Opinião

Precisamos de pessoas que escrevam e leiam, pelo simples prazer de ler e escrever

diario da manha

Os cur­rí­cu­los das es­co­las bra­si­lei­ras tra­zem al­guns li­vros da li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra co­mo obri­ga­tó­rios pa­ra os es­tu­dan­tes do en­si­no fun­da­men­tal e en­si­no mé­dio.

Is­so não de­ve­ria acon­te­cer, pois a lei­tu­ra obri­ga­tó­ria po­de dei­xar o lei­tor sem es­tí­mu­los, per­den­do a mes­ma o seu va­lor.

Que gra­ça tem ler um li­vro que não es­te­ja gos­tan­do ou não en­ten­den­do?

Nes­sa con­di­ção, mui­tos jo­vens cri­am aver­são à lei­tu­ra e per­dem to­tal in­te­res­se pe­las mes­mas. Me­lhor se­ria se as es­co­las en­si­nas­sem os alu­nos a man­te­rem ati­tu­des de gos­to di­an­te do ato de ler. Pro­cu­rar li­vros que apre­sen­tam te­mas in­te­res­san­tes é uma boa for­ma de mu­dar es­sa vi­são.

Vi­si­tar bi­bli­o­te­cas pú­bli­cas tam­bém po­de des­per­tar o in­te­res­se pe­la lei­tu­ra. Pe­lo me­nos uma vez por se­ma­na ti­re uma ho­ra pa­ra fre­quen­tar um lo­cal que te­nha gran­de di­ver­si­da­de de li­vros. Aos pou­cos de­sen­vol­ve­rá o há­bi­to da lei­tu­ra.

Com­par­ti­lhar a lei­tu­ra com al­gum co­le­ga tam­bém é uma for­ma in­te­res­san­te de pra­ti­car. Ca­da um fi­ca res­pon­sá­vel por uma pá­gi­na ou ca­pí­tu­lo, de­pen­den­do do com­bi­na­do. Par­ti­ci­par de cír­cu­los de li­vro, on­de as tro­cas são pro­mo­vi­das ou mes­mo a aqui­si­ção de li­vros no­vos. E em­pres­te seus exem­pla­res pa­ra que seus ami­gos apren­dam a em­pres­tar os de­les tam­bém, ge­ran­do uma tro­ca de co­nhe­ci­men­tos.

A lei­tu­ra é um pa­tri­mô­nio cul­tu­ral, que traz no­vas apren­di­za­gens, de­sen­vol­ve a es­cri­ta e o vo­ca­bu­lá­rio do lei­tor, dei­xan­do-o mais crí­ti­co di­an­te da pró­pria vi­da. –  Bra­si­les­co­la .

Quem lê e am­plia seus ho­ri­zon­tes cul­tu­ra­is, tem mais opor­tu­ni­da­des de se de­sen­vol­ver. Mas es­sa é uma op­ção in­di­vi­dual, des­de que es­te­jam da­das as con­di­ções de es­co­lha. O que acon­te­ce ho­je é que as opor­tu­ni­da­des de aces­so ao li­vro são re­du­zi­das. As fa­mí­lias não são lei­to­ras, as es­co­las ain­da não pre­pa­ram as con­di­ções pa­ra es­sa es­co­lha, e o sis­te­ma de bi­bli­o­te­cas pú­bli­cas é pre­cá­rio, pa­ra usar uma pa­la­vra su­a­ve. Por is­so, ser lei­tor ou não in­de­pen­de de uma es­co­lha. Na mai­o­ria dos ca­sos, não há opor­tu­ni­da­des.

Em uma pa­les­tra, o pro­fes­sor Íta­lo Mo­ri­co­ni or­ga­ni­za­dor de “Os cem me­lho­res po­e­mas bra­si­lei­ros do sé­cu­lo” as­si­na­lou o quan­to te­mos que apren­der, in­clu­si­ve so­bre as pos­tu­ras ne­ces­sá­rias pa­ra uma boa lei­tu­ra. Es­sa pos­tu­ra não é “na­tu­ral”, é so­ci­al­men­te in­du­zi­da. Ler é uma ques­tão de apren­di­za­do e de es­co­lha. Mas é im­por­tan­te des­ta­car que ler não é obri­ga­ção. Po­de ser uma ne­ces­si­da­de, in­clu­si­ve pro­fis­si­o­nal. Há pes­so­as que des­fru­tam da lei­tu­ra por pra­zer. Ou­tras, ain­da, por con­vic­ções re­li­gi­o­sas ou po­lí­ti­cas. Por es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas, a lei­tu­ra não acon­te­ce so­men­te nos mo­men­tos de la­zer e des­can­so, quan­do con­cor­re com a te­vê, o ci­ne­ma, a mú­si­ca e a sim­ples con­ver­sa. A lei­tu­ra de­pen­de de cir­cun­stân­cias.

Dei­xar de tor­nar a lei­tu­ra obri­ga­tó­ria. Dei­xar os li­vros à dis­po­si­ção dos alu­nos pa­ra que es­co­lham o que que­rem ler, em li­te­ra­tu­ra. Aí o pro­fes­sor po­de mo­ti­var os alu­nos pa­ra ler al­guns tí­tu­los, mas sem obri­ga­ção. Co­mo diz o Zi­ral­do, o im­por­tan­te é ler, não apren­der. Ca­so eu con­si­ga ler a me­ta­de dos li­vros que já me in­di­ca­ram, com cer­te­za ja­mais te­rei tem­po pa­ra ler os li­vros que de­se­jo. Por­tan­to não leio in­di­ca­ções.

Num dos tre­chos mais di­ver­ti­dos de seu li­vro Pa­ris é uma fes­ta, Er­nest He­mingway nar­ra uma con­ver­sa com o po­e­ta e crí­ti­co li­te­rá­rio Ez­ra Pound so­bre li­te­ra­tu­ra rus­sa. Ou me­lhor: uma ten­ta­ti­va de con­ver­sa. He­mingway per­gun­ta a Pound o que ele acha de Dos­toi­évski. A res­pos­ta de Pound, um dos ho­mens mais eru­di­tos de seu tem­po, é uma sur­pre­sa e um áli­bi pa­ra to­dos nós. “Pa­ra te di­zer a ver­da­de, eu nun­ca li os rus­sos.” Se Pound po­de es­no­bar Dos­toi­évski, até o mais re­lap­so dos lei­to­res es­tá per­do­a­do. Não exis­te li­vro in­dis­pen­sá­vel. Ca­da um es­tá li­vre pa­ra ler o que qui­ser.

É pre­ci­so re­des­co­brir o pra­zer de ler, é pre­ci­so re­des­co­brir o gos­to pe­la lei­tu­ra. No­vos es­cri­to­res po­dem sur­gir a par­tir des­ses bons lei­to­res. Pre­ci­sa­mos de no­vos lei­to­res e es­cri­to­res com uma no­va vi­são, pre­ci­sa­mos for­mas es­cri­to­res ca­pa­zes, com uma vi­são crí­ti­ca, com uma vi­são am­pla do mun­do que os cer­ca. Pre­ci­sa­mos de pes­so­as que es­cre­vam e lei­am, mas por pra­zer, pe­lo sim­ples pra­zer de ler e es­cre­ve

 

(An­dré Jú­ni­or, mem­bro da UBE – Uni­ão Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res – Go­i­ás. es­cri­tor­li­te­ra­[email protected]­hoo.com.br)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais