Opinião

Selfies em Auschwitz

diario da manha

A que pon­to nos dei­xa­ram in­sen­sí­veis as anes­te­si­as des­tes tem­pos? Em que es­tá­gio es­ta­mos de anal­ge­sia? Em que grau es­ta­mos de es­tul­tí­cia do ego? Em qual al­tu­ra de ne­ce­da­de das apa­rên­cias? Em que ín­di­ce de inép­cia das más­ca­ras? Em que de­grau de en­fer­mi­da­de da es­sên­cia? Em qual co­e­fi­ci­en­te de par­voí­ce do sen­ti­men­to? Em qual pa­ta­mar de sel­fi­e­za­ção da vi­da? Em que ní­vel es­ta­mos de ce­guei­ra do es­pí­ri­to?

Em fins do maio der­ra­dei­ro, es­ti­ve na tris­te­za abis­sal do com­ple­xo de Auschwitz-Birke­nau, no sul da Po­lô­nia. O am­bi­en­te é ater­ra­dor. De um si­lên­cio si­nis­tro. De um si­lên­cio que gri­ta, cho­ra, ur­ra de dor, de fo­me, de fa­di­ga, de mo­lés­tia, de ter­ror. De um si­lên­cio que ca­la, na mor­te. O si­lên­cio de Auschwitz é a tes­te­mu­nha mais lo­quaz dos fu­nes­tos hor­ro­res que lá ocor­re­ram, ou me­lhor, que lá fi­ze­ram ocor­rer. É o si­lên­cio de um mi­lhão e meio de se­res hu­ma­nos abrup­ta­men­te emu­de­ci­dos pe­la he­di­on­dez do na­zis­mo. É o si­lên­cio de um mi­lhão e meio de ir­mãos nos­sos que fo­ram ca­la­dos. Fo­ram cei­fa­das as su­as vo­zes. Vo­zes de ju­deus, cris­tã­os, ci­ga­nos, ho­mos­se­xu­ais, mu­lhe­res, ho­mens, ido­sos, jo­vens, adul­tos, cri­an­ças. Vo­zes hu­ma­nas emu­de­ci­das pe­lo hor­ror da cru­el­da­de inu­ma­na. O si­lên­cio de Auschwitz cla­ma por mi­se­ri­cór­dia. É um si­lên­cio que ja­mais se ca­la. Nun­ca se ca­la­rá. É um si­lên­cio es­tron­do­so, es­ten­tó­reo. O si­lên­cio de Ausch­witz gri­ta­rá pa­ra sem­pre o eco das bar­bá­ri­es do ho­lo­caus­to.

E as­sim é ne­ces­sá­rio. Ja­mais po­de­mos nos es­que­cer des­se pe­rí­o­do em que a hu­ma­ni­da­de não só cho­rou, mas foi o seu pró­prio pran­to imen­so e do­ri­do; não só san­grou, mas foi o seu pró­prio san­gue ver­ti­do; não só foi es­tri­pa­do o seu es­pí­ri­to, mas foi as pró­pri­as tri­pas des­ven­tra­das de si; for­ça­da por te­ne­bro­sos anos a des­crer em si mes­ma, ta­ma­nhas e ini­ma­gi­ná­veis atro­ci­da­des que ten­ta­ram im­por a des­cren­ça no hu­ma­no co­mo se fos­se a úni­ca via. Não po­de­mos nos ol­vi­dar dos anos em que a hu­ma­ni­da­de – a nos­sa hu­ma­ni­da­de – de tão cru­en­ta dor in­fli­gi­da, de tão dan­tes­ca dor so­fri­da, foi trans­for­ma­da no seu pró­prio cho­ro, no seu san­gue, nas su­as en­tra­nhas.

Não po­de­mos es­que­cer. Te­nha­mos ví­vi­da a lem­bran­ça, pa­ra que sem­pre me­di­te­mos so­bre tu­do is­so, pa­ra que nos co­lo­que­mos em cons­tan­te mo­vi­men­to de re­fle­xão de nos­sas ações en­quan­to in­di­ví­duos hu­ma­nos e en­quan­to hu­ma­ni­da­de in­tei­ra, a fim de que ja­mais re­pi­ta­mos es­se pas­sa­do e, a des­pei­to das nos­sas in­fin­das ma­ze­las, lu­te­mos in­ces­san­te­men­te pa­ra sem­pre as su­pe­rar.

A ins­cri­ção do por­tão prin­ci­pal de Auschwitz I já as­sus­ta pe­la hi­po­cri­sia sór­di­da e sar­cás­ti­ca e pe­lo ab­je­to sa­dis­mo con­den­sa­dos nu­ma sim­ples fra­se: “Ar­beit macht frei” (“O tra­ba­lho li­ber­ta”). Soa mais co­mo um es­cár­nio mor­daz, la­ce­ran­te.

Os blo­cos e cor­re­do­res ex­ter­nos do cam­po de con­cen­tra­ção guar­dam ho­je uma su­pos­ta cal­ma­ria, que não dei­xa, con­tu­do, es­con­der o ter­ror dos so­fri­men­tos, da dor, do me­do, da in­dig­ni­da­de dos pri­si­o­nei­ros, do as­que­ro­so po­der dos cri­mi­no­sos ofi­ci­ais em no­me do es­ta­do, das mais fun­das agru­ras hu­ma­nas, das mi­sé­rias da guer­ra, da mor­te em vi­da, an­tes de mor­rer. E ain­da ho­je se po­de sen­tir ca­mi­nhan­do por es­ses cor­re­do­res as pro­cis­sões de es­pec­tros de pes­so­as guen­zas, mo­ri­bun­das, ma­cér­ri­mas, em pe­le e os­sos, qua­is ca­dá­ve­res vi­vos à es­pe­ra da mor­te.

Já os cor­re­do­res in­ter­nos de ca­da blo­co tra­zem con­si­go su­as his­tó­ri­as te­ne­bro­sas; re­ver­be­ram os ur­ros; res­so­am os gri­tos e ge­mi­dos de dor da­que­les que eram sub­me­ti­dos aos hor­rí­veis ex­pe­ri­men­tos mé­di­cos, às ma­lig­nas tor­tu­ras e aos as­sas­sí­nios; os té­tri­cos ma­res de lá­gri­mas, de an­gús­tia, de afli­ção, de amar­gu­ra, de ago­nia. O pei­to se aper­ta tan­to ao an­dar pe­los cor­re­do­res de Auschwitz, que se re­mói. Lá, o co­ra­ção da gen­te se es­ma­ga. E o co­ra­ção se in­da­ga in­cré­du­lo, es­tu­pe­fa­to: Co­mo pu­de­ram fa­zer is­so, meu Deus?! Co­mo pu­de­ram ho­mens fa­zer is­so com ou­tros ho­mens?! Co­mo pu­de­ram com seus ir­mãos?! Ir­mãos nos­sos…

E es­sas per­gun­tas ir­res­pon­dí­veis vão so­an­do, res­so­an­do, res­so­an­do, eco­an­do, eco­an­do, eco­an­do… E ain­da mais quan­do va­mos ca­mi­nhan­do pe­los cor­re­do­res e sa­las dal­guns blo­cos de Auschwitz e ven­do amon­to­a­dos de mi­lha­res e mi­lha­res de ócu­los que, des­de um cer­to dia, nun­ca mais vi­ram; de sa­pa­tos que nun­ca mais cal­ça­ram os pés de pa­is de fa­mí­lia; re­ló­gios pa­ra­ram pa­ra sem­pre no tem­po; es­co­vas não mais pen­te­a­ram os ca­be­los de su­as mu­lhe­res; xí­ca­ras, pa­ne­las e va­si­lhas per­de­ram pa­ra sem­pre su­as uti­li­da­des; uten­sí­li­os pes­so­ais que, re­ti­ra­dos dos de­por­ta­dos, ja­mais se­ri­am usa­dos no­va­men­te; ma­las que fi­ze­ram a sua úl­ti­ma vi­a­gem, per­di­das no tem­po e no es­pa­ço, pois nun­ca mais acom­pa­nha­ri­am seus do­nos pa­ra lu­gar al­gum. Os ob­je­tos ali amon­to­a­dos e lar­ga­dos re­tra­tam o des­ti­no dos seus do­nos, co­mo se, na ver­da­de, fos­sem só um eu­fe­mis­mo da re­a­li­da­de que os es­pe­ra­va. Os ho­mens e mu­lhe­res ti­ve­ram o mes­mo des­ti­no dos seus ob­je­tos, sen­do lar­ga­dos e amon­to­a­dos em mon­ta­nhas de cor­pos hu­ma­nos, to­da­via, ca­be a res­sal­va de que os ob­je­tos não fo­ram in­ci­ne­ra­dos. Fo­ram, as­sim, tra­ta­dos com mais dig­ni­da­de que seus do­nos, fei­tos es­ses ob­je­tos de­ve­ras.

Das ima­gens que mais re­tor­cem mi­nha men­te, das coi­sas que mais me cho­ca­ram na vi­da e in­da cho­cam foi ver uma mon­ta­nha de mi­lhões de tu­fos de ca­be­los hu­ma­nos, nu­ma sa­la som­bria de um blo­co de Auschwitz. Os ca­be­los das pri­si­o­nei­ras e dos pri­si­o­nei­ros eram ar­ran­ca­dos no tra­mi­tar de um pro­ces­so em que, a ca­da eta­pa, era es­fa­ce­la­do um mui­to de tu­do o que com­põe a dig­ni­da­de hu­ma­na. Per­di­am pou­co a pou­co, ou me­lhor, mui­to a mui­to, até per­de­rem a dig­ni­da­de to­da. Per­di­am os bens. Per­di­am su­as ca­sas. Per­di­am su­as fa­mí­lias. Per­di­am su­as na­ções. Per­di­am seus di­rei­tos. Per­di­am os ca­be­los. Per­di­am os no­mes. Per­di­am as vai­da­des. Per­di­am su­as iden­ti­da­des. Per­di­am as for­ças. Per­di­am seus cor­pos. Per­der a vi­da era só uma me­ra cir­cun­stân­cia an­te to­das as per­das já con­su­ma­das. Ga­nha­vam um nú­me­ro e um pi­ja­ma lis­tra­do. Des­per­so­na­li­za­dos. Ani­ma­li­za­dos. Coi­si­fi­ca­dos. De­su­ma­ni­za­dos, na in­sa­na si­na na­zis­ta de des­tru­ir es­pe­ran­ças, di­zi­mar vi­das e so­nhos, de eli­mi­nar o po­vo ju­deu e trans­for­mar o seu pas­sa­do, o seu pre­sen­te e o seu fu­tu­ro em cin­zas.

Os tra­ba­lhos for­ça­dos nos cam­pos de con­cen­tra­ção es­go­ta­vam as ener­gi­as do cor­po. Os cas­ti­gos cru­de­lís­si­mos de­sin­te­gra­vam a frá­gil ca­pa cor­pó­rea e es­go­ta­vam as ener­gi­as da al­ma. Pa­ra dor­mir – se é que se po­dia – os be­li­ches se amon­to­a­vam nos es­pa­ços nu­ma es­pé­cie de re­pou­so pa­ra que os pró­prios pen­sa­men­tos tor­tu­ras­sem, re­mo­en­do as in­cer­te­zas e os me­dos. Os uni­for­mes lis­tra­dos cum­pri­am sua fun­ção den­tro do pro­ces­so de des­per­so­na­li­za­ção. As es­tra­las de Da­vi ama­re­las pre­ga­das no pei­to, cu­jo uso era for­ça­do aos nos­sos ir­mãos ju­deus – pa­ra se­gre­gá-los, ro­tu­lá-los, es­tig­ma­ti­zá-los – tam­bém ser­via a es­se pro­ces­so, qual sím­bo­lo de ódio e es­cár­nio dos na­zis ge­no­ci­das.

Em Auschwitz II-Birke­nau, com­pon­do o ce­ná­rio de hor­ror, ve­mos os tri­lhos da mor­te, que le­va­vam os de­por­ta­dos pa­ra a sua vi­a­gem der­ra­dei­ra. Em Auschwitz I, ve­mos as hor­ren­das cer­cas de ara­me far­pa­do e o mu­ro da exe­cu­ção, on­de pri­si­o­nei­ros eram fri­a­men­te fu­zi­la­dos e on­de ho­je re­pou­sam pre­ces e flo­res. En­con­tra­mos tam­bém du­as das coi­sas mais ter­rí­veis e ig­nó­beis que o en­ge­nho hu­ma­no foi ca­paz de cri­ar pa­ra o mal: a câ­ma­ra de gás e o cre­ma­tó­rio na­zis­tas. Nas câ­ma­ras, o gás le­tal Zyklon-B era sol­to por um bu­ra­co no te­to e, sem pi­e­da­de, ma­ta­va mui­tos em pou­cos ins­tan­tes. Na câ­ma­ra de gás de Auschwitz I, po­de­mos ver as mar­cas de unha­das nas pa­re­des, po­de­mos ou­vir nos­sos ir­mãos ur­ran­do de dor, gri­tan­do, cla­man­do, pe­din­do mi­se­ri­cór­dia. Na sa­la do cre­ma­tó­rio, es­pé­ci­es de es­tei­ras le­va­vam cor­po por cor­po, co­mo que dei­ta­dos em lei­tos fú­ne­bres, pa­ra quei­ma­rem den­tro de gran­des for­nos. Aí se em­bru­lham o es­tô­ma­go e o es­pí­ri­to, que se que­da atô­ni­to, in­da­gan­do sem qual­quer res­pos­ta: “Por quê?”, “Pa­ra quê?”, e só po­den­do ex­cla­mar “Meu Deus! Mi­se­ri­cór­dia, Se­nhor!”.

Nes­sa ce­na, não po­den­do ne­nhum de nós ale­gar ig­no­rân­cia des­ses acon­te­ci­men­tos que in­qui­nam nos­sa his­tó­ria, só pos­so en­con­trar co­mo ex­pli­ca­ção – não jus­ti­fi­ca­ti­va – a nos­sa anal­gia nes­tes tem­pos de­fron­te o fa­to que, in­fe­liz­men­te, pre­sen­ci­ei em Auschwitz: pes­so­as ti­ran­do sel­fi­es, fa­zen­do po­ses, sor­ri­den­tes, den­tro dos cam­pos de con­cen­tra­ção e ex­ter­mí­nio, on­de fo­ram as­sas­si­na­dos mais de um mi­lhão de se­res hu­ma­nos. Sel­fi­es pa­ra re­cor­dar aque­le gi­gan­tes­co ce­mi­té­rio sem lá­pi­des e ren­der mui­tas cur­ti­das nas re­des so­ci­ais. Sel­fi­es ma­ca­bras, nem tan­to pa­ra re­cor­dar os mor­tos de Auschwitz-Birke­nau ou ren­der-lhes tri­bu­to, mas pa­ra lem­brar-nos o quan­to nós mes­mos es­ta­mos mor­tos.

 

(Ra­fa­el Ri­bei­ro Bu­e­no Fleury de Pas­sos, no­me li­te­rá­rio Ra­fa­el Ri­bei­ro Ru­bro, é ad­vo­ga­do, es­cri­tor, po­e­ta, can­tor e mo­chi­lei­ro. Ar­ti­cu­lis­ta do “Di­á­rio da Ma­nhã”. Mem­bro da Ovat – Or­ga­ni­za­ção Vi­la­bo­en­se de Ar­tes e Tra­di­ções e da Uni­ão Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res – Se­ção Go­i­ás. De­le­ga­do da Es­co­la Su­pe­ri­or de Ad­vo­ca­cia na OAB Sub­se­ção de Go­i­ás, di­re­tor do Mu­seu da Ir­man­da­de do Se­nhor Bom Je­sus dos Pas­sos, pre­si­den­te do Ga­bi­ne­te Li­te­rá­rio Goya­no, da Co­mis­são Per­ma­nen­te de Li­ci­ta­ção do Mu­ni­cí­pio de Go­i­ás e do Con­se­lho Mu­ni­ci­pal de Tu­ris­mo de Go­i­ás – ra­fa­elrpas­[email protected]­mail.com)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar