Opinião

Quarenta anos in verso

diario da manha

Dia 12 pas­sa­do es­ti­ve no Ca­te­re­tê, pa­ra um be­lo e fra­ter­no en­con­tro, a con­vi­te do con­fra­de Bi­ra Gal­li.

In­te­res­san­tes o no­me e a ra­zão do even­to. Bi­ra co­me­mo­ra­va seus 40 anos de po­e­sia, re­pu­bli­can­do seus se­te li­vros nes­te gê­ne­ro li­te­rá­rio.

Cha­mou o even­to de UBI­RA­JA­RA GAL­LI: 40 ANOS In­Ver­so.

Qua­ren­ta anos fa­zen­do po­e­sia, meu ami­go. É uma gran­de jor­na­da, sem dú­vi­da.

Qua­ren­ta anos ca­val­gan­do as nu­vens da es­pe­ran­ça, na di­re­ção das es­tre­las da fe­li­ci­da­de que há no céu do amor.

Es­ta ma­gia enor­me e po­de­ro­sa que é a po­e­sia nos tran­spor­ta, nos trans­for­ma, nos con­duz. E va­mos pe­las es­tra­das da vi­da com mais es­pe­ran­ça, mais so­nhos, mais as­pi­ra­ções…

Ali es­ta­vam seus fa­mi­lia­res, seus con­fra­des e con­frei­ras, seus ami­gos. Fi­quei fe­liz por ser con­vi­da­do pa­ra uma fes­ta as­sim tão ca­lo­ro­sa e ao mes­mo tem­po tão ín­ti­ma.

Dis­se lo­go da in­for­ma­li­da­de.

Não ha­ve­ria dis­cur­sos.

Não ha­ve­ria so­le­ni­da­des.

Era só mes­mo um en­con­tro pa­ra con­fra­ter­ni­za­ção, pa­ra um ba­te-pa­po, uma cer­ve­ja, um uís­que ou um re­fri­ge­ran­te…

Foi lo­go avi­san­do: não vou au­to­gra­far. Os li­vros es­tão ali so­bre a me­sa. Ca­da um po­de se apro­xi­mar e pe­gar o seu pa­co­te.

Cre­di­tou a ini­ci­a­ti­va da re­pu­bli­ca­ção de seus li­vros e do even­to que acon­te­cia a seu fi­lho Pab­lo, res­sal­tan­do que a úni­ca so­le­ni­da­de que ocor­re­ria se­ria a de­cla­ma­ção de seu po­e­ma O des­cas­ca­dor de amên­do­as, o que efe­ti­va­men­te acon­te­ceu, na bri­lhan­te in­ter­pre­ta­ção de Pau­lo Sér­gio.

E o tem­po pas­sou, as ho­ras ro­la­ram, sem que nos dés­se­mos con­ta dis­to, tal a le­ve­za do am­bi­en­te, a sin­ce­ri­da­de dos sor­ri­sos.

Nes­ta vi­da con­tur­ba­da que vi­ve­mos, com tan­tos com­pro­mis­sos, tan­tas res­pon­sa­bi­li­da­des, pou­cas es­pe­ran­ças e mui­tas de­cep­ções, acon­te­ci­men­tos co­mo a sua co­me­mo­ra­ção, Bi­ra, nos re­con­for­tam e ani­mam.

Ti­nha to­da ra­zão o Pab­lo, quan­do não per­mi­tiu que tu­do pas­sas­se em bran­cas nu­vens. Ele só não sa­bia da ex­ten­são do bem que pro­por­ci­o­na­ria a to­dos quan­tos, na­que­la noi­te de 12 de de­zem­bro, pu­de­ram es­tar no Ca­te­re­tê. Ao ho­me­na­ge­ar seu pai, ofe­re­cia-nos a to­dos os que ali nos en­con­trá­va­mos mo­men­tos ines­que­cí­veis de ale­gria, de com­par­ti­lha­men­to, de ver­da­dei­ra ami­za­de.

Qua­ren­ta é um nú­me­ro em­ble­má­ti­co, Jo­sé Ubi­ra­ja­ra Gal­li.

Quan­do Deus se des­gos­tou do mun­do, diz a Bí­blia, fez cho­ver du­ran­te qua­ren­ta di­as e qua­ren­ta noi­tes, mas, ao ca­bo dis­to, co­me­çou uma no­va era de fe­li­ci­da­de pa­ra o gê­ne­ro hu­ma­no ( Gn. 7, 8 e 9.)

Por qua­ren­ta anos o po­vo ju­deu pe­re­gri­nou no de­ser­to, mas ao ca­bo dis­to Deus lhe con­ce­deu a Ter­ra pro­me­ti­da. Por qua­ren­ta di­as per­ma­ne­ceu Je­sus no de­ser­to, ao fi­nal dos qua­is ini­ciou sua glo­ri­o­sa mis­são dou­tri­ná­ria.

En­tão, se vo­cê já fez o que fez na po­e­sia du­ran­te es­tes qua­ren­ta anos, mui­to mais e me­lhor o fa­rá, nos pró­xi­mos tem­pos.

Só não po­de­rá é men­tir pa­ra tan­ta gen­te, co­mo o fez, di­zen­do que não ha­ve­ria ne­nhu­ma so­le­ni­da­de no even­to, ex­ce­to a apre­sen­ta­ção de seu po­e­ma.

Se­gun­do o ve­lho Sil­vei­ra Bu­e­no, so­le­ne é o que é pom­po­so, gra­ve, ma­jes­to­so.

E po­de es­tar cer­to, Bi­ra, que vo­cê nos pre­sen­te­ou com mui­ta pom­pa, gra­vi­da­de e ma­jes­ta­de.

Mes­mo com a enor­me sim­pli­ci­da­de de seu fa­lar, to­dos nós pu­de­mos des­fru­tar da enor­me pom­pa que o am­bi­en­te de paz e ale­gria nos pro­por­ci­o­na­va.

Pu­de­mos sen­tir tam­bém a gra­vi­da­de e im­por­tân­cia da vi­da , as­sim co­mo sua ce­le­ri­da­de, o que nos con­vo­ca­va a mai­o­res e me­lho­res ati­tu­des.

E go­za­mos da ma­jes­ta­de im­po­nen­te  da fra­ter­ni­da­de que nos uniu na­que­les ins­tan­tes, re­lem­bran­do-nos que so­mos to­dos ir­mãos.

Obri­ga­do, con­fra­de. Che­guei bem na­que­le am­bi­en­te. Mas, quan­do saí, es­ta­va bem me­lhor.

 

(Ge­tu­lio Tar­gi­no Li­ma, ad­vo­ga­do, pro­fes­sor emé­ri­to (UFG), jor­na­lis­ta, es­cri­tor, mem­bro da ANE e da AGL E-mail: gtar­gi­[email protected]­mail.com)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais