Opinião

Rótulos em embalagens de alimentos devem facilitar a decisão do consumidor

diario da manha

Os nú­me­ros pre­o­cu­pan­tes so­bre a sa­ú­de do bra­si­lei­ro in­di­cam que al­guns há­bi­tos ali­men­ta­res, as­so­cia­dos a uma vi­da ca­da vez mais se­den­tá­ria, fa­vo­re­ce­ram o cres­ci­men­to da in­ci­dên­cia dos ín­di­ces de so­bre­pe­so e obe­si­da­de e, pa­ra­le­la­men­te, de do­en­ças co­mo di­a­be­tes e hi­per­ten­são ar­te­rial en­tre nos­sa po­pu­la­ção. Li­dan­do com pro­ble­mas de sa­ú­de se­me­lhan­tes aos de paí­ses de­sen­vol­vi­dos, o Bra­sil pre­ci­sa re­for­çar su­as po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra a con­sci­en­ti­za­ção so­bre ali­men­ta­ção ade­qua­da. En­tre as di­ver­sas ações em cur­so, me­re­ce des­ta­que a ques­tão da ro­tu­la­gem dos pro­du­tos in­dus­tri­a­li­za­dos.

Em al­guns paí­ses da Eu­ro­pa e nos Es­ta­dos Uni­dos, a dis­cus­são so­bre a im­por­tân­cia de que os ró­tu­los in­for­mem o con­su­mi­dor so­bre a com­po­si­ção do ali­men­to que es­tá com­pran­do se deu há al­gum tem­po e es­tes paí­ses op­ta­ram por um mo­de­lo bas­tan­te in­for­ma­ti­vo de ro­tu­la­gem, aqui no Bra­sil cha­ma­do de mo­de­lo se­ma­fó­ri­co nu­tri­cio­nal, que in­di­ca as quan­ti­da­des de in­gre­di­en­tes co­mo açú­car, gor­du­ras e sal na par­te fron­tal da em­ba­la­gem, de acor­do com re­co­men­da­ções de con­su­mo di­á­rio. Ca­da in­gre­di­en­te re­ce­be clas­si­fi­ca­ções em co­res que in­di­cam se a quan­ti­da­de ali con­ti­da es­tá den­tro dos li­mi­tes re­co­men­da­dos de con­su­mo (ver­de), um pou­co aci­ma (ama­re­lo) ou bas­tan­te além (ver­me­lho), o que pa­re­ce ser um mo­de­lo bas­tan­te po­si­ti­vo, pois pro­vê ao con­su­mi­dor as in­for­ma­ções ne­ces­sá­rias pa­ra que to­me a de­ci­são mais acer­ta­da em bus­ca de uma vi­da sa­u­dá­vel.

No Bra­sil, a An­vi­sa de­ba­te nes­te mo­men­to o mo­de­lo a ser ado­ta­do. As dis­cus­sões en­vol­vem ins­ti­tu­i­ções de de­fe­sa do con­su­mi­dor, a in­dús­tria ali­men­tí­cia e di­ver­sas ONGs. Pa­ra al­guns des­tes ato­res, uma adap­ta­ção do mo­de­lo ado­ta­do pe­lo Chi­le, que con­sis­te em fi­gu­ras ge­o­mé­tri­cas na cor pre­ta com ins­cri­ções co­mo “al­to em açú­car” ou “al­to em gor­du­ra sa­tu­ra­da”, é a mais apro­pria­da. Se­gun­do os que de­fen­dem a es­co­lha, es­te se­ria um mo­de­lo de ro­tu­la­gem mais efi­ci­en­te na trans­mis­são da men­sa­gem ao con­su­mi­dor. Mas ca­be a per­gun­ta: mais efi­ci­en­te em in­for­mar ou em ater­ro­ri­zar?

An­tes de mais na­da, de­ve-se res­guar­dar o prin­cí­pio da li­vre es­co­lha do con­su­mi­dor, pa­ra que ele se­ja, efe­ti­va­men­te, o res­pon­sá­vel por de­fi­nir pa­ra si um es­ti­lo de vi­da sa­u­dá­vel. In­du­zi-lo a uma es­co­lha por meio de uma co­mu­ni­ca­ção ba­se­a­da em uma es­pé­cie de ame­a­ça, co­mo a que pre­co­ni­za o mo­de­lo dos se­los pre­tos im­plan­ta­dos no Chi­le, é de­fen­der a no­ci­vi­da­de ab­so­lu­ta e in­ques­ti­o­ná­vel de um pro­du­to ou seus in­gre­di­en­tes e, se pro­du­tos ali­men­tí­ci­os ou seus in­gre­di­en­tes são as­sim no­ci­vos à sa­ú­de hu­ma­na, de­ve­ri­am, en­tão, ser re­ti­ra­dos do mer­ca­do.

A in­dús­tria ali­men­tí­cia bra­si­lei­ra pa­re­ce ali­nhar-se ao mo­de­lo es­co­lhi­do pe­los Es­ta­dos Uni­dos e al­guns paí­ses eu­ro­peus, sen­do to­tal­men­te fa­vo­rá­vel à ro­tu­la­gem in­for­ma­ti­va, em opo­si­ção à que in­fe­re aos ali­men­tos in­dus­tri­a­li­za­dos um ní­vel de ris­co se­me­lhan­te ao dos pro­du­tos da in­dús­tria do ta­ba­co. A im­ple­men­ta­ção da mu­dan­ça nos ró­tu­los dos ali­men­tos – as­sim co­mo ini­ci­a­ti­vas de edu­ca­ção ali­men­tar e que res­sal­tem a im­por­tân­cia da prá­ti­ca re­gu­lar de ati­vi­da­des fí­si­cas – po­de ser for­te ali­a­da pa­ra que a po­pu­la­ção cons­trua de ma­nei­ra con­sci­en­te um es­ti­lo de vi­da ca­da vez mais equi­li­bra­do e sa­u­dá­vel, es­co­lhen­do, pa­ra is­so, os pro­du­tos ali­men­tí­ci­os que achar mais ade­qua­dos en­tre as mui­tas op­ções dis­po­ní­veis no mer­ca­do. Nos paí­ses em que a ro­tu­la­gem de ca­rá­ter alar­mis­ta, co­mo o se­lo pre­to, foi ado­ta­da, não se ve­ri­fi­cou gran­de im­pac­to nos ín­di­ces de so­bre­pe­so ou obe­si­da­de.

É ne­ces­sá­rio, por­tan­to, mu­dar a re­la­ção que te­mos com o ali­men­to e com o cor­po pa­ra que a per­da de pe­so não se­ja um mar­tí­rio, o que im­pli­ca não vi­la­ni­zar in­gre­di­en­tes pre­sen­tes em nos­sa di­e­ta e que têm im­por­tân­cia nu­tri­cio­nal e, mes­mo, cul­tu­ral pa­ra al­gu­mas po­pu­la­ções. A edu­ca­ção ali­men­tar e a ati­vi­da­de fí­si­ca são as prin­ci­pa­is fer­ra­men­tas pa­ra pro­mo­ver a que­da dos ín­di­ces alar­man­tes de so­bre­pe­so e obe­si­da­de no Bra­sil e em qual­quer lu­gar do mun­do. E o pri­mei­ro pas­so pa­ra is­so é dar ao con­su­mi­dor os sub­sí­di­os pa­ra que ele en­ten­da o que es­tá co­men­do.

In­ves­tir em men­sa­gens que mais ame­dron­tam do que in­for­mam, pro­va­vel­men­te não tra­rá bons re­sul­ta­dos, pois na­da que ad­vém do me­do po­de ser efe­ti­va­men­te efi­caz.

 

(Dr. Hu­go Ri­bei­ro, pe­di­a­tra es­pe­cia­li­za­do em gas­tro­en­te­ro­lo­gia e nu­tro­lo­gia, pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Ba­hia, Fel­low em Nu­tro­lo­gia In­fan­til pe­la Uni­ver­si­da­de de Cornnel em New York. Co­or­de­na­dor e pes­qui­sa­dor do Cen­tro de Pes­qui­sa Fi­ma Lifshitz da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Ba­hia. Foi con­sul­tor e pes­qui­sa­dor da OMS – Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Sa­ú­de e do Mi­nis­té­rio da Sa­ú­de)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar