Opinião

Por que nossos políticos insistem em fazer o imoral?

diario da manha

Fim de ano che­gan­do e com ele co­me­ça o pro­lon­ga­do re­ces­so par­la­men­tar. Mas an­tes do apa­gar das lu­zes, ge­ral­men­te sem­pre apa­re­ce al­gu­ma sur­pre­sa, na mai­o­ria das ve­zes de­sa­gra­dá­vel, apron­ta­da pe­los nos­sos dig­nís­si­mos e hon­ra­dos re­pre­sen­tan­tes po­lí­ti­cos.

E to­dos elas aca­bam ten­do por fi­na­li­da­de ar­ru­mar uma for­ma de en­gor­dar os ho­le­ri­tes dos no­bres ho­mens que cu­i­dam da po­lis. Não é ra­ro um pro­je­to pro­pon­do um au­men­to de sa­lá­rio, ou­tro ten­tan­do es­ta­be­le­cer uma ver­ba de ga­bi­ne­te e tan­tos ou­tros com ob­je­ti­vos es­pú­ri­os que se es­con­dem nas fa­mo­sas di­á­rias.

Cla­ro que não es­tou dis­cu­tin­do aqui a le­ga­li­da­de de tais atos, pois qua­is­quer coi­sas po­dem se tor­nar le­gais des­de que uma lei se­ja cri­a­da pa­ra tal fi­na­li­da­de. Pos­so ci­tar, co­mo for­mar de exem­pli­fi­car, o uso de ar­mas ho­je ile­gal, mas ama­nhã a his­tó­ria po­de ser ou­tra, bas­ta a al­te­ra­ção no tex­to da lei.

O que na ver­da­de é de eno­jar es­tá no fa­to dos nos­sos po­lí­ti­cos in­sis­ti­rem em que­rer fa­zer sem­pre o imo­ral. Pou­cos e ra­ros com­ba­tem em sen­ti­do con­trá­rio.

Quan­do o De­pu­ta­do Ti­ri­ri­ca dis­se que “pi­or que es­tá não fi­ca”, na ver­da­de ele es­ta­va men­tin­do pa­ra nós. Tan­to é que es­tá pre­sen­te nas re­des so­ci­ais um ví­deo em que o mes­mo se diz de­cep­cio­na­do com a po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra, che­gan­do ao pon­to de afir­mar que o nos­so pa­ís es­tá fa­da­do ao sis­te­má­ti­co di­le­ma da cor­rup­ção e do mal­fa­ze­jo. Se­gun­do ele, nos­sos re­pre­sen­tan­tes não pen­sam no Bra­sil, mas so­men­te vi­vem pa­ra sa­tis­fa­ze­rem seus pró­prios in­te­res­ses, al­go que não é no­vi­da­de, mas uma pe­na!

Há ci­da­des bra­si­lei­ras, tal­vez a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria de­las, em que a po­pu­la­ção so­fre com o ca­os ge­ra­do pe­la má for­ma com que as coi­sas pú­bli­cas são ad­mi­nis­tra­das. Fal­ta tu­do, des­de o bá­si­co até o mais com­ple­xo exa­me. Mas mes­mo as­sim, ven­do tu­do acon­te­cer ao seu re­dor, não há um pro­ces­so de sen­si­bi­li­za­ção com o so­fri­men­to al­heio. Pois nos­sos po­lí­ti­cos in­sis­tem em an­ga­ri­ar pen­du­ri­ca­lhos fi­nan­cei­ros, ten­tan­do as mais va­ri­a­das for­mas, co­mo já di­tas an­te­rior­men­te. Um ab­sur­do, uma tre­men­da fal­ta de hu­ma­ni­da­de ou se­ria um des­ca­so to­tal pa­ra com as pró­pri­as fi­na­li­da­des, que se­ria ze­lar pe­lo bem co­mum da so­ci­e­da­de.

Na es­fe­ra fe­de­ral es­ta­mos pre­sen­ci­an­do o pro­ces­so da Re­for­ma Pre­vi­den­ci­á­ria. Que al­go de­ve­ria ser fei­to, acre­di­to que se­ria es­tu­pi­dez di­zer o con­trá­rio. Mas da for­ma que es­tá sen­do re­a­li­za­da, é a for­ma cor­re­ta? Jus­ta pa­ra com a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra? Ho­nes­ta pa­ra com aque­les que de­ve­ri­am ser os prin­cí­pios re­pu­bli­ca­nos? Mas mais uma vez pre­sen­ci­a­mos a for­ma imo­ral com a ques­tão es­tá sen­do tra­ta­da.

Por que nos­sos po­lí­ti­cos in­sis­tem em fa­zer o imo­ral? Pe­lo mes­mo mo­ti­vo que in­sis­ti­mos em ver tu­do acon­te­cer e fin­gir que na­da es­tá acon­te­cen­do, sen­do as­sim imo­ral tam­bém. Lu­ther King di­zia: “O que me in­co­mo­da não é o gri­to dos maus, mas sim o si­lên­cio dos ho­mens de bem”. Por is­so ou­se­mos gri­tar, a sa­ir do si­lên­cio que cul­ti­va a imo­ra­li­da­de.

 

(Wal­ber Gon­çal­ves de Sou­za, pro­fes­sor e es­cri­tor)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais