Opinião

Que direito temos

diario da manha

O que nos per­mi­te avan­çar em di­re­ção ao ou­tro, pa­ra di­zer a es­se ou­tro, o que ele de­ve, po­de, ou não fa­zer?

Ques­tões edu­ca­cio­nais, re­li­gi­o­sas e “for­ma­ção” pro­fis­si­o­nal, são, na mai­o­ria das ve­zes en­si­na­das pa­ra os ou­tros. Não há ga­ran­ti­as de que se apren­da, mas, o ob­je­ti­vo mol­da­dor, for­ma­dor, do­mes­ti­ca­dor se en­ra­í­za de tal for­ma, que nem sem­pre, o alu­no, o re­li­gi­o­so ou o pro­fis­si­o­nal, con­se­gue fa­zer uma re­fle­xão do por­quê as coi­sas pre­ci­sam ser do jei­to que são. Vol­to en­tão à per­gun­ta: “Se­rí­a­mos se­res sem ca­pa­ci­da­de pró­pria de ori­en­ta­ção, ao pon­to de ter­mos sem­pre as ver­da­des sen­do apon­ta­das pa­ra nós co­mo obri­ga­ções a se­guir, tal co­mo se se­gue uma re­cei­ta in­fa­lí­vel pa­ra a fe­li­ci­da­de?

Au­to­no­mia ze­ro. A im­pres­são que te­nho é a de que um gran­de nú­me­ro de pes­so­as ao nas­cer, te­ve um chip im­plan­ta­do em seu cé­re­bro pa­ra se­guir um pa­drão de com­por­ta­men­to gui­a­do com o úni­co sen­ti­do de sa­tis­fa­zer aos de­se­jos do ego, da dis­tra­ção e do con­su­mo, ne­ces­sa­ria­men­te nes­sa or­dem. Não po­dem per­ce­ber o uni­ver­so que vi­vem. Fa­zem par­te de uma gran­de en­gre­na­gem e de­vem con­ti­nu­ar fa­zen­do par­te des­sa en­gre­na­gem. Quem des­to­ar, es­tá fo­ra.

So­bre o ego.

O pri­mei­ro con­tro­le exer­ci­do so­bre o su­jei­to es­tá na ma­ni­pu­la­ção de ou­tros so­bre seu ego. É ne­ces­sá­rio ser um vi­to­ri­o­so, mos­trar-se de bem com a vi­da, es­tar atu­a­li­za­do, ter ami­gos e se ex­por, co­mo se ca­da dia fos­se um no­vo ca­pí­tu­lo na sua his­tó­ria, que ago­ra, mais do que nun­ca, pre­ci­sa se ali­men­tar dos flas­hes, da ex­po­si­ção e da apro­va­ção dos ou­tros. Afi­nal, não te­ria gra­ça ne­nhu­ma as con­quis­tas se os ou­tros não sou­bes­sem.

So­bre a dis­tra­ção.

Na­da po­de ser apro­fun­da­do, se­não, cor­re-se o ris­co de se per­ce­ber que es­tá sen­do en­ga­na­do, ou en­ga­na­da. No­tí­cias se re­su­mem as man­che­tes e as cha­ma­das de no má­xi­mo três li­nhas. Se co­men­ta tu­do. Tu­do na su­per­fi­ci­a­li­da­de. Tu­do é de­ba­te ra­di­cal. Exér­ci­tos “dos con­tra” X exér­ci­to “dos a fa­vor”. Mú­si­ca de mau gos­to, yo­u­tu­bers mo­men­tâ­ne­os, ex­tre­mis­tas me­di­e­vais fa­lan­do mais do mes­mo sem apre­sen­tar na­da de no­vo e ali­men­tan­do o ódio em dis­cus­sões que não le­va­rão al­guém a lu­gar al­gum, a não ser, o da dis­tra­ção. É o cir­co. É a are­na on­de os gla­di­a­do­res en­fren­tam le­ões sob os olha­res da pla­teia que quer san­gue. San­gue dos ou­tros. Ar­ran­car o olho e chu­par no bu­ra­co.

So­bre o con­su­mo.

In­flou o ego, dis­tra­iu-se, o pró­xi­mo pas­so pa­ra ali­men­tar os dois é fa­zer con­su­mir. As com­pras fa­zem as en­gre­na­gens gi­rar. Não es­tou aqui fa­lan­do de com­pras do es­sen­cial, ou da­qui­lo que lhe pro­por­ci­o­ne uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da. As pes­so­as es­tão sen­do le­va­das a com­prar os pro­du­tos des­car­tá­veis. O que não é des­car­tá­vel? O al­mo­ço, a jan­ta, a pa­re­de da ca­sa, os es­tu­dos, as ami­za­des ver­da­dei­ras, a mú­si­ca de le­tras mar­can­tes, a con­ta de luz, da água, o IP­TU e IP­VA”. A mai­or par­te do que se com­pra é des­car­tá­vel. Se tro­ca de rou­pa, de ele­tro­do­més­ti­co, de car­ro, de ce­lu­lar, de com­pu­ta­dor. A lis­ta é in­ter­mi­ná­vel, por­que até o que pa­re­ce só­li­do, tem se des­man­cha­do no ar.

Re­to­mo en­tão a ques­tão cen­tral des­se ar­ti­go: Que di­rei­to te­mos de es­co­lher o que de­ve­mos en­si­nar, da mes­ma for­ma pa­ra di­fe­ren­tes pes­so­as, no mes­mo es­pa­ço? Que di­rei­to te­mos de exi­gir que o ou­tro acre­di­te nas mes­mas “ver­da­des” que eu acre­di­to? Por que a es­co­lha pro­fis­si­o­nal di­fi­cil­men­te se dá pe­las po­ten­ci­a­li­da­des do su­jei­to e qua­se sem­pre é di­ri­gi­da pe­la de­man­da de mer­ca­do? Ao pen­sar as­sim, mui­tas pes­so­as es­tão fa­zen­do a mes­ma coi­sa, pa­ra dis­pu­tar as mes­mas mi­nús­cu­las fa­ti­as de tra­ba­lho.

To­dos os anos no­vos pro­fis­si­o­nais são co­lo­ca­dos nes­se mer­ca­do de tra­ba­lho. A mas­sa de re­cém-for­ma­dos che­ga pa­ra tra­ba­lhar fa­zen­do o mes­mo ser­vi­ço (aqui não se dis­cu­te qua­li­da­de) pe­la me­ta­de do va­lor, às ve­zes por um ter­ço. Mui­tos não con­se­guem co­lo­ca­ção. Quem con­se­gue, vai ter que ma­tar um le­ão por dia.

Es­tres­se, an­sie­da­de, in­sô­nia, de­pres­são, se­den­ta­ris­mo e ou­tros ma­les em de­cor­rên­cia da pro­fis­são que su­fo­ca (ou da fal­ta de­la), com o ego atin­gi­do, sem for­ças pa­ra se dis­tra­ir e não po­den­do con­su­mir, pas­sa as­sim a ali­men­tar a in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca. Há re­mé­di­os pa­ra tu­do, pa­ra to­das as par­tes do cor­po, po­rém, o ser co­mo to­tal, cor­po e pen­sa­men­to em um só ao mes­mo tem­po que é  al­guém úni­co, não é re­co­nhe­ci­do pe­la me­di­ci­na oci­den­tal. Tra­ta-se em par­tes. Não se pre­vi­ne. O pa­ci­en­te não é gen­te, não tem fa­mí­lia, não tem his­tó­ri­co e sua do­en­ça não tem ori­gem no psi­quis­mo. De­mo­ra-se a en­ten­der que o de­pri­mi­do não quer mor­rer, ele quer ape­nas se li­vrar do que o faz so­frer.

Es­tou sen­do pes­si­mis­ta? Tal­vez sim. Que­ro com is­so fa­zer uma lei­tu­ra do que es­tá acon­te­cen­do e pos­so es­tar er­ra­do, equi­vo­ca­do, fa­zen­do uma aná­li­se mui­to fria da si­tu­a­ção. Mas te­mos jei­to pa­ra re­sol­ver­mos is­so, ou, par­te dis­so. O pri­mei­ro pas­so tal­vez se­ja sa­ir do qua­dra­do, das li­nhas re­tas, da pin­tu­ra den­tro das li­nhas. Po­de­mos ou­sar mais. Du­vi­dar mais. Ar­gu­men­tar mais. Ou­vir mais. Ler mais. Ca­mi­nhar mais. Olhar mais pa­ra o ho­ri­zon­te. Fa­zer di­fe­ren­te. Vi­ver di­fe­ren­te. Ser ex­clu­si­vo sem sê-lo ape­nas pa­ra cho­car, mas ser ex­clu­si­vo pa­ra ser vo­cê. Pa­ra ser so­men­te o que é.

Mais au­to­no­mia, mais co­nhe­ci­men­to, mais re­fle­xão e me­nos pa­ci­ên­cia com o pro­ble­ma que ten­ta co­lo­car al­guém pa­ra bai­xo. Não po­de­mos con­si­de­rar “nor­mal” vi­ver mal só por­que to­do mun­do vi­ve as­sim. Nós me­re­ce­mos mais. Eu ain­da acre­di­to que o ca­mi­nho da edu­ca­ção se­ja o ca­mi­nho da li­ber­ta­ção. Só po­de­mos nos li­ber­tar de al­go, quan­do sa­be­mos o que nos apri­si­o­na, mes­mo que con­ti­nu­e­mos apri­si­o­na­dos. Ao ter­mos es­sa con­sci­ên­cia des­co­bri­mos os ata­lhos. A li­ber­da­de é mui­to mais um exer­cí­cio de ima­gi­na­ção do que um ato agres­si­vo. Im­por ao ou­tro al­gu­ma coi­sa, é afir­mar sua in­ca­pa­ci­da­de de ser li­vre. Me­nos pa­la­vras, mais ou­vi­dos.

 

(Al­te­mir Dal­pi­az, pro­fes­sor na Facsul­)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais