Opinião

Posicionamento para o crescimento

diario da manha

Não pre­ten­de­mos aqui re­e­di­tar os ve­lhos jar­gões co­mo ‘não há cri­se que re­sis­ta ao tra­ba­lho’ ou ‘em to­da a cri­se há uma opor­tu­ni­da­de’ e ou­tros no gê­ne­ro. O que pre­ten­de­mos ver­da­dei­ra­men­te é pro­por um mo­vi­men­to do­ta­do de ações pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to, on­de to­dos pos­sa­mos tri­lhar o mes­mo ca­mi­nho – o do re­tor­no ao cres­ci­men­to.

É cla­ro que não de­pen­de ape­nas das nos­sas ações, mas creio que um mo­vi­men­to vol­ta­do pa­ra a po­si­ti­vi­da­de e o cres­ci­men­to, sem tan­to pes­si­mis­mo, pos­sa aju­dar. Por exem­plo, to­dos sa­be­mos do po­ten­ci­al do Bra­sil, to­dos te­mos cer­te­za que vi­ve­mos em um Pa­ís sem ter­re­mo­to, tsu­na­mis ou qual­quer ou­tra gran­de ca­tás­tro­fe am­bien­tal.

As nos­sas tem­pes­ta­des são de ou­tra na­tu­re­za e, co­mo tu­do na vi­da, vão pas­sar. E nós to­dos sa­be­mos to­dos os es­for­ços que te­mos en­vi­da­do no sen­ti­do de pe­lo me­nos mi­ni­mi­zar os efei­tos da tem­pes­ta­de po­lí­ti­ca no nos­so se­tor, cri­an­do uma Fren­te Par­la­men­tar e ten­do uma ação di­re­ta e in­ci­si­va em to­das as fren­tes go­ver­na­men­tais, es­pe­ci­al­men­te as li­ga­das ao po­der de al­te­rar cer­tas me­di­das ca­pa­zes de me­lho­rar o nos­so sta­tus quo.

No en­tan­to, co­nhe­ce­mos tam­bém que o nos­so se­tor tem mui­tos pro­ble­mas da por­ta da fá­bri­ca pa­ra den­tro, pa­ra is­so de­sen­vol­ve­mos vá­ri­as par­ce­rias pa­ra aju­dar na ca­pa­ci­ta­ção das nos­sas em­pre­sas e res­pec­ti­vas li­de­ran­ças e is­so po­de se tor­nar uma po­de­ro­sa fer­ra­men­ta pa­ra o cres­ci­men­to. Uma cer­te­za te­mos, não adi­an­ta se de­ses­pe­rar e to­mar ati­tu­des im­pen­sa­das pa­ra ten­tar re­sol­ver os pro­ble­mas de ago­ra sem pen­sar no fu­tu­ro. Pre­ci­sa­mos nos con­cen­trar mi­ni­ma­men­te em es­tu­dos que pos­sam in­di­car ten­dên­cias co­mo os que te­mos fei­to na área de com­pe­ti­ti­vi­da­de, por­que se sou­ber­mos mais ou me­nos o que vai acon­te­cer po­de­mos tra­çar pla­nos pa­ra quan­do a cri­se aca­bar e cer­ta­men­te sai­re­mos des­sa mais for­te.

De ou­tro la­do, sa­be­mos que ações vi­san­do o de­sen­vol­vi­men­to pa­ra ge­rar efe­ti­vo cres­ci­men­to nes­sa al­tu­ra do cam­pe­o­na­to po­dem vir de du­as fren­tes: ex­por­ta­ções de ma­nu­fa­tu­ra­dos e/ou in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos. Sa­be­mos que gran­de par­te do nos­so se­tor de má­qui­nas e equi­pa­men­tos já ex­por­ta, mas a am­pli­a­ção da es­tra­té­gia ba­se­a­da no mer­ca­do ex­ter­no de­mo­ra­ria mais a se con­so­li­dar, en­quan­to que a ele­va­ção dos in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos exer­ce­ria im­pac­tos mais ime­di­a­tos. O im­pul­so de de­man­da ge­ra­do por es­tes in­ves­ti­men­tos ala­van­ca­ria o ní­vel de ren­da do se­tor pri­va­do. Va­le di­zer que além de im­por­tan­tes in­je­ções de de­man­da no cur­to-pra­zo, a me­lho­ra na in­fra­es­tru­tu­ra tam­bém con­fe­ri­ria ga­nhos de com­pe­ti­ti­vi­da­de à pro­du­ção do­més­ti­ca no mé­dio/lon­go pra­zo. To­dos com­pre­en­de­mos que in­ves­ti­men­tos nas po­lí­ti­cas bá­si­cas co­mo in­fra­es­tru­tu­ra, sa­ú­de e edu­ca­ção são a ba­se pa­ra a vol­ta do cres­ci­men­to do Pa­ís.

Ob­via­men­te, além da su­ges­tão de in­ves­ti­men­tos, con­ti­nu­a­re­mos in­sis­tin­do na nos­sa agen­da de com­pe­ti­ti­vi­da­de pa­ra o Pa­ís, pe­din­do um câm­bio pre­vi­sí­vel, ju­ros me­no­res e uma re­du­ção sen­sí­vel da car­ga tri­bu­tá­ria, não nos es­que­cen­do que com to­da a cri­se, tem mui­tas pos­si­bi­li­da­des pa­ra a in­dús­tria de má­qui­nas e equi­pa­men­tos e o fo­co do nos­so tra­ba­lho jun­to ao go­ver­no de­ve ser de­sen­vol­ver o se­tor in­dus­tri­al, prin­ci­pal­men­te le­van­do em con­si­de­ra­ção o  gran­de mer­ca­do con­su­mi­dor que exis­te no Bra­sil.

Nes­se sen­ti­do po­de­mos tra­ba­lhar a fa­vor do cres­ci­men­to e ten­tar ana­li­sar as ten­dên­cias sem se des­cui­dar do dia a dia das nos­sas em­pre­sas, to­man­do ati­tu­des sem­pre com aten­ção aos nos­sos pla­nos de ne­gó­ci­os, ao flu­xo de cai­xa e às nos­sas efe­ti­vas pos­si­bi­li­da­des de cres­ci­men­to.

 

(Jo­ão Car­los Mar­che­san, ad­mi­nis­tra­dor, em­pre­sá­rio e  pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção Abimaq/Sindimaq)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais