Opinião

Rouanet, uma lei para render bons frutos

diario da manha

O Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra (MinC) pu­bli­cou, re­cen­te­men­te, Ins­tru­ção Nor­ma­ti­va que atu­a­li­za al­guns pon­tos da Lei Rou­a­net, no sen­ti­do de fle­xi­bi­li­zá-la e tor­nar sua apli­ca­ção e uti­li­za­ção mais aces­sí­vel e de­mo­crá­ti­ca. As al­te­ra­ções ocor­re­ram com ba­se em de­man­das e crí­ti­cas com re­la­ção à pro­pos­ta an­te­ri­or.

É cla­ro que o no­vo de­se­nho não é per­fei­to e po­de­ria ser mais ou­sa­do, mas é fun­da­men­tal re­co­nhe­cer avan­ços, co­mo a ten­ta­ti­va de am­pli­ar o aces­so a pro­du­to­res cul­tu­ra­is me­no­res e me­nos co­nhe­ci­dos e a re­du­ção da bu­ro­cra­cia. Con­tu­do, avan­ços fu­tu­ros ain­da são ne­ces­sá­rios.

Mal o mi­nis­tro Sér­gio Sá Lei­tão anun­ciou as no­vas me­di­das e so­bre­veio uma ava­lan­che de crí­ti­cas, al­gu­mas de­las re­la­ci­o­na­das, por exem­plo, com um me­nor con­tro­le na apre­sen­ta­ção dos pro­je­tos. In­te­res­san­te no­tar que em mar­ço pas­sa­do, quan­do foi edi­ta­da uma Ins­tru­ção Nor­ma­ti­va pe­lo MinC com o mes­mo te­ma (que sur­giu após Co­mis­são Par­la­men­tar de In­qué­ri­to que in­ves­ti­gou ir­re­gu­la­ri­da­des na Lei Rou­a­net), apa­re­ceu uma on­da de re­a­ções con­trá­ri­as cri­ti­can­do, en­tre ou­tros pon­tos, aqui­lo que era con­si­de­ra­da uma bu­ro­cra­cia ex­ces­si­va pa­ra a li­be­ra­ção de pro­je­tos. Ou se­ja, a de­pen­der da cir­cun­stân­cia, a pre­sen­ça ou não da bu­ro­cra­cia é mo­ti­vo de re­cla­ma­ções.

A crí­ti­ca pe­la crí­ti­ca não le­va a na­da. Pre­ci­sa­mos é ca­mi­nhar no sen­ti­do de de­fi­nir pro­pos­tas e cons­tru­ir so­lu­ções. O que não po­de­mos, ja­mais, é con­de­nar e cri­mi­na­li­zar a Lei Rou­a­net. Mui­tos, na so­ci­e­da­de e in­clu­si­ve na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, agem com a ló­gi­ca do sen­so co­mum e cri­ti­cam es­se im­por­tan­te ins­tru­men­to de fo­men­to à Cul­tu­ra Na­ci­o­nal. Sem co­nhe­ci­men­to de cau­sa, ale­gam que é me­lhor a ex­tin­ção da lei por ela ter so­fri­do des­vi­os em sua apli­ca­ção. É a ló­gi­ca de cor­tar uma ár­vo­re in­tei­ra por con­ta de ape­nas um ga­lho apo­dre­ci­do e que não ame­a­ça a in­te­gri­da­de do to­do.

Se exis­tem pro­ble­mas, eles pre­ci­sam ser iden­ti­fi­ca­dos pa­ra que pos­sam ser cor­ri­gi­dos. Mas é inad­mis­sí­vel re­co­nhe­cer o pa­pel des­ta lei cri­a­da em 1991 com o ob­je­ti­vo de fo­men­tar e in­cen­ti­var a ati­vi­da­de cul­tu­ral bra­si­lei­ra. A Rou­a­net con­se­guiu atin­gir o seu pa­pel e tra­ta-se do prin­ci­pal me­ca­nis­mo de fi­nan­cia­men­to do se­tor que, so­zi­nho, cor­res­pon­de a mais de 2,5% do nos­so Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB). Pa­ra se ter ideia, so­men­te no ano pas­sa­do, ela foi res­pon­sá­vel pe­la cap­ta­ção de re­cur­sos aci­ma de R$ 1,1 bi­lhão. Ba­se­a­da no me­ce­na­to, ela fun­cio­na ba­si­ca­men­te por meio de in­cen­ti­vos fis­cais de em­pre­sas e ci­da­dã­os, que po­dem des­ti­nar par­te do Im­pos­to de Ren­da pa­ra ati­vi­da­des cul­tu­ra­is.

Mas é cla­ro que exis­tem pon­tos ne­ga­ti­vos. Além da de­nún­cia de ir­re­gu­la­ri­da­des na apli­ca­ção de re­cur­sos por par­te de al­guns pro­du­to­res ao lon­go dos anos, exis­tem pro­ble­mas sé­rios a se­rem re­sol­vi­dos e que ain­da não é pos­sí­vel sa­ber se a pre­sen­te Ins­tru­ção Nor­ma­ti­va se­rá su­fi­ci­en­te pa­ra sa­nar. En­tre eles, es­tão as di­fi­cul­da­des que os pro­du­to­res cul­tu­ra­is de me­nor por­te e fo­ra dos gran­des cen­tros têm em con­se­guir aces­so aos re­cur­sos. Ho­je, cer­ca de 80% dos re­cur­sos es­tão con­cen­tra­dos na re­gi­ão Su­des­te, em es­pe­ci­al no Rio de Ja­nei­ro e em São Pau­lo. É pro­ble­ma da lei? Não. O que pre­ci­sa­mos é pen­sar em mei­os de in­cen­ti­var ci­da­dã­os e em­pre­sas do Cen­tro-Oes­te, Nor­te e Nor­des­te a des­ti­nar a de­du­ção do im­pos­to pa­ra ar­tis­tas e es­pe­tá­cu­los de su­as re­gi­ões. Mas is­so de­pen­de tam­bém do en­vol­vi­men­to de quem faz a cul­tu­ra na pon­ta. Pre­vi­são le­gal do re­cur­so exis­te, fal­ta ape­nas que os pro­du­to­res cul­tu­ra­is che­guem a ele.

Além dis­so, é fun­da­men­tal am­pli­ar a pos­si­bi­li­da­de de fi­nan­cia­men­to da Cul­tu­ra. Ho­je, ape­nas a Lei Rou­a­net (me­ce­na­to) é ati­va e apre­sen­ta re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­rios, en­quan­to ou­tros ins­tru­men­tos es­tão pra­ti­ca­men­te ino­pe­ran­tes, co­mo o Fun­do Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra (que de­ve­ria fun­cio­nar com re­cur­sos ori­un­dos de 3% da ar­re­ca­da­ção das lo­te­rias fe­de­ra­is) e os Fun­dos de In­ves­ti­men­to Cul­tu­ral (Fi­carts). Te­mos que en­con­trar mei­os de fa­zer com que eles se­jam for­ta­le­ci­dos e am­pli­em a ca­pa­ci­da­de da pro­du­ção cul­tu­ral bra­si­lei­ra. É fa­zer is­so ou dei­xar de ocu­par um es­pa­ço mun­di­al im­por­tan­te.

Ci­to aqui um exem­plo: se­guin­do ca­se his­tó­ri­co dos Es­ta­dos Uni­dos, paí­ses co­mo Chi­na e Ín­dia en­ten­de­ram a im­por­tân­cia da Cul­tu­ra co­mo com­po­nen­te fun­da­men­tal do soft power e têm au­men­ta­do ex­pres­si­va­men­te sua in­flu­ên­cia re­gi­o­nal e mun­di­al. Um dos mei­os é o ci­ne­ma. O Bra­sil pre­ci­sa se­ri­a­men­te pen­sar nis­so e vol­tar mais os olhos pa­ra sua Cul­tu­ra.

A no­va Ins­tru­ção Nor­ma­ti­va do MinC, que en­tra em vi­gor, se­rá co­lo­ca­da à pro­va ago­ra. De to­da ma­nei­ra, sem ju­í­zo de con­te­ú­do, ela é mui­to mais sim­ples e ob­je­ti­va, com 63 ar­ti­gos a me­nos do que a an­te­ri­or. Em ca­so de de­fei­tos, o cor­re­to é que ela se­ja mo­di­fi­ca­da. E is­so é per­fei­ta­men­te pos­sí­vel. Ain­da nes­te ano de 2017, a Co­mis­são de Cul­tu­ra da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos pre­ten­de re­ce­ber o mi­nis­tro Sér­gio Sá Lei­tão pa­ra tra­tar so­bre o as­sun­to. Mais do que de­ba­ter as no­vas nor­mas, a in­ten­ção é ini­ci­ar uma dis­cus­são a res­pei­to de uma am­pla re­vi­são da Lei Rou­a­net que pas­sa­rá pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal. Ne­nhu­ma le­gis­la­ção é eter­na e pre­ci­sa es­tar em cons­tan­te atu­a­li­za­ção pa­ra aten­der aos no­vos tem­pos e às de­man­das da so­ci­e­da­de.

O que nós, le­gis­la­do­res, pre­ci­sa­mos ter em men­te ao ana­li­sar o que po­de­rá ser mo­di­fi­ca­do na Rou­a­net não é aque­le even­tual ga­lho po­dre que sur­giu e sim to­dos os bons fru­tos que es­ta lei já ren­deu à nos­sa Cul­tu­ra.

 

(Thi­a­go Pei­xo­to, de­pu­ta­do fe­de­ral – PSD-GO, pre­si­den­te da Cul­tu­ra da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar