Opinião

Orfeu em boa companhia

diario da manha

Noi­tes de Or­feu é um show-con­cer­to. Qua­se uma de­cla­ra­ção de amor e gra­ti­dão a dois dos mai­o­res com­po­si­to­res que al­ça­ram a mú­si­ca bra­si­lei­ra ao mais al­to pa­ta­mar mun­di­al: Tom Jo­bim e Vi­ní­ci­us de Mo­ra­es. Mas ou­tros gran­des com­po­si­to­res tam­bém es­tão no pro­gra­ma, co­mo Ca­e­ta­no, Ba­den e Bon­fá. Obras-pri­mas, co­mo: Eu sei que vou te amar, Cor­co­va­do, Che­ga de sa­u­da­de, Se to­dos fos­sem igua­is a vo­cê, Lí­gia, en­tre ou­tras, ga­nha­ram uma in­ter­pre­ta­ção mui­to per­so­na­li­za­da com To­ni Gar­ri­do e o apoio de uma ban­da lu­xu­o­sís­si­ma for­ma­da pe­lo pi­a­nis­ta Os­car Mi­li­to, que acom­pa­nhou ‘in lo­co’ mui­tos dos mo­men­tos his­tó­ri­cos da Bos­sa No­va; Mar­cel Powell, no vi­o­lão, fi­lho de ou­tro íco­ne – Ba­den Powell; Ro­nal­do Sil­va, na ba­te­ria e per­cus­são, re­pre­sen­tan­te do clã per­cus­si­vo dos Sil­va (fi­lho do an­to­ló­gi­co Ro­ber­ti­nho); e Zé Lu­ís Maia, bai­xis­ta, fi­lho do não me­nos an­to­ló­gi­co Lu­i­são Maia. Uma ban­da de res­pon­sa, di­ri­am al­guns.

Mas, o show apre­sen­ta­do no Cen­tro de Con­ven­ções da PUC-GO nes­te fim de ano te­ve um tem­pe­ro a mais – e mui­to es­pe­ci­al. A pre­sen­ça ilu­mi­na­da da Or­ques­tra Sin­fô­ni­ca de Go­i­â­nia, na oca­si­ão sob a re­gên­cia ins­pi­ra­da do ma­es­tro Eli­el Fer­rei­ra. Co­mo o pró­prio Gar­ri­do in­for­mou du­ran­te o con­cer­to, es­te es­pe­tá­cu­lo já ha­via si­do re­a­li­za­do com um gru­po pe­que­no de cor­das. Era a pri­mei­ra apre­sen­ta­ção com acom­pa­nha­men­to de uma or­ques­tra in­tei­ra. E ti­nha mais: ar­ran­jos es­cri­tos por Ser­gio Kuhlmann, ma­es­tro bra­si­lei­ro que vi­ve ho­je na Es­pa­nha e que é um mes­tre na ar­te de re­pa­gi­nar can­ções. Kuhlmann cu­i­dou tam­bém dos ar­ran­jos das mú­si­cas bra­si­lei­ras que a Sin­fô­ni­ca Jo­vem de Go­i­ás apre­sen­tou na Chi­na, em re­cen­te tur­nê. Sem­pre mui­to elo­gi­a­do e re­co­nhe­ci­do por seu tra­ba­lho.

Me­sa pos­ta, com tan­ta far­tu­ra, To­ni se es­bal­dou. Se usa po­tên­cia má­xi­ma de voz quan­do can­ta com sua ban­da pop-reg­gae Ci­da­de Ne­gra, nes­se es­pe­tá­cu­lo era ho­ra de mos­trar ou­tra li­nha vo­cal: le­ve­za, sen­si­bi­li­da­de. Bem no es­ti­lo Jo­ão Gil­ber­to, ou até mes­mo Chet Baker, con­si­de­ra­do gran­de in­flu­en­cia­dor vo­cal pa­ra o “pai da Bos­sa No­va”. Gar­ri­do tem um be­lo tim­bre de voz, al­go que ca­sa mui­to bem com a pro­pos­ta do es­pe­tá­cu­lo. E, em ce­na, é elé­tri­co. Can­tou no meio da Or­ques­tra, da pla­teia, abra­çou um e ou­tro, fez sel­fie e, no fim, saiu pe­la por­ta da fren­te do Te­a­tro. Tu­do cer­to. Se­gun­do ele mes­mo, a fun­ção do ar­tis­ta é co­lo­car o lú­di­co no mun­do. Faz sen­ti­do.

E, num es­pe­tá­cu­lo com tan­tas lem­bran­ças e re­fe­rên­cias, não po­di­am fal­tar his­tó­ri­as da­que­les que vi­ve­ram a efer­ves­cên­cia da Bos­sa No­va, co­mo o ma­es­tro Mi­li­to. E, cla­ro, Mar­cel Powell con­tan­do cu­ri­o­si­da­des das com­po­si­ções e da vi­da de seu pai, Ba­den. His­tó­ri­as de bo­te­cos, mo­men­tos de ins­pi­ra­ção po­é­ti­ca e mu­si­cal, ami­za­des. Coi­sas do dia a dia, que po­dem até ser sim­ples, mas que, vis­tas com ou­tro olhar, for­mam a at­mos­fe­ra en­vol­ta na cri­a­ção ar­tís­ti­ca.

Noi­tes de Or­feu em Go­i­â­nia ga­nhou uma no­va di­men­são. A pro­du­to­ra cul­tu­ral Vil­ma Sou­sa e o ma­es­tro Eli­seu Fer­rei­ra, di­re­tor da Sin­fô­ni­ca de Go­i­â­nia, cri­a­ram a opor­tu­ni­da­de pa­ra que o show ti­ves­se es­se for­ma­to mais am­plo. Um be­lo es­pe­tá­cu­lo, sem dú­vi­da. Mas não ape­nas is­so. Ne­ces­sá­rio, ur­gen­te. A Mú­si­ca Po­pu­lar Bra­si­lei­ra que, há al­guns anos, era re­ve­ren­ci­a­da no mun­do to­do por sua ri­que­za har­mô­ni­ca, me­ló­di­ca e rít­mi­ca an­da ex­por­tan­do pro­du­tos opos­tos a tu­do is­so. É a má­qui­na da in­dús­tria do en­tre­te­ni­men­to que não pa­ra de fa­zer di­nhei­ro. E não é o ca­so de com­pe­tir. Bas­ta sa­ber que há mui­ta gen­te an­sio­sa por ou­vir es­sa mú­si­ca cri­a­ti­va e ge­ni­al de com­po­si­to­res co­mo Jo­bim, Ba­den, Vi­ní­ci­us e tan­tos ou­tros que es­tão por aí, re­no­van­do a mais ri­ca so­no­ri­da­de bra­si­lei­ra. Pre­ci­sa­mos que is­so so­bre­vi­va. E que noi­tes co­mo a de Or­feu se re­pi­tam.

 

(Reny Cru­vi­nel, jor­na­lis­ta e mú­si­co)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar