Opinião

Retrospectiva ambiental 2017

diario da manha

Co­mo já di­zia Fer­nan­do Sa­bi­no, ‘no fim tu­do dá cer­to, e se não deu cer­to é por­que ain­da não che­gou ao fim’. Pa­ra­do­xo à par­te, che­ga­mos ao fi­nal de 2017, épo­ca de re­tros­pec­ção, de re­me­mo­rar os acon­te­ci­men­tos mar­can­tes pa­ra o meio am­bi­en­te e, de con­se­quên­cia, seus re­fle­xos pa­ra a po­pu­la­ção go­i­a­na. In­fe­liz­men­te, não vis­lum­bro ga­nho am­bien­tal al­gum pa­ra co­me­mo­rar; mui­to pe­lo con­trá­rio. Res­sin­to a ne­ces­si­da­de de ha­ver mai­or tran­spa­rên­cia e es­cla­re­ci­men­tos de­vi­dos a to­dos aque­les que sen­ti­ram o gos­to amar­go da fal­ta de água em seus la­res.

A cri­se hí­dri­ca que as­so­lou vá­rios mu­ni­cí­pios go­i­a­nos no pe­rí­o­do de es­ti­a­gem, den­tre eles a ca­pi­tal, es­tam­pou, a con­tra­gos­to de mui­tas au­to­ri­da­des, a gra­vi­da­de da si­tu­a­ção am­bien­tal pe­la qual pas­sa­mos, em es­pe­ci­al a de­gra­da­ção das ba­cias hi­dro­grá­fi­cas, as­so­la­das pe­los ex­ten­sos da­nos em áre­as con­si­de­ra­das de pre­ser­va­ção per­ma­nen­te, au­sên­cia de apli­ca­ção de téc­ni­cas de con­ser­va­ção do uso do so­lo, vi­san­do pos­si­bi­li­tar, em es­pe­ci­al, mai­or re­car­ga do len­çol fre­á­ti­co, lan­ça­men­to de es­go­to ou eflu­en­te nos cur­sos hí­dri­cos fo­ra dos pa­drões es­ta­le­ci­dos na le­gis­la­ção vi­gen­te, mui­to em­bo­ra o ser­vi­ço de tran­spor­te e tra­ta­men­to se­ja co­bra­do por en­te es­ta­tal, au­sên­cia de es­tu­dos, a ní­vel es­ta­du­al, dos im­pac­tos so­ci­o­am­bien­tais cau­sa­dos pe­los bar­ra­men­tos hi­dre­lé­tri­cos, fi­na­li­zan­do pe­la ou­tor­ga do uso de água sem a ado­ção de sis­te­ma apro­pria­do de con­tro­le de va­zão.

Com es­te tur­bi­lhão de cons­ta­ta­ções ne­ga­ti­vas, mais um ano se fin­da, sem qual­quer no­tí­cia de mo­di­fi­ca­ção na pí­fia po­lí­ti­ca am­bien­tal do Es­ta­do de Go­i­ás, re­le­ga­da a se­gun­do pla­no há mais de uma dé­ca­da, ten­do co­mo re­tra­to do des­ca­so a au­sên­cia de pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co, a ser de­fi­ni­do nas di­ver­sas áre­as de atu­a­ção, con­fec­ção de pla­no de in­ves­ti­men­to, a cur­to, mé­dio e lon­go pra­zos, e, ain­da, de­fa­sa­gem do nú­me­ro de ser­vi­do­res con­cur­sa­dos, cul­mi­nan­do no ple­no su­ca­te­a­men­to dos ór­gã­os res­pon­sá­veis pe­la fis­ca­li­za­ção. Tris­te re­tros­pec­ti­va, mas que não che­gou ao fim, pois o Es­ta­do de Go­i­ás não pos­sui Con­se­lho de Re­cur­sos Hí­dri­cos, con­tra­ri­an­do dis­po­si­ção le­gal. Ade­mais, não exis­tem jus­ti­fi­ca­ti­vas plau­sí­veis pa­ra a au­sên­cia de re­u­ni­ões do Con­se­lho Es­ta­du­al do Meio Am­bi­en­te no ano de 2017. Con­ti­nuo di­zen­do que, em tem­pos de es­cas­sez hí­dri­ca, o Es­ta­do de Go­i­ás se dá ao ‘ab­sur­do di­rei­to’ de uti­li­zar os re­cur­sos ad­vin­dos dos apro­vei­ta­men­tos hi­dre­lé­tri­cos co­mo ga­ran­tia pa­ra fun­cio­na­men­to das uni­da­des do Vapt-Vupt.

Di­an­te de to­do o ca­os pe­lo qual vem pas­san­do, a po­pu­la­ção go­i­a­na apri­mo­rou sua con­sci­ên­cia am­bien­tal, pos­tan­do-se ao la­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co na ár­dua lu­ta em prol do meio am­bi­en­te eco­lo­gi­ca­men­te equi­li­bra­do, con­tra­ri­an­do in­te­res­ses di­ver­sos, de quem quer que se­ja. Nun­ca é im­pro­du­ti­vo lem­brar aos inú­me­ros de­sa­gra­da­dos que o MP é re­co­nhe­ci­do cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te co­mo ins­ti­tu­i­ção per­ma­nen­te, es­sen­cial à fun­ção ju­ris­di­cio­nal do Es­ta­do, in­cum­bin­do-lhe a de­fe­sa da or­dem ju­rí­di­ca, do re­gi­me de­mo­crá­ti­co e dos in­te­res­ses so­ci­ais e in­di­vi­dua­is in­dis­po­ní­veis.

Fa­ça­mos di­fe­ren­te no ano vin­dou­ro, ca­mi­nhe­mos to­dos jun­tos ru­mo a sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bien­tal. Pa­ra tan­to, a tí­tu­lo de pon­tu­a­ção pa­ra al­gu­mas pro­vi­dên­cias de efei­to, pas­sa­re­mos a lim­po a des­ti­na­ção e apli­ca­ção dos re­cur­sos do ICMS Eco­ló­gi­co pa­ra os mu­ni­cí­pios, vi­san­do ao for­ta­le­ci­men­to da fis­ca­li­za­ção am­bien­tal no âm­bi­to lo­cal e a cor­re­ta dis­po­si­ção dos re­sí­duos só­li­dos, bem co­mo dos royal­ti­es pe­la ex­plo­ra­ção de po­ten­ci­ais de ener­gia elé­tri­ca. A vi­são com­par­ti­lha­da é ex­tre­ma­men­te gra­ve, pois tra­va­mos, di­a­ria­men­te, uma ver­da­dei­ra ba­ta­lha am­bien­tal, con­tra­ri­an­do inú­me­ros in­te­res­ses po­lí­ti­cos e eco­nô­mi­cos, po­rém, de for­ma re­a­lis­ta, de mo­do que não ca­be com­pac­tu­ar com aque­les que que­rem “ta­par o sol com a pe­nei­ra’’. Co­mo pro­mo­tor de Jus­ti­ça e atu­al Co­or­de­na­dor do Cen­tro de Apoio do Meio Am­bi­en­te e Ur­ba­nis­mo do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Go­i­ás, di­go a to­dos que “mis­são da­da, par­cei­ro, é mis­são cum­pri­da”. Com es­sa vi­são com­ba­ti­va, ire­mos jun­tos até que se che­gue ao fim.

 

(Del­son Le­o­ne Jú­ni­or, pro­mo­tor de Jus­ti­ça, co­or­de­na­dor do Cen­tro de Apoio Ope­ra­ci­o­nal do Meio Am­bi­en­te do MP-GO)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar