ne­gros, qua­is má­go­as fun­das de um pe­sar,/ Fo­ge, tem me­do de­les, são es­co­lhos/ Em que na vi­da um dia hás de en­cra­var.// Se ou­tros vi­res, qua­is azu­is sa­fi­ras/ Da cor do man­to da am­pli­dão ce­les­te,/ Não crei­as ne­les, são ba­nais men­ti­ras,/ Co­mo é

men­ti­ra o azul que as nu­vens ves­te.// São ver­des ou­tros, co­mo as on­das man­sas/ Que vêm na praia um ós­cu­lo pou­sar…/ Es­ses te es­con­dem té­tri­cas vin­gan­ças/ Co­mo as es­con­de o trai­ço­ei­ro mar.// Os olhos ful­vos são co­mo as pro­ce­las,/ Que lá se es­con­dem sob as nu­vens cla­ras./ Que mais ter­rí­veis são por­que são be­las/ E mais fa­la­zes são por­que são ra­ras.// Ou­tros são ba­ços, cor de ter­ra, par­dos;/ São co­mo fo­lhas se­cas a en­co­brir/ A pon­ta agu­da de ace­ra­dos car­dos/ Em que, to­can­do, po­des te fe­rir.// En­fim, se que­res ser fe­liz na vi­da,/ Não crei­as nun­ca num olhar se­quer;/ Não há trai­ção fa­tal mais bem fi­gi­da/ Que os dons su­tis de uns olhos de mu­lher.”

No ano de 1945, com a aber­tu­ra de­mo­crá­ti­ca, ele­geu-se Dr. Vas­co dos Reis Gon­çal­ves su­plen­te a De­pu­ta­do Fe­de­ral pe­lo PSD, cli­ni­cou por al­gum tem­po na ci­da­de de Pi­res do Rio e pas­sou a re­si­dir no Rio de Ja­nei­ro. Foi, tam­bém, Pre­si­den­te da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras em 1948 e, em 1951, fun­dou, no Rio de Ja­nei­ro, a Con­cen­tra­ção Tra­di­cio­na­lis­ta Go­i­a­na, úl­ti­mo ato an­tes de seu trá­gi­co fim, a 20 de ja­nei­ro de 1952, aos 50 anos de ida­de.

De­sa­pa­re­ceu o ho­mem na fra­gi­li­da­de de to­dos os sen­ti­men­tos e na efe­me­ri­da­de da car­ne, mas fi­cou sua obra e seu le­ga­do im­pe­re­cí­veis. Foi ele re­lem­bra­do em no­me de di­ver­sas es­co­las em Go­i­â­nia e no in­te­ri­or do Es­ta­do de Go­i­ás, em no­me de lo­gra­dou­ros e grê­mios es­tu­dan­tis, de ins­ti­tu­i­ções cul­tu­ra­is e co­mo um dos Pa­tro­nos da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, da Aca­de­mia be­la­vis­ten­se de Le­tras.

Na ca­sa on­de nas­ceu há uma be­la pla­ca ali co­lo­ca­da pe­la Aca­de­mia be­la­vis­ten­se de Le­tras, no Lar­go po­é­ti­co on­de veio ao mun­do e que ha­via a bu­có­li­ca igre­ji­nha de São Se­bas­ti­ão, le­va­da pe­la vo­ra­gem do tem­po.

Na lem­bran­ça de sua pas­sa­gem pe­lo mun­do, o re­gis­tro de sua vi­da hon­ra­da e lim­pa pa­ra o bem do po­vo go­i­a­no, sua tra­je­tó­ria po­lí­ti­ca sem má­cu­las, seu hu­ma­ni­tá­rio exer­cí­cio da me­di­ci­na e sua de­di­ca­ção às le­tras go­i­a­nas.

Na pu­re­za e ge­ni­a­li­da­de de seus ver­sos fi­ca seu le­ga­do e a cer­te­za de que não de­sa­pa­re­ceu do ce­ná­rio da al­ma go­i­a­na, e que a sua lem­bran­ça se in­se­re na eter­ni­da­de da­que­les que amam, de fa­to, a ter­ra de Go­i­ás.

Que a que­da do seu frá­gil cor­po, co­mo nos­so cor­po, o te­nha le­va­do ao co­nhe­ci­men­to da to­ta­li­da­de. Pe­la sua do­en­ça es­pi­ri­tual, por cer­to (eu creio) ga­nhou o per­dão de Deus pe­lo ato de­ses­pe­ra­do, na ân­sia do in­fi­ni­to. For­ja­do a cu­rar a dor do

ou­tro, no di­na­mis­mo da Me­di­ci­na, não foi ca­paz de cu­rar a dor de sua al­ma pu­ra e en­tre­gue aos ma­chu­ca­dos dos so­fri­men­tos hu­ma­nos, por cer­to, des­can­sa­do em Deus, se­re­nou o ím­pe­to do amar­gor e tri­lhou ou­tras es­tra­das com seus pés fe­ri­dos dos es­pi­nhos des­se mun­do.

Je­sus veio pa­ra pra­ti­car o per­dão e, ao cer­to, no jul­ga­men­to de seus atos, abriu-lhe os bra­ços e pro­nun­ciou se­re­na­men­te o seu no­me en­tre os elei­tos. Não creio num Cris­to jul­ga­dor im­pla­cá­vel, pois Ele, co­mo nos­so Pai, sa­be co­nhe­cer gran­de­zas e mi­sé­rias ín­ti­mas de nos­so co­ra­ção; lu­gar que nin­guém co­nhe­ce ao cer­to.

E que ca­da alu­no des­ses Co­lé­gios pos­sa co­nhe­cer, de fa­to, o ge­ni­al Pa­tro­no que es­cre­veu, com al­ma e co­ra­ção, dor e so­fri­men­to, as pá­gi­nas de sua vi­da; ho­je o gran­de li­vro da su­pe­ra­ção, mas, tam­bém da im­pe­re­cí­vel sa­u­da­de!

 

(Ben­to Al­ves Araú­jo Jayme Fleury Cu­ra­do, Gra­du­a­do em Le­tras e Lin­guís­ti­ca pe­la UFG. Es­pe­cia­lis­ta em Li­te­ra­tu­ra pe­la UFG. Mes­tre em Li­te­ra­tu­ra pe­la UFG. Mes­tre em Ge­o­gra­fia pe­la UFG. Dou­tor em Ge­o­gra­fia pe­la UFG. Pós-dou­to­ran­do em Ge­o­gra­fia pe­la USP. Pro­fes­sor. Po­e­ta. ben­to­[email protected]­mail.com)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais