Opinião

Será que existe um vazio dentro de nós?

diario da manha

Cer­to dia eu per­gun­tei a mim mes­mo: Quem sou eu? Pen­sei um pou­co e res­pon­di: acho que sou aque­les ras­tros que dei­xei so­bre a areia es­bran­qui­ça­da da praia que se per­de­ram ou foi apa­ga­da pe­las on­das, ou tal­vez, aque­la con­cha oca aban­do­na­da em for­ma­to de ca­ra­mu­jo, cu­jo bi­co es­ta­va cheio de ter­ra mo­lha­da, mas que se es­ti­ves­se lim­po, tal­vez me le­vas­se ao va­zio do na­da. Mas on­de es­ta­vam meus ras­tros, pe­da­ços de uma mi­nha vi­da, e que, por on­de ca­mi­nha­va, sem vê-los, mes­mo as­sim, me lem­bra­va com sa­u­da­de de ca­da pas­so. As on­das que mo­lha­vam meus pés re­cu­a­vam, mas dei­xa­vam so­bre eles al­guns so­nhos que ja­mais se aca­ba­ram, Sa­bia que a ca­da pas­so fi­ca­va um va­zio imen­so, uma von­ta­de fér­rea de pa­rar e de­sis­tir de tu­do, mas o oce­a­no in­sis­tia em me en­vi­ar um con­jun­to de emo­ções ne­ga­ti­vas que tal­vez atu­as­se so­bre mim e eu não sa­bia. Acho que to­dos pos­su­em um va­zio den­tro de si mes­mo, um pe­rí­o­do di­fí­cil em su­as vi­das, on­de as ho­ras se tor­nam mi­nu­tos e os se­gun­dos se­quer mo­vem. Daí a gen­te não con­se­gue pro­gre­dir, vem à fal­ta de von­ta­de e mo­ti­va­ção.  A vi­da ca­re­ce de sen­ti­do, vem uma sen­sa­ção de de­sam­pa­ro e até fal­ta de fé, de não acre­di­tar na exis­tên­cia de Deus. Che­ga­mo-nos a fe­char a por­ta pa­ra tu­do e pa­ra to­dos, co­mo se na­da im­por­tas­se ou ti­ves­se va­lor al­gum.

Ques­ti­o­no-me no­va­men­te: Por­que se­rá que mui­tas coi­sas em que acre­di­to che­gam ao fim? Se­rá que não acre­di­to na fe­li­ci­da­de eter­na, em um no­vo so­nho que pos­sa sur­gir? Tal­vez che­guem de man­si­nho e sem pe­dir, vão abrin­do os ca­de­a­dos de meu co­ra­ção. Mas ele es­tá tran­ca­do e ao abri-lo, vem-me um enor­me me­do, me­do do no­vo, me­do da al­ma es­tar do­en­te, me­do de um so­nho de não con­se­guir re­a­li­zar so­nho al­gum. Me­do que me faz me­xer com as emo­ções ador­me­ci­das, es­que­ci­das, per­di­das, mas pos­sí­veis de me tra­zê-las vol­ta, de vi­ver com in­ten­si­da­de e re­co­me­çar tu­do de no­vo. Es­te re­co­me­çar na­da mais é que dar uma no­va chan­ce a mim mes­mo, re­no­var-me e por fim acre­di­tar num mun­do me­lhor. É nes­ta ho­ra on­de tu­do res­sur­ge é que de­ve­mos pro­cu­rar en­ten­der que po­de­mos ava­li­ar me­lhor so­bre a nos­sa vi­da, pro­cu­rar en­ten­der co­mo de­ve­mos trans­for­mar pe­que­nos ins­tan­tes em gran­des mo­men­tos, eli­mi­nar tu­do que atra­pa­lha o de­sen­vol­vi­men­to do cor­po e do es­pí­ri­to, dan­do lu­gar so­men­te ao que nos en­gran­de­ce co­mo se­res hu­ma­no e fi­lhos de Deus.  Ho­je não sin­to va­zio den­tro de mim e meus so­nhos não es­tão nas nu­vens e nem me pre­o­cu­pei por­que es­tou no lu­gar cer­to cons­tru­in­do meu ali­cer­ce pa­ra ul­tra­pas­sar as nu­vens e me aga­sa­lhar no céu.

É cer­to que sen­ti­mos um va­zio. Não aque­le va­zio sem co­ra­ção, mas um va­zio de al­guém que se sen­te so­li­tá­rio sem sa­ber por quê. Olha­mos ao nos­so re­dor e não con­se­gui­mos ver nin­guém, ape­nas um es­pa­ço va­zio. Re­cla­ma­mos de­mais da vi­da, uma vi­da que Deus nos con­ce­deu. An­da­mos ao la­do de pes­so­as, on­de não sen­ti­mos mais aque­la li­ber­da­de de fa­lar o que pen­sa­mos. Pas­sa­mos a ter me­do de­las. An­da­mos em um mun­do on­de só nos exis­ti­mos, só nós po­de­mos nos sen­tir bem. Às ve­zes vem à von­ta­de de que­rer ter co­ra­gem de con­tar tu­do que nós pen­sa­mos e o li­vre-ar­bí­trio pa­ra di­zer o que pen­sa­mos, e o que nos de­ci­di­mos. Di­fí­cil es­ta que­rên­cia, pois es­ta­mos pre­sos por dois ca­de­a­dos, bem tran­ca­dos.

Até on­tem era ape­nas eu, e o meu pe­que­no es­cri­tó­rio. On­de ne­le nem mais se­gu­ran­ça tem, en­tram, bis­bi­lho­tam mi­nha es­tan­te, fe­cham a por­ta na ho­ra que qui­se­rem, ti­ran­do-me a con­cen­tra­ção, co­mo se qui­ses­sem sa­ber o que es­tou pen­san­do ou man­das­sem em mim. Mas ho­je, co­me­cei a crer em al­go, em al­guém que eu te­nho a ple­na cer­te­za que não vai me de­cep­cio­nar. Que vai es­tar co­mi­go, que sa­be amar, que sa­be per­do­ar. Que tem fé, Que es­tá co­mi­go pa­ra o der e vi­er; que me en­ten­de e es­ten­de sua mão a to­do o mo­men­to. Eu fa­lo de Deus, pois Ele é o meu me­lhor ami­go e seu tam­bém e que a tu­do vê e ja­mais nos dei­xa na mão. Quan­do co­me­ço a sen­tir um va­zio den­tro de mim, tal­vez por fal­tar al­go gran­di­o­so que eu se­quer sei o que é en­tão sin­to que é pre­ci­so de­ter es­se meu vi­cio de que­rer coi­sas que tam­bém não sei o que é. Es­sa é es­sa mi­nha eter­na bus­ca por coi­sas ima­gi­ná­rias, sur­re­ais.

Sin­to que é pre­ci­so mu­dar, cres­cer, ama­du­re­cer, mas nun­ca dei­xar ser cri­an­ça. Tem cer­tos mo­men­tos que nem eu me en­ten­do, não sei o que que­ro ou que pre­ci­so.  Pa­re­ce que me en­con­tro per­di­do sem ter a mí­ni­ma ideia pra on­de ir. A úni­ca coi­sa que eu sei é que não pos­so fi­car pa­ra­do. Sin­to que pre­ci­so ser ágil e cor­rer atrás dos so­nhos tal­vez achas­se per­di­dos. Pre­ci­so ime­di­a­ta­men­te de vi­da, te­nho se­de de vi­da, te­nho fo­me de aven­tu­ra, te­nho de­se­jo de ir, mas quan­do re­tor­nar, vol­tar de no­vo, re­no­va­do, até on­de as mi­nhas per­nas ou ve­í­cu­los pos­sam me le­var. Sei que é pre­ci­so des­sa mis­tu­ra: que eu cho­re mais, que eu sor­ria mais, que eu sin­ta mais a vi­da, que dei­xe o es­tres­se e ve­nha en­ten­der me­lhor o que é a vi­da, o que se pas­sa den­tro de mim e de ca­da pes­soa com quem con­vi­vo. Ne­ces­si­to en­ten­der cer­tas coi­sas, en­ten­der mes­mo, mas em se­gui­da, es­que­cer tu­do. Pre­ci­so de sei lá o que, mas pre­ci­so, to­da­via não sei o que é. Pre­ci­so vi­ver além do que ima­gi­no e ir vi­ver o sur­re­al pa­ra além de mais além, on­de eu ja­mais ima­gi­nei que iria. Que­ro vi­ver ca­da aven­tu­ra que o mun­do pos­sa me pro­por­ci­o­nar, que­ro vi­ver pa­ra ver o que o uni­ver­so in­tei­ro tem. Que­ro vi­ver tu­do em uma só vi­da, mas é cla­ro, se Deus as­sim o per­mi­tir.

Não sei se é pre­ci­so pa­ra con­vi­ver com es­se va­zio, mas às ve­zes é ne­ces­sá­rio que al­go mor­ra den­tro de mim pa­ra vol­tar a vi­ver, tal­vez re­tor­nan­do por ou­tra por­ta sem ca­de­a­dos ou tran­cas, na es­pe­ran­ça de en­con­trar al­guém que me re­co­nhe­ça.  Abrir a por­ta, pa­rar e olhar se exis­te um va­zio do ou­tro la­do pa­ra po­der mos­trar quem não é ou quem sou. Quan­to a mim só sei que re­tor­nei ao meu mun­do que pen­sa­va não exis­tir, pois vi que ele ti­nha um sig­ni­fi­ca­do. Não mor­ri, mas te­nho cer­te­za que o meu va­zio es­tá es­cri­to na lá­pi­de de um cam­po san­to qual­quer. Acho que nas­ci de no­vo e do la­do de cá fi­co es­pe­ran­do que al­guém me cha­me com cal­ma, pois não sei se vou pas­sar pe­la por­ta de­va­gar ou rá­pi­do de­mais.

 

(Van­der­lan Do­min­gos de Sou­za, ad­vo­ga­do, es­cri­tor, mis­si­o­ná­rio e am­bien­ta­lis­ta. É mem­bro da Uni­ão Bra­si­lei­ra dos Es­cri­to­res, mem­bro da Aca­de­mia Mor­ri­nhen­se de Le­tras, mem­bro da Alcai – Aca­de­mia de Le­tras, Ci­ên­cia e Ar­tes de In­hu­mas, mem­bro da Conbla – Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Le­tras de Ar­tes de São Pau­lo, con­se­lhei­ro da Co­mis­são Go­i­a­na de Fol­clo­re. Foi agra­ci­a­do com Tí­tu­lo Ho­no­rí­fi­co de Ci­da­dão Go­i­a­ni­en­se. Es­cre­ve to­das as quar­tas-fei­ras pa­ra o Diá­rio da Ma­nhã. )

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais