Opinião

Penalização do agente público violador das prerrogativas da advocacia

diario da manha

Te­nho a hon­ra e sa­tis­fa­ção de par­ti­ci­par des­se o iní­cio do Pro­je­to, re­pre­sen­tan­do a Ad­vo­ca­cia Go­i­a­na, na con­di­ção de Con­se­lhei­ro Fe­de­ral e Vi­ce-Pre­si­den­te da Co­mis­são Na­ci­o­nal de Le­gis­la­ção da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil, sob o co­man­do do in­can­sá­vel, Clau­dio La­ma­chia, la­de­a­dos dos ab­ne­ga­dos pa­res, nes­tes qua­se 2 (dois) anos de pe­re­gri­na­ção no Con­gres­so Na­ci­o­nal, em ne­ces­sá­rias e pro­du­ti­vas di­li­gên­cias apre­sen­tan­do fun­da­men­tos téc­ni­cos e ju­rí­di­cos pa­ra vi­a­bi­li­zar  em pri­mei­ro mo­men­to, o re­le­van­te Pro­je­to de Lei do Se­na­do (PLS) n° 141/2015.

Es­te Pro­je­to de Lei foi apro­va­do em  23/08/2017 no Se­na­do Fe­de­ral, de au­to­ria do Se­na­dor Cás­sio Cu­nha Li­ma, sob a bri­lhan­te re­la­to­ria da Se­na­do­ra Si­mo­ne Te­bet, que al­te­ra a Lei n° 8.906/94 (Dis­põe so­bre o Es­ta­tu­to da Ad­vo­ca­cia e a da OAB), com a fi­na­li­da­de de pe­na­li­zar a vi­o­la­ção dos di­rei­tos e prer­ro­ga­ti­vas da ad­vo­ca­cia, re­qui­si­tos pre­pon­de­ran­tes pa­ra o nos­so ple­no exer­cí­cio do “mú­nus pú­bli­co” re­pre­sen­ta­do pe­lo  Di­rei­to de De­fe­sa e o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co (à vi­da, li­ber­da­de, pa­tri­mô­nio, ma­ni­fes­ta­ção…) do ju­ris­di­cio­na­do (ci­da­dão).

As­sim, ven­ci­da aque­la eta­pa jun­to a Câ­ma­ra Al­ta, foi re­me­ti­do à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, on­de ini­cia­mos di­li­gên­cias es­sen­ci­ais pe­ran­te os par­la­men­ta­res da­que­la Ca­sa, com o es­co­po de apre­sen­tar no­tas téc­ni­cas vi­san­do fo­men­tar as fon­tes de pes­qui­sas e fun­da­men­tos pa­ra per­su­a­dir os De­pu­ta­dos Fe­de­ra­is em su­as con­vic­ções na re­le­vân­cia da vo­ta­ção e apro­va­ção do PL 8.347/2017 (sob no­vo nú­me­ro).

Nes­te di­a­pa­são, em vir­tu­de do exi­to­so tra­ba­lho par­ti­ci­pa­ti­vo de to­da clas­se ad­vo­ca­tí­cia, emer­giu a in­con­tes­tá­vel vi­tó­ria his­tó­ri­ca, na apro­va­ção do Pro­je­to, no fi­nal des­ta ter­ça-fei­ra (05/11) pe­lo pla­car de 45 X 3 vo­tos pe­ran­te a Co­mis­são de Cons­ti­tu­i­ção e Jus­ti­ça (CCJ) da Câ­ma­ra, sob a re­la­to­ria do atu­an­te ex-Pre­si­den­te da OAB/RJ e ex-Con­se­lhei­ro Fe­de­ral, De­pu­ta­do Wa­dih Da­mous (PT-RJ).

En­tre­tan­to, res­sal­to que su­pe­ra­da mais es­ta ba­ta­lha, a lu­ta te­rá no­vas ar­ti­cu­la­ções, ma­no­bras e trin­chei­ras “lobby” em des­fa­vor da apro­va­ção da PL n° 8.347/2017, ca­pi­ta­ne­a­das na sur­di­na  por uma mi­no­ria de agen­tes pú­bli­cos que de­se­jam a per­pe­tu­a­ção da vul­ne­ra­bi­li­da­de e im­pu­ni­da­de  de su­as con­du­tas e obri­ga­ções pe­ran­te ao Es­ta­do Éti­co, Mo­ral, Le­gal e De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to.

Des­te mo­do, im­pres­cin­dí­vel à aglu­ti­na­ção, con­vo­ca­ção pa­ra apre­sen­ta­ção e de­fe­sa des­ta no­ta téc­ni­ca por to­das as li­de­ran­ças da so­ci­e­da­de e ad­vo­ca­cia bra­si­lei­ra jun­to aos par­la­men­ta­res de seus res­pec­ti­vos re­la­ci­o­na­men­tos, na con­ver­gên­cia des­tes ide­ais re­pu­bli­ca­nos ine­ren­tes ao for­ta­le­ci­men­to dos an­sei­os dos ju­ris­di­cio­na­dos, co­ro­lá­rio do res­pei­to às prer­ro­ga­ti­vas, sen­do o Pro­je­to re­me­ti­do à vo­ta­ção no Ple­ná­rio da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, do­ra­van­te.

Prer­ro­ga­ti­vas não é Pri­vi­lé­gio, é Lei e Ga­ran­tia do Di­rei­to de De­fe­sa.

 

(Le­on De­niz, ad­vo­ga­do)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais