Opinião

Quando líderes religiosos se entregam aos braços da morte

diario da manha

O su­i­cí­dio do pas­tor da As­sem­bléia de Deus, Jú­lio Cé­sar Sil­va, tem si­do bas­tan­te co­men­ta­do nas mí­di­as so­ci­ais e na in­ter­net. Sem dú­vi­da, sa­ber que al­guém se ma­tou nos co­mo­ve, mas quan­do se tra­ta de um lí­der es­pi­ri­tual, a no­tí­cia  aba­la aos se­gui­do­res co­mo um ter­re­mo­to.  Ge­ral­men­te, os mem­bros de igre­jas-se­jam elas ca­tó­li­cas ou pro­tes­tan­tes-  trans­fe­rem pa­ra o pas­tor ou pa­dre, de mo­do in­con­sci­en­te, cer­tos sen­ti­men­tos, co­mo amor, con­fi­an­ça, res­pei­to. Es­ses lí­de­res pas­sam a ser au­to­ri­da­de , fi­gu­ras que ins­pi­ram a ca­mi­nha­da no mun­do.  Quan­do, po­rém, a no­tí­cia da­que­le que era con­si­de­ra­do co­mo um pai (ou um mo­de­lo a se se­guir) ti­ra a pró­pria vi­da, elas fi­cam con­fu­sas, per­di­das, tal co­mo uma cri­an­ça que aca­bou de per­der um pai.  Elas pen­sam: por que ele fez is­so? Por que ti­rou a pró­pria vi­da e nos dei­xou ór­fã­os ?

Acre­di­to que, por meio de um ato de vi­o­lên­cia con­tra si mes­mo, o su­i­ci­da es­tá di­zen­do pa­ra a so­ci­e­da­de: “que­ro en­con­trar uma vi­da com sen­ti­do.”  Em ou­tras pa­la­vras, o su­i­ci­da quer vi­ver, não mor­rer. Viktor Frankl, em seu li­vro “O ho­mem em bus­ca de sen­ti­do”, fir­mou que aque­le que tem um por­quê vi­ver po­de su­por­tar qual­quer co­mo. Se­gun­do Viktor, quan­do es­ta­va nos cam­pos de con­cen­tra­ção na­zis­tas, du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, viu mui­tos pri­si­o­nei­ros “en­tre­gar os pon­tos”. Es­sas pes­so­as, co­mo afir­mou, per­de­ram o sen­ti­do na vi­da. Não vi­am mais ra­zão pa­ra con­ti­nu­ar exis­tin­do. Por is­so, não se le­van­ta­vam da ca­ma, pa­ra se apre­sen­tar  di­an­te dos sol­da­dos na­zis­tas, co­mo de cos­tu­me. Co­mo con­se­quên­cia, elas le­va­vam um ti­ro na ca­be­ça.  Quan­do um lí­der re­li­gi­o­so de­ci­de se ma­tar por fal­ta de sen­ti­do na vi­da, a so­ci­e­da­de fi­ca per­ple­xa!

O pro­ble­ma é que a “so­lu­ção” que o su­i­ci­da en­con­tra- ma­tar a si mes­mo-  “re­sol­ve” o pro­ble­ma da dor de­le, mas per­pe­tua  a pró­pria dor nos an­tes que­ri­dos que fi­ca­ram.  Eu po­de­ria até mes­mo di­zer que, ao co­lo­car um pon­to fi­nal na pró­pria his­tó­ria, o su­i­ci­da co­lo­ca um pon­to de in­ter­ro­ga­ção na his­tó­ria da­que­les que o amam.  Cer­ta vez ou­vi um pro­fes­sor  de te­o­lo­gia di­zer que o su­i­ci­da é um gran­de ego­ís­ta( nar­ci­sis­ta). Eles que­rem  en­con­trar alí­vio pa­ra a dor de­les, mas não pen­sam na dor que dei­xa­rão na vi­da dos ou­tros. Nes­se sen­ti­do, o su­i­cí­dio é um ato ego­ís­ta.  Com is­so , não me re­fi­ro àque­les que se ma­ta­ram pa­ra pro­te­ger a al­guém, ou se jo­ga­ram de um pré­dio em cha­mas, por não su­por­tar o ca­lor do fo­go. Re­fi­ro-me aos ho­mens e mu­lhe­res que , di­an­te da dor exis­ten­ci­al, de­ci­dem se jo­gar nos bra­ços da mor­te.

Por que , en­tão, al­guns se jo­gam nos bra­ços da mor­te? O fa­zem por­que a vi­da é in­jus­ta, há pes­so­as  más, trai­do­ras, men­ti­ro­sas. Aque­les a quem ama­mos mor­rem, nos­sos pla­nos ,mui­tas ve­zes, fra­cas­sam; es­tu­da­mos, tra­ba­lha­mos, ama­mos e de­pois vi­ra­mos co­mi­da de ver­mes. Pa­ra quem pen­sa as­sim, a vi­da é um ab­sur­do.

Te­nho, no en­tan­to, um por­quê vi­ver.  Acre­di­to que há ou­tra re­a­li­da­de a qual não ve­mos. Um ou­tro mun­do, co­mo di­zia C. S. Lewis. Pa­ra co­nhe­cer a es­se mun­do, bas­ta olhar pa­ra a vi­da, se qui­ser co­nhe­ce-lo.  Por exem­plo: se o mun­do é in­jus­to, é por­que há um mun­do jus­to. Se sen­ti­mos tris­te­zas, de­ve ha­ver um lu­gar há ple­na fe­li­ci­da­de. Quan­do per­ce­bo que ne­nhu­ma ex­pe­ri­ên­cia des­se mun­do po­de me dar uma vi­da com sen­ti­do, is­so sig­ni­fi­ca que não fui fei­to pa­ra ele. Por cau­sa do mun­do que há de vir, su­por­to qual­quer in­fe­li­ci­da­de que há nes­te mun­do. In­fe­liz­men­te, al­guns lí­de­res per­dem a fé no mun­do de lá.

 

(Edomm Hez­rom, jor­na­lis­ta, te­ó­lo­go, au­tor do li­vro: “O Se­nhor é o meu psi­có­lo­go, na­da me fal­ta­rá”)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais