Opinião

Ratazanas da OAB Forte estão se organizando para retomar a OAB-Goiás

diario da manha

Quan­do fa­lo em ra­ta­za­nas es­tou me re­fe­rin­do aos fal­si­fi­ca­do­res de Pro­ces­so Éti­co (Pro­ces­so n. 2.714/99), des­tru­i­do­res de Pro­ces­so de Pres­ta­ção de Con­tas (Pro­ces­so de Pres­ta­ção de Con­tas n. 14/95) e res­pon­sá­veis  pe­lo de­se­qui­lí­brio fi­nan­cei­ro da Sec­ci­o­nal. Em mãos te­nho có­pia in­te­gral do pro­ces­so fal­si­fi­ca­do, có­pi­as das prin­ci­pa­is pe­ças do pro­ces­so que de­sa­pa­re­ceu e um exem­plar do Re­la­tó­rio de Pres­ta­ção de Con­tas de­mons­tran­do a re­a­li­da­de fi­nan­cei­ra quan­do OAB For­te en­tre­gou a Sec­ci­o­nal pa­ra os atu­ais di­ri­gen­tes, e a si­tu­a­ção atu­al que cir­cu­lou no fi­nal de 2017. So­bre as có­pi­as que te­nho, se qui­se­rem po­de­rão ale­gar que são fal­sas, o que nun­ca fi­ze­ram nas inú­me­ras ve­zes que le­vei o as­sun­to a pú­bli­co, es­pe­ci­al­men­te des­ti­na­do aos ad­vo­ga­dos go­i­a­nos. So­bre a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra da ins­ti­tu­i­ção, a cre­di­bi­li­da­de de­cor­re do fa­to de te­rem si­do re­a­li­za­das au­di­to­ri­as pe­lo Con­se­lho Fe­de­ral OAB e por uma au­di­to­ria in­de­pen­den­te, de­mons­tran­do que em 1o. de ja­nei­ro de 2016 ha­via a ele­va­da dí­vi­da de R$ 23 mi­lhões,  R$ 7,5 mi­lhões no fi­nal de 2017 e pre­vi­são de ze­rar o dé­fi­cit no fi­nal de 2018. A re­cei­ta anual é de R$ 30 mi­lhões. Re­co­nhe­ce-se que mui­to foi gas­to em cons­tru­ções, que não é o prin­ci­pal ob­je­ti­vo da OAB, pre­fe­rin­do a OAB For­te pri­vi­le­gi­ar o ma­te­ri­al em to­tal des­res­pei­to ao que é éti­co e mo­ral. Va­le res­sal­tar que na atu­al ad­mi­nis­tra­ção não foi aban­do­na­da a par­te ma­te­ri­al. De qual­quer for­ma é de per­gun­tar: Cadê o Dinheiro que Estava Aqui?

Ten­tar me pro­ces­sar já ten­ta­ram du­as ve­zes, mas em am­bas per­de­ram, ten­do o Ju­di­ci­á­rio e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co se po­si­cio­nan­do no sen­ti­do de que não pra­ti­quei qual­quer con­du­ta ilí­ci­ta ao le­var os fa­tos a pú­bli­co, pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção exis­ten­tes, no­ti­ci­an­do que exis­ti­ram cri­mes pra­ti­ca­dos na OAB-Go­i­ás du­ran­te a ad­mi­nis­tra­ção OAB For­te. Em re­pre­sá­lia es­tou pro­ces­san­do 17 in­te­gran­tes da OAB For­te por da­nos mo­ra­is. O la­do ne­ga­ti­vo da pos­tu­la­ção ju­di­ci­á­ria é que os ver­da­dei­ros res­pon­sá­veis, en­vol­vi­dos nas fal­ca­tru­as nun­ca ti­ve­ram seus no­mes in­cluí­dos nas de­man­das ju­di­ci­ais, pois são es­per­tos e não se en­vol­vem em dis­cus­sões ju­rí­di­cas pa­ra le­va­rem des­van­ta­gens. Não hou­ve con­ci­li­a­ção e o pro­ces­so (nú­me­ro 0086784.18.2014.8.09.0051)   es­tá con­clu­so pa­ra ao Ju­iz da 10a. Va­ra Cí­vel pro­fe­rir de­ci­são fi­nal, des­de 25/08/2017. Se­ja qual for a sen­ten­ça exis­ti­rão re­cur­sos, sig­ni­fi­ca­do que a con­ten­da vai lon­ge.

Sem­pre dis­se, e re­pi­to, que os sa­cri­pan­tas são pou­quís­si­mos, vez que a mai­o­ria dos in­te­gran­tes do Gru­po OAB For­te é for­ma­da por ad­vo­ga­dos res­pon­sá­veis e res­pei­tá­veis. Em ca­da elei­ção a cha­pa OAB For­te é for­ma­da por mais de 80 ad­vo­ga­dos, ha­ven­do cons­tan­tes mu­dan­ças em mui­tos no­mes nas cha­pas em di­fe­ren­tes elei­ções, mas per­ma­ne­cen­do um nú­cleo do­mi­nan­te.  Por que não di­go os no­mes dos ban­di­dos? Por­que não pos­so pro­var quem fo­ram os fal­si­fi­ca­do­res e des­tru­i­do­res de pro­ces­sos. Pos­so pro­var que foi na ad­mi­nis­tra­ção da OAB For­te, mas não quem fal­si­fi­cou e des­tru­iu, mes­mo por­que a pró­pria OAB, na ad­mi­nis­tra­ção OAB For­te, im­pe­diu a apu­ra­ção da ver­da­de, pro­ce­den­do com ar­ti­ma­nhas até que pres­cre­ves­sem as con­du­tas ilí­ci­tas.

Nun­ca é de­mais es­cla­re­cer que a OAB não se sub­me­te a qual­quer con­tro­le do Es­ta­do. Em as­sim sen­do não há que se fa­lar em De­la­ção Pre­mi­a­da. O sis­te­ma elei­to­ral de Cha­pa Úni­ca é um de­sas­tres to­tal. Quan­do foi in­tro­du­zi­do, as in­ten­ções eram as me­lho­res pos­sí­veis. Na prá­ti­ca já fi­cou pro­va­do e com­pro­va­do  que não deu cer­to. Mas en­quan­to na­da mu­da de­vem ser se­gui­das as re­gras do jo­go. Uma cer­te­za é que a cam­pa­nha se­rá mui­to ca­ra, não se sa­ben­do quan­tos “ge­de­is” se­rão ne­ces­sá­rios pa­ra en­trar no jo­go. O Gru­po OAB For­te tem mui­to di­nhei­ro, em­bo­ra não se sai­ba sua ori­gem. Os gru­po pro­cu­ra se es­tru­tu­rar com ad­vo­ga­dos idô­ne­os e que te­nham li­de­ran­ça. De tal for­ma, mon­ta uma boa cha­pa, mas o co­man­do fi­ca na mãos de pou­cos con­tro­la­do­res.

Nas úl­ti­mas elei­ções  exis­ti­ram   três cha­pas, fi­can­do a OAB For­te em ter­cei­ro lu­gar. Per­deu as elei­ções, prin­ci­pal­men­te, em ra­zão de ha­ver ci­são no gru­po, que apre­sen­tou du­as cha­pas. Os lí­de­res da OAB For­te têm ci­ên­cia e con­sci­ên­cia que se exis­ti­rem três cha­pas o gru­po do atu­al Pre­si­den­te (Lú­cio Flá­vio) se­ja ele o can­di­da­to a Pre­si­den­te ou ou­tro por ele apoi­a­do, ven­ce­ria fa­cil­men­te as elei­ções. As­sim, co­gi­tam uni­rem for­ças evi­tar mais de du­as cha­pas, hi­pó­te­se em que au­men­ta­riam as chan­ces de vi­tó­ria, em­bo­ra du­vi­do­sa.

Nin­guém des­co­nhe­ce que um dos gran­des res­pon­sá­veis pe­la vi­tó­ria dos atu­ais di­ri­gen­tes foi o per­sis­ten­te ad­vo­ga­do Le­on Di­niz, que vá­ri­as ve­zes ten­tou a Pre­si­dên­cia e atu­al­men­te é Con­se­lhei­ro Fe­de­ral. Por pro­ble­mas que não ca­be aqui dis­cu­tir, hou­ve di­ver­gên­cias en­tre Lú­cio Flá­vio e Le­on Di­niz. De tal for­ma, en­ten­dem os do­nos da OAB For­te que se­rá ne­ces­sá­ria a Uni­ão do nú­cleo OAB For­te com a par­te dis­si­den­te OAB For­te, ca­pi­ta­ne­a­do pe­lo ad­vo­ga­do Enil Hen­ri­que e mais o Gru­po que sem­pre foi opo­si­ção, co­man­da­do por Le­on Di­niz. Po­lí­ti­ca é po­lí­ti­ca, e tu­do po­de acon­te­cer, até mes­mo uni­ão im­pro­vá­vel de di­fe­ren­tes seg­men­tos. O Gran­de pro­ble­ma da uni­ão das di­fe­ren­tes  cor­ren­tes é o ca­be­ça de cha­pa, ou se­ja quem se­rá o can­di­da­to a Pre­si­den­te.

Ou­tro por­me­nor a ser con­si­de­ra­do é o nú­me­ro de ad­vo­ga­das. É pro­vá­vel que es­te­jam em­pa­ta­das em nú­me­ro com os ad­vo­ga­dos, o que jus­ti­fi­ca­ria uma mu­lher en­ca­be­çar uma cha­pa. Cla­ro que não se­rá uma cha­pa ex­clu­si­va­men­te de mu­lhe­res, pois is­so é im­pos­sí­vel. Mas, pe­lo me­nos, que uma mu­lher se­ja a ca­be­ça da cha­pa, dis­pu­tan­do a Pre­si­dên­cia. Es­ta hi­pó­te­se po­de­ria ser al­ter­na­ti­va pa­ra unir os di­fe­ren­tes gru­pos que dis­pu­tam a OAB, até mes­mo o do atu­al Pre­si­den­te. As pe­da­la­das, e ou­tras bes­tei­ras, pra­ti­ca­das por Da. Dil­ma, se­rão sem­pre ar­gu­men­tos des­fa­vo­rá­veis às mu­lhe­res. Mas is­to tem que ser su­pe­ra­do. Não se sa­be o nú­me­ro de ad­vo­ga­das, mas se elas uni­rem se­rá uma for­ça con­si­de­rá­vel.

A si­tu­a­ção po­lí­ti­ca na­ci­o­nal, ou me­lhor a po­li­ti­ca­lha que acon­te­ce em to­do Bra­sil, ine­ga­vel­men­te  ser­vi­rá pa­ra abrir os olhos dos ad­vo­ga­dos go­i­a­nos, não vo­tan­do em cha­pa que fi­zer me­lhor pro­pa­gan­da e apre­sen­tar um pro­gra­ma de­ma­gó­gi­co. Qual­quer for­ma de pro­pa­gan­da da OAB For­te se­rá mi­li­o­ná­ria e te­rá co­mo car­ro-che­fe as re­a­li­za­ções ma­te­ri­ais exe­cu­ta­das, que re­al­men­te fo­ram mui­tas, mes­mo por­que fo­ram mais de vin­te anos de go­ver­no.

Não tem ló­gi­ca gas­tar di­nhei­ro pa­ra tra­ba­lhar de gra­ça. Até po­de acon­te­cer uma vez, por vai­da­de. Dei­xan­do de la­do vai­da­de, só res­ta a in­ten­ção de ter po­der ou ti­rar pro­vei­to. A vai­da­de po­de ser sa­tis­fei­ta com uma ges­tão. Mais de uma vez dei­xa de ser vai­da­de pa­ra, na me­lhor das hi­pó­tes­es, que­rer pre­si­dir uma ins­ti­tu­i­ção que, su­põ­em mui­tos, tem vi­si­bi­li­da­de  e po­der. Ou en­tão a in­ten­ção, que é ne­ga­ti­va, de ti­rar pro­vei­to.

A elei­ção na OAB pa­re­ce com a da po­lí­ti­ca co­mum. O di­fe­ren­ci­al mai­or é que na po­lí­ti­ca na­ci­o­nal exis­tem mui­tos sa­fa­dos e pou­quís­si­mos ho­nes­tos, en­quan­to que na OAB For­te exis­tem mui­tos ad­vo­ga­dos de­cen­tes e pou­quís­si­mos pi­ca­re­tas. Di­fi­cil­men­te os sa­la­frá­rios não vi­rão com o mes­mo no­me OAB For­te, em ra­zão de já es­tar mui­to des­gas­ta­do. Pro­va­vel­men­te usa­rão ou­tro no­me, mas pa­ra te­rem ban­dei­ra de cam­pa­nha de­ve ter vin­cu­la­ção com a OAB For­te. Em ver­da­de os fa­mi­lia­res de­ve­ri­am im­pe­dir os far­san­tes de usa­rem o no­me de Eli Al­ves For­te em su­as pu­bli­ci­da­des.

To­dos que pre­en­che­rem os re­qui­si­tos tem di­rei­to de can­di­da­tar. Não ape­nas os ho­nes­tos e de­cen­tes, mas até mes­mo os fal­si­fi­ca­do­res e des­tru­i­do­res de do­cu­men­tos, que são “fi­cha lim­pas” pa­ra fins elei­to­ra­is na OAB. O mais pro­vá­vel é que mu­dem o no­me do gru­po, da mes­ma for­ma que acon­te­ce com os par­ti­dos po­lí­ti­cos. O fa­to é que as ra­ta­za­nas da OAB For­te es­tão se or­ga­ni­zan­do pa­ra re­to­mar a OAB Go­i­ás.

 

(Is­mar Es­tu­la­no Gar­cia, ad­vo­ga­do, ex-pre­si­den­te da OAB-GO, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, es­cri­tor)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais