Opinião

Presença luminosa e libertadora

diario da manha

Des­de 2004, por ini­ci­a­ti­va da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), co­me­mo­ra-se o 2 de de­zem­bro co­mo o Dia In­ter­na­ci­o­nal da Abo­li­ção da Es­cra­va­tu­ra. O in­tui­to é fa­zer com que to­dos se re­cor­dem de que, lon­ge de ser um es­tig­ma su­pe­ra­do, ain­da ho­je é mal que afli­ge di­ver­sas par­tes do pla­ne­ta. Ao re­fle­tir so­bre es­sa ter­rí­vel re­a­li­da­de, tra­go a vo­cês, pre­za­dos lei­to­res e lei­to­ras, es­tas pa­la­vras ex­traí­das de meu en­saio li­te­rá­rio Je­sus, o Li­ber­ta­dor Di­vi­no, que pu­bli­quei na im­pren­sa na dé­ca­da de 1980:

Exis­te um Li­ber­ta­dor cu­ja in­flu­ên­cia tran­scen­de li­mi­tes ou da­tas hu­ma­nas. Sua atu­a­ção é cons­tan­te. En­quan­to hou­ver fo­me, de­sem­pre­go, fal­ta de te­to, me­no­res sem es­co­la e ca­ri­nho, ido­sos sem am­pa­ro e afe­to, gen­te sem quem a con­for­te, há uma ina­diá­vel eman­ci­pa­ção de to­das as et­ni­as ain­da por fa­zer.

Con­sig­na a His­tó­ria per­so­na­gens no­tá­veis, que dig­ni­fi­ca­ram a exis­tên­cia ter­res­tre (…). En­tre­tan­to, ao ine­xo­rá­vel pas­sar do tem­po, da lem­bran­ça dos po­vos vai es­ma­e­cen­do a fa­ma das re­a­li­za­ções de mui­tos de­les, so­men­te res­tan­do os seus no­mes e a pá­li­da re­cor­da­ção dos seus fei­tos.

Um des­ses vul­tos his­tó­ri­cos de to­dos os tem­pos e de to­das as na­ções glo­ri­o­sa­men­te re­sis­te. Ca­da vez mais ful­gu­ra a Pre­sen­ça Lu­mi­no­sa e Li­ber­ta­do­ra. Sua mar­ca in­de­lé­vel fir­ma-se na me­mó­ria dos ho­mens: “Pas­sa­rá o Céu, pas­sa­rá a Ter­ra, mas as mi­nhas pa­la­vras não pas­sa­rão” (Evan­ge­lho, se­gun­do Lu­cas, 21:33).

Sua vi­da — in­fân­cia, ju­ven­tu­de, pre­ga­ção da Boa No­va, pa­de­ci­men­tos, mor­te, res­sur­rei­ção — não en­con­tra pa­ra­le­lo na Ter­ra: “Vós sois de bai­xo, Eu sou de ci­ma; vós sois des­te mun­do, Eu não sou” (Evan­ge­lho, se­gun­do Jo­ão, 8:23).

De­pois De­le, a vi­vên­cia do ser hu­ma­no nun­ca mais foi a mes­ma: “Eu sou a Res­sur­rei­ção e a Vi­da. Quem crê em mim, ain­da que mor­ra, vi­ve­rá. Aque­le que vi­ve e em mim acre­di­ta não pa­de­ce­rá eter­na­men­te” (Evan­ge­lho, se­gun­do Jo­ão, 11:25 e 26).

Sa­cu­diu as al­mas e con­vo­cou pa­ra Be­lém a di­li­gên­cia dos po­de­ro­sos. A Seu res­pei­to pro­fe­ti­zou Si­me­ão: “Eis que es­te Me­ni­no es­tá des­ti­na­do pa­ra a ru­í­na e o er­gu­i­men­to de mui­tos, e pa­ra al­vo de con­tra­di­ções” (Evan­ge­lho, se­gun­do Lu­cas, 2:34).

Des­de a in­fân­cia, ma­ni­fes­tou o Seu ele­va­do sa­ber: aos 12 anos já pre­ga­va aos dou­to­res da lei, re­ve­lan­do o Seu Di­vi­no co­nhe­ci­men­to. Fa­la­va-lhes com avan­ça­da sa­be­do­ria. Dei­xa­va-os atô­ni­tos e em de­mo­ra­da re­fle­xão, ta­ma­nha a su­bli­mi­da­de das li­ções que as Su­as ré­pli­cas en­cer­ra­vam: “Em ver­da­de, em ver­da­de vos di­go: quem ou­ve a mi­nha pa­la­vra e crê Na­que­le que me en­viou, já pas­sou da mor­te pa­ra a Vi­da Eter­na” (Evan­ge­lho, se­gun­do Jo­ão, 5:24).

(…) Que­reis sa­ber o Seu no­me? Je­sus!, o Cris­to Ecu­mê­ni­co, o Di­vi­no Es­ta­dis­ta, ip­so fac­to, sem res­quí­cios de in­to­le­rân­cia, por­quan­to Ele, pa­ra re­den­ção nos­sa, é Amor ele­va­do à ené­si­ma po­tên­cia, “a Cla­ri­da­de pe­re­ne, que, vin­da ao mun­do, ilu­mi­na to­do ho­mem” (Evan­ge­lho, se­gun­do Jo­ão, 1:9).

 

(Jo­sé de Pai­va Net­to, jor­na­lis­ta, ra­di­a­lis­ta e es­cri­tor. pai­va­net­[email protected]www.bo­a­von­ta­de.com)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar