Opinião

Papai Noel pedindo esmola

diario da manha

Sem­pre achei a co­mu­ni­ca­ção sem tex­to o má­xi­mo. Não por pre­gui­ça de ler, mas pe­la in­te­li­gên­cia que a pró­pria ima­gem traz den­tro de si ao con­tar uma his­tó­ria.

A char­ge, o car­tum e o ci­ne­ma mu­do me fas­ci­na­ram quan­do cri­an­ça, e, fas­ci­nam ain­da ho­je. Char­les Cha­plin em ce­na dis­pen­sa­va qual­quer re­cur­so por­que su­as ex­pres­sões fa­la­vam tu­do, tal qual, Pé­ri­cles, pa­ra mim, o rei do hu­mor ne­gro, com sua imor­tal cri­a­ção, o “Ami­go da on­ça”, que a re­vis­ta O Cru­zei­ro se­ma­nal­men­te pu­bli­ca­va em uma pá­gi­na in­tei­ra.

Se­ma­na pas­sa­da, o ge­ni­al Ja­gu­ar nos brin­dou com uma crí­ti­ca, es­tam­pa­da pe­la Fo­lha de São Pau­lo, on­de ex­põe as vís­ce­ras da pre­ca­ri­e­da­de ge­ral a que nos en­fi­a­ram. O de­se­nho traz a mãe com as du­as mãos ta­pan­do os olhos do fi­lho pa­ra que ele não vis­se o Pa­pai No­el, to­do de­sa­li­nha­do, sen­ta­do no chão, com a to­ca ver­me­lha es­ten­di­da a quem pas­sas­se, a pe­dir es­mo­las. A ce­na, sem uma pa­la­vra se­quer, de­to­nou as con­jun­tu­ras po­lí­ti­ca, so­ci­al, eco­nô­mi­ca, mo­ral, e, so­bre­tu­do, hu­ma­na que nos jo­gou na la­ma. Po­de exis­tir li­nha abai­xo da po­bre­za mai­or do que o Pa­pai No­el a pe­dir es­mo­la?

Não, a coi­sa não pa­rou por aí. Pa­ra eu me sen­tir co­mo o úni­co su­jei­to no mun­do que jo­gou pe­dra na cruz, en­tre um ca­fe­zi­nho e ou­tro, na con­fra­ria pa­ra jo­gar con­ver­sa fo­ra que se reú­ne no Flam­boyant, o Ro­os Ro­os, é, ele mes­mo, o nos­so in­ve­ja­do ar­tis­ta plás­ti­co, me deu a pin­ce­la­da: “E ago­ra mi­nis­tro, vo­cê que es­te­ve lá mui­to tem­po, mos­tre o ca­mi­nho pa­ra sa­ir des­sa…” Foi si­lên­cio ge­ral aguar­dan­do que eu pro­pu­ses­se al­gum mi­la­gre.

En­go­li se­co. Ora, se o Pa­pai No­el do Ja­gu­ar não deu con­ta, en­tão, su­ge­ri que o Ro­os Ro­os pin­te um enor­me pai­nel re­tra­tan­do o in­fer­no com as ca­ras des­ses fdps que es­tão des­mo­ra­li­zan­do os po­de­res.

Ja­mais pen­sei que vi­ve­ria pa­ra ver um Na­tal tão sem sig­ni­fi­ca­do. Dei­xo a mi­nha sú­pli­ca: an­te­ci­pe a vol­ta, Je­sus, por­que a coi­sa tá feia!

Per­doe-me, mas não sou hi­pó­cri­ta pa­ra de­se­jar fe­liz Na­tal.

 

(Iram Sa­rai­va, mi­nis­tro emé­ri­to do Tri­bu­nal de Con­tas da Uni­ão)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar